1. Spirit Fanfics >
  2. ' problem. - chanhun. >
  3. .aprender

História ' problem. - chanhun. - Capítulo 1


Escrita por: e zscy


Notas do Autor


a cada fic que eu escrevo, percebo o quanto eu só tenho ideia doida, por isso não levem a sério, certo?
são apenas três capítulos, já prontos, que serão postados em suas respectivas datas.
espero que gostem :c ♡

Capítulo 1 - .aprender


dia 12 de fevereiro •

09:34 da manhã •



park chanyeol estava no auge da ridicularidade, não que todos os dias ele não estivesse da mesma forma, mas hoje ele passou dos limites.

estavam todos na quadra, não havia nenhuma exceção, até mesmo byun baekhyun que odiava educação física resolveu não faltar já que precisava de pontos extras na matéria – sabe-se lá as probabilidades de reprovar em educação física. até o maior nerd é capaz.

como se fosse um dia normal – para ele era – sehun atravessou a multidão de pessoas reclamando sobre as aulas e se pôs no meio da quadra. pegou a bola e ficou esperando todos se organizarem. 

chanyeol observava de longe, sempre com sua carranca e mau humor de todos os dias. queria entender como era possível, cedo da manhã, haver alguém tão animado para chutar uma bola. ele estaria assim caso fosse para chutar as bolas de sehun, era sua maior vontade.

sehun amava esbanjar seu talento em futebol. era a única coisa que fazia naquele colégio que realmente lhe agradava e o fazia ter atenção e ser conhecido por aquilo. mesmo que não se importasse nada com a fama – era óbvio – ele gostava de ser chamando de O Melhor.

– chanyeol não para de olhar pra cá. – baekhyun comentou discretamente para o oh.

– deve estar olhando você. 

o baixinho encarou o outro com deboche. 

– eu não sou o melhor do time, sehun. e se fosse eu já teria levado uma surra. não tenho massa corporal pra suportar aquele peso morto.

– se está morto, por que temer, não é? ele deve estar certificando de que está tudo certo.

– tão ingênuo.

– eu não me importo com ele. faça isso também. – tocou o ombro alheio, mandando-o para a área de ataque.

baekhyun relevou, estava tudo bem ignorando, só queria ver até quando.


– as vezes me cai a certeza de que você está extremamente apaixonado por aquele carinha. – junmyeon comentou para chanyeol.

– o quê? – franziu a testa. – está ficando louco?

junmyeon era a única pessoa daquele colégio que suportava park chanyeol. era seu melhor amigo, e também o único qual ele confiava dizer as coisas íntimas. sobre oh sehun, ele sempre demonstrou desprezo, mas o kim não era bobo e conhecia muito bem a peça de seu melhor amigo. o coração já foi fisgado há tempos.

– eu nunca vi tanta perseguição, yeol. nem mesmo com outras pessoas você foi tão chato e insistente.

– eu não tô perseguindo, só estou alertando as pessoas sobre o tipo de gente que elas babam ovo.

– você também queria estar babando o ovo dele. – chanyeol o encarou. – no sentido literal.

yeol fez cara de nojo.

– seu porco! imundo! eu não gosto daquele nojento, ele é um carrapato igual a família dele!

o sorriso divertido de junmyeon se desfez no mesmo instante. não gostava da impulsividade do park, ele era bem idiota as vezes.

– chanyeol, não precisa disso. eu tava zoando.

– pois preste atenção antes de fazer esse tipo de brincadeira. além de ser ridículo é totalmente desrespeitoso da sua parte. chega a me ofender de tão sem cabimento.

– desculpa. – se afastou.

– logo eu, me apaixonar por aquele filho de prostituta. o pai não consegue mais nem passar nas portas de tanto que o chifre já cresceu.

– prostituta? – um garoto aleatório se mostrou curioso. 

a essa altura junmyeon estava distante, para ele, chanyeol perdeu sua essência, tudo por culpa da ambição por ser o melhor.

– sim – respondeu desinteressado. – a mãe dele trabalha em um lugar onde homens pagam mulheres em troca de sexo.

– oh...

– me diz aí... acha que ela nunca se vendeu? aposto a vida do meu gato que ela já deu pra cidade inteira.

