História || Dupla Face || Série da trilogia: DESVENDAR. - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Dumbledore, Bellatrix Lestrange, Draco Malfoy, Harry Potter, Kingsley Shacklebolt, Lord Voldemort, Molly Weasley, Percy Weasley, Remo Lupin, Severo Snape, Theodore Nott
Tags Dracomalfoy, Drarry, Harrydark, Harrypotter, Romance, Violencia
Visualizações 294
Palavras 2.773
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Luta, Romance e Novela, Survival, Suspense, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Aviso: Último capítulo. O primeiro de Almas Partidas também será postado hoje.

ATENÇÃO!!!!

Este capítulo contém cenas de sexo entre homens. Se não gosta deste tipo de cena por favor não é obrigado a ler não me responsabilizo pela cena criada em sua mente. Para todos que amam um bom hot Boa leitura!

Capítulo 10 - Capítulo X - Em tuas mãos


Harry deu uma volta em torno do corpo de Voldemort, encarando os comensais. Depois se voltou e o reduziu a ossos, e então a pó.

- Se alguém tem alguma dúvida sobre o que aconteceu aqui, eu dou duas horas para sumir da minha frente. Quem ficar que tenha claro que terá que acatar as minhas ordens a partir de agora.

O silêncio se fez presente na sala. Ninguém se mexeu.

- E quais são as suas ordens, mestre? – Nott perguntou, fazendo uma reverência.

- Eu preciso analisar a situação atual. Por enquanto, voltem às suas casas e respondam quando eu chamar. Nada de ataques. Quem quiser ficar na mansão, tudo bem. Só quero deixar claro que a partir de agora o Malfoy está comigo e todos devem respeitá-lo.

- Sim, mestre. – o coro entoou a sua volta.

- Vão. Ah, Snape. Fique.

Harry esperou o salão se esvaziar e jogou um feitiço de confusão em torno da mesa. Naquele lugar não confiava nem nos feitiços de silêncio comuns. Ele se sentou, sinalizando para Snape sentar ao seu lado, e Draco se acomodou do outro.

- Eu sei que você ainda passa informações para a Ordem – foi direto ao ponto – Eu conheço melhor o jeito de vocês trabalharem do que Voldemort conhecia.

Snape se empertigou na cadeira, ficando tenso, encarando Harry.

- Agora, escute. Eu vou te dar mais liberdade para agir. Não confio em você, mas vou precisar de uma porta aberta para a Ordem a partir de agora.

- Quer que eu faça jogo duplo, Potter?

- Ora, você é bom nisso, né? Mas não. Continue priorizando as informações deles, como tem feito nos últimos anos. Agora, quero que vá imediatamente e conte o que aconteceu aqui. Como Voldemort foi derrotado e como eu assumi. Diga que por enquanto as ações estão paradas e que, antes de voltar à ativa, vou procurá-los no Largo Grimmald.

Snape concordou com a cabeça e se levantou. Harry apoiou os cotovelos na mesa e segurou a cabeça.

- Você está bem? – Draco perguntou, baixinho.

Harry se limitou a balançar a cabeça para os dois lados, indicando que não.

- Vem. Vamos para o quarto.

§§§§§§§§§§§§§

Os dois entraram e Harry fechou a porta com os feitiços de sempre.

- Vamos conseguir uma varinha pra você e quando eu for falar com a Ordem, talvez você possa ficar com eles. Mas não garanto que minha voz valha alguma coisa por lá depois de tudo...

Draco pegou a mão de Harry e o levou para se sentar na cama, de pernas cruzadas, um de frente ao outro.

- Eu acho que posso ficar um tempo aqui... Você vai precisar de mim. Não pode ficar sozinho agora... O que você pretende fazer?

Harry passou as mãos no rosto e no cabelo, nervoso.

- Eu não sei... Eu não sei... Foi tudo tão... Repentino... Eu nem tinha intenção de assumir o comando...

- Foi uma atitude inteligente. Eles não poderiam te questionar e isso é melhor do que começarem uma guerra entre eles pra decidir quem vai governar...

- É, mas agora eu to fudido... Parece que o antigo "Eleito" pra salvar o mundo mágico acaba de se tornar o novo "Lord das Trevas".

- Ei, não pense isso. Não deixe a imagem dele dominar você... Tudo aquilo que você falou, sobre serem a mesma pessoa... Cara, foi assustador.

Harry abaixou a cabeça.

- Mas foi tudo verdade. Eu só joguei de uma maneira que o deixasse confuso... Sabe, ele não tem a mesma visão de Dumbledore... Não consegue administrar muitas frentes ao mesmo tempo...

- Não tinha... Não conseguia... Harry, ele está morto! Acabou! Você precisa parar de pensar o que ele faria para se concentrar no que vocêvai fazer.

