1. Spirit Fanfics >
  2. --Vingança em meio de um amor proibido... >
  3. Prólogo

História --Vingança em meio de um amor proibido... - Capítulo 1


Escrita por: e Duda__power


Notas do Autor


Olha eu aqui de novo kk gente descupem, eu fiz muita bagunça nessa fic, e por isso pretendo organiza-lá
💖💖💖💖💖💖
Gente essa capa foi minha amiga que fez. @Garota_cacheada...
BOA LEITURA😊

Capítulo 1 - Prólogo


 

--Era uma noite completamente silenciosa nas ruas de Rio de Janeiro, e Gabriel convida sua esposa Emily para jantar fora, ela aceitou é claro, até porquê um Polícial federal não tem muito tempo pra família...

       <>

~GABRIEL ON:

Vamos Emily! (Digo, olhando a hora no meu relógio)

logo após, ela aparece com um vestido roso fraco, uma sapatilha bege e seus lindos cabelos loiros estavam soltos.

 Você tá linda! (Digo e ela sorrir)

 Vamos!!!

 **

"Seguimos estrada" rumo ao restaurante "5 estrelas" depois de 15 minutos, chegamos ao local; não tinha muita gente, só algumas pessoas aqui e "acular." sentamos numa mesa que eu tinha reservado há algum tempo atrás, avistei o garçon e Fiz um sinal para o mesmo, que veio logo em seguida. 

             *EM OUTRO LOCAL*

Tom: Vamo entrar e sair de lá, sem que os "Bota Preta" percebam. Caso contrário nós tamo ferra! Se algo dé errado é cada um por si e Deus por todos.

Coloquem as máscaras! E van-bora porquê a hora chegou...(digo e alguns pegam motos e outros vão em carros)

*****

--Até agora tava tudo calmo, a rua tava sem movimento de carro, moto ou pessoas, mas ao passar por um restaurante uma "pessoa me chama atenção" paro o carro e chamo os parça no rádio.  /mudança de planos (digo)...

Sem movimento bruscos observo tudo em volta. e não tem presença de "Bota preta" na área,  derrepente vejo "um alguém" indo em direção contrária, esse não era o plano pra hoje mais, vamo que vamo. é hoje que esse infeliz me paga! hahaa...

Não aproximem os carros e não os deixe muito longe pois a fuga hoje, vai "trolar." Hahaa Vai ser muito divertido. (Diz com ironia)...

Saio do carro discretamente, pego minha metralhadora, meu fuzil  e saio do carro, olho para traz e meus compaça ja tavam em posição.        

Vamos!!!  

(Nos separamos para não ficar muito na cara né.)  Invadimos e cercamos o local,    

-- BORA TODO MUNDO PRO CHÃO,PRO CHÃO--

 *

Todos assustados vão pro chão até Emily Agreste,  vou até ela, e há puxo  pelos cabelo, ela fica em pé com um pouco de dificuldade, mas a mesma fica apavorada quando eu coloco meu fuzil, em sua cabeça,  (e vc fica bem quietinha aí, digo e ela engole em seco)

*

 Gabriel on:

Ok...

Amanhã organizámos tudo e começa-mos as Buscas. (Digo encerrando a ligação)

Derrepente ouço barulho de Tiro e muita gritaria; saio do banheiro as pressas e corro em direção há, revelion;

Droga! De Traficantes...

Peguei minha arma e começei a andar discretamente e com bastante cuidado  pelo local. 

Cadê você Emily!?

Ah...        

Meu coração falhou uma batida quando há ví.  (Não pensei nas consequências que isso poderia causar, mas eu não posso simplismente fingir que não tá acontecendo nada. Entro em um corredor, que ia me levar até ela.. Sem plano e sem parceiro isso, fica mais complicado  pra mim e muito mais fácil pra eles!

Ao sair do corredor, e eu sem querer tropeço, em alguma coisa que eu não sabia o que era!    

  (Droga)!!!

- Olho de relançe pro miserável, que estava com minha mulher nos braços, e com um fuzil apontado para sua cabeça! Vi o desespero nos seus olhos.  *Saio do esconderijo.*

Emily!? (Grito)

-Emily: ( Gabriel!)  (começa a chorar-)

- (Me desespero)

Tom: ora, ora, ora se não é o Federal de quinta que invadiu meu morro, e acabou com metade dos meus traficantes. Mas me diz GAbriel,  o que você achou nessa mulher, a ponto de protege-lá, sem "nenhuma ajuda por perto!"?  (Diz com deboche e coloca o fuzil abaixo do queixo de Emily!

(Os traficantes  começaram há cerca-los)

- Não quero confusão!  Só quero que você solte minha mulher e essas pessoas também!!

- Mas olha como as coisas mudam né, no dia que tú invadiu meu morro,  aposto que tú também não queria confusão né (grita ).

