Aula Erros comuns I – Vocativo e Aposto


Por: @


Erros comuns I – Vocativo e Aposto


Escrita por Carter-
Nível: Básico


Olá meus amores, voltei com mais uma aula para vocês. O tema será “Vocativo e Aposto”, prestem muita atenção nos exemplos para maior entendimento, vamos lá!


Vocativo:

Vocativo nada mais é que, um termo isolado de uma oração. Não faz parte do sujeito e nem do predicado.

Ele serve para chamar o interlocutor, ou seja, chama o ouvinte pelo nome, apelido ou característica. É sempre separado por vírgulas, seja no início, meio o ao final da oração.

Exemplos:

Rita, preciso de sua ajuda.
Você se enganou, meu bem, pode vir quente que estou fervendo.
Preciso de sua ajuda, Maria!

Cuidado!
Não confundam sujeito com vocativo.

Exemplo:
Maria, a senhorita poderia me passar aquele copo?
O vocativo é Maria - (Estou falando com a Maria).
O sujeito é a senhorita - (Quem poderia me passar? A senhorita, logo, a senhorita é o sujeito desta frase)

Dicas para não se confundir!
1. Para achar o sujeito, olhe para o verbo e veja em que pessoa ele está conjugado.
2. O vocativo sempre será o ouvinte.



Aposto:
Aposto é o termo que se liga a um substantivo ou pronome. Sua função é esclarecer, especificar, resumir ou enumerar os substantivos ou pronomes.
Em outras palavras, o aposto é o detalhe extra de uma oração. Ele é o termo acessório, aquele que traz uma informação a mais, mas são dispensáveis para o entendimento. E nem sempre são separados entre vírgulas.

Exemplo de Aposto:
Maria, a ruiva mais bela, deixou cair seu lenço.

Veja que “a ruiva mais bela” é uma informação a mais de Maria e não faz diferença retirá-la do texto, logo:

Maria deixou cair seu lenço.

Não ocorreu diferença, não é?!

Classificações dos Apostos


1. Explicativo: Usado para explicar o termo anterior.
Exemplo:
Pedro Alvares Cabral, fidalgo e explorador português, descobriu o Brasil em 22 de abril de 1500.

2. Enumerativo: Usado para enumerar/especificar o termo anterior.
Exemplo:
Rita trouxe os brinquedos: bonecas, carrinhos, jogos e bambolês.

3. Resumidor: Usado para resumir os termos anteriores.
Exemplo:
Bonecas, carrinhos, jogos e bambolês, Rita desta vez trouxe todos os seus brinquedos.

4. Especificador: Usado para especificar e individualizar o substantivo do sentido genérico, sendo o único que dispensa o sinal de pontuação.
Exemplo:
O dramaturgo Willian Shakespeare é o criador das tragédias Romeu e Julieta e Hamlet.

5. Distributivo: Usado para distribuir informações separadamente.
Exemplo:
Rita e Maria são excelentes professoras, Rita em português e Maria em história.

6. Comparativo: Usado para comparar um termo da oração com algo.
Exemplo:
Os olhos dela, tão negros quanto um eclipse, desviaram-se do olhar de Raul.

7. Aposto de oração: Usado quando uma oração apresenta valor apositivo e encontra-se sinteticamente dependente da outra.
Exemplos:
Rita pulou corda o dia todo, sinal de disposição.

Maria caiu da escada e quebrou as pernas, situação que me deixou extremamente preocupada.

Você ainda permaneceu com dúvidas? Deixe um comentário falando sobre ela! Eu estarei respondendo cada dúvida remanescente. Muito obrigada pela sua atenção e espero que vocês tenham gostado. Até a próxima!



Carter-
Beta Reader

Gostou da Aula? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...