História - Quase um sonho (Imagine Jungkook) - - Capítulo 47


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Drama, Romance
Visualizações 177
Palavras 4.912
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Luta, Poesias, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OIIIIEEEE gente, que saudade...

vocês já estavam doidos, né?
Bom obrigada a todos por esperarem....

E AI VAI MAIS UM CAP PRA VCS!!

Capítulo 47 - Capítulo 46 - Antes de você me julgar.


> S/N On <

 

O caminho até meu condomínio foi silencioso, acabei dando ao garoto meu endereço e torcendo pra ele estar bêbado o suficiente pra esquecê-lo no outro dia, mas sóbrio o bastante pra não bater o carro.

Quando ele finalmente estacionou na frente da portaria ele já parecia estar melhor, mas ainda continuamos em silêncio. Apenas depois de minutos ou horas, um de nós teve coragem de dizer algo.

 

Eu: - Obrigada pela carona.

 

Ele apenas assentiu, e eu soube que não teremos mais nenhum diálogo nesse dia.

Abri a porta do carro e entrei no condomínio.

Quando finalmente deitei na minha cama, fiquei pensando em tudo que tinha acontecido naquele dia.

Horas se passaram até que eu finalmente dormi.

 

> Sonho On <

 

Eu estava no quarto do hotel em que eu dividi com Jun Pyo.

Ele também estava lá, sentado no sofá, ele parecia irritado e cansando.

 

Eu : - Você está bem?

 

JP: - Eu realmente não sei. - Quando ele olhou pra mim tinha um olhar perdido.

 

Eu: - Olha eu já passei por algo assim... - O que eu estava falando? - Eu sinto muito, eu realmente sinto muito por você.

 

Ele apenas assentiu, parecia querer ficar sozinho.

 

Eu: - Se você quiser eu posso chamar a Rachel aqui? - Perguntei meio incerta.

 

JP: - Eu não quero ver ela agora. - Ele falou quase sussurrando.

 

Eu: - Eu..... Eu vou sair e te deixar pensar um pouco, ok? - Dei um passo em direção à porta, mas ele segurou meu braço.

 

JP: - Fica, por favor. - Ele me soltou. - Você é minha amiga, minha única amiga. - Engoli seco. - Por favor. 

 

Me sentei do lado dele.

 

Eu não tinha ideia de como ajudá-lo, até porque quando meus país morreram eu tinha meu irmão, mas ele logo teve que ir trabalhar, então eu lidei com isso sozinha.

Olho pro garoto ao meu lado e percebo que ele começou a chorar.

Me inclino e abraço Jun Pyo.

Não importa quem você seja, ninguém merece perder a família.

 

~ Quebra de Tempo ~

 

Hoje decido ir pra escola de taxi, acabei acordando atrasada, e precisava ir o mais rápido possível pra escola.

A primeira aula era química, e só tínhamos mais algumas semanas até o começo das provas, e então a apresentação do trabalho da viajem. Isso significava que seriam semanas corridas.

Ainda consegui chegar na sala antes do professor, mas assim que olhei pra minha mesa percebi que tinha algo errado.

Meu lugar estava ocupado pelo parceiro de laboratório do Jun Pyo.

Olhei pro Tae, mas ele apenas fez um sinal de negação.

Olhei pro lugar do Jungkook, mas ele ainda não tinha chegado.

 

JP: - (S/n), minha amiga, sente-se aqui. - Ele apontou pra cadeira vaga do lado dele.

 

Olhei por toda a sala, todos estavam quietos e fingindo fazerem suas próprias coisas, mas eu sabia que no fundo todos estavam ouvindo cada palavra que era dita.

Olhei pro lugar vago do Jungkook.

Eu poderia me sentar lá, do lado do Jimin e evitar confusões.

Quando Jimin olhou nos meus olhos, eu soube que não poderia me sentar lá, sem levar atenção do Jun Pyo ao pobre garoto.

Caminhei até à mesa do Jun Pyo e me sentei do seu lado.