- Você é um covarde!  Pode aproveitar bem, essa situação, só porquê eu tô sozinho; mas eu Juro que um dia eu acabo de vez com aquele Alemão.  E Deixa minha mulher em paz, caralho!!!

Já que tú faz tanta questão dessa infeliz [atiro duas vezes, na cabeça dela e há jogo em direção dele]. Fica com ela! Mas vai pro quinto dos inferno (digo, e atiro nele)...

Saio de lá deixando-os jogados no chão. E os "Bota-Preta"  tão chegando, van-bora.

(Saimos de lá e fomos para o Alemão) 

<>

Gabriel: Anhhh!!!  (Gruni de dor)

- Emilly! (Digo quase sem forças) 

- Por favor fala comigo, não me deixa, há Nossa história não pode acabar assim, Lute por você por nós e por nossos filhos. passo minha mão no seu, lindo rosto de aparência há uma boneca de porcelana, muito frágil. Ô Emily! Você não merecia isso, o que eu fiz pra te perder assim. Saiba que eu te amo muito e sempre vou te amar _choro_... (Olho em volta e não vejo sinal de vida). Aquele Desgraçado vai me pagar com a mesma moeda...

A ambulância chega E leva todos ao Hospital. Mas Emily e os outros não resistiram... Apenas Gabriel Agreste ficou pra contar história.

[···]

 

    - 2 ANOS DEPOIS -  

~Mary on:  

Acordo com o barulho insuportável do despertador tocando, me levanto da cama ainda meio sonolenta, e vou em direção ao banheiro. Fasso minha higiene, tomo um banho rápido, coloco meu uniforme da escola, que era uma saia azul-forte um pouco justa e não muito curta junto com uma blusa vermelha de mangas, pego minha mochila e saio.

-Bom dia mãe e pai- digo dando um beijo e um abraço neles, em seguida pego uma maçã e saio.

- Filha (minha mãe me chama) você não vai tomar café da manhã com agente!?   _Bem que eu gostaria mãe! mas eu já estou atrasada_mas amanhã eu prometo que tomo café da manhã com vocês! Tchau!

Tchau (ela e meu pai dizem em unissomo) Boa aula filha.   - Obrigada!!! 

<>

  Ao chegar na escola François Dupon, vejo alya me esperando, sentada em uma das bancadas do lado de fora do colégio, pro tipo de amiga que sempre te espera dentro da sala, dessa vez ela se superou (sorri fraco) Confesso achei isso um pouco estranho.

- Há oi alya! Tudo bem?

~ oi mary! tudo sim! (Diz sorrindo) e você como está?

- Eu estou ótima! Só um pouco curiosa sabe?

~ Sério !  (diz surpresa) pelo quê?  

- Há nada demais! Só quero muito saber, qual fui o milagre que aconteceu hoje!  - De você tê me esperado. (digo meio na dúvida e há olhando devertida)

~(E​la sorri,) Adivinha!!!  

- Há não sei!!! (dou de ombros e coloco o indicador no meu lábio inferior, com cara de quem tava pensando)

~ Professora Bustier faltou hoje!!! (Ela diz animada)

- Serio!​ porquê? _pergunto meio confusa, até porquê é muito raro os professores faltarem assim! Sem dá explicações. não  que eu tenha achado isso ruim, muito pelo contrário é bom ficar de horário vago de vez em quando_

~ Também não sei (ela dá de ombros)

- Será que aconteceu algo com ela? (Digo preucupada)

~ Eu acho que não miga! Mas olha quem tá chegando aí!   (Ela diz e começa a olhar pra trás) 

 (Acompanho seu olhar) meu coração falhou uma batida quando ô vi_ derepente minhas mãos começaram a suar_para com isso marinette_repetir pra mim mesma_

 _Olá meninas _diz ele lindo e charmoso_ 

~Olá!  (Eu e Aly, respondemos em uníssomo) 

-Ele deu um sorriso fraco e me fitou por um breve segundo (vejo vocês lá dentro) diz e sai...eu tinha certeza que um tomate tava menos vermelho do que eu, naquele momento...

*_QUEBRA _DE _TEMPO_*

A última aula já tinha acabado e eu já estava acaminho de casa. Derrepente começa a pingar, olho pra cima e vejo que a chuva já vinha aí, o vento estava estremamente forte! Acelero o passo conforme a chuva ia aumentando, senti uma brisa muito fria que arrepiou-me os pelos do braço, abro a porta da sala e entro em casa!

- Senti um ar mais quente dentro de casa que me aliviou do frio máximo que estava lá fora, subi as escadas indo direto pro meu quarto! Ao adentrar o cómodo, jogo minha mochila em um quanto qualquer do quarto!