- Eu não posso deixar de lado o que ele faria. Os comensais esperam um comportamento de mim, se eu mudar as coisas drasticamente, perco o controle...

- Isso quer dizer que os ataques, as torturas vão continuar?

Harry desviou o rosto, acenando afirmativamente.

- Eu preciso conseguir um acordo com a Ordem. Se a gente agir juntos, eu posso ir direcionando as ações dos comensais para os interesses deles, ou pelo menos em um eixo em que eles tenham vantagem, sem parecer muito óbvio. Snape vai ser de suma importância nisso...

Draco somente o encarava, triste. O loiro se levantou e começou a arrumar o quarto, recolhendo as roupas que deixara jogadas pela manhã.

- Acho melhor você arrumar um quarto só pra mim... Você vai precisar de mais espaço agora...

Harry o olhou sério.

- Eu já disse, você vai pra Ordem assim que possível. Enquanto isso, é melhor ficar aqui... Não confio nos comensais...

Draco não respondeu, somente continuou com seu trabalho.

- A menos que você queira ir, é claro. – Harry completou, uma leve angústia na sua voz.

- É, talvez seja melhor... Não quero você me agarrando durante a noite...

- Draco, eu nunca fiz isso!

Draco parou e o encarou. A mágoa evidente em sua expressão. Voltou a arrumar as coisas sem responder. Harry se levantou e o pegou pelo braço.

- Me larga!

- Olha pra mim! Fala comigo, Draco!

- Eu te pedi tão pouco, Potter! E mesmo isso você foi incapaz de cumprir...

Harry via que o garoto estava à beira das lágrimas, se segurando para não chorar. Revirou ferozmente sua mente para ver o que fizera de tão grave.

Você viu muita coisa, Potter, muito mais do que eu gostaria. Mas não quero que se refira a mim como se eu fosse coisa. Ou vou te considerar tão sujo quanto eles.

- Você é igual àqueles filhos da puta!

- O beijo. É isso? Você ficou magoado assim porque eu te beijei? Draco... Era importante...

- Me falasse, me desse algum sinal, qualquer coisa... Era importante! Eu vi o quanto era importante! Mas isso não muda o fato de que você me usou!

- Draco, você ta falando igual a uma menina!

Não houve resposta. O que houve foi um punho fechado de encontro ao rosto de Harry, que caiu no chão. O moreno acompanhou o loiro lhe dar as costas, indo em direção ao banheiro. Muito provavelmente para se trancar lá por algum tempo, pelo menos até controlar o choro.

- Draco!

Harry se levantou rápido, e, pulando a cama, conseguiu alcançá-lo, abraçando-o por trás para não correr o risco de levar outro soco.

- Me solta! – Draco lutava em seu abraço, se debatendo e chutando a esmo.

- Me escuta! Por favor! Draco! Pára de agir como criança! Eu quero falar com você!

- Mas eu não quero falar com você sobre isso! Então me solta agora, ou eu...

Em um só movimento, Harry virou o corpo do loiro e o jogou contra a parede, de forma que ainda pudesse mantê-lo seguro e encará-lo ao mesmo tempo.

- Eu admito que errei ao te beijar. Admito que errei ao dizer que você era gostoso pra Bella. Admito que faltei com respeito a você todas as vezes que eu disse que estava te estuprando pra poder cuidar de você. Mas eu fiz tudo isso pro seu bem, Draco! Para salvá-lo! Não havia malícia da minha parte! Eu não queria que você se magoasse comigo, e não queria ter que usar a força pra poder te dizer tudo isso! Eu gosto de você, Draco, e quero te ver bem! E... E...

Draco relaxou contra a parede frente àquela enxurrada de informações. Potter estava se desculpando com ele? Ora, isso era importante, embora não mudasse as coisas. Mas o que mais o intrigava era o que havia por trás daquele "E".

- E? – Draco perguntou baixinho, passando os dedos pelo seu rosto. Harry o soltou e se aproximou, beijando a palma de sua mão delicadamente, para depois olhá-lo com aquelas duas contas verdes cheias de desejo. Draco deu um passo pra frente, se aproximando do moreno, embora ainda distante – Você quer me beijar de novo, Potter?

Harry o abraçou com força, encaixando o rosto em seu pescoço e aspirou o perfume do loiro.

- Eu realmente gosto de você, Draco. – o moreno se endireitou, encarando o rosto assustado do loiro – Por favor, não fuja de mim...

Draco estava ofegante e assustado com a súbita declaração do outro. Sentia medo, mas não sabia dizer do quê. Não era de ser machucado, não era medo de Potter, não era medo da situação, mas estava imensamente inseguro. Como que por instinto, agarrou-se às vestes das costas do moreno, se aproximando mais, encaixando seu corpo ao dele.

