História - Determinação - UnderTale Frans - Capítulo 32


Escrita por:

Postado
Categorias Undertale
Personagens Alphys, Asgore Dreemurr, Asriel Dreemurr, Burgerpants, Doggo, Flowey, Frisk, Gerson, Greater Dog, Grillby, Mettaton, Muffet, Napstablook, Papyrus, Personagens Originais, Sans, Toriel, Undyne, Vulkin, W. D. Gaster
Tags Frans, Frisk×sans, Sansfrisk, Sansxfrisk
Visualizações 267
Palavras 1.641
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Hentai, Lemon, LGBT, Poesias, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Bissexualidade, Cross-dresser, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Vamos laa~~

Capítulo 32 - Contra o Tempo


Fanfic / Fanfiction - Determinação - UnderTale Frans - Capítulo 32 - Contra o Tempo

Sans Onn


Frisk sai correndo do quarto fugindo, com a cabeça soltando fumaça.

aquilo me fez rir.


- Você ESTÁ OUVINDO A ALP, OSSINHO? – a peixeirritadinha gritou do outro lado da linha. A doutora pega o celular de novo – Se tiver ocupado podemos fazer isso depois. M-mas...eu acho que-


-Nah, malz, já já chego ai – Eu já sei o que ela vai falar – Desligando.

Desligo o celular e escuto alguma porta se abrindo.

- Sans! Eu vou tomar banho – Mesmo que Frisk, tente “gritar” com sua voz baixa eu escuto.


Olho a minha luva e vejo que tem uma ponta dela meia úmida.


-Acho que peguei pesado – Coloco a luva perto da minha boca e dou uma lambida nela, lambo meus dentes e alargo o meu sorriso – Pesado demais.


Tiro as luvas e guardo no bolso, pego outras na gaveta e coloco.


Espero Frisk sair do banho para poder ir no núcleo. Me sento novamente na cama. Olho para baixo vendo que ainda continuava duro.

- Heh – no começo só queria abraça-la, mas esta na cara que não sei me controlar bem...suspiro. talvez me acalme se bater uma? Fecho os olhos e escuto o barulho do chuveiro, uso a minha magia e apareço na “casa” de Frisk sentado em sua pequena cama, esse lugar ninguém vira pincipalmente de noite.


Abaixo a minha bermuda e isso faz o meu pau duro azul pular para fora. Viro um pouco o rosto encostando a lateral dele no meu ombro. Heh. Que brutal. Nunca fiquei tão duro. Fecho os olhos e pego algo do bolso do meu casaco, a luva que estava úmida com o cheiro e gosto da Frisk. Seguro ela na minha mão e começo a me masturbar com ela. Abro apenas um olho indo bem devagar com a mão para cima e para baixo.


- Uhg – não demora muito para eu gozar, fico ofegante por um tempo mais sorrio – Heh, pareço um adolescente.


Agora perdi dois pares de luva.







Quando volto para casa, Frisk estava me procurando com os cabelos úmidos e com sua roupa normal.

- Sans? Pensei que já tinha ido – Ela sorrir. mas logo para provavelmente lembrando.

- Heh, mal kiddo – dou de ombro – Pensei que podia explicar para a doutora pelo celular, mas pelo visto terei que ir lá.

- T-tudo bem – ela desce as escadarias e vai para onde eu estou – Mesmo sendo de noite, eu não estou nem com um pouco de sono... Então vou ficar assistindo tv até você voltar.

Antes de eu ir. Ela me fez colocar grades de ossos em volta do sofá onde ela ia ficar e pagar todos os números da agenda do seu celular que não fosse o meu. Ela não ia me deixar em paz até eu fazer essas tralhas todas.


- Feliz? – Pergunto para ela do outro lados da grade e ela sorrir sentada no sofá ligando a tv – Bom. Volto em 3 horas no máximo.



Talvez menos.



Saio da casa indo para lá fora. Ainda haviam pessoas andando. Bom eram 7 da noite.


Isso me faz lembrar que Frisk não fala com mais ninguém ou anda na rua como uma pessoa normal a quase uma semana.


Suspiro.


Estralo os dedos e apareço no núcleo.


- Demorou, palito de dente – a peixonalta fica reclamando, as duas mais o rei estavam ao redor do computador principal.

bocejo.

- Mal mal.

- Oh! Sans.... – doutora se levanta da cadeira – Pode me ajudar por favor?

- Yeh... – vou até onde eles então e me sento na cadeira tirando as mãos do bolso

- Ue? .... não está com as suas luvas hoje?

Fico teclando rápido.

- Só assim para teclar no PC – sorrio mais lembrando do porque está sem luvas.

- Oh.... é verdade. Pronto é esse código que não conseguir entender. – Ela me mostra.

Leio:

Dica: 10 prmeras letras do alfabeto.
Sem nenhum I?.
- Eu coloquei todas, A.B.C.D.E.F.G.H.I.J em todas as ordens possíveis, mas, nada adianta.


- Bah – escrevo na E.A.E.A.D.A.F.A.B.E. aperto Play.

“Bem vindo”

-C-co...como você fez isso?

- É só observar a dica.... 10 está escrito sem letras então ele não conta, mas todas as palavras tinham algumas letras que se encaixavam, meu pai adorava pegadinhas. E como não tinha a palavra “distinta” para as ordens das letras pensei que assim seria mais fácil.

Bocejo e saio da cadeira dando espaço para a doutora.


- C-certo – Ela se senta – E com esse código finalmente entramos no sistema de entradas e saídas do Underground.


Ela fica digitando como uma louca e é difícil de acompanhar. Bocejo e olho para o lado. O meu bro estava no canto da sala mexendo no celular.

