História ❦ I hate loving you ❦ - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Drama, Hentai, Imagine, Jungkook, Romance, Taehyung
Visualizações 329
Palavras 3.430
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drabble, Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


~Heyoo, bunnies!

Vamos ao capítulo extra? como pediram, aqui está o flashback do momento tão especial com o Jungkook: A famosa "primeira vez", e como tudo aconteceu.

~Boa Leitura☆♡☆\(*^-^*)/☆♡☆

Capítulo 7 - Especial


Fanfic / Fanfiction ❦ I hate loving you ❦ - Capítulo 7 - Especial

[ Quarta-feira / 4:28 PM / Três meses atrás ]

(S/N) On:

— É isso que importa pra você? Andar cercado por bonecas sem pensamentos próprios? Isso é fútil. — Falo incrédula, em meio a nova discussão que havia se formado.

— "Fútil"? — Ele riu baixo, balançando a cabeça em negação. — Diz isso por inveja delas. Confessa, você faria qualquer coisa para estar onde elas estão, para estar comigo.

— Eu… — Entre um suspiro fraco, abaixo a minha cabeça, tentando buscar qualquer argumento, mas nada veio, muito menos quando percebi que Taehyung, agora, está próximo à mim.

A sala de aula estava vazia, todos os alunos deviam estar ocupando os corredores ou a cantina da faculdade, enquanto esperavam o início da próxima aula, que ainda precisava de mais alguns minutos para começar.

— O que eu tenho que fazer, pra você desistir dessa ideia idiota de que ainda sou o mesmo de anos atrás? Me diz. — Tae falou baixo, em um tom completamente calmo, como se realmente quisesse uma resposta.

— Eu sei que isso é só uma imagem comprada, você não é rude, como insiste em mostrar. — Me neguei a responder a pergunta feita, até porque eu não tinha uma resposta.

— É nisso que você acredita? — O maior questiona, me julgando de cima, por fim, deixando escapar um riso nasal.

— Sim.

— Só escuta o que eu tenho à dizer, e depois corrige o seu conceito sobre mim. — Ele fala, dando as costas para mim, assim voltando em direção ao quadro branco, por fim, se apoiando mais uma vez ao lado do objeto achatado.

— Tae… — Sussurro, temendo o que ele poderá dizer.

— O que eu tenho à ganhar, ficando com uma garota como você? O que tem por trás dessas roupas largas? — Ele aponta para o meu corpo, fazendo-me olhar para as minhas roupas, como quem procura algum erro. — Algo que me agrade de verdade?

— Corpo é o que menos importa. — Afirmo, assim que volto à olhar em seus olhos, então o vejo voltar em minha direção, sem esconder a sua inquietação.

— Não quando se dá prioridade ao desejo, deixando sentimentos em segundo plano. — Seu tom se tornou frio, assim como o olhar que se direciona ao meu. — E é assim que eu sou.

— Você… Você é um… — É como se a última palavra estivesse presa em minha garganta, apenas minha boca se mexia, porém, nada saía dela, bem diferente dos meus olhos, os quais já derramam pequenas gotas mornas de lágrimas.

— Idiota? É isso que eu sou agora? — Engoli à seco, enquanto ele ainda encara os meus olhos. — Me odeia?

O soluço preso em minha garganta sai na forma de uma respiração pesada, enquanto ainda sinto as lágrimas tomarem conta do meu rosto. Não o respondi, apenas peguei minha mochila, a qual já estava pronta em cima da minha cadeira, e corri para fora da sala, sem me importar com as aulas que ainda seriam aplicadas hoje.

Vários olhares se direcionavam à mim, em pura curiosidade pelo meu estado, mas apenas continuei correndo, até alcançar a rua fora do prédio.

"Jungkook"

Ele me abraçaria agora, trocaria o meu choro por um sorriso em um estalar de dedos, talvez até me impedisse de conversar com Taehyung, me pouparia de chorar como uma completa idiota. Mas justo hoje, Jungkook faltou, não por doença ou problemas, apenas porque queria passar o dia em casa, praticando algumas notas no violão, e assim fez.

Seria má idéia ir até ele?

( . . . )

Respiro fundo, levando uma das mãos até a maçaneta da porta da casa de Jungkook. Mandei uma mensagem para ele, avisando que estava vindo "fazer uma visita", e o mesmo me respondeu dizendo que a porta estaria aberta, ele estaria em seu quarto, e eu poderia entrar, sem precisar bater.

