1. Spirit Fanfics >
  2. -trying to survive! - Apocalipse zumbi. >
  3. Capítulo um.

História -trying to survive! - Apocalipse zumbi. - Capítulo 1


Escrita por: GaMin_Senpai-

Notas do Autor


Capa do capítulo não é minha, sim do perfil do Pinterest DeviantArt.


Bom, eae? Sou o GaMin para quem não me conhece. Eu estou hoje trazendo um fanfic história original minha hoje. Os personagens são originais, mas me inspirei em meus amigos e ✨Aquela pessoa✨ para fazer eles. Bom, nosso protagonista é inspirado em mim(não me achem muito dramatico, mas eu adicionei coisas há mais, então os personagem não são 100% iguais as pessoas que eu me inspirei), e seu nome é Max. Fiquem com a história, ah! No final do capítulo tem um doc explicando sobre o Max, okay? Peço desculpa pelos menos erros de ortografia. Bom, vamos nessa.

Capítulo um, prólogo, o começo de tudo.

Capítulo 1 - Capítulo um.


Fanfic / Fanfiction -trying to survive! - Apocalipse zumbi. - Capítulo 1 - Capítulo um.

< Prólogo >


{Max} Era de tarde, se ouvia um barulho de sirene de alerta, eu me levantei rapidamente da cadeira de onde eu estava sentado. Ligo a TV para ver o que se passava e logo coloco no jornal. Estava passando algo sobre uma contaminação de um vírus letal. Eu não queria acreditar que era o que eu estava pensando, então pego meu celular e entro em sites. Realmente, era o que eu estava pensando. Sinto minha respiração eufórica, eu estava tremendo, Sou realmente um covarde medroso! Me dá um estalo na cabeça' 


-MEUS PAIS! - Acabo dando um grito, e no mesmo instante tapou minha boca. Eu ainda continuo tremendo.


{Max} Eles não estão em casa! E agora! O que eu faço?! E se eles foram contaminados?! E se eles estão mortos… mortos?!  


-AHHH MAX!!! PARA DE PENSAR NISSO! SEU IDIOTA! SEU IDIOTA…! O que o papai e a mamãe iriam querer que eu fizesse… Comida… ISSO! COMIDA!- Corro para o meu quarto, esvazio minha mochila, e a levo para a cozinha colocando o máximo de comida enlatada possível. Assim que coloco toda a comida possível na mochila, encho várias garrafas de água, e as coloco na mochila também.


{Max} Suspiro aliviado, arrumei os suprimentos. Nesse momento eu estava na sala de jantar, olho para mesa e me lembro do meu cachorro… Ele foi atropelado a três meses… Vou ter que ignorar isso! Foco! Vou pegar algumas roupas para mim! 





- … Isso é um barulho de carro…? Será que… O papai, e a mamãe! - deixou a mochila que eu tinha colocado umas roupas minhas, largada. Corro para a garagem, esperançoso. Uma homem que eu conheço desce do carro junto de uma mulher, que eu conheço também.


-Max! - A mulher corre até mim e me dá um abraço. - Filho! Você está bem?! Te machucaram?! - Ela coloca as mãos na minha bochecha e fica me encarando enquanto faz as perguntas. 


-Max você ao menos arrumou as coisas? - O homem que era meu pai me perguntou fechando a garagem com o controle remoto.


-Sim! Eu coloquei o máximo de comida enlatada possível numa mochila e garrafa de água em outra! Estava agora- Sou interrompido por um grito de raiva do meu pai.


-POR QUE? Por que você colocou tudo numa mochila?! VOCÊ TEM MERDA NA CABEÇA?!- O homem grita, e eu me afasto com medo pelo seu tom alto.


-E-Eu pensei… - Não conseguia terminar a frase, então esperei ele gritar de novo, mas minha mãe se ativou a falar algo.


-Cala boca Adrian! Max está assim por sua culpa! - Meu pai escutava ela atentamente, enquanto eu me segurava para não chorar. - ELE TOMA A PORRA DE REMÉDIOS PRA CONTROLAR A SANIDADE MENTAL, POR SUA CULPA! SEU BABACA ESTUPIDO! - Meu pai ia dizer algo, mas preferiu calar a boca.


-Agora você! - Ela me encara. - Por que você colocou os enlatados na mochila? - Meu pai fechava a garagem, enquanto minha mãe me fazia a pergunta.


-Eu… Eu, é que eu achei que nós teríamos que achar um abrigo, nós não íamos ficar aqui. - Eu estava tremendo ainda, isso pra mim é intimidador…


-Droga Max! Você sempre acha as coisas. - Após minha mãe dizer aquilo ela encara sua mão e fica pensativa.


-Max! Vê se presta pra algo e vai fechar a casa, depois me trás o martelo!-  Meu pai diz isso logo depois de ter fechado a garagem.


-Tabom! - Saiu da garagem o mais rápido possível, mas eu percebi que eles estavam falando de mim.



