Tópico CCCXXXVI Festival Hibernal de Eternnia

356 Respostas

Bubblegoth

Usuário: Bubblegoth
Saleirinho
Administrador do Grupo


Sejam bem-vindos(as) ao trecentésimo trigésimo sexto Festival Hibernal de Eternnia!

A tradição centenária de comemorar a chegada da neve à capital de Eternnia é uma atração que reúne diversos povos de todas as províncias. Durante o festival a cidade fica iluminada por luzes artificias geradas por magia e a praça fica rodeada por tendas com ótima comida e muita música o tempo inteiro durante uma semana.

Aproveite!

Bubblegoth

Usuário: Bubblegoth
Saleirinho
Administrador do Grupo

Lucian van den Berg • Vampiro • Eternnia •


Estou lhe dizendo, é hoje que eu vou conseguir. Depois de uns goles de rum, não há quem resista aos meus charmes por muito tempo — disse Clyde, meu amigo. O mais novo do grupo.

Há! Essa é boa. Se eu não consegui, ninguém consegue, jovem gafanhoto — Dixon pegou no pé dele enquanto eu e os outros ríamos como idiotas.

Decidimos chegar um pouquinho mais cedo para o festival. A praça já estava cheia, o anoitecer ia chegando, deixando as luzes mais bonitas e o lugar mais agradável. Tinha cheiro de comida e de doces, a música ainda estava pouco animada para o horário.

— Vocês só podem estar brincando, não deve ser tão difícil... É a Esmeralda! Céus... Se fosse, eu sei lá, aquela bonitona com aquela penca de irmãos eu entenderia, mas a Esmeralda?

Eu não acredito que você nunca tentou! — Clyde parecia genuinamente chocado e eu não entendi patavina.

— Ew! — Defendi-me. — Me respeitem, por favor.

De qualquer forma, você não ia conseguir — disse Clyde.

Uou! Essa eu não deixava. Se eu fosse você, Luc, honraria minhas calças e mostraria para ele quem manda — Dixon botava lenha na fogueira. Maldito.

— E eu lá preciso provar alguma coisa para vocês, perdedores? Eu fico com quem eu quiser, onde eu quiser e quando eu quiser. E não será aquele anão fofoqueiro.

Tudo bem, não precisava ir tão longe, a gente entende que você não gosta de perder.

Ah, droga... No que eu estava me metendo? Eu não podia deixar aqueles babacas dizerem essas coisas na minha frente e não tomar uma atitude. Eu era um van den Berg, afinal. Mas também não tinha nada a perder e de quebra podia brincar um pouco com Esmeralda e testar meus limites.

— Certo. Aceito o desafio. E digo mais: duas semanas. Mas vocês terão de me pagar um preço bem alto pelo esforço!

E se você não conseguir?

— Essa não é uma possibilidade.

CupkakeBaunilha

Usuário: CupkakeBaunilha
Lady Stark

• Esmeralda Elentiya • Bruxa • Eternnia •

Eu era uma das primeiras pessoas à pisar no Festival, sempre. Porque eu simplesmente amava aquilo. Tanto pela parte "profissional" (toda a Zhaelion se reunia em um único lugar, era simplesmente maravilhoso para conseguir informações) quanto pela parte da diversão. Tanta gente junta, música, comida... Para uma pessoa tão agitada quanto eu era simplesmente incrível!
Sem contar os doces. Minha santa Crystal, os doces eram absurdamente maravilhosos de um jeito que eu mal conseguia me conter!

Estava andando calmamente vendo as barracas sendo formadas e ajudando uma ou outra quando passei por um grupo bastante indesejável. Na verdade, nem tanto assim. Já tinha dado alguns beijos em algum dos garotos que andava com Lucian e depois dispensado quando queriam evoluir as coisas. A decepção deles era quase engraçada. Apenas passei por eles calmamente, seguindo meu caminho.

Bubblegoth

Usuário: Bubblegoth
Saleirinho
Administrador do Grupo

Lucian van den Berg • Vampiro • Eternnia •


Falando no diabo! — Clyde apontou para trás de mim, discretamente.