Meu choro não cessou, durante todo o caminho, e agora, já dentro da casa, ainda sinto algumas lágrimas isoladas percorrerem o meu rosto.

Ao longe se ouvia o som do violão, ele está praticando. A cada passo, a melodia se tornava mais nítida, uma música suave, a qual nunca havia escutado, provavelmente composta pelo mais novo.

— Jungkook… — Falo baixo, quase em um sussurro, ao ver a silhueta do homem vestido por uma camiseta preta e calça moletom da mesma cor, sentado na cama, de costas para a porta onde estou.

Ele murmura um simples "Hum?", sem parecer ter se assustado, e se vira para me olhar, deixando o violão de lado, e tendo seu rosto tomado por uma expressão de preocupação.

— Hey. — Sem pensar duas vezes, ele vem até mim e me envolve em seus braços, fazendo com que meu rosto repouse em seu peito. — O que aconteceu?

Não consegui responder, apenas chorava como uma criança, enquanto apertava Jungkook em meu abraço, sem usar muita força, e ele se manteve acariciando os meus cabelos, fazendo-me acalmar gradativamente.

— Eu… Sou horrível, comparada às outras garotas daquela faculdade… Não tenho nem metade do que elas tem. — Eu já acreditava nisso, bem antes do Tae jogar na minha cara, e agora, simplesmente coloquei para fora, entre os poucos e baixos soluços do meu choro.

— Taehyung? — Jungkook questiona, se desfazendo do abraço, então desvio meu olhar para baixo. — Vem.

Segurando minha mão, ele me guia para frente do espelho preso em uma das paredes do quarto, fazendo-me encarar o reflexo de olhos vermelhos e molhados, o meu estado deplorável.

— Não entendi. — Falo, ao olhar para o maior através do espelho.

— Confia em mim? — assinto com a cabeça, enquanto enxugo as minhas lágrimas com o dorso das mãos. — Só preciso que veja.

O mesmo leva as mãos até a barra da minha blusa, fazendo menção de tira-la do meu corpo, o que me fez enrijecer no mesmo instante, e com um simples olhar por meio do espelho, Jungkook foi capaz de me acalmar.

Agora, a parte de cima do meu corpo estava exposta, coberta apenas pelo sutiã branco, fazendo-me esconder com os meus próprios braços, ainda sem entender o que estava sendo proposto.

— Como o Taehyung não viu, então ele acha que você não tem valor, não é? — Jungkook mais afirma do que pergunta, praticamente resumindo o que Taehyung me disse.

— Ele tem razão. — Suspiro frustrada comigo mesma. — Olha pra mim, eu sou completamente diferente das garotas, que ficam com o Taehyung.

— Tem razão… — Kookie joga minha blusa em uma poltrona no canto do quarto. — Elas não são nem metade do que você é.

— Essa é uma das suas frases motivacionais? — Ironizo sem sorrir.

— Não, é uma das minhas frases realistas. — Responde no mesmo instante, fazendo com que eu me cale.

Olhando para o espelho, eu só consigo ver uma garota fora dos padrões de beleza, não gorda, porém, sem as curvas "perfeitas", que as outras garotas possuem.

— Acreditando ou não, o seu corpo é lindo, você é linda. — Kookie se pronuncia, então vejo o reflexo do seu sorriso surgir no espelho, fazendo um pequeno calor acender no meu estômago, provocando o rubor no meu rosto. — Taehyung é um idiota, que não consegue ver a curva mais bonita que existe em você.

— Ele não vê, porque não existe! — Insisto em exclama, me virando de frente para ele.

— Porque está escondia! — Jungkook rebate no mesmo tom de voz. — Olha pra você.

— O que quer que eu veja? — Questiono, voltando a me virar para o espelho, logo após tirar os braços da frente do meu corpo, trocando o pudor por uma pequena raiva.

— Sua melhor curva. — O maior diz em completa calma, me fazendo suspirar por não ver o que ele diz.

— Kookie, eu não…

— Bem aqui. — Ele coloca o indicador sobre o canto da minha boca. — Eu nunca vi você sorrir para o Taehyung, desde que ele mudou. Ele não é capaz de te fazer sorrir, ele não sabe provocar a sua melhor curva.

— O meu… Sorriso? — Questiono pausadamente, levando a ponta dos meus dedos até encostar em meus lábios.

