História - 10 - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Anorexia, Kaisoo, Sookai
Visualizações 24
Palavras 1.293
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, LGBT, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Capítulo com conteúdo pesado, para pessoas sensíveis não é recomendado!

Tudo que acontecer nesse capítulo é
errado, não repitam.

Capítulo 5 - Five


Esses dias não tinham sido como imaginei. Mas só se passaram dois dias dos sete que eu ficaria aqui, tudo poderia mudar certo?

Suho Hyung já tinha ligado pra mim, dizendo que eu deveria ter avisado a ele e que não deveria ter saído sozinho, já que acabei deixando todos preocupado. Me senti mal na hora, mas eu realmente não podia ter avisado, eles não me permitiram sair.

 Na hora em que ele ia começar a falar em respeito que eu não deveria estar com o Tao, parece que o mesmo pode suprir seus pensamentos pegando o celular da minha mão levando até o seu próprio auditivo, falando apenas uma frase antes de desligar. "Ele está de férias Suho, você não pode dizer o que ele tem ou não tem que fazer, aliás nem mandar nele você manda".

Fiquei chocado com aquilo óbvio, nunca imaginei que Tao fosse agir dessa forma.

– Não pode deixar que eles te governem JongIn, eles te prendem de muitas coisas sabia? – Tao disse aparentemente chateado, me entregando o celular em seguida – Descobri isso depois que sai, mesmo não tendo toda a liberdade do mundo pra fazer tudo ainda, porque querendo ou não eu ainda estou na mídia, ela já aumenta bastante... Não estou falando pra você sair do grupo, muito pelo contrário, sei como você gosta de estar lá só – suspirou – não deixe que isso o prenda de viver.

Então me peguei pensando em tudo que ele disse. Bom, por parte era verdade. A partir do momento em que você escolhe ser reconhecido, você escolhe deixar muitas coisas de lado. Mas eu já estava acostumado com isso, a única coisa que eu não conseguia me acostumar nunca, é a pressão, principalmente nesses últimos dias. Sempre me demonstrei muito normal e acostumado a isso com todos. Porque era assim que querem que façamos. "Não se demonstre tão fraco e insuficiente na frente das fãs, muito menos mídia", esse mesmo argumento era ultilizado várias e várias vezes com várias e várias pessoas em várias situações.

– Bom JongIn, eu vou ter que sair pra resolver algumas coisas... Prometo não demorar tanto – pegou suas coisas que estavam em cima de uma mesa de madeira – Quando eu chegar nós podemos sair, encontrar pessoas, beber, faz tempo que não faz isso né? – com passos lentos foi se afastando aos poucos – Comporte-se JongIn – disse antes de fechar a porta e sair.

– Eu não sou criança – me joguei no sofá, de braços cruzados e bico nos lábios.

(...)

Tédio.

No momento eu continuo jogado no sofá, com uma posição não muito confortável, olhando para o teto pensando no que podia fazer.

Olhando na galeria do meu celular, acabei achando umas que eu tinha recém fotografado. Então resolvi postar.

Sempre que podia adorava atualizar minhas redes sociais. Gostava de mostrar as pessoas que eu estava bem.

(...)

A minha felicidade por receber elogios era sempre passageira. Após postar aquelas fotos ler alguns dos comentáriosa sensação era ótima, eu me sentia bem por alguns minutos. Mas como nem tudo que é bom dura para sempre sempre chegava aqueles que me destruíam, aqueles que me faziam duvidar de todos elogios que antes recebi.

Por que tenho que ser tão insuficiente?

Sei que nunca agradamos a todos, mas eu sempre fiz de tudo para que isso acontecesse, e quando não acontecia me sentia inútil, por nem isso conseguir fazer corretamente.

Levantei do sofá deixando meu celular largado por lá mesmo, indo até algum lugar onde pudesse encontrar algum espelho. O que não era difícil. Nunca vi alguém se amar  tanto quanto ZiTao, todo o lugar onde você olhava, encontrava algo refletido a você.

Achei que o banheiro fosse o melhor lugar onde eu podia fazer tal coisa. Lá eu teria a certeza que ninguém poderia me observar ou coisa do tipo. Mesmo que eu estivesse sozinho naquela casa enorme, não dava pra se sentir confiante em qualquer lugar.

Alguns passos – que não foram contados – foram o suficiente para que eu pudesse entrar no toalete.

