História . BiTCHES BREAK HEARTS - Capítulo 15


Escrita por: , bitch___ e __MOON__-

Postado
Categorias Bang Yong Gook, Bangtan Boys (BTS), CL (Chaelin Lee), EXO, G-Dragon, Monsta X, Neo Culture Technology (NCT), Pentagon (PTG), Red Velvet, TWICE
Personagens Bang Yong Gook, Chanyeol, E'Dawn, Haechan, Irene, Jaehyun, Jaemin, Jeno, Jihyo, Johnny, Joy, Jungwoo, Kai, Kim Taehyung (V), Lee Chaelin "CL", Lucas, Mark, Momo, Nayeon, Personagens Originais, Seulgi, Taeil, Taeyong, Ten, Wendy, Xiumin, Yeri, Yuta
Visualizações 218
Palavras 2.160
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Lemon, LGBT, Lírica, Luta, Romance e Novela, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


voltamoooos
peço desculpas por ter demorado tanto pra atualizar, estávamos com problemas, mas já resolvemos.

Capítulo 15 - Sem ódio, o coração é bom.


Fanfic / Fanfiction . BiTCHES BREAK HEARTS - Capítulo 15 - Sem ódio, o coração é bom.

Seulgi ouve seu celular tocar, o pega no bolso de trás do Jean's e vê a foto de Woosung na tela do aparelho. Solta um suspiro pesado e atende.

– Oi, onde você está? – Woosung pergunta.

– Ah... – solta um suspiro e passa a mão pelo cabelo.

– Te liguei várias vezes. Oque está acontecendo? Precisamos conversar.

– Eu... Está em casa?

– Sim.

– Estou indo aí. – diz e em seguida encerra a ligação.


Woosung levanta-se do sofá assim que ouve a campanhia tocar, abre a porta e solta um suspiro pesado ao ver Seulgi. 

– Vamos subir. – o rapaz diz baixo e os dois caminham em direção a escada. 

Caminham pelo corredor em direção ao quarto de Woosung, o rapaz abre a porta e os dois entram no cômodo. Após fechar a porta, Woosung passa a mão pela nuca, solta um suspiro pesado e olha sério para Seulgi, ela passa a língua pelos lábios e senta-se na cama. 

– Me diz... – caminha até a cadeira em frente a sua escrivaninha e senta-se – Por que beijou o Taeyong? 

– Coisa do momento. – suspira e engoli seco – A culpa não é só dele, a atitude não veio apenas dele. Foi uma atitude dos dois. – diz séria. 

Woosung passa a mão pelo rosto, senti uma vontade inevitável de chorar, engoli seco e respira fundo, segurando ao máximo suas lágrimas. 

– Você... E o nosso relacionamento, Seulgi? Você não pensa nas consequências das suas atitudes? 

– Não. – diz sem pensar e se arrepende ao ver a expressão decepcionada do rapaz – Olha, me desculpe. – levante-se, caminha devagar até o rapaz e leva suas mãos até seu rosto - Desculpa? - Woosung tira as mãos de Seulgi de seu rosto e se levanta. 

– Sabe quantas piadinhas eu tive que ouvir por causa dessa sua atitude? – pergunta em tom retórico e Seulgi engoli seco – Eu gosto muito de você, de verdade. Mas sinto que você não sente o mesmo, não é recíproco. – diz sério encarando a menor. 

– Woosung, você vai me desculpar, ou não? – olha séria para o rapaz, ele ri baixo e nega com a cabeça. 

– Fugindo do assunto. – diz baixo e solta um suspiro leve. 

Seulgi aproxima-se do rapaz com um sorriso de canto, ele dá alguns passos para trás ficando próximo a parede. 

– Tem certeza... – o rapaz encosta na parede e Seulgi deixa seus corpos próximos – Que não vai me desculpar? – deixa alguns beijos no pescoço do rapaz enquanto leva suas mãos até a barra de sua camisa. 