— Quando você sorri, tudo parece ficar melhor. Eu só tenho a certeza de que tudo está bem, quando te vejo sorrir. — Me viro para olha-lo, assim que ele começa a falar, e no fim da última palavra os meus olhos já estavam fixos aos dele. — É por isso que odeio ver você triste.

— Acho incrível como você ainda não desistiu de mim. — Comento em tom baixo, trazendo um pouco de tristeza em minha voz.

— Nunca vou desistir de você, porque eu…— Ele para de falar, da forma mais repentina possível, como se estivesse repensando as palavras. — Porque eu quero o seu melhor.

Um sorriso se formou em meu rosto, com direito à aparição de alguns dos meus dentes, um perfeito sorriso aberto, o qual era mais facilmente provocado pelo mais novo à minha frente.

— Agora sim. — Jungkook diz sorridente, trazendo uma das mãos até minha bochecha, logo deslizando sutilmente seu polegar sobre o meu lábio inferior. — Esse é o sorriso que eu amo.

O silêncio se faz presente, deixando que apenas nossas respirações preencham o quarto, enquanto trocamos olhares, tornando tudo um pouco desconfortável.

O polegar do maior e retirado de cima dos meus lábios, mas sua mão contínua em meu rosto, à medida que ele se aproxima cada vez mais, o que me fez aderir uma postura reta, demonstrando minha tensão.

— Kookie… — Sussurro, antes de ter meus lábios tomados em um beijo lento e cheio de desejo.

Inicialmente meus olhos estavam abertos, arregalados em surpresa, mas logo os fechei, aproveitando a textura quente e macia da boca de Jungkook. É tão convidativa ao ponto de me fazer incapaz de afasta-lo, pelo contrário, eu só quero que o nosso fôlego dure para sempre. Impossível.

Abro os meus olhos gradativamente, sentindo a testa do maior junto à minha, enquanto nossas respirações se cruzam. Ele parece tão nervoso e ansioso quanto eu, e assim nada foi dito, estávamos novamente encarando os olhos um do outro, até que mais uma vez nossos lábios voltaram a se unir, agora em um beijo mais intenso, mais quente.

Senti as mãos de Jungkook segurarem minha cintura com firmeza, me puxando para mais perto, então tratei de envolver meus braços em seu pescoço, assim ficando na ponta dos pés, por nossa diferença de altura.

— Parece que alguém é baixinha demais. — Sussurrou risonho por entre o beijo, me fazendo rir internamente, e sem demora me puxou para o seu colo, deixando minhas pernas entrelaçadas em seu quadril.

O corpo do mais novo começou a se mover, mas não pude ver em que direção, devido aos meus olhos fechados, e minha mente entrando em uma espécie de nevoeiro, enquanto sentia aqueles lábios molhados juntos aos meus.

Só voltei à realidade, quando tive minhas costas tocadas pelo lençol da cama, ao mesmo tempo que Jungkook colocou um fim temporário ao nosso ato, para ter mais facilidade em tirar a própria camisa.

O que eu posso dizer? Meus olhos ganharam o dia. Já havia visto seus braços fortes, mais em conjunto com o abdômen e peitoral, também definidos, arrisco dizer que Jungkook é dono de um corpo perfeito.

A camiseta toma fim em um canto qualquer do quarto, enquanto o maior se coloca por cima de mim. Deslizo minhas mãos por toda extensão dos braços de Jeon, até chegar em sua nuca, e ele por sua vez encaixa perfeitamente sua boca em meu pescoço, em simples selares, que logo foram promovidos à chupões.

— J-Jungkook… — balbucio baixo, quase em um gemido, ao mesmo tempo que aperto sutilmente as madeixas loiras do maior, por entre os meus dedos.

Em questão de segundos, pude sentir algo precionar contra minha intimidade ainda coberta, a ereção de Jungkook. Ele já está ficando excitado, e comigo não é difetente, tanto que já sinto o meu ventre queimar, me trazendo sensações indescritíveis.

Em um movimento rápido, ele reverte nossas posições, assim se sentando na cama e me deixando sentada sobre o seu colo. Agora sim posso sentir sua ereção ainda mais rígida contra o meu sexo, o que me faz arfar um tanto manhosa.

— Kookie. — Ele me olha demonstrando curiosidade. — Eu nunca…

Esse é o motivo do meu receio, nunca tive relações sexuais, nunca nem havia ficado em um contato tão intenso como agora, e isso me assusta um pouco.