 

Eu: - Bom dia.

JP: - Bom dia. - Ele disse e abriu um sorriso.

 

O sinal tocou e o professor entrou na sala pedindo que pegássemos nossos cadernos.

 

As pessoas começaram a conversar umas com as outras, mas isso não durou muito, pois Jungkook entrou na sala.

 

Jk: - Licença professor.

 

O professor assentiu.

 

Comecei a tremer, olhei pro Jun Pyo e ele estava folheando o caderno calmamente.

 

Como ele consegue estar calmo? Eu queria gritar e perguntar se ele tinha algum problema. Mas Jungkook passou reto, ele nem olhou na nossa direção.

 

JP: - Eu apenas te dei um dia de folga, e esse dia foi ontem. - Ele fala baixinho para que apenas eu ouça. - Hoje eu já volto a te avisar pra se manter longe dele.

 

Olho pro Jun Pyo com raiva. Se ele tinha me chamando pra sentar do lado dele pra irritar Jungkook, ele não tinha conseguido, e no final eu é que acabei irritada.

 

Mas Jun Pyo apenas piscou pra mim,  e começou a escrever o que estava na lousa.

 

~ Quebra de Tempo ~

 

Professor: - Eu quero um resumo e todos os exercícios dos próximos 5 capítulos da apostila. - Todos na sala suspiravam. - Pra próxima aula.

 

Como? Isso seria impossível.

 

A sala foi tomada por murmúrios dos alunos reclamando.

 

Professor: - Vocês poderiam fazer esse trabalho com a sua dupla de mesa.

 

O sinal tocou, e o professor nos dispensou, sem falar mais nada.

Eu faria esse trabalho com o Tae, ou com o Jun Pyo?

 

JP: - Então você quer ficar hoje até mais tarde, para fazermos esse trabalho? - Me assustei ao perceber que ele tinha me acompanhando até o meu armário.

 

Eu: - Desculpa, mas eu vou fazer com o Tae. - Eu disse abrindo o armário e guardando meus livros.

 

JP : - Não precisa se preocupar com ele, meu colega vai fazer com ele. - Disse em um tom convencido. - O que nos voltar a minha pergunta. Você vai poder ficar hoje, ou vai passar a tarde toda dispensando o príncipe de papelão?

 

Eu: - Você não tem uma noiva pra infortunar não ? - Perguntei fechando o armário e andando até a sala.

 

Pude ouvi-lo rindo.

 

JP: - Eu te encontro na saída.

 

~ Quebra de Tempo ~

 

O resto do dia passou rápido.

Os professores não pararam nem um mísero segundo, eles tinham capítulos e capítulos que tinham que ser revisados e cairiam nas provas.

No final da aula, eu já estava com o cérebro transformando em gelatina.

O sinal tocou, e eu comecei a rumar minha mochila enquanto os alunos saiam da sala.

Olhei pro lugar onde o Jungkook deveria estar, ele deve ter ido embora depois da aula de química, porque eu não o vi mais durante o resto do dia.

Tae tão pouco falou  comigo, acho que ele estava chateado por eu não ter brigado com Jun Pyo pra sentar do lado dele.

Tentei alcançá-lo no corredor, mas ele simplesmente sumiu na multidão de alunos. 

 

JP: - Você quer ir pra algum lugar, ou prefere fazer o trabalho aqui na biblioteca?

 

Olhei pra trás e encontrei Jun Pyo encostado na parede me observando.

 

Eu: - Podemos fazer o trabalho aqui mesmo. - Olhei pra multidão uma última vez, mas já tinha perdido o Tae.

 

~ Quebra de Tempo ~

 

Eu: - Eu não aguento mais fazer nenhuma conta. - Me levante da cadeira.

 

JP: - Onde você vai? Ainda falta dois capítulos? - Ele perguntou me observando enquanto eu contornava a mesa.

 

Eu: - Preciso ir ao banheiro. - Sai da biblioteca.