Eu me virei e senti meu coração gelar como uma criança que é pega com a boca na botija, fiquei branco como um fantasma quando vi Esmeralda passando por nós.

É a sua chance — disse ele.

— O quê? Mas agora? Eu quero aproveitar o festival... Eu tenho... — Não consegui completar minha fala, a cara de cretino dele já me fez ficar irritado demais para aguentar.

Saí de perto, mas não adiantou muito porque minha próxima companhia não era lá das mais agradáveis. Eu imaginava o que minha mãe diria se me visse de papinho com Esmeralda. Não gostaria nada, decerto, mas creio que ela estará ocupada demais com meu pai por perto, xingando a amante dele.

Cheguei por trás da baixinha, cutuquei seu ombro e pigarreei de leve para que notasse minha presença.

CupkakeBaunilha

Usuário: CupkakeBaunilha
Lady Stark

• Esmeralda Elentiya • Bruxa • Eternnia •

— Fabi, eu te devo minha vida. — Falei a ganhar um doce de uma das minhas barraquinhas favoritas.

A mistura de cacau, limão e mel era algo tão impecável nas mãos daquela mulher que eu quase morria toda vez que comia. Eu a conhecia há algum tempo e quando ela me dava doce eu me tornava a pessoa mais feliz que você respeita.

Já ia colocar meu doce na boca quando uma mão tocou meu ombro. Arregalei os olhos e levei um leve susto, me virando de uma vez. Aí rolei os olhos.
Nem todo Festival é perfeito.

— Se é para me atormentar, espera eu comer meu doce em paz.

Bubblegoth

Usuário: Bubblegoth
Saleirinho
Administrador do Grupo

Amelia van den Berg • Vampira • Eternnia •


Vocês fizeram um trabalho excepcionalmente belo este ano — disse meu marido. Eu revirei os olhos.

— Alguém tem que trabalhar nessa família. Se não será você, seus filhos preguiçosos ou sua meretriz, que seja eu — respondi brevemente.

Chegávamos na praça, o centro do nosso festival. Nossa família atraía olhares, mesmo que Lucian já estivesse por aí vagabundando como sempre, eu, meu marido e minha filha cumprimos a tradição de chegar juntos. Cumprimentos, elogios, olhares tortos e murmúrios. Nada com que eu já não estivesse acostumada, mas o aglomerado de cidadãos intensificava as conversas paralelas e também a bajulação.

As crianças não estão se comportando? — perguntou, me dando nos nervos outra vez.

Crianças? — Kiara, minha filha, se intrometeu antes que eu pudesse responder. — Eu me pergunto como você chama ela.

Então apontou para a criatura de cabelos loiros e sorrisinho falso que era Marcela. Quase ri, mas eu tinha uma imagem a zelar. Gordon queria dar uns tapas nela, mas sabe que teria de passar por cima de mim primeiro. Ele me conhecia, não deixava que corrigissem meus filhos quem não estava presente para educá-los.

Isso é inadmissível, Amie — resmungou ele.

— Eu que o diga.

Bubblegoth

Usuário: Bubblegoth
Saleirinho
Administrador do Grupo

Lucian van den Berg • Vampiro • Eternnia •


Eu não tinha planejado um roteiro, nada. Precisava improvisar para não ser suspeito e as chances de darem errado eram tantas... Ah, o Clyde me pagaria tão caro por isso.

— Ei, não precisa rosnar. Eu vim em paz.

Levantei as mãos em sinal de rendição. Depois tomei o doce dela e dei uma pequena mordida, para devolver logo em seguida.

— Ou quase isso — disse rindo. — Mas eu eu queria... Sabe... Me desculpar por ontem.