Woosung solta um suspiro pesado, ele não consegue resistir à Seulgi, o rapaz leva sua mãos até a cintura da garota e dá alguns passos para frente. 

– Você não presta. – diz baixo e deixar um selar nos lábios da garota, em seguida tira sua camisa. 

O rapaz pega Seulgi no colo, fazendo ela entrelaçar suas pernas em sua cintura. 

– E você gosta. – diz baixo e sorrindo, e ele sela seus lábios. 


[...] 


Taeyong, Lucas e Ten estão a algumas horas em uma praça no centro; Ten e Lucas sentados no chão em frente ao banco de madeira em que Taeyong está deitado olhando fixo para o céu estrelado. 

– E o namoro, como está? – o loiro pergunta e leva sua lata de refrigerante até os lábios e bebe um gole, Chittaphon dá um sorriso ao lembrar de seu namorado. 

– Ah... – solta um suspiro aliviado e sorri largo – Está ótimo. – olha para o rapaz ao seu lado e ele sorri. 

– Fico feliz com isso. – diz sorrindo, direciona seu olhar a Taeyong e fica sério – Taeyong?

– Fala. – diz baixo e sem ânimo algum. 

– Se você estiver pensando na Kang, eu enfio essa latinha na sua garganta. – diz sério e Lucas ri baixo, Taeyong o olha e franzi as sobrancelhas. 

– Agressivo. – diz em um tom baixo e em seguida ri. 

– Não ri, não. Eu estou falando sério. – diz sério, mas logo ri – É sério, não perca seu tempo. 

– Não estou pensando só em Seulgi. 

– Ah, então quer dizer que está pensado nela? – o mais alto pergunta em tom retórico e ri, Taeyong suspira e o olha. 

– Chanyeol e Taeil estão metidos com drogas de novo, não é? – Lucas pigarreia limpando a garganta e fica sério; Taeyong o olha desconfiado. 

– Sim. Chanyeol, Taeil, Momo e Jaehyun, os novos traficantes de Seoul. – diz sério e balança a cabeça negativamente. 

– Jaehyun? – pergunta sem acreditar no que acabou de ouvir – Ele não aprende. – diz em um tom decepcionado e suspira. 

Lucas e Ten se olham, o moreno discorda com a cabeça e abaixa o olhar. Yuk respira fundo, os dois viram Chaeyoung com Chanyeol na festa e precisam contar para Taeyong. 

– Tyong... 

– Não conta. – olha sério para o loiro. 

– Sabe que a Chaeyoung está com o Chanyeol, não é? – Taeyong sentiu o ódio subir e olhou surpreso para o rapaz. 

– Como é que é? – senta-se rápido no banco – Como assim? 

– Vimos eles juntos na festa, há semanas eles estão bem próximos. 

Taeyong puxa o máximo de ar que consegue para seus pulmões, conta mentalmente até três e solta o ar. 

– Eu vou matar aquele desgraçado. – esbraveja, Lucas e Ten se olham novamente. 

Ten engoli seco e Lucas dá de ombros. 



Taeyong ficou perturbado com a notícia de que sua irmã está se relacionando com Chanyeol; uns dos garotos mais babaca que ele conhece. E a primeira coisa que ele fez ao chegar em casa foi ir direto ao quarto de sua irmã. O rapaz bate na porta algumas vezes, meio impaciente e torcendo mentalmente para não perder sua abençoada paciência. Depois de perceber que Taeyong não iria desistir de bater na porta, Chaeyoung levanta-se de sua cama, caminha até a porta e abre. 

– Ah, finalmente... – diz e em seguida entra no cômodo, indo direto para a poltrona ao lado da penteadeira. 

– Oque quer? – fecha a porta e vira-se na direção de seu irmão – Está tarde, amanhã temos aula. 

– Pois é, mas eu preciso ter uma conversa séria com você. – cruza os braços e encara a mais nova; ela engoli seco e caminha até sua cama. 