 

> Jun Pyo On <

 

Assim que (s/n) saiu, eu soltei o lápis e olhei no relógio, já estamos aqui fazia 2 horas.

Em alguns momentos fazíamos algumas piadas, ou conversamos, mas a (S/N) sempre cortava o clima em determinado momento e voltava a fazer os exercícios, me forçando a voltar a fazer o resumo.

 

Mandei um mensagem pra Rachel, avisando que eu passaria na casa dela assim que acabasse aqui, mesmo não sabendo quando seria isso.

 

Olhei em volta, tinha poucas pessoas no ressinto, e todas pareciam extremamente ocupadas. 

Olhei pro chão e meus olhos foram até a mochila da (S/N), a mochila estava aberta e tinha uma pasta que estava quase caindo da bolsa.

Me aproximei e peguei a pasta, eu não pretendia olhar o que tinha dentro dela, apenas colocar na bolsa dela de volta, mas assim que peguei não consegui me conter.

 

Abri a pasta e comecei a foliar.

A pasta estava cheia de pretensões de investimos, e não eram simples investimentos, estávamos falando de milhões de dólares.

Tinha fotos da bolsa de valores, históricos de empresas, e relatórios de economistas.

 

Nas últimas folhas tinha algumas recomendações de empresas, e uma cópia do extrato bancário da (S/N).

Não consegui evitar ficar surpreso com o número.

A conta dela teve uma grande movimentação de dinheiro a uns dez meses atrás.

Se as pessoas tivessem noção do quanto a (S/N) possui na conta bancária...

Ela era uma das pessoas mais ricas da escola.

Claro que ela não tinha mais dinheiro que eu e o Jungkook, mas ela facilmente seria a terceira pessoa mais rica aqui.

 

Continuei olhando as folhas, tinha uma outra folha com o nome de um homem, e a conta dele tinha mais alguns milhões, não tanto quanto a dela, mas ainda sim era uma boa quantia.

 

De quem era essa conta?

Peguei meu celular e tirei uma foto de ambos os papéis.

Depois comecei a fechar a pasta, mas uma folha me chamou a atenção.

Olhei mais de perto, era um relatório sobre a empresa da minha família.

Tinha um post-it colado na folha, com uma estrela.

O que isso significava?

 

Algumas folhas pra frente, tinha mais uma folha com um post-it colado, nesse não tinha nada escrito, mas ao ler percebi que se tratava de um relatório das empresas Jeon's. No relatório o economista não recomendava um investimento na empresa no momento, ele dizia pra esperar que algum tipo de fofoca ou sei lá o que acontecesse para investir na empresa.

 

Será que a (S/N) está nos espionando?

 

Ou será que ela decidiu comprar parte das empresas pra ter algum poder sobre nós?

 

Fechei a pasta e olhei pros lados, ninguém estava olhando pra mim.

 

Guardei a pasta na mochila dela, e guardei o meu celular.

 

Se a (S/N) decidisse investir 1/5 do que ela tinha na conta já seria de grande valor, algo que poderia mudar muito no desenvolvimento de qualquer empresa.

 

Minha família é dona de uma marca de carros blindados e de luxo,possuímos inúmeras fábricas espalhadas por todo o globo, fabricados todos sobre encomenda.

 

Um investimento desses seria de grande valor pra nossa empresa.

 

Fui tirando dos meus devaneios pela voz da garota.

 

(S/N): - Voltei, vamos acabar logo com isso, eu quero ir pra casa estudar.

 

~ Quebra de Tempo ~

 

> (S/N) On <

 

Terminamos o trabalho, até que rápido. Depois que eu voltei do banheiro Jun Pyo me pareceu diferente, ele estava sério no começo, mas depois pareceu relaxar. Em determinado momento ele até conversou comigo sobre as empresas do pai dele, que seriam dele e do irmão algum dia.

 

Assinale cheguei em casa, eu só consegui pensar em tomar um banho e dormir.

 

Mas recebi uma mensagem, Yukio estava me chamando pra jantar com ele em um restaurante, eles estavam tendo algum tipo de promoção de sopas, e eu decidi ir com ele.