{Max} O martelo…. Achei!-


-AH!!! - Solto um grito alto. - É impossível, eu fechei a janela da sala! Por que tem a porra de um morto vivo de cara na janela da sala?! - 


O morto vivo tentava entrar. Max tentava se mexer para o matar já que estava com o martelo.


{Max} Meu corpo… Não me obedece? Por que? Por que? NÃO QUERO MORRER, MEXA SE CORPO! VAI!!



{Max} Sangue?


-SANGUE …? E-Eu o matei…? EU MATEI UM ZUMBI!- Minha alegria acaba quando percebo que há muito sangue em mim, e fico com ansia de vomito.


-MAX! Você tá bem?!- Meu pai correu até mim, e minha mãe vinha atrás. 


-Ouvimos gritos. - minha mãe ao perceber o morto vivo, que agora estava realmente morto, desvia o olhar. - Vamos tomar banho, vamos! - ela me guia até o banheiro.



{Max} Se passou um dia desde tudo que havia acontecido. Estou sentado na minha cama encarando o closet. Me senti numa jaula. As janelas estão trancadas com madeiras e pregadas, as portas também. Mal recebemos luz solar, e também… Eu mandei mensagem pros meus amigos, nenhum retornou… Será que- AH, vou parar, eles devem estar bem! Vou me focar em ficar bem! Passos? Meu pai?


-Ei Max! - Ouço o homem cujo seu  nome é Adrian me chamar, e abrir a porta do meu quarto.


-Sim..? Papai?! - Fico surpreso dele vir até meu quarto. Ele me encara fixamente.


-Me desculpe por ontem… Você sabe que quero seu bem… - é bom saber que meu pai está aprendendo a ser uma pessoa melhor.


-Ah. Tudo bem papai, eu sei que eu acabei errando … - Depois de eu dizer isso, ficamos nos encarando por um minuto e ele saiu do meu quarto, me deixando sozinho.


-Ahn. - solto um gemido por causa do tédio. - Não tenho nada pra fazer! Ahhh. - me viro pro outro lado da cama. - Vou dormir… Está sem luz mesmo… - Me deito na cama e fecho meus olhos, esperando eu pegar no sono.



E foi assim, dia após dia, economizando água, e comida, na maioria das vezes Max ia dormir ou ficar no seu mundinho. Seus pais estão com medo do seu estado, e de todo esse mundo apocalipso. Tudo tão confuso e novo…


Max havia achado uma câmera à base de fita em uma caixa velha do seu quarto, então resolveu usar.


•Câmera On•


Max: Ta ligada…? An, ligou! - solto uma risada. - Bom… Faz um mês que estamos nesse apocalipse. Sinceramente tá sendo difícil… Meus remédios acabaram, e meus pais tem medo de tentar pegar mais! Hm… Meus pais estão muito estressados… Deve ser minha culpa. - encaro o chão por uns segundos. - Estou com saudades dos meus amigos … E daquela <<<Pessoa>> . - Ao falar "daquela pessoa" Max solta um sorriso boiolinha. - Ops, eu esqueci de me apresentar sou Max Tavares, tenho 16 anos. Sou um cara Trans, queer gênero, e gay. Podem me chamar por ele ou por elu, não gosto que me chamem muito de ela, mas se quiserem chamar de ela tudo bem. - suspiro um pouco. - Gosto de animes, estava no episódio 100 de Hunter x Hunter, mas aconteceu tudo isso e não vai dar pra terminar de ver. Eu escrevia histórias originais e interativas. Sinceramente meu sonho era ser um escritor e roteirista. - Solto um sorriso. - Nhe… Amanhã eu gravo mais, tchau! - Abano pra câmera e desligo a mesma.



-Sinceramente … Eu acho que fui um pouco falso falando pra câmera … Não sou tão educado assim. - Logo após eu dizer isso, solto uma risada um tanto quanto alta. 




Alguns meses se passam, e assim chega outubro.



Ouço a voz de uma mulher me chamar, ela parecia séria. Saio do meu quarto correndo e vou para a sala de jantar onde se encontrava a mulher sentada à mesa, junto do meu pai.


-Por que me chamaram?- pergunto confuso, me sentando na parte do retângulo da mesa, minha estava sentada ao lado esquerdo e meu pai do direito.


-Você sabe por acaso quanto tempo passou?- Minha mãe ao perguntar fica me encarando fixamente.


-E… Um mês?- Ao eu falar aquilo, minha mãe e meu pai me olham com um semblante preocupado. Ficamos calados por uns 2 minutos, e meu pai dá início a uma conversa.


-Max … Já passou três meses!- Ao meu pai dizer aquilo, dava para ver que eles estavam seriamente preocupados, e eu percebi que estava perdendo a noção do tempo.


-Ah! Sério? Uou, estou realmente perdendo a noção do tempo. - Dou uma risada forçada. - Acho que to passando muito tempo gravando. - Ao terminar de falar encaro meus pais, e vejo que não mudaram suas expressões.