Jungkook sorri de lado, olhando em meus olhos, parecendo entender o que quero dizer. Sua mão direita afaga os meus cabelos, enquanto a outra repousa sobre umas das minhas coxas.

— Só precisa me dizer que quer, sem se preocupar com mais nada. — Disse simplório, passando cuidado em seu modo de falar.

— Eu… — Mordo o lábio inferior, ao olhar para a boca avermelhada e um pouco inchada do mais novo. — Eu quero.

E assim ele assentiu com um sorriso, antes de começar a descer beijos molhados, que começam no meu pescoço até chegar ao vale entre os meus seios, me trazendo arrepios em cada simples toque.

Uma por uma, as peças de roupa foram retiradas do meu corpo, me deixando apenas com a lingerie branca de bordados e rendas finas. E no fim das contas, Kookie volta à me deitar na cama, se colocando por cima de mim, após tirar a incomoda calça moletom, o que me fez ver perfeitamente sua ereção marcada pela boxer vermelha.

— Relaxa. — Jungkook sussurra, ao mesmo tempo que suas mãos delizam por minhas costas até chegar ao feicho do sutiã. — Vamos com calma.

Posso garantir que nunca senti minhas bochechas esquentarem tanto como agora, tendo a peça branca e rendada retirada da parte de cima do meu corpo, logo sendo deixada cair em um canto qualquer do chão.

Tentei colocar minhas mãos em frente aos meus peitos, para cobri-los , mas Jungkook às segurou, logo deixando-as apoiadas contra a cama, e sem aviso prévio, levou a boca até um dos meus seios, sugando meu mamilo de uma forma "torturante" que me fez gemer manhosa, como pensei nunca ser capaz de fazer.

O mesmo processo é feito no meu outro seio, e mesmo que eu tente, não consigo parar de gemer ou arfar por um minuto sequer, acho que estou delirando. Os chupões vão descendo por minha barriga, até o ponto em que os lábios de Jungkook tocaram em minha intidade coberta, me fazendo arquear as costas de modo involuntário.

— O que vai fazer? — Questiono, dando lugar à uma expressão carregada de vergonha, assim que vejo o rosto do maior se encaixar entre as minhas pernas.

— Algo que você vai gostar. — Ele responde, deslizando a última peça para fora do meu corpo. — Só precisa ficar quietinha.

Meu coração pula dentro do meu peito, parecendo querer sair pela boca. Não consigo esconder a vergonha que sinto, ainda mais agora, estando tão exposta para ele, que por sua vez aproxima a boca cada vez mais da minha intimidade, me fazendo ficar ofegante, antes mesmo de ser tocada.

Sua língua quente invade o meu sexo, logo começando com lentos movimentos de sucção, os quais me colocam em um estado de êxtase, ao mesmo tempo que deixo escapar alguns gemidos desregulados. Minhas costas voltam à se arquear, meu corpo se contorse de forma sútil, definitivamente, é impossível me manter quieta como ele pediu.

É como se o pudor houvesse desaparecido, dando lugar à excitação que sinto agora. Eu estaria me corroendo de vergonha, se não estivesse sendo consumida pelo prazer único, que Jeon está me proporcionando.

Sinto meu corpo se prender em espasmos, depois de poucos minutos recebendo os estímulos de Jungkook. Minha garganta fica seca, como se o ar estivesse ausente, e aquela sensação de calor se torna cada vez maior, parece até que algo está queimando dentro do meu ventre.

— J-Jungkook… Awwn… — Um gemido alto e arrastado saiu sem pudor, assim que senti certo líquido se esvair por entre as minhas pernas.

Meu corpo não poderia estar mais relaxado sobre a cama, e a sensação de paz é o que melhor me descreve agora, mesmo sentindo minhas pernas um tanto trêmulas.

Então, essa é a sensação de ter um orgasmo?

Kookie volta a se colocar por cima de mim, tomando meus lábios em um beijo voraz, fazendo-me sentir o meu próprio gosto, o que inexplicavelmente me deixou ainda mais excitada.

Minhas mãos deslizam sobre lateral do corpo do maior, chegando à barra da boxer usada por ele, e assim continuo tal percurso até tira-la do seu corpo, contando com a ajuda dele.

Se antes o ar parecia ser falho, agora nem parece mais existir. Com ambos desnudos, tudo aparenta ter ficado ainda mais quente, na verdade, até o fato de sentir a respiração de Jungkook se chocar contra mim, faz com que eu me sinta quente.