 

Agora estávamos no restaurante, tomando o segundo prato de sopa, e conversando.

 

Yukio: - E então, você nunca me disse o que fez com aquele vídeo do hotel... - Ele me olhou, deixando a pergunta explícita.

 

Eu: - Usei pra provar que uma menina da minha escola tinha machucado outra menina. - Falei sem dar muitos detalhes.

 

Yukio: - E no final ela foi expulsa?

 

Eu: - Não e sim... - Suspirei. - Pra falar a verdade ainda não sei o que vai acontecer com ela. Ela está suspensa, mas a semana de provas vai começar, e aí ela vai ter que voltar.

 

Ele me olhou assustado.

 

Yukio: - Ela sabe que foi você que pegou o vídeo? - Ele perguntou assustado.

 

Eu: - Não eu dei um jeito de parecer que tinha sido outra pessoa. - Será que ela acreditou?

 

Se Yukio percebeu que eu não tinha certeza, ele não falou nada sobre, apenas voltou a comer a sopa.

 

Yukio: - Por que ela simplesmente não é expulsa?

 

Eu: - É mais complicado do que parece, na minha escola não são os professores e diretores que lidam com esses problemas, são os próprios alunos. - Olhei pra janela. - E acabou que tem muita gente envolvida na história, principalmente muita gente próxima da pessoa que está lidando com isso.

 

Me lembrei da expressão que Jungkook fez quando ele descobriu que a Sarah e o Jimin estavam tendo um caso.

 

Yukio: - Bom se essa pessoa está envolvida emocionalmente, deveriam colocar outra pessoa pra lidar confessa situação.

 

Olhei pra ele.

 

Yukio: - Não me olhe assim, você sabe que se essa pessoa está envolvida sentimentalmente ela não vai conseguir julgar os fatos com razão, sendo assim essa menina pode acabar até sendo inocentada.

 

Jungkook faria isso? Ela inocentaria a Sarah, só por causa do Jimin?

 

 

Ele não podia fazer isso. Sarah já andava aprontando a muito tempo, ela deve pagar pelo que ela fez pra Yoon.

 

Yukio: - Acho melhor mudarmos de assunto, você está com uma expressão de assassina.

 

Yukio começou a falar sobre algum filme que estava em cartaz, mas eu só conseguia pensar, em Sarah andando pelo corredor e machucando outras pessoas, eu lembrava da cena dos meninos colocando a cabeça da Yoon dentro da piscina.

 

O que tinha acontecido com esses meninos?

 

Eu não me lembro de ouvir Jungkook dar algum tipo de castigo a eles.

 

Será que ele os inocentou? 

 

~ Quebra de Tempo ~ 

 

A semana passou bem rápido, eu e Jun Pyo conseguimos entregar o trabalho de química, e ainda levamos um A+, o que deixou o garoto super feliz.

 

Passeia semana toda evitando o Jungkook, tentei falar com o Tae, mas ele estava sempre perto dos meninos, o que implicava estar perto do Jungkook.

 

No começo da segunda semana após voltarmos de viagem à escola inteira já tinha percebido que eu estava fugindo do Jungkook, se eu entrasse em uma sala onde ele estava eu sempre me mantida o mais longe possível, e saia correndo na primeira oportunidade ide ir embora.

 

Sempre que ele me via e tentava vir na minha direção, eu arranjava alguma coisa pra fazer que me levasse a outro lugar, às vezes eu simplesmente corria pela escola.

 

Nesse exato momento eu estava escondida atrás de um carro no estacionamento.

 

JP: - Até quando você vai ficar aí atrás encostada no meu carro?

 

Tomei um susto e dei um pulo pra longe da voz.

 

Eu: - Você está tentando me matar? - Coloquei a mão no peito.

 

JP: - Eu é que deveria perguntar o que você está fazendo, mas devido aos recentes acontecimentos devo concluir que você está aqui se escondendo do Jungkook, estou certo?