– Sobre? – senta-se na cama e olha para Taeyong. 

– Você e Chanyeol... – diz em um tom baixo – Qual é a de vocês? Estão juntos? – questiona sério e impaciente, sua irmã ri forçado e nega com a cabeça. 

– Não é da sua conta. – diz séria, Taeyong a olha feio e assenti. 

– Ok. – apoia seus cotovelos em sua coxas – Sabe os boatos? Todos os eles, não são mentirinhas bobas, são verdades. – diz de uma forma grosseira e levanta-se – Então, se for sensata e inteligente, vai ficar longe dele. – diz sério e em seguida sai do quarto. 

Taeyong desce a escada e vai direto para a cozinha, ao chegar no cômodo, ele caminha até a geladeira e abre a mesma. Pega duas garrafas de Soju e fecha a porta, ao virar-se para trás vê uma das empregadas da casa.

– Ah, olha só... Você. – olha a mulher de cima a baixo e nega com a cabeça - Como consegue se relacionar com o ChungHo? – franzi o cenho ao olhar no rosto da mulher.

– Dá mesma forma que você se relaciona com a Seulgi. – Taeyong ri baixo e concorda com a cabeça enquanto caminha até a moça.

– Acho que seu trabalho é cuidar da casa, e não da minha vida. – sorri fechado e sai do cômodo.

Taeyong sobe a escada e vai para seu quarto.


Taeyong On 


Chanyeol, Taeil, Jaehyun e até a Momo estão envolvidos com drogas. Não me surpreendo em ver Chanyeol e Taeil mexendo com esse tipo de coisa, mas Jaehyun e Momo...

Há algo de errado nisso, Momo não iria fazer isso por livre e espontânea vontade, Jaehyun talvez sim. Eu conheço aquela japonesa como ninguém, e vou descobrir o porquê dela estar metida com isso.

Mais uma preocupação, como se já não bastasse saber que Chaeyoung está tendo algo com Chanyeol; eu sempre apoiei minha irmã, mas dessa vez, não tem como. Chanyeol não vale nada e todos sabem disso, mas simplesmente fingem que sabem de nada.

E ainda tem a Seulgi...

Outra coisa que não sai da minha cabeça por nada, isso me tira do sério. Seulgi me tira do sério, tira toda minha paz e mesmo com tudo isso, eu não consigo odiar ela. 

É, eu sou um idiota. 


ON


Taeyong tem certeza que nunca vai entender o motivo de não conseguir odiar Seulgi, como ela acha que deveria. Ele tem mágoas, mas não chega a ter ódio. Isso sempre o faz lembrar, do dia em que Seulgi disse que seu coração é bom e que isso é a coisa que ela mais admira em si. 

O rapaz de cabelos vermelhos está sentado na janela, olhando para as estrelas com uma garrafa de soju na mão. Ele está quieto, mas sua mente está agitada. Se odiando por não conseguir tirar Seulgi de sua mente, sua vontade é de ir correndo para o apartamento da garota, exclerecer tudo entre eles e o que ele mais deseja, desde que a reencontrou: beijá-la. Mas não um simples beijo, como da última vez, que deixou sua vida ainda mais perturbada e confusa.


Dia seguinte...


Meio dia em ponto e Taeyong estava abrindo os olhos, não foi para o colégio, ainda está pertubado e quer manter distância de tudo no momento. Lucas e Chittaphon o ligaram algumas vezes, sabem que seu amigo só falta quando é algo sério. Depois de alguns minutos, Taeyong criou coragem para levantar, havia decidido oque iria fazer hoje, em plena segunda-feira. Tomou um banho rápido e frio, o dia estava ensolarado e ele iria aproveitar da melhor maneira. Depois terminar o banho e vestir-se – com suas roupas pretas, que já são uma marca sua – ela sai apressado do quarto, desce a escada e vai em direção a porta. Sem dizer uma palavra a sua mãe.


