História .: Ai Nante :. - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Kanjani8, NEWS
Personagens Nishikido Ryo, Tegoshi Yuya, Tomohisa Yamashita
Visualizações 11
Palavras 858
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura!

Capítulo 1 - Iniciativa.


Yuya se encolheu ao sentir o outro colocando algum tipo de medicamento sobre o seu ferimento. O loiro mantinha seu olhar direcionado às mãos do mais velho. Ele tentava não ter um contato visual direto com Tomohisa, não queria falar sobre o que seu namorado havia feito, mesmo sabendo que uma hora teria de fazê-lo.

 – Você ainda sente dor? – Tomo perguntou assim que terminou o curativo.

O menor evitou dizer, apenas negando com a fronte. Tomohisa assentiu, preparando-se para levantar, porém o garoto o impediu, segurando a mão alheia.

Eu não quero ficar sozinho. – disse baixo, quase em um sussurro.

O moreno assentiu e se sentou ao lado dele, que foi se deitando lentamente e acomodando a cabeça sobre as coxas firmes do mais velho. Estando naquela posição, era quase impossível não trocassem olhares, mas o jovem Tegoshi insistia em tentar desviar seu olhar para cantos aleatórios do quarto.

Yamashita Tomohisa tinha 27 anos e era professor de história no Colégio Kitagawa, onde carinhosamente foi apelidado de Yamapi. Tegoshi Yuya tinha 16 anos e apenas era um estudante do 2º ano no Colégio Kitagawa.

Tomohisa era um tanto frio, principalmente em local de trabalho. Não sabia o que aquele garoto tinha de tão especial para deixa-lo preocupado daquela forma. O ver sentado em uma calçada perto do colégio, chorando e machucado, fez com que repentinamente resolvesse o enfiar em seu carro e trazer para sua casa. Era a primeira vez que o trazia para dentro de sua casa. Na verdade, era a primeira vez que o via fora da escola.

Depois de tanto tentar evitar, olhou fixamente para o mais velho e sentiu-se relaxar um pouco. Ele não estava bravo com Tegoshi.

Vendo que o menor o olhava fixamente, esboçou um pequeno sorriso.

Então... Não vai mesmo me dizer o que aconteceu? – perguntou novamente, aquela conversa quase aconteceu no carro de Tomohisa, mas Yuya preferiu ficar em silêncio.

Não sei se devo... Pra que te envolver nos meus problemas? – pela primeira vez, o moreno recebeu uma resposta decente.

Tegoshi-san, se te trouxe até aqui, é porque quero ajudar. – já se faziam bons meses que não dava aulas para Yuya, mas ainda se lembrava do seu nome.

Não é tão fácil assim... – voltou a se sentar na cama, olhando para as próprias mãos.

O loiro pensou bastante antes de dizer o que havia acontecido. Disse que era uma longa história e para entender aquilo, teria de explicar desde o começo. Yamashita apenas assentiu, aceitando ouvir toda a confusão da vida de Tegoshi.

Bom... Eu morava sozinho desde os 13 anos, quando perdi meus pais. Até tentaram me fazer viver com outras pessoas, mas eu dei um jeito de morar sozinho. Fiquei bem assim durante um bom tempo, até Ryo resolver morar comigo. – suspirou, dando uma pequena pausa. Parecia pensar no que dizer. – Tudo vai bem, tirando o fato de que ele insiste em querer ditar regras. Toda vez que eu digo algo que o incomoda, acabo sendo injustamente punido. A casa é minha e ele insiste em fazer o que quer. Até mesmo, trazer garotas sem a minha permissão...

Enquanto o garoto dizia, Yamapi percebia que o olhar do menino se tornava mais triste a cada palavra pronunciada.

Dessa vez eu fiz um pedido simples. Só queria que ele passasse a ver nosso relacionamento como algo sério. Não estava mais aguentando ter que o dividir com todas as vadias que ele insistia em levar pra cama. Foi com isso que recebi mais dor, tanto física como emocional... Ele disse tanta coisa... Não quero ter que repetir.

Tomohisa apenas assentiu e levou uma de suas mãos até os fios descoloridos do garoto, passando a afaga-los levemente. O jovem fechou os olhos ao sentir o carinho, mas assim que escutou a voz alheia, os abriu para encara-lo.

O que pretende fazer? Vocês moram juntos, querendo ou não, uma hora vai ter que enfrentar isso.

Muitas vezes, eu pensei em colocá-lo para fora, mas não seria fácil... Ele não aceitaria. Não sei o que fazer...

Por alguns segundos, o professor se perguntou o motivo de querer se envolver tanto naquilo. Não era do tipo que se interessava na vida alheia – apenas tentava manter a sua em ordem, mas trazer aquele garoto para a sua vida tinha sido o mesmo que procurar por desordem.

Poderia dizer para o garoto ficar ali durante algum tempo, mas ele não tinha nada, a não ser as roupas que estava vestindo.

Como se adivinhasse toda a confusão da cabeça de Yamashita, o loiro foi se levantando da cama.

Eu não devo te envolver nisso, é melhor que eu cuide de tudo sozinho.

O professor o encarou confuso, também se levantando.

Não sei o que pretende fazer, mas... Acho que deveria esperar as coisas esfriarem um pouco. Não tome decisões precipitadas. – disse, parecendo pensar no que completaria o que estava dizendo e antes que Yuya o respondesse, continuou. – Eu tenho um sobrinho. Ele deixou algumas roupas aqui, se quiser passar algum tempo aqui.

Você... Tem certeza disso? – perguntou, olhando algum ponto fixo no chão.

Tenho. –Tomohisa sorriu, deixando o garoto sozinho no quarto para pensar sobre o assunto.


Notas Finais


Gente, eu nem sei porque postei isso... Não me lembro quando escrevi essa história e ela simplesmente não tem continuação! Só fiz um capítulo e outras linhas avulsas... GOD, HELP ME.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...