 

Jun Pyo abriu um sorrisinho, ele estava usando um óculos escuro, mesmo o dia não estando ensolarado.

 

Eu: - Eu só estou aqui tomando um ar. - Menti.

 

JP: - Você mente tão mal (S/N). - Ele riu e destravou o carro em que eu estava encostada. - Vamos dar uma volta ok?

 

Eu: - Eu não vou a lugar nenhum. - Falei cruzando os braços.

 

JP: - Relaxa, eu não vou te sequestrar, vamos apenas tomar sorvete aqui perto, depois eu posso te deixar aonde você quiser. - Ele disse abrindo a porta do passageiro pra mim.

 

Eu: - Você não vai dar carona pra sua noiva?

 

JP: - Infelizmente, ou felizmente, a Rachel teve que Faltar hoje. - Ele apontou pra dentro do carro. - Madame?

 

Eu definitivamente não deveria entrar naquele carro, mas o barulho da porta da escola abrindo e o som da risada do Jin me assuntaram, pelo barulho eu não precisava olhar na direção pra saber que os sete meninos estavam todos ali. Entrei no carro e coloquei o sinto.

 

Jun Pyo fechou a porta e contornou o carro com um sorriso no rosto.

 

Ele entrou no carro e deu a partida.

 

JP: - Então você quer conversar? - Perguntou dirigindo pra saída da escola.

 

Eu: - Não tenho nada pra falar. - Engoli seco. Eu realmente precisava conversar com alguém, e a semana tinha sido tão cheia, que eu tive tempo nem pra falar com as meninas.

 

Mas falar com o Jun Pyo? Ele era confiável?

 

JP: - Sabe se você estiver se perguntando se pode me contar seus problemas, saiba que eu irei te ouvir. - Ele parecia sério enquanto dirigia. - Se você for me falar sobre outra pessoa, é capaz que eu já saiba, então não precisa hesitar. Mas agora se isso for relacionado a algum problema feminino, eu posso te deixar em algum médico, ou sei lá.

 

Tive vontade de rir, Jun Pyo parecia realmente  preocupado comigo.

 

Eu: - Eu apenas estou pensando. - Eu disse olhando pela janela.

 

JP: - O que está afligindo seu coração?

 

No final não tinha ninguém melhor pra me dizer sobre todas essas situação da Sarah, e do julgamento, e da hierarquia da escola, do que um dos Reis.

 

E eu não tinha mais ninguém pra conversar.

 

Eu: - Jun Pyo, você sabe o que aconteceu com aqueles meninos que tentaram afogar a Yoon, e arrancaram o biquíni dela?

 

Jun Pyo ficou em silêncio por um tempo, mas depois ele suspirou.

 

JP: - O Jungkook sempre preferiu cuidar das coisas de maneira mais sutil, ele não gosta de fazer isso em público.

 

Eu: - Então ele não tem um júri, assim como você? - Perguntei com uma certa raiva na voz, que não passou despercebida pelo menino.

 

JP: - Sabe (S/N), as pessoas podem falar muito sobre mim, mas poucas sabem realmente quem eu sou. - Ele parou em um farol e olhou pra mim. - Eu peço que se você tem alguma pergunta, ou alguma indignação sobre mim, que me diga pra que eu posso te contar meu ponto de vista, antes de você me julgar.

 

Ele voltou a dirigir no sinal verde.

 

Engoli seco.

 

Eu: - Por que você faz essas coisas? - Perguntei esperando que ele entendesse.

 

JP: - Sabe, eu não comecei com isso, meu irmão e o irmão do Jungkook começaram, quando entramos na escola, não tivemos a chance de sermos apenas normais, as pessoas já queriam que a gente ocupasse o lugar deles.

 

Ele suspira.

 

JP: - Sabe no começo, ainda temos fingir que não tínhamos nada a ver com isso, no começo éramos amigos, nossas famílias se conheciam. - Ele vira um rua à direita. E percebo que não reconheço mais aonde estamos. - Mas as coisas começaram a ficar ruins, os alunos estavam implicando uns com os outros, as pessoas ficavam vindo até nos, nos cobrando atitudes, os alunos ficavam cada vez mais violentos.