-Max! Vai pro seu quarto. - Assim como minha mãe mandou, eu fiz. Fui para o quarto.



{Max} Eles vão discutir novamente … Isso é culpa minha. Vou para cima da cama, e abraço meus joelhos. Percebo gotas… Isso era minhas lágrimas escorrendo… Que droga! Sou um fracote chorão! 


...


{Max} Acordo com barulhos. Meus pais? Me levanto da cama e vou atrás do barulho. Vejo que a porta da frente(sem ser a da garagem) estava aberta. Como? Me aproximo mais para ver.



{Max} MÃE?!


-MÃE?!- Solto um grito bem alto., Assim que ela me olha percebo sua pele morta, sua boca rasgada, e seu pescoço…. Aparecia até osso. - Ma… Mamãe?! A senhora!- Quando eu percebi que não tinha escapatória, não era um sonho. Minha mãe havia sido contaminada, lágrimas escorrem no meu rosto, estou triste… Mamãe se foi. Quero correr mas meu corpo não me ouve … Eu preciso de ajuda, ela não é mais minha mãe! Eu vou morrer?! 


A expressão facial que Max expressava, mostrava o quanto ele estava horrorizado. Enquanto sua "mãe" andava até ele. Quando sua mãe estava perto de Max, a cabeça de sua mãe cai no chão, e um monte de sangue respinga na cara do garoto que estava apavorado.


{Max} Eu… Eu acho que mijei nas calças…


-O que você tá fazendo aqui?!- Percebo que quem havia arrancado a cabeça da minha mãe, era ele, o meu pai.


-... Eu, eu… Eu ouvi um barulho, aí a mamãe ... droga!- A cada palavra que eu falava, eu gaguejava e tremia.


-Max… - Meu pai fecha o portão e me abraça. - Eu to com você aqui! Promete não abandonar o papai?- Ele coloca as suas mãos sobre os meus ombros, e me encara.


-Sim papai…- 


-Ótimo! Vai pra dentro de casa e se limpa. Eu vou arrumar isso. - ele diz puxando o corpo da mamãe.



Max havia ficado mais isolado nesses dias, e seu pai estressado. Às vezes o pai do garoto buscava um mínimo de comida nas casas dos outros, e o garoto ficava sozinho. Max estava cada vez mais sem sanidade, e seu pai a beira de explodir. Às vezes o homem falava coisas ruins pro garoto ou até mesmo o agredia na hora da raiva. Depois ele se desculpava, mas Max ainda tinha angústia do seu pai.



{Max} Inverno … Já fazem seis meses, estamos no inverno… Queria estar com a mamãe… Sou interrompido por um barulho de grito. Corro até a garagem e encontro meu pai ensanguentado.


-Pai… PAI?!- depois que grito começo a chorar.


-Me … mata! Eu … fui mordido, em cima do capô do carro tem um pouco de comida que eu trouxe… - As palavras saiam fracas e falhadas. Não posso acreditar! Primeiro minha mãe, agora meu pai. 


-... - em silêncio pego o martelo que estava nas caixas de ferramentas perto de mim. - Eu te amo papai… - Ele me olha com um sorriso, e por uns segundos fica imovel, e com olhos fechados. Aproveito esses segundos, e corro até e esmagou seu crânio com o martelo.


{Max} Sangue! SANGUE...! Sangue pra tudo que há lado … Meu pai, minha mãe… Estou sozinho …



{Max} Faz 3 horas desde que isso aconteceu … Não estou bem… Preciso de ajuda. 


Max para tentar passar o tempo pega o seu celular que fazia meses que não mexia. Pois não havia luz e nem internet.


-Oh! Ele ainda tem carga e conta as horas…! São 18:00 da tarde. - Seus olhos arregalam quando ele vê uma mensagem de uma amiga sua. - Faz alguns meses que ela mandou … Mas acho que essa bobaca ainda deve estar viva. - um sorriso de canto se forma em seu rosto.


*Mensagem WhatsApp*


16 de Janeiro de 2028


[Você]

Meggie! Você e a sua família estão bem?


18 de Janeiro de 2028


[Chernobyl]

Max! Você tá vivo?! AHHH, que alívio! Sabia que um corno que nem você ia sobreviver!


*Mensagem WhatsApp off*







….






Continua?


Notas Finais


Bom a cada capítulo que for aparecendo os personagens irei adicionar aos Docs, mas não terá tanta coisa para não ter muito spoiler.

https://docs.google.com/document/d/1ll-Dkllhli973yzH0gM0d3k3TDhMUu3o3qATK6Y8ks4/edit?usp=drivesdk

Aqui está o do Max, Site que usei pra sua aparência foi o Picrew, link do que mod eu usei pra aparência https://picrew.me/image_maker/626197

Bom, está ai. Espero que o capítulo esteja bom. Depois se puderem, me digam o que acharam🙈. Me desculpem pelos erros de português.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...