O rapaz foi para hongdae, na casa de Jaehyun para ser mais específico, além de precisar ter uma conversa sério com seu amigo, ele precisa de uns favores. Taeyong entra sem bater na porta e nem sequer avisou que iria vê-lo, Jaehyun está acostumado com essa atitude.

– Jaehyun, seu puto! – diz alto enquanto fecha a porta.

– Sobe! – Jaehyun grita do andar de cima, Taeyong sobe as escadas e vai em direção ao quarto do rapaz, ao entrar ele vê Jaehyun apenas com uma toalha em volta da cintura. 

– Porra, Jaehyun. – diz baixo e vira-se na direção da porta ficando de costas para o mais velho.

– Oque você quer? – questiona enquanto se veste.

– Primeiramente, que você vista-se...

– Pronto. – Taeyong solta um suspiro aliviado e vira-se novamente para o homem – E aí? Oque mais?

– Voltou a vender drogas? – pergunta sério e Jaehyun revira os olhos.

- Sim... E sua namoradinha está me ajudando. – sorri cínico e Taeyong franzi o cenho.

– O quê? – a primeira pessoa que veio em sua mente, foi Seulgi.

– Seulgi tem uma divida comigo e precisa pagar. – responde simples e dá de ombros.

– Jaehyun...

– Relaxa, não vou machucar ela.

– E a Momo? – cruza os braços e encara o mais velho.

– Está trabalhando comigo porque quer. – aproxima-se do rapaz – Mas, você não veio aqui só pra isso, não é? – sorri de canto, já imaginando oque seu amigo quer.



Havia acabado de tocar o último sinal, Seulgi levanta-se e sai da sala sem pressa; Chanyeol estava a esperando ao lado de fora. A garota tentou o ignorar, mas ele segurou seu pulso. 

– Espera. – diz baixo e Seulgi dá dois passos para trás, ficando mais próxima do rapaz. 

– Oque foi? – pergunta visivelmente irritada. 

– Jaehyun tem umas coisas para você. – diz baixo e Seulgi nega com a cabeça. 

– Lá fora. – diz e afasta-se do rapaz. 


Seulgi sabe que se continuar com isso, vai se arrepender, mas sabe que não pode simplesmente deixar Jaehyun na mão; ele pode fazer oque bem entender, a hora que quiser, ele tem Seulgi em suas mãos e não há nada que ela possa fazer. 

Hoje, a professora de sociologia, chamou Seulgi para participar de um projeto Feminista no colégio e em outros colégios de Seul. A mulher notou a presença e força que Seulgi tem em relação ao Feminismo e não poderia deixá-la de lado nessa luta; e é claro, Seulgi aceitou a proposta. 

Assim que coloca os pés para fora da escola, Jungwoo corre até Seulgi, com más notícias, mas que para Seulgi seriam ótimas. 

– Kang! – diz alto, Seulgi olha para o lado e vê o rapaz se aproximando – Péssimas notícias, mas você vai adorar. 

– O quê? – pergunta com um sorriso de canto. 

– O treinador foi expulso... – um sorriso enorme se fez nos lábios da garota – Essa semana não terá treino e os rapazes ouviram dizer que, teremos uma treinadora. – sorri fechado e Seulgi suspira aliviada. 

– Que ótimo. 

O sorriso de Seulgi se desfaz, ao ver Chanyeol a encarando no outro lado da rua; Jungwoo olha em volta e vê o rapaz, em seguida olha disconfiado para Seulgi. 

– Seulgi... 

– Até amanhã, uwu. – diz e se afasta rápido. 

Atravessa a rua, aproxima-se de Chanyeol e pega uma pequena caixa escura de sua mão, sem dizer nada e apenas continua caminhando. Jungwoo olhou atento para os dois e notou que há algo de errado. 



Notas Finais


Acharam que ia ter putaria, né?
KKKKKKKKKKKKK
pois, não terá


~ bitch__


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...