– oh, meu deus... você deve ter razão.

– eu tenho. – disse convicto. – cuidado pra não acabar comendo ela também.

– irei me prevenir e avisar aos outros!

e riram, tanto que chamou atenção do treinador.

– park e lee, em seus lugares!


o jogo mais uma vez estava nas mãos da dupla park e oh. o treinador coçava a testa e se perguntava o porquê de todos não serem tão bons quanto eles, literalmente, a atual geração estava marcada pela preguiça. os dois melhores do time assumiam o jogo enquanto o time da outra escola – que eram convidados para treinos – se viam em bomba por não ter como ultrapassar eles. 

jongdae passou a bola para baekhyun, o coitado não sabia o que fazer então passou a correr com ela. não era para ter feito, aos olhos do treinador, aquilo era péssimo para um atacante. marcou ele como um dos que não iriam participar do campeonato. 

– baekhyun! – sehun chamou, fez sinal para o platinado passar a bola, vinha dois caras em sua direção, não dava tempo. o ruivo viu o olhar de desespero do menor. – confia em mim. – sussurrou inaudível, mas o rapaz entendeu.

baek passou a bola, torto e sem jeito, saltando de uma rasteira de um dos garotos que vinham o atacar. olhou o ruivo alcançar a bola sem dificuldade, correndo até o gol, aproveitando o caminho livre.

não demorou para o segundo gol ser marcado e o time ir a loucura. 

– você viu? – junmyeon cutucou o braço de chanyeol. – isso foi incrível!

o park bufou.

– essa até eu faria. – voltou ao campo.

o jogo começou a esquentar quando o park estava determinado a fazer um gol. além de ser um dos melhores, maioria dos garotos do outro time tinham medo do tamanho dele. 

algo totalmente desnecessário, porque quem o conhece, sabe que é fácil afrontá-lo e não levar uma. tradução: chanyeol só tinha tamanho e um rabo cheio de ódio, já que o coração parecia inexistente.

a expressão zangada do garoto assombrou o melhor atacante do outro time, fez o que sempre fazia quando tinha junmyeon por perto: uma belo passe para enfim ter a trave só para si.

3 a 0 era o placar, o outro time desistiu totalmente de continuar o jogo. era impossível ganhar daqueles.

junmyeon nunca se sentiu tão feliz, daquela vez eles se superaram.

– nós fomos muito bem!

– sim, eu e você fizemos bem. – deu ênfase aos dois, excluindo totalmente o resto do time.

como sempre, chanyeol estragando expectativas.


sehun estava cansado, nunca se sentiu tão bem por mais uma vitória. 

convinha que o jogo foi fácil – "havia apenas peso morto do outro lado", pensou –, mas foi perfeito, os garotos se empenharam e fizeram um ótimo trabalho. até baekhyun que odiava qualquer espécie de esporte, estava super feliz, sabia que podia confiar sempre em sehun.

– byun. – o treinador chamou.

o nerd se aproximou mais.

– sim?

– você participará do campeonato.

os olhos do platinado se arregalaram, seu queixo foi ao chão.

sehun e mais quatro garotos gritaram em comemoração. para o oh, era maravilhoso ter seu melhor amigo consigo, mesmo que ele não fosse tão bom assim, ele podia passar a gostar, e se gostasse, seria perfeito um dia.

– mas, treinador...

– confio em você. – tocou o ombro alheio.

– mas, e-eu...

– você é muito bom! acredite nisso. – se afastou. – a quadra está liberada para treino, avisem aos outros.

os garotos concordaram. baekhyun ainda estava desacreditado, só se deu por vencido quando seus amigos amontoaram em cima dele gritando e comemorando. 

– onde estão os outros? – jung jaehyun perguntou. 

– vestiário! vamos lá. – taeyong empurrou todos para que corressem.


não existia alegria maior do que ter um time para o campeonato e a quadra estar liberada para treino. agora eles podiam se preparar para fazer um ótimo jogo.

sehun não conteve o sorrisinho bobo, parecia uma criança que acabou de ganhar uma bola de presente com autógrafo do jogador preferido.

conversavam entre eles até chegar no vestiário, ao chegar, notaram que os outros garotos conversavam sobre algo e riam.

nesse meio haviam uns três garotos e mais dois da outra escola, sehun não se importou, apenas se aproximou lentamente para não atrapalhar. 