 

Me lembro da Shimi me falando sobre isso.

 

JP: - Eu e Jungkook já estávamos cheios de tudo isso, mas continuávamos na nossa, e ninguém mexia com a gente. Até... - Ele para.

 

Eu: - Até? - Pergunto, querendo ouvir o resto da história.

 

JP: - Até a Rachel entrar. - Ele sorri minimamente. - Eu me lembro de ver ela no primeiro dia de aula entrando na nossa sala, e mesmo eu sendo jovem, e estando no primeiro ano do ensino médio, eu me apaixonei por ela no momento em que à vi. 

 

Olhei pro Jun Pyo como estivesse vendo ele pela primeira vez, só que agora ele era uma pessoa completamente diferente.

 

JP: - Eu sei que as pessoas vivem dizendo por aí que eu a trai diversas vezes, mas eu nunca, nunca consegui pensar em outra garota depois que a conheci. - Ele faz uma pausa longa. - Mas no final, eu não fui o único a me apaixonar por ela.

 

Me lembro agora da festa do Jun Pyo em que o Jungkook e a Rachel conversaram enquanto eu estava mal, ela dizia que ele tinha que parar de segui-la.

 

JP: - Como você já deve ter imaginado, Jungkook também se apaixonou pela Rachel, e a partir daí começamos a brigar. No começo era brigas bobas e sempre fazíamos as pazes no final, mas um dia algo aconteceu. - Ele aperta o volante com força. - Um menino do terceiro decidiu que seria legal fazer alguma pegadinha com ela, no final ele só queria chamar a atenção dela, mas eu não posso negar que ele é um completo babaca.

 

Jun Pyo estaciona o carro.

 

JP: - Chegamos.

 

Quando finalmente sentamos nas mesas com nossos sorvetes, eu já estou louca pra que ele continue a história.

 

Eu: - Então algum menino do terceiro decidiu que seria legal escrever alguns bilhetes maldosos e deixar no armário dela, e isso iniciou a terceira guerra mundial? - Pergunto tentando voltar a nossa atenção pra história.

 

JP: - Quem dera, isso seria bem mais fácil de resolver. O menino decidiu jogar a Rachel na piscina da escola.

 

Olhei pra ele começará de tédio.

 

JP: - Ele só não sabia que a Rachel não sabia nadar. - O encarei assustada. - Quando a tiraram da água, ela já estava inconsciente. Nunca bati tanto em alguém como naquele dia.

 

Olhei pra ele aterrorizada.

 

JP: - Eu e Jungkook decidimos dar um jeito de fazer o menino ser expulso, conversamos com o diretor, e conseguimos que ele fosse expulso, mas achamos que isso seria muito pouco, então demos um jeito pra que ele não entrasse em escola alguma, e como ele já tinha completado 18 anos, revíramos a vida do menino de cabeça pra baixo até achar um mísero erro que ele tivesse cometido, e quando achamos, o mandamos pra cadeia.

 

Por um segundo sinto o sorvete subir pela garganta?

 

Eles tinham feito o menino ser preso!

 

JP: - Rachel ficou no hospital por um tempo, mas ela se recuperou e voltou pra escola. - Ele tira os olhos do sorvete e me encara. - Achei que assim que ela voltasse ela escolheria o Jungkook, ele tinha pulado na água e a tinha salvado, eles eram super amigos, eu tinha quase certeza que ela o escolheria, e pelo jeito Jungkook também tinha. Mas assim que voltou, a Rachel disse que não queria ficar com ninguém. Que ela só queria se formar. E então eu e Jungkook prometemos que iríamos deixá-la em paz.

 

Desvio o olhar pro meu sorvete.