De cabeça baixa dando alguns suspiros, eu pude procurar a coragem. A coragem que eu não tinha para conseguir me admirar naquele vidro refletor.

Com um suspiro um pouco mais pesado, eu pude sentir a tenção se espalhando pelo local.

O ato de levantar a cabeça foi rápido, poderia até considera-lo involuntário, mas eu sabia que minha mente estava planejando aquilo a algum tempo, eu tinha que ver o resultado. O resultado de tudo que eu tinha arriscado e completado até agora.

Sim, eu não tinha visto meu corpo com precisão ainda. Eu tive medo, medo de não ser o suficiente acabar me tornando valetudinário com isso.

Sempre tive orgulho do meu corpo. Minha pele morena, meio dourada quando tínhamos a presença da luz. Era algo que eu sempre tive o prazer de preservar, mesmo que fosse algo que muitos não gostavam.

Meu coração parou, quando eu pude perceber que eu estava um pouco mais pálido que o normal, e que meu brilho não estava aparente.

Por um momento, eu desci o meu olhar para o meu abdômen, e para facilitar eu já tinha tirado a blusa.

Pela primeira vez, pude confirmar tudo. Eu realmente tinha emagrecido demais e isso era muito mais visível do que imaginei. Os ossos da minha costela estavam bem aparentes, até mais do que eu gostaria. Davam também para ver oito marcações de gomos em meu abdômen, representando todas as horas que eu fiquei dentro de uma academia.

Suspirei, ao pensar em quanto eu tinha errado ultimamente. Meus amigos de grupo estavam certos ao se preocupar comigo. Como eu pude ter sido tão egoísta?

Mas não, esse pensamento não durou muito tempo. A culpa, a culpa voltou a minha cabeça.

"A torta de morango que você comeu ,JongIn? Sabe o quanto de calorias aquilo deveria ter?"

Me sentia desconfortável ao pensar nisso, me sentia pior ainda quando eu lembrava do que eu teria que fazer pra que isso acabasse.

"Botar tudo pra fora sempre foi a solução? Não vai ser agora que não vai ser, então faça. Dúvido que eles estão preocupadas com você agora, então JongIn apenas faça"

Agarrei a minha camisa que estava jogada no chão, e a vesti. Queria acabar logo com isso, faltava exatamente um quilo para que eu conseguisse.

Respirando fundo eu procurava a minha coragem.

Chegando perto ao sanitário, eu botaria tudo pra fora. Por que esse é o certo não é? Sempre foi.

Era fácil fazer quando você já estava acostumado, a pressão dos meus dedos contra minha garganta já foi mais agonizante. Agora a sensação era normal, e eu me sentia horrível por me sentir assim. Eu não queria que nada disso fosse considerando normal pelo meu própria corpo.

A quantidade de alimentos que eu tinha retido era pouca, diferente da quantidade de lágrimas que escorriam pelos meus olhos. Então eu repetia o processo, várias e várias vezes. Ter a sensação da sua própria garganta queimando como o inferno era horrível, mas passava, e eu já sabia disso então era só esperar.

Nunca tinha sentido meu corpo tão leve. É claro, a fraqueza sempre chegava em determinado momento, mas não, essa era diferente, eu me sentia realmente muito mais fraco que o normal. Eu não tive a mínima força para conseguir me erguer. Por mais que eu tentasse, as minhas mãos apoiadas no chão gelado só tremiam frequentemente, não me dando o sustento que precisava.

Ouvi meu nome sendo gritado, mas minha garganta ardia o suficiente para me empedir de responder, e mesmo que eu quisesse, nem pra isso eu tinha forças.

Meus olhos pesaram. Deus, nunca me senti tão cansado assim.

Eu queria levantar, juro, mas não dava, nunca tinha me sentido tão péssimo.

Minha visão era turva, minha cabeça doía como nunca. Eu só sentia pontadas, vindas com um sentimento bom.

"Parabéns JongIn, você conseguiu."

E a última coisa que eu conseguir perceber foi alguém entrando desesperamente no lugar onde eu estava, se aproximando de mim rapidamente.


Notas Finais


Primeiro capítulo em primeira pessoa, e aí o que acharam?

Queria deixar bem claro que isso é algo realmente muito preocupantes, então caso sinta alguns desses sintomas recomendo que peça ajuda a alguém que você tenha confiança.

Comentem o que acharam, beijinhos e até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...