As duas bocas entreabertas estavam tão próximas agora que os lábios se roçavam, tocando devagar. O ar que deixava o corpo de um era imediatamente sorvido pelo outro. Os olhos abertos analisavam a situação delicada, se fitando, hipnotizados.

Potter o envolveu mais firmemente, o aproximando mais, se era possível. O loiro estremeceu, sabendo que o outro não o forçaria, que não tentaria nada enquanto não tivesse uma resposta. E ele sabia que, naquele momento, não se sentiria seguro em nenhum outro lugar que não fosse os braços de Potter.

- Eu não vou fugir. – disse em um sussurro mínimo, seus lábios batendo levemente nos do moreno conforme as palavras se formavam.

Bastou para que Harry cobrisse sua boca com a dele, tirando seu fôlego, escorregando a língua delicadamente pelos seus lábios, até que encontrasse a sua.

Draco fechou os olhos e sentiu-se derreter sob o toque delicado do outro. Ele aprofundou o beijo, o deixando mais faminto, mais possessivo, enlaçando sua língua à do moreno em uma batalha perdida, sentindo os dentes do outro roçarem seus lábios, sentindo-se consumir.

O beijo se tornou mais ardente, mais necessário, mais sedento. Draco se agarrou aos cabelos de Harry, sentindo suas pernas fraquejarem. Precisavam respirar. Mas quem se importa? As mãos de Harry corriam pelas suas costas, puxando-o mais contra seu peito, e nada mais existia no mundo além dele e do moreno.

Draco retirou os óculos sem deixar de beijá-lo, o estavam incomodando-o. Harry retirou sua língua, deixando a boca do loiro por um segundo, o tempo que demorou para que Draco o procurasse novamente, unindo as bocas, acariciando seus lábios com a língua, para soltá-lo em seguida.

Harry levou a mão aos cabelos loiros do outro, puxando-o de volta, beijando-o sem ânsia, sem pressa. Somente tentando transmitir todo o carinho e as diversas emoções que lhe invadiam o peito. Draco retribuía o beijo com delicadeza, envolvendo sua cintura, segurando firme em suas vestes.

Harry desceu as mãos pelas costas do outro, o abraçando com força. Os dois se desequilibraram e caíram sobre a cama, se separando, rindo.

Harry olhou para Draco. O loiro sorria para ele. Um sorriso silencioso que lhe iluminava a face. Um sorriso... doce, como uma tarde de verão. Harry não conseguia parar de olhá-lo, levando as mãos até a face do outro, contornando o seu rosto com os dedos, inconsciente de que também sorria sob o olhar metálico do loiro. Draco se debruçou sobre ele e voltaram a se beijar.

Harry acariciava sua nuca, enquanto Draco aprofundava novamente o beijo. Harry se virou, colocando-se por cima do loiro, sem deixar de beijá-lo. As mãos de Draco entraram por baixo da camisa de Harry e este se afastou.

- Draco...

O loiro sorriu docemente e o puxou de volta para o beijo, deixando suas mãos correrem pelo corpo do moreno até que este levantou os braços e Draco retirou sua camisa de vez. Harry parou e o olhou. Draco sorria.

O moreno depositou um beijo curto sobre os seus lábios e depois em cada face, depois sobre os olhos, depois sobre a testa, e por fim beijou-lhe a ponta do nariz muito branco e sorriu. Draco o puxou de volta, unindo os lábios novamente.

Os dois se beijavam vagarosamente, delicadamente, se acariciando devagar, sentindo um ao outro.

Draco deu um impulso e virou os dois na cama, se sentando sobre o ventre de Harry, sorrindo. O moreno correu as mãos pelas coxas do outro, subindo devagar pela barriga, sentindo cada músculo, cada pêlo, depois pelo peito trabalhado. Draco levantou os braços e sua blusa foi atirada ao chão. Harry ergueu levemente o corpo, fazendo o loiro deitar sobre suas pernas, as mãos apoiando suas costas, segurando-o pelos ombros. E começou a beijar-lhe a barriga, seguindo as linhas da musculatura, passando a língua sobre seu peito, sentindo a respiração do loiro se alterar levemente e este abandonar a cabeça para trás, chegando ao pescoço, beijando-lhe o pomo de adão e se inclinando para o lado, na curva que leva aos ombros, chupando levemente.

- Harry... – o loiro gemeu, arcando um pouco o corpo, largando-se totalmente nos braços do moreno e jogando a cabeça para o outro lado, lhe dando mais espaço para beijá-lo.

Harry voltou a deitar, trazendo Draco junto em um movimento lânguido. O loiro se debruçou sobre seu corpo e voltou a beijá-lo, agora com mais urgência. Harry podia sentir a ereção dele pressionada sobre o seu ventre. Draco deslizou o lábio pela sua face, se concentrando em distribuir beijos atrás da sua orelha e na nuca, fazendo sons indistintos deixarem os lábios do moreno e forçando-o a fechar os olhos.