 

JP: - Então um dia, eu dei um festa em casa, todo mundo bebeu, e eu acabei me confessando e beijando ela. O que os amigos de Jungkook viram, e consideraram um ato de traição. E assim os amigos que também eram meus, se viraram contra mim. Jungkook ficou furioso, eu entendo. Mas conforme nos afastávamos, mas eu me aproximava da Rachel, e no fim ela acabou virando a única pessoa que eu podia contar de verdade. E aí um dia ela eu peguei ela e Jungkook conversando, eles eram amigos na época.

 

Jun Pyo abriu um sorriso.

 

JP: - Ele estava perguntando pra ela porque ela ainda falava com um traidor como eu. Esperei a Rachel ficar do lado dele, mas ao invés disso ela disse que gostava de mim. E isso me deixou feliz, mas no momento em que eu entrei na sala e o Jungkook olhou pra mim, eu soube que ele jamais me perdoaria.

 

Olhei pro menino na minha frente.

 

JP: - Eu tive muito medo de que a Rachel morresse naquele dia, e depois disso eu prometi pra mim mesmo que não deixaria as coisas irem tão longe assim, eu precisei fazer alguns de exemplo, mas eu nunca escolhi algum inocente, eu sempre soube quem fazia coisas erradas, quem violentava e machucava os outros, e peguei eles de exemplo. - Ele suspira. - E por um tempo isso serviu, até...

 

Eu: - Até ? 

 

JP: - Até você entrar na escola. - Quase engasgo com o meu sorvete. - Você, burlando todas as regras, entrou logo no 3 ano, e já no seu primeiro dia arranjou briga com a Sarah, tanta gente na escola, e você arranjou briga com a fofoca em pessoa.

 

Ele ri soprando.

 

JP: - Em menos de um dia, você era o assunto mais falando, todos queriam saber quem você era, da onde veio, por que conseguiu entrar na escola... - Ele me olhou de forma intensa. - E sabe o mais interessante, e que já se passaram semanas que você entrou, e ninguém tem a resposta pra nenhuma dessas perguntas.

 

Começo a suar gelado.

 

Será que ele descobriu alguma coisa sobre mim e agora vai me ameaças?

 

JP: - Ainda assim, você mostrou que tem uma personalidade forte, confesso que fiquei chocando quando me disseram que você tinha batido na Sarah. - Ele ri. - Mas você sabe que só isso não vai te levar muito longe.

 

Engoli uma colherada de sorvete.

 

JP: - Eu não tenho como mudar o jeito como as coisas funcionam na escola, muito menos o Jungkook, e eu diria que de todos os meios possíveis, o jeito como lidamos é o mais eficaz. Por mais horrível que ele possa parecer. Poder só se pode combater com poder. - Jun Pyo pegou o celular e me mostrou uma foto.

 

A foto era da minha conta bancária. Onde ele tinha conseguido isso? Fiquei seria.

 

JP: - E você S/N com certeza tem meios de obter esse poder. Se é que você já não o tem.

 

Eu: - Exatamente de que tipo de poder você está falando? - Perguntei de maneira fria.

 

JP: - Influência, contatos, dinheiro. - Ele guardou o celular. - Eu e Jungkook temos tudo isso, e temos mais que as outras pessoas. Se você analisar as pessoas que andam com a gente vai perceber isso. Rachel tem dinheiro, mas não o suficiente, porém ela tem influência, Asami, também tem dinheiro, mesmo não sendo o suficiente, mas ela tem contatos, ela sabe de tudo.

 

Ele abre um sorriso singelo.

 

JP: - Ninguém tem tanto dinheiro se não tiver contatos, e se essa pessoa tem contados e dinheiro, então ela tem influência. - Ele apoia os cutuquemos na mesa. - Agora vem a pergunta que não quer calar. Se você tem todo esse dinheiro é por que tem contatos, e dos bons eu diria, se você tem contando e dinheiro, conseguiria influenciar as pessoas facilmente, e com essas três coisas você seria tão poderosa quanto eu e o Jungkook, e assim finalmente acabar com essa hierarquia que você tanto odeia, mas você não faz isso, Por que?