– ...sim, e ele disse também que a mãe dele é uma prostituta que já foi comida pela cidade inteira. – oh parou para ouvir, a essa altura seu sorriso se desfez. não gostava daquelas brincadeiras, e passou a odiar mais ainda depois do que acabou de ouvir: – ele disse: "cuidado para não acabar comendo ela também", – os garoto se esquivaram, rindo sem perceber que havia alguém ouvindo atrás da parede da cabine. – e eu disse: irei me prevenir e avisar aos outros; por isso, cuidado para não pegarem a mãe do sehun, no final ela vai aparecer grávida e ninguém vai saber quem é o pai.

os meninos riam de doer a barriga.

– talvez nem ela mesma saberia de quem é o filho. 

sehun olhou para os outros cinco que estavam na porta. seus olhos tomaram um tom vermelho em puro ódio, seu corpo tremia e o choro lhe engasgou, impedindo-o de limpar a garganta. 

nunca sofreu bullying antes, tinham medo dele. mas preferia mil vezes levar uma surra ou ser apelidado do que ouvir dizerem aquilo de sua mãe. 

ele sabia muito bem quem foi que espalhou aquelas coisas, e chegou a conclusão que aquilo passou dos limites. ou dava uma lição no park, ou morreria de ódio qualquer hora dessa.

saiu de onde estava, os garotos se assustaram ao vê-lo ali. 

– o treinador mandou avisar que a quadra está livre para treinos. – de cabeça baixa. – o time já foi formado, procurem a ele para ver suas posições. 

deu as costas após o silêncio, saiu do vestiário com as orelhas pegando fogo, punhos cerrados e o peito subindo e descendo pela respiração descontrolada. 

fora impedido no meio do caminho por baekhyun.

– o que vai fazer, sehun? não faça nada que vai se arrepender depois, pelo amor de deus! 

– eu vou matar aquele idiota.

– não se importe, sehun. lembra do que me disse? não dê atenção. – baekhyun sabia que era possível sair um morto ali, e esse seria park chanyeol.

os dois já tiveram um relacionamento, o maior arrependimento de baekhyun. mas ele não aguentaria ver seu melhor amigo matando seu ex namorado. oh sehun é um menino bom e não merece perder a essência por causa de um idiota.

– você ouviu o que eles disseram? – encarou o baixinho. seus olhos lacrimejavam. – você ouviu as merdas que aqueles... – suspirou. 

– sim, mas você sabe como chanyeol é... 

– ele é um desgraçado! e eu vou quebrar a cara dele todinha.

não tinha mais o que fazer, baekhyun sentiu seu coração doer. acompanhou o outro que parecia uma bala de tão rápido que andava a procura de chanyeol. 

encontraram o moreno no refeitório, estava com uma bandeja em mãos. ao se aproximar o bastante, sehun tratou de dar um fim da bandeja, atirou ela longe após um tapa em seu fundo. todos ali se assustaram e fizeram uma roda para ver a briga.

chanyeol só notou que estava completamente fodido quando teve a gola de sua camisa sendo puxada com força; o oh estava quente de ódio, poderia matar só com o olhar. 

– repete. 

chanyeol sabia muito bem o que era, seu corpo amoleceu de medo, logo veio o arrependimento. 

– repete o quê? m-me solta, animal – tentou escapar, mas sehun conseguiu derrubar ele no chão. 

o ruivo afundou o pé no peitoral alheio, se agachando mais para olhar no fundo dos olhos do park.

– vamos, park. eu quero ver você falar mal da minha mãe agora, olhando na minha cara.

veio um flash de todas as coisas que ele disse, agora com a mente limpa e tranquila, percebeu o quanto foi pesado e a proporção que iria tomar. suavizou a expressão, temendo o que viria a seguir: sehun ergueu o punho, sua mão tremia; e ele sentiu o peso antes de acertar em seu rosto.

– isso é pra você aprender e nunca mais mexer comigo.


Notas Finais


não falem da mãe de ninguém beleza


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...