Tópico [CTN] | Fortalezas dos Nobres

216 Respostas

Bubblegoth

Usuário: Bubblegoth
Saleirinho
Administrador do Grupo


Ao todo são seis Fortalezas dos Nobres. O único distrito que não possui uma é Maris. São construções enormes e muito seguras, há gente da guarda espalhados por todo o entorno delas, por dentro e por fora.

*Especificar em qual distrito seu personagem se encontra no início de cada post.

Bubblegoth

Usuário: Bubblegoth
Saleirinho
Administrador do Grupo

Amelia van den Berg • Vampira • Eternnia •


A prisioneira está a caminho, vossa Alteza — um dos guardas anunciou.

Eu aguardava sentada, pacientemente — até porque eu tinha todo o tempo do mundo. A informação era de que uma das prisioneiras tinha ligação com um dos suspeito de ser líder da Resistência e estavam trazendo-na até mim para um pequeno interrogatório, a minha maneira, é claro. Pediram-me discrição, sem revelar demais. Meu favorito.

— Quando chegar, peçam que entrem — disse sem tirar os olhos dos documentos que eu tinha na minha mesa.

Registros, datas... Burocracia.

Lilly02

Usuário: Lilly02
Perdida


Anelise Stark//Lobo

Quando a cela se abriu naquela manhã e fui arrastada para fora dela, imaginei que me levariam novamente para a arena ou as masmorras, mas não foi o que aconteceu.
Ao invés disso me dirigiram a um cômodo pequeno e vázio, apenas com uma bacia de água fria, uma esponja e roupas limpas, achei estranho. Porque me dariam a oportunidade de um banho? No começo me recusei, mas depois acabei aceitando a idéia.

Tudo ficou claro, quando me levaram pelos corredores até os andares superiores, estávamos em uma fortaleza, na fortaleza dos nobres. Odiava cada centímetro daquele lugar.
Depois de subirmos um longo lance de escadas, fui conduzida até a porta de uma sala. Eles bateram antes que fosse anunciada minha entrada. Pensei em fazer algo quando vi a mulher de cabelos louros parada a minha frente, mas apenas fiquei imóvel, observando seus traços que me causavam tanta repulsa.

Bubblegoth

Usuário: Bubblegoth
Saleirinho
Administrador do Grupo

Amelia van den Berg • Vampira •


Uns minutos depois as portas se abriram. Guardas das masmorras entraram trazendo a prisioneira. Uma lupina de cabelos castanhos, aparência franzina, possivelmente pelo tempo de cárcere. Ao menos estava limpa. Mas aquele cheiro de cachorro deixaria minha sala impregnada por semanas.

— Podem soltá-la — ordenei. Meus empregados me olharam confusos. — Vocês ouviram o que eu disse — reafirmei, com a voz o tom de voz mais grave.

Ela pode ser perigosa, Alteza, nós não...

— Não é mais perigosa para mim do que somos para ela. Agora cumpram a ordem.

Demorou uns segundos, mas finalmente a soltaram. Foram se afastando devagar, sem abaixar a guarda, mantiveram-se em posição de ataque. Eu, por outro lado, aproximei-me da moça e toquei seu ombro com cautela e brandura.

— Anelise, não é? — perguntei, olhando nos olhos dela. — Vamos dar um passeio.

Soei calma, sem um pingo sequer de autoridade. Ainda com a mão em seu ombro, fui guiando ela até o outro lado da minha sala, onde abri uma porta que dava para meu jardim de inverno. Era enorme, repleto de flores, vitrais deixavam a luz entrar e o teto era abobadado, também em vidro. Os guardas no seguiram até a porta, olhei para eles discretamente, como um comando para que ficassem alerta.

— Você quer comer alguma coisa?

Lilly02

Usuário: Lilly02
Perdida


Anelise Stark//Loba

Aquilo tudo era muito, muito estranho. Porque tinham me levado até ali? Porque tinham me soltado, O QUE queriam de mim? Quando meu nome foi mencionado, senti um arrepio, há anos não o ouvia diretamente, era estranho, apenas assenti.

Em seguida ela me conduziu a um jardim, o lugar era belo, a claridade era levemente ofuscante devido ao tempo acostumada com a escuridão da cela. Precisava manter a calma, aquilo só podia ser parte de algum experimento. Quando ela fez a pergunta sobre a comida, quase soltei um riso, mas me contive.