 

Fico em silêncio olhando pro Jun Pyo, esperando ele dizer se sabe algo sobre mim que não está usando.

 

JP: - Você esconde alguma coisa, ou você realmente não gosta de ter o seu nome com toda atenção, mas seja lá o que for, você está perdendo a oportunidade de mudar o que você tanto despreza, então acho que no fim você não despreza a hierarquia tanto assim.

 

Eu: - Vocês estão brincando de casinha com a vida de outras pessoas, ameaçando famílias, comprometendo futuros. - Ele me interrompe.

 

JP: - De pessoas que mereceram essas punições, e as ameaças nunca precisaram ser cumpridas, elas apenas tinham o papel de assustar.

 

Eu: - Então você nunca planejou executar uma ameaça? Você nunca fala sério quando ameaça alguém? - Pergunto tentando intimidá-lo.

 

JP: - Você não ameaçou a Sarah quando descobriu que ela tinha machucado sua amiga? - Ele percebe que eu hesito, e então continua. - Você pretendia cumprir a ameaça? Se ela machucasse a Yoon agora mesmo, você não faria algo pra defender sua amiga, mesmo que isso signifique cumprir sua ameaça?

 

Fico em silêncio, e desvio meu olhar pra janela.

 

JP: - Nem eu, nem o Jungkook ficamos feliz com esse tipo de coisa, mas alguém precisa fazer, se não idiotas como aqueles meninos que tentaram afogar a Yoon, assim como tentaram afogar a Rachel, eles nunca vão sofrer as consequências por seus atos. 

 

Suspiro.

 

JP: - Eu não sei o que aconteceu com os meninos que machucaram sua amiga, mas vou procurar descobrir.

 

Ele levanta e eu também me levanto.

 

JP: - Se você realmente quer fazer a diferença, você precisa fazer alguma coisa com esse dinheiro, com a sua influência, utilize seus contatos. Vire o jogo. Mas pense muito bem, você mesmo disse que isso é um jogo que muda vidas, o que eu faço é escolher o lado da balança que machuca o mínimo de inocentes possível. 

 

Ele vira e anda até o caixa, me deixando pra trás pensando.

 

Quando entramos no carro, Jun Pyo me deixa no ponto de ônibus mais perto e vai embora sem falar mais nada.

 

~ Quebra de Tempo ~ 

 

À noite meu celular toca enquanto eu estou saindo do banheiro.

 

Eu recebi um mensagem

 

> Mensagem On <

 

 * Número desconhecido *

 

Consegui a informação que você queria, o menino está suspenso junto com a Sarah, porém as meninas dos outros anos ainda estão indo pra escola, o resto dos garotos ainda não foram identificados.

 

E mais uma coisa, a Sarah vai voltar pra escola em 4 dias, junto com o menino, e parece que o Jungkook já conversou com a sua amiga, e não vai haver nenhuma queixa na polícia ou pro diretor da escola.

 

Jungkook vai simplesmente fingir que nada aconteceu, quando a Sarah voltar.

 

Você precisa de mais alguma coisa?

 

> Mensagem Off <

 

Jungkook vai simplesmente deixar as coisas assim?

 

Ele fez com que a Yoon não falasse nada sobre isso, simplesmente pra salvar a pele do Jimin...

 

E então em um momento de raiva, me vejo fazendo algo que nunca pensei que diria.

 

> Mensagem On <

 

Eu: Preciso da sua ajuda

 

- O que você precisa?

 

Eu: Preciso que você me ajude a tirar o Jungkook desse julgamento.

 

> Mensagem Off <

 

 

...Continua...


Notas Finais


Eu não sei se vou conseguir responder todos os comentários do cap 45, então qualquer coisa deixem suas duvidas e comentários aqui, e eu vou responde-los...

Obrigada a todos os comentários me apoiando a voltar a escrever a fic...

O.O E AI O QUE VCS ACHAM DO JUN PYO AGORA? O.O

até a próxima coelilhos......


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...