Finalmente em casa _Digo respirando aliviada_

Pego meu celular que estava acima da minha cómoda cor rosa, ligo os Dados móveis e "entro" no meu Whatsapp, tinha várias mensagens; mas olhei logo da minha avó.

            MENSAGEM ON:

_Oi mary! 

_Tudo bem com vcs querida? 

_Quando você vem nos visitar?

_Estou com saudades!

*                                                               -Oi vovó!

                                                              - estamos bem!

                                                               Eu tô pensando em ir amanhã visitar vocês!  Tambem estou com muita saudades!.                                                        -Como o vovô está?   

~ Está bem querida! Mas nos vamos ficar muito felizes se vc vim mesmo nos visitar.

                                    - Pode deixar que eu vou sim vó! 

-Ok querida tchau até amanhã! Beijos.  

                                                     - Tchau vó, te amo!

   Mensagem off. *

  Vi uma mensagem do Luka (dei um sorriso de lado)

Quando eu ia responder ouço uma pancada muito forte como se alguem tivesse arrombado há porta, levei um susto e sem querer o celular caiu no chão, minha mãe começa a grita desesperadamente, e mais coisas começas a quebrar, meu pai começa a falar muito alto com alguém, começei a pensar bobagens ruins, fiquei comedo e sem saber o que fazer, Derrepente começou a chover novamente, só que mais forte e com relâmpagos. 

Tikki começa a chorar de um jeito diferente, (de medo) engoli em seco!  _Coragem Marinette_ meu subconsiente repetia sem parar...

- Sem coragem!, mas reúno todas as minhas forças e começo a andar até a porta cor de rosa  do meu quanto, puxo a maçaneta e saio com todo cuidado do mundo, uma discussão agora surge, não dá pra ouvir o que eles exatamente estão discutindo por causa da distância, e simplismente pelo fato da casa ser toda forrada. Um relâmpago surge. _me assustei_ mas continuei descendo as escadas, ao me aproximar da sala esculto três barulhos insuportáveis de que parecia ser uma arma depois de ser acionada, _me desesperei_  Não andei devagar como eu estava andando, sem medo e sem pensar começei a correr até a sala de está.

- Há não pode ser!,(tapo minha boca por não acreditar No que eu estava vendo) há primeira de muitas lágrimas começou a cair, meu coração começou a acelerar num ritmo muito doloroso.

MÃE PAI. (grito no desespero comedo de perde-los)

- Isso não está acontecendo (choro muito muito mesmo) Abraço eles, _mãe pai falem comigo por favor, não me deixem sozinha nesse mundo, eu preciso de vocês, vocês são tudo que eu tenho, por favor não me deixem, coloco minha mão no peito de minha mãe e não está batendo, NAO MÃE (GRITO)  rapidamente olho o do meu pai, e assim como o da minha mãe não estava batendo...

- CAIO DE JOELHOS NO CHÃO SEM ME IMPORTAR COM A DOR DO IMPACTO-         MEU DEUS ME AJUDE POR FAVOR, O QUE EU FAÇO POR FAVOR ME DIGA!!!

Um trovão surge "rasgando" o céu com seu estrondo, derrepente algo na cozinha cai, me levantei e fui até lá dessa vez eu não estava comedo, e sim com muita raiva, eu quero muito saber quem foi o responsável por essa desgraça.

Mas um trovão "surge" só que dessa vez foi diferente ,foi muito "vingativo" porque veio com um relâmpago, que caio em algum lugar da cidade, levando a energia do bairro, a porta da cozinha se abril, um pouco devagar, acredito que ainda tinha alguém aqui. (E isso me dá medo) com cuidado passo por perto da mesa, um relâmpago clareia o céu, ví um Homem de capuz que parecia ser preto, calça e botas. 

Não acredito!!!

Era ele Gabriel o federal que meu pai tanto odiava. 

Era tudo tão  inútil naquela noite, outro relâmpago "veio" mas ele não estava mais lá...

EU ME VINGAREI​, (GRITO COM MUITO ODIO) ISSO TERÁ TROCO, VOU FAZER DESSA TUA VIDA UM INFERNO...​

- Começoa chorar - desistindo de ve-lo novamente.

Começo a andar com muito cuidado pela casa porque,  tudo estava escuro, de coração partido chego há sala mas eu precisava chegar no meu quarto, pra poder pegar meu celular e ligar pros meus avós!  

Começo a subir as escadas, ainda não acreditando no que tinha acontecido, um trovão surgiu sem querer eu tropeçei num degrau e caí..

AHHhh!!!

Minha cabeça Bateu na parede com uma força Brutal .(passei minha mão de leve na cabeça) mas não aguentei a Dor...

Meus olhos e minhas pernas começaram há enfraquecer e minhas palpelas se fecharam.... 

 

 

 

                                             

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

    

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


Comentários são muito bem vindos
💕💕💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...