- Heh. – ando até ele e ele estava tão distraído que não me percebeu – E AI BRO

Ele da um pulo fazendo o celular pular entre uma mão e a outra.

- NÃO ESTOU PAQUERANDO PELO CELULAR – Ele me olha assustado.

- Heh – coloco as mãos no bolso do casaco – Ok, bro. Mas com quem não está paquerando? – Me aproximo para ver a tela e ele fica empurrando o meu rosto – Vamos bro~

- SAI SANS!

- Bro, por que não foi dormir hoje em casa?

- Já era de manhã, Sans! MANHÃ! Eu fui caminhar e treinar.

- Bro, manhãs são feitas para continuar na cama.

- Em que mundo?

- No meu – pisco e ele revira os olhos.

- Vou dormir fora hoje de novo – Ele começa a suar – Vou assistir os programas do Mettaton... com o Mettaton

- O QUE? – A peixe me chuta me jogando para longe e ele cerca o Papys – O que quer dizer com isso? Vai assistir os programas insanos com o insano? Voce está sendo obrigado? Ele ta te mantendo em cativeiro ou algo assim.

- N-não, Undyne – ele sorrir meio sem graça, mas logo se anima – Podemos assistir todos juntos o que acha?

- Passo – digo no chão.

- Eu vou! Vou ver que merda que está acontecendo!

- Otimo – ele sorrir mais – Vai ser divertido uma noite com meus melhores amigos.

- Eu não to acreditando nisso – Undyne parece enjoada.

- Heh, Poxa Undyne, você parece um peixe fora da agua.

- AHHH!

- ACHEI! – A doutora fala – Sans! Olhe Rei.

- Desculpe, Alphys querida.... eu não entendo esses códigos.

-O-oh -ela fica envergonhada.

Vou ate ela vendo a tela.


No sistema geral conseguia ver duas saídas principais.

- Olha só – ela começa a explicar – No jogo a Frisk “cai no buraco” no topo de uma montanha, mas na verdade ela apenas volta do começo para o fim.

- Como assim? – pergunta o rei.

- Sempre quando Frisk, termina uma jornada nos salvando ela volta novamente para o portão de entrada e volta do começo como se nada do que ela fez tivesse ocorrido de verdade.

- Puxa.... – o rei fica triste – Que destino cruel dessa criança.

- Segundo o que diz Frisk, ela encontra toda a vez flowey no começo, nas ruinas, bem onde caiu, segundo ela flowey tem a força de vontade do Asriel e com ele podemos encontrar a resposta do que procuramos.... então estou pensando.... e SE fizermos a Frisk cair...er..... realmente no buraco?

Suspiro. Lembro das correntes..... pela entrada da frente ela com toda certeza não pode chegar nem perto, mas... na entrada de trás.... é uma boa saída.... mas pode tudo da errado nessa tentativa, Frisk voltaria tudo de novo e acabaria morrendo por falta de tempo. Sem saída em qualquer lado que penso.

- Esse plano, é uma faca de dois gomos – Digo e ela me olha suando. Dou de ombros. – Vamos procurar uma outra brecha.

- Ele está certo... não podemos arriscar a Frisk assim. – Meu bro coloca a mão no meu ombro.

Olho para baixo, eu disse isso, mas não tenho mais nenhuma esperança de que algo de bom vai acontecer se esperarmos tanto tempo.

Meu celular vibra.


Pego e leio a mensagem.

“ Sans, me ajuda”


- Frisk? – todos me olham – Mal, gente. Vou voltar para casa.

Desapareço sem esperar respostas.

Quando apareço novamente em casa as luzes estão apagadas. Ligo. Como elas apagaram? Frisk está presa.

- Sans! Sans! É você? – Frisk pergunta aflita. Ando até ela e ela anda estava dentro da jaula de ossos com as mãos na grade. Ela estava com os olhos molhados de lagrimas. – Ah! Que bom que é você.

Coloco as mãos sem luvas sobre as dela.

- O que aconteceu, Frisk?

- Eu.... – Ela olha para o lado, mas me olha depois – Eu não sei.... de repente as luzes se apagaram.... e eu.... – Ela para de falar.

- E você?

- Ouvir... um barulho de correntes.... – Ela parecia assustada, seus olhos abertos estavam no passado agora, passado que lembro muito bem.

- Correntes? – Será que ela tem certeza do que ouviu? É impossível que as correntes daquele lugar a seguiu até aqui, certo?

olho ao redor pelo chão.

- Eu.... desculpe Sans... acho que foi só minha imaginação. – Você não faria isso se não tivesse certeza, sei disso muito bem.

- Está tudo bem, Kiddo... eu estou aqui agora – Ela me olha e começa a corar deixando as lagrimas caírem fechando os olhos novamente.

Tiro as grades de ossos fazendo elas desaparecerem, com isso ela anda até mim e me abraça.


A abraço de volta.


Para ela acalmar fiquei fazendo um jogo de libras com ela. Seus olhos estavam fechados e eu expliquei da forma mais resumida possível.

E completei: “mas já estamos procurando outra forma mais segura”

Ela balançou a cabeça concordando.

Ela abre os olhos, se é que pode chamar aquilo de abrir, ela deixou do jeito que sempre deixa, quando liguei a tv novamente já era 23, nem eu nem ela estávamos com sono então decidimos assistir algo. Farei ela sair dessa casa amanhã, ver o sol ou algo do tipo.


Amanhã é outro dia. 


Notas Finais


Eu vou postar outro ainda hoje viuuu??

amo vvoces!!

não revisei AHSUAHSUAHSUASHU


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...