1. Spirit Fanfics >
  2. --Flores Mortíferas-- (Karlnapity Angst) >
  3. --Hanahaki, uma morte lenta--

História --Flores Mortíferas-- (Karlnapity Angst) - Capítulo 1


Escrita por: Juh_McytSimp

Notas do Autor


________________|=🌹=|_______________
{Pessoal ainda estou na minha pausa de escrita, mas estou lentamente me recompondo, essa ideia me surgiu pela foto então espero que gostem}
Ps:Está bem simples
_________________|=🌹=|_______________

Capítulo 1 - --Hanahaki, uma morte lenta--


___________________|=🥀=|___________________             {Lentamente em direção a morte}                   "Hanahaki, cuspa flores até seus pulmões                         pararem de funcionar"                          ___________________|=🥀=|___________________

Oh pobre mexicano de coração partido, deixe que as flores da morte te levem para o paraíso, tão distante de toda esta angústia de seu coração partido, as pétalas lentamente vão tomar seu coração e o abraçar, lhe tirando deste mundo tão injusto e sujo, doce sentimento amargo de amar quem não te ama de volta, pobre ilusão que domina sua mente de forma tão rápida, uma mera armadilha para os fracos, "As pessoas que nós mais amamos as vezes se tornam quem nós mais tememos, sabe porque? Porque lhe conhecem tão bem que poderiam te quebrar com simples palavras".

Saudades daquela promessa clássica que faziam quando mais novos "Melhores amigos para sempre" Que ironia, sentimento agonizante que preenchia seus pulmões, belas flores que nasciam enquanto o matavam por dentro, curtas palavras que cortaram como uma lâmina pré afiada, nem sempre armas são o maior modo de machucar alguém, palavras também podem matar, sendo elas um simples "Conheça meu namorado" Uau como palavras são afiadas, te acertam no ponto mais fraco sem ao menos perceber, quando percebem já é tarde demais.

Como ele poderia não amar seu melhor amigo? Uma das piores decisões de sua vida foi deixar o coração tomar o controle de sua mente vulnerável, mero sentimento repulsivo que tomava conta de sua boca, deixando um amargo irreversível, o único doce que poderia tirar aquilo era Nick, seus lábios eram a única cura para aquela dor imersa que o afogava, começou com uma tosse incoveniente, uma simples pétala caiu de seus lábios de maneira mais sútil, sentimento desconexo que lhe causava arrepios, mas sua mente fraca resolveu ignorar, "É apenas uma mera pétala, que mal isso pode fazer?" Porque a negação tinha de bagunçar sua mente? E assim ele lentamente se levava para o paraíso sem qualquer esforço.

Conversas paralelas de crianças que não sabiam nada sobre o futuro, só queriam crescer para ganhar sua independência, mas a cada palavra e gesto seu coração frágil se levava a aquecer, lentamente caindo por aquele que não lhe amava de volta, sem ao menos notar o coração já havia sido dominado, seus olhos não o viam como um amigo, mas sim como uma imensa paixão que se recusava a o deixar em paz, "Alex eu quero te contar algo, somos amigos a muito tempo sabe?" Seu coração parou com um segundo, ele finalmente iria aceitar seu amor, finalmente teriam o seu "felizes para sempre" "Eu quero que conheça Karl, estamos namorando a um mês" Enquanto seus lábios formavam um sorriso vibrante, os do mexicano caiam lentamente, um balde de água fria que caiu sobre sua cabeça de forma inesperado, sentiu sua respiração cair enquanto digeria tamanha declaração, não era para ser assim, ele merecia seu "felizes para sempre" porém não era agora, talvez nunca seria, expectativas tão altas conseguiram cair imediatamente, amor não era seu forte e estava longe de ser, sentimento mútuo de decepção.

Pétalas se tornaram flores que cortavam sua garganta, caiam sobre suas mãos revestidas com seu sangue fresco, o gosto amargo tomava novamente sua boca de maneira imparável, lágrimas salgadas encobriam seu rosto de maneira desleixada, "Porque eu tinha que amar você? Amor, o sentimento que nunca dará certo para mim" e assim a noite seguiu, lágrimas seguidas de pétalas e sangue, uma dor inexplicável guardada em seus pulmões, ele só queria acabar com aquilo, usou o mais fácil modo de obter informações ao seu favor, uma rápida pesquisa já lhe mostrou a terrível situação que lhe encobria de flores.

Hanahaki, uma lenda japonesa em que quando lhe ocorre um amor não correspondido flores nascem em seus pulmões, lhe levando para uma morte lenta e dolorosa, os espinhos te cortariam lentamente enquanto você se engasga com pétalas vermelhas cobertas pelo seu sangue, a doença possui três tipos de cura, a primeira "Aceitação" ao amor correspondido, as flores irão embora, e você finalmente será feliz ao lado de quem ama, o segundo "Cirurgia" uma cirurgia pode lhe curar da maldição, mas como nem tudo é um mar de rosas, você perderá todas as memórias de seu amado, junto a isso a chance de perder o total sentimento de amor, nunca mais amando em sua vida, e temos a última, provavelmente a mais trágica, "A morte" Deixe as pétalas dominarem por dentro, sua respiração lentamente parará e junto a isso seu coração, uma morte lenta e agonizante, finalmente pondo um fim naquele sentimento repulsivo, sem mais flores, sem mais vida.