Harry o segurava pelos ombros ainda, e sentiu as mãos de Draco deslizarem sobre o seu peito e ventre, atingindo o cós da calça. Ao som do botão e zíper se abrindo, Draco parou de beijá-lo e o olhou. Harry simplesmente suspendeu os quadris. O loiro tirou a calça e a cueca, aproveitando o movimento para deslizar as mãos sobre a bunda e as pernas do moreno, parando de pé à beira da cama. Harry ficou de joelhos sobre o colchão e foi até ele, voltando a beijá-lo enquanto desabotoava sua calça também, que caiu no chão em silêncio, sendo acompanhada pela última peça que cobria o corpo pálido.

Harry estendeu a mão e conduziu o loiro de volta à cama. Os dois sentados de frente um para o outro, as pernas entrelaçadas de lado, entrelaçadas em torno dos dois, se beijavam, deixando as mãos explorarem delicadamente os corpos agora desimpedidos.

- Merlin, como você é lindo... – Draco suspirou entre o beijo, puxando-o para mais perto, caindo para trás na cama, com o moreno sobre ele, sem deixar de beijá-lo.

Harry deixou que uma de suas pernas ficasse entre as do loiro, beijando-o com carinho. Sentia-se terrivelmente excitado e via que o loiro também estava, mas tinha medo do que iam fazer. Sabia pelo que Draco tinha passado, sabia o quanto fora machucado. Tinha medo.

- Draco... – Harry tentou se afastar, mas Draco o abraçou com força, impedindo que ele o deixasse.

- Eu quero, Harry... Por favor... – a voz do loiro era somente um sussurro cheio de ternura ao pé do seu ouvido, fazendo-o se arrepiar, voltando a beijá-lo.

Harry interrompeu o beijo, fitando o rosto do loiro com quase reverência. Draco sorria.

Harry deixou suas mãos escorregarem pelo corpo abaixo do seu até atingirem os joelhos do loiro, dobrando-os, se acomodando entre as pernas, se impulsionando levemente contra o corpo do outro, sem deixar de fitá-lo.

Draco soltou todo o ar dos pulmões e inspirou rapidamente várias vezes. Quando Harry sentiu-se deslizar por completo para dentro do corpo de Draco, este arqueou a coluna e gemeu sonoramente. Harry voltou a beijá-lo, sufocando o próprio gemido.

O moreno ainda esperou que a respiração de Draco se estabilizasse para que começasse a se mover. O loiro se abraçou fortemente a ele. Harry tentava controlar os movimentos, não muito rápido, não muito forte... O medo de machucar Draco ainda presente.

Mas logo Harry não conseguia mais raciocinar direito. Milhares de sensações diferentes o invadindo. O cheiro de Draco, seus gemidos, sua pele, seu corpo o envolvendo... Harry sentia como se nunca mais fosse se sentir tão pleno quanto naquele momento... Aumentou a velocidade, sentindo se aproximar do ápice, as unhas de Draco cravando-se em suas costas e os gemidos de ambos aumentando.

Mas então Harry sentiu o loiro estremecer e um soluço escapou de seus lábios. O moreno virou o rosto, que estava encaixado no pescoço do outro, e o fitou. A face molhada de lágrimas, soluços descontrolados saindo de seus lábios. Harry sentiu seu mundo ruir.

- Draco...

- Não... Por favor, não pare... – e o loiro o abraçou com mais força, com braços e pernas, se impulsionando contra ele.

Harry continuou, mas sentia as lágrimas do sonserino molharem seu ombro, os soluços cada vez mais audíveis...

- Draco... – Harry o abraçou e parou qualquer coisa que ele estivesse fazendo. Não havia mais sentido naquilo. Se sentia mal, se sentia inseguro – Por Deus, Draco... Eu te machuquei?

- Não... – Draco o abraçava com força e chorava – Não você... – Draco soluçou, escondendo o rosto contra seu peito – Des- desculpe...

Harry o apertou contra o peito sentindo uma angústia e uma raiva enormes o sufocando. Seus próprios olhos marejados. Beijou o ombro do loiro e o abraçou mais, confortando o homem que chorava como uma criança agarrado a ele, afagando seus cabelos.

- Eu vou te fazer feliz, Draco... Você vai ficar bem... Eu vou cuidar de você... Eu vou ficar com você, Draco... Vai ficar tudo bem...

Tudo vai ficar bem...

Vai ficar tudo bem...

Tudo bem...

FIM


Notas Finais


Espero que tenham gostado. Direito e agradecimentos a nossa amada J.K (rainha) dona da porra toda e a Ágata Riddle linda que fez esta fic. Mais calma que não acabou ainda vem a segunda parte: Almas partidas.....Beijos até a proxima♡ D.H


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...