CupkakeBaunilha

Usuário: CupkakeBaunilha
Lady Stark

• Marcela Dormer • Vampira • Eternnia •

Quando eu era criança, eu adorava o Festival. Era o momento que era mais fácil sair das rédeas dos meus pais e poder agir como uma criança normal. Mas agora, era um martírio. Eu detestava. Isso porque éramos obrigados a ver Amelia, Kiara e Lucian. E eu sentia vergonha, claro que sentia. Mas além da vergonha, havia também o pior. Amelia me detestava — por motivos óbvios — e não escondia isso. O que irritava Gordon e automaticamente me garantia dificuldades para andar e marcas roxas no outro dia e em todos os outros dias seguintes. Em geral, eu sabia como acalmá-lo, até como manipulá-lo, mas a esposa realmente conseguia tirar até mesmo o meu domínio sobre ele ao irritá-lo.

Eu ficava longe da família, tinha vergonha na cara o suficiente. Quando estavam juntos, eu ficava mais distante. Esse era um ótimo momento de paz, um dos únicos, onde eu podia simplesmente visitar as barraquinhas ou brincar com alguns cachorros alheios, como estava fazendo naquele momento a acariciar os pelos do cachorro de um rapaz, mesmo estando ciente do olhar da família ali perto sobre mim.

CupkakeBaunilha

Usuário: CupkakeBaunilha
Lady Stark

• Esmeralda Elentiya • Bruxa • Eternnia •

Olhei para ele com um olhar mortífero quando roubou o meu doce e deu uma mordida me deixando apenas com metade. Juro que eu realmente quis chutar a canela dele, foi uma vontade real e quase incontrolável. E aquele papinho de paz? Será que ele começou a beber?

— Você tem péssimas maneiras de demonstrar paz. — Apontei para o meu doce com um olhar desolado antes de colocá-lo na boca. Parei de falar e até fechei os olhos por alguns instantes para aproveitar o meu momento de sentir o gosto açucarado brincando na minha língua antes de voltar minha atenção para ele. — Desculpar? Ah conta outra Lucian. Ou você está querendo alguma coisa ou já começou a beber demais, se for o segundo caso seja legal e me diga onde está arranjando bebida a essa hora. E se for a primeira opção, seja lá o que for, a resposta é não.

Bubblegoth

Usuário: Bubblegoth
Saleirinho
Administrador do Grupo

Katarina Wyatt • Vampira&Demônio •


Festivais em geral não me atraiam. Eu gostava de silêncio, quietude e discrição. Muita gente junta, era difícil de não ser notada. Mas acabei encontrando um bom lugar para observar e estudar um pouco meu próximo serviço. Era bastante amador e clichê, eu já havia matado dezenas de amantes, de todos os gêneros e raças. Amelia van den Berg queria apenas um pequeno show, se quisesse mesmo aquela mulher morta com urgência, poderia fazer isso sem mim. Eu ainda não conhecia a fulana muito bem, mas ela ganhou minha simpatia ao dar atenção para um canino. Uma pena, pelo menos o cachorro era de outra pessoa.

BÚ! — a voz de Francesca veio por trás. Eu raramente me assustava, estava sempre alerta, mas essa foi uma exceção, minha alma quase saltou para fora do corpo. — O que você está fazendo aqui?

— Você tem sorte que eu conheço sua voz — disse depois de levar uma das mãos ao peito e levantar a barra da minha blusa mostrando a agada. — Vim a trabalho.

Ela estava rindo, eu revirei os olhos.

A trabalho? Mas... Oh... — Francis sabia o que eu fazia. Apenas dei um risinho e balancei a cabeça positivamente. — E quem vai ser dessa vez? Eu tô torcendo para que seja a Amelia.

— Passou longe. Aliás, nem tanto. Mas eu não posso te dizer, você vai ficar sabendo uma hora ou outra.

Ela deu de ombros, olhou para mim com aquela cara de "É bom não ser ninguém que eu gosto". Ah, mal sabe ela. Saiu de perto de mim, não sem antes dar dois tapinhas no meu ombro. Eu continuei sentada, troquei alguns olhares breves com Amelia, ela tinha olhos tão frios que eu conseguia sentir mais do que a geada no pequeno banco onde eu estava sentada.