Se recusava inteiramente a apagar suas memórias com Nick, "Essas flores podem doer mas o sentimento de lhe esquecer é muito pior" Lágrimas escorriam pelo seu rosto enquanto seus lábios formavam um sorriso de aceitação, nunca poderia o esquecer, mas também nunca poderia o amar, lhe restando a mais trágica alternativa, iria realmente se deixar morrer, as flores iriam o afogar por dentro e colocariam um fim nesse forte sentimento chamado amor, se sacrificar pode parecer ilógico porém ele não pensava desta forma, ele morreria, mas pelo menos morreria amando aquele que sempre permaneceu em seu coração, nunca iria o apagar da memória, poderia doer mas ele pelo menos prevaleceria alí, no meio de todas aquelas flores, "Meus sinceros adeus Nick, eu nunca deixarei de te amar" Ele sussurou para si mesmo enquanto sorria, a aceitação amenizou o sentimento das flores sangrentas que permaneciam saindo a cada tosse, a sangue cobria seu moletom junto a grande rosa repleta de espinhos, as flores cobriam seus pulmões lentamente, finalmente ele descansaria em paz, talvez esse fosse o seu "felizes para sempre", talvez não tão feliz quanto o esperado.

Uma carta, um simples papel que lhe deixaria marcado tudo o que tem preso na garganta, coisas que sua boca não consegue dizer por conta do constrangimento, talvez o único modo de se abrir para Nick, dar o seu último Adeus antes de ir ao paraíso, ele sabia que iria, ele podia sentir as flores levemente traçando sua garganta, ele poderia buscar um médico, mas assim sua única solução seria esquecer seu amado, poderia morrer, mas não o iria esquecer, ele correu, correu o mais rápido que podia para chegar ao local mais importante de sua vida, um belo jardim desconhecido por todos, o aconchegante local onde ele disse o seu primeiro "olá" para Nick, e agora daria o seu último "adeus", com uma folha branca e caneta preta ele escrevia delicadamente cada palavra, cada sentimento que ele um dia escondeu por conta de seu receio a rejeição, 

"Querido Nick, essas flores internas lentamente dominaram meu fraco coração que se deixou levar pela paixão, eu te amava, e continuo amando, me recuso a esquecer você pois essa dor seria muito pior que a morte, espero que seja feliz com Karl, e acima de tudo, seja feliz sem mim, um mero amigo de infância que não pode cumprir sua promessa, neste momento me engasgo com as pétalas que continuam saindo a cada palavra de afeto que escrevo, te amarei eternamente, com isso no mesmo local que te dei o primeiro olá, te dou meu último adeus,                                          Assinado Alex, o garoto que sempre te amou secretamente"

Ele sorriu, mas também chorava com o sangue que escorria de sua boca, colocou a carta delicadamente sobre o banco onde ambos costumavam sentar quando mais novos e afundou sua cabeça na macia grama que cobria a sua volta, sua respiração desacelerava a cada segundo, seu peito doía inteiramente enquanto as pétalas o sufocavam, iria morrer sozinho, e estava orgulhoso disso, não queria que ninguém o visse naquele estado deplorável, tentava permanecer sorrindo em meio ao estado crítico que estava por vir, seus olhos lentamente se fecharam e sua respiração parou, a dor acabou, finalmente estava no paraíso, seu corpo era abraçado pelas flores a sua volta, seria esquecido para sempre naquele jardim, mas aquilo não era importante, ele finalmente teve seu "felizes para sempre" ou melhor que isso "descanso eterno"

"Aqui Jaz Alex Quackity, foi internamente dominado pelas flores mortíferas de um amor não correpondido, agora descansa em paz no belo jardim onde ele cutivou esses sentimentos"

Isso pode parecer um final triste, uma mera história que matou um personagem tão querido, mas Alex sofreu no decorrer da história inteira por se recusar esquecer Nick, a dor de esquecer alguém amado era pior que as flores que o sufocavam por dentro, o amor, sentimento que nós faz agir sem pensar, nos mudando do dia para a noite, rejeição pode doer mas você vai encontrar alguém novo, se um relacionamento terminou não era para ser, ainda terá muitas pessoas que lhe farão sentir especial, "Ame as pessoas, mas caso precise as deixe partir". 

_______________|=🥀=|_______________

             {Meus sinceros adeus}

"Doce sentimento amargo de amar a pessoa certa na hora errada"

________________|=🥀=|______________


Notas Finais


Tá ruim mas espero que gostem ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...