— Preciso que confie em mim, eu não quero te machucar. — Ele diz baixo, após soltar os meus lábios.

— Você é a pessoa em quem eu mais confio. — Sussurro, encarando suas orbes escuras e hipnotizantes.

Sem perceber, acabo arqueando sutilmente o meu corpo, quando nossas intimidades se tocam, ao mesmo tempo que nossos lábios se encaixam em algo mais tranquilo. Apenas uma distração, para que Jungkook comece à me penetrar lentamente, nos fazendo gemer juntos em meio ao beijo.

Solto um gemido bem mais alto que o anterior e finco minhas unhas nas costas do mais novo, quando sinto algo se romper dentro de mim, me causando desconforto e dor, porém, é uma dor suportável.

— Essa dor vai passar, não é? — Questiono ofegante, então ele assente com a cabeça, enquanto sorri. O sorriso de dentinhos avantajados, que sempre me acalma.

Jungkook se mantém parado, esperando que eu me acostume com a nova sensação de tê-lo dentro de mim. Precisei de alguns minutos para que isso acontecesse, e quando senti a dor diminuir, movimentei meu quadril algumas vezes, para que ele voltasse à me penetrar de forma mais frequente.

O mesmo começa à me estocar lentamente, levando esse ritmo por prazerosos minutos, até que eu me sentisse confortável. Porém, depois que a dor é completamente substituída por prazer, sinto seus movimentos se tornarem mais rápidos e intensos, me fazendo gemer ainda mais alto.

Sinto sua respiração quente se chocar contra o meu pescoço, me trazendo arrepios ainda maiores, enquanto continuo com minhas mãos firmes aos músculos de suas costas, voltando à fincar minhas unhas na pele clara, durante as inúmeras vezes que meu ponto sensível é atingido.

Nossos gemidos tomam conta do cômodo, variando entre altos e baixos, roucos e manhosos. As respirações ofegantes e o som da cama se mexendo, também preenchem o quarto, e sinceramente, não preciso ouvir mais nenhum som além desses.

Kookie me preenche por longos minutos, ainda mantendo as estocadas rápidas e um pouco rígidas, quase me fazendo gritar de prazer, o que só não acontece porque insisto em morder o meu lábio inferior, e também por ele sempre me beijar da forma mais intensa que já pude experimentar. É impossível não decreta-lo como o motivo da minha perda de sanidade.

Novamente sinto espasmos tomando conta do meu corpo, e acho que o mesmo aconteceu com o maior à cima de mim, julgando pelo fato dos seus músculos terem se contraído entre meus toques em suas costas.

— M-mais rápido… — Peço em um gemido baixo. Com a chegada do clímax se fazendo mais próxima, tudo parece ficar mais deseperador, me fazendo querer cada vez mais.

Prontamente, Jungkook atende o meu pedido, passando a ir um pouco mais rápido e fundo, mesmo assim ainda consigo sentir o cuidado em seus atos, esse tempo todo ele estava sendo cuidadoso, para não me machucar.

Não demorou muito para que eu sentisse uma sensação comparada à uma explosão dentro do meu corpo. Meu novo orgasmo, e dessa vez acompanhado pelo líquido quentinho de Jungkook, que se misturou com o meu, ainda dentro de mim. Chegamos juntos ao ápice, dando liberdade aos gemidos altos e roucos, a nova melodia que ficaria fixa na minha mente.

Tenho certeza de que nunca vou esquecer desse dia, certeza de que não vou esquecer de nenhum desses toques e sons, principalmente os sons produzidos por Jungkook, eu poderia ouvi-los todos os dias, com a certeza de que nunca me cansaria.

— Tenho sorte por ter sido o primeiro? — Kookie questiona, com um sorriso travesso estampado no rosto, após se desfazer de dentro de mim.

— Tenho sorte por você existir? — Rebato, levando uma das mãos até a lateral do rosto do maior, deixando leves carícias no local, enquanto ainda tenho seu corpo sobre o meu.

— Muita sorte. — Ele responde em um ar convencido, me fazendo rir baixinho.

Nossos rostos se aproximam gradativamente, até nossos lábios se tocarem por completo, iniciando um beijo lento, porém, com o máximo de desejo que ambos conseguimos expressar.

— Podemos fazer de novo?


Notas Finais


~Espero que tenham gostado, e peço perdão por qualquer erro.^^"
Até logo, bunnies.♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...