Fazia um bom tempo que não comia direito, meu estomago roncava só de pensar nas possibilidades, porém, isso poderia ser uma armadilha... Não podia arriscar.

- Não, obrigada. - Respondi apenas.

Bubblegoth

Usuário: Bubblegoth
Saleirinho
Administrador do Grupo

Amelia van den Berg • Vampira •


— Tem certeza? Nossa cozinheira pode trazer qualquer coisa que você quiser.

Ela provavelmente estava desconfiada, não era burra. Mas pelo menos tinha educação.

— Pedi que a trouxessem aqui para que pudéssemos conversar um pouco. Eu tenho algumas perguntas. Não há necessidade em se preocupar.

Bem, se ela colaborasse, não haveria mesmo. Meu tempo era precioso demais. E estava correndo.

— Meu nome é Amelia van den Berg, caso não saiba. Você deve estar curiosa, então vamos desfazer o mistério: conheceu um homem chamado Konan Stark?

Lilly02

Usuário: Lilly02
Perdida


Anelise Stark//Loba

Escutava com atenção as palavras dela.

- Eu realmente estou bem, muito obrigada - Disse quando ela perguntou novamente sobre a comida. Assim que o nome de Konan foi mencionado, novamente aquele arrepio passou pelo meu corpo, achei que ia desmaiar. Konan? Como sabiam o nome dele? Ele estava vivo? Estava bem?
Fiquei petrificada por alguns instantes, mas então finalmente as palavras pularam para fora da minha boca.
- Ah, sim, ele era... É meu marido - Respondi, engolindo em seco.

Bubblegoth

Usuário: Bubblegoth
Saleirinho
Administrador do Grupo

Amelia van den Berg • Vampira •


Marido... Bem, já era uma informação adicional. Não sabíamos exatamente qual era a relação dos dois. Os vampiros responsáveis pelo ataque não souberam responder.

— Entendo! E o que aconteceu com ele? Consegue se lembrar?

Minha voz ainda estava calma, um tanto complacente. Eu espera mantê-la assim. Não podia revelar demais e com o pouco que sabíamos seria desafiador conseguir alguma pista que nos levasse até a Resistência.

Lilly02

Usuário: Lilly02
Perdida


Anelise Stark // Loba

Suspirei e tentei organizar as ideias na mente. Primeiro, porque se interessavam tanto por Konan? O que havia acontecido com ele? Havia muito tempo que o tinha visto. Precisava responde-los, mas tinha medo do que isso poderia causar.

- Na realidade... A ultima vez que o vi foi antes de minha captura, vivíamos em um vale com outros Lobos, não éramos uma alcateia, mas, nos ajudávamos... - Respondi - Fui atacada quando eles estavam longe, tinha saído para caçar, sempre fiz a mesma trilha todos os dias, então, não achava que tinha algum perigo... Konan viu quando me capturaram, mas, foi esperto o bastante pra se esconder... - Disse, enquanto encarava a Vampira a minha frente - Ele poderia ter me ajudado, mas, sabia que não conseguiria... Precisava ficar vivo para me achar. - As palavras saíam com certa dificuldade.
Preferi não mencionar a existência de Selena.
- Poderia saber, porque estou aqui?

Bubblegoth

Usuário: Bubblegoth
Saleirinho
Administrador do Grupo

Amelia van den Berg • Vampira •


— Então você acha que ele pode estar vivo?

Por mais que tivéssemos nossas evidências, tínhamos que considerar a possibilidade de termos nos enganado. Mas as evidências de que estávamos atrás do cara certo eram cada vez mais claras.

— Eu também perdi alguém, Anelise. No meio desse caos, minha filha mais velha desapareceu e eu só quero encontrá-la. Alguns relatos e registros indicam que há alguma conexão entre ela e o paradeiro do seu marido. Se você colaborar será vantajoso para nós duas. Você quer sua liberdade e seu marido, eu quero a minha filha.

Toquei na mão dela brevemente, sem desviar o olhar dos olhos dela.

— Você mencionou que viviam num vale com outros lobos. Sabe se ele conhecia alguém de fora? Amigos, contatos... Qualquer pessoa que ele pudesse contactar em caso de emergência?