História 02 de Novembro - Capítulo 1


Escrita por: ~

Visualizações 328
Palavras 382
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Lírica

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


I m p o r t a n t e: leiam as notas finais. Obrigada ♡

Capítulo 1 - E morto, vivia


Fanfic / Fanfiction 02 de Novembro - Capítulo 1 - E morto, vivia

Paradoxialmente, foi naquele dia de memória à morte que sentiu a vida lhe ser devolvida a si como um sopro suave do mesmo débil vento que abraçava seu corpo estático naquela cadeira insignificante dentre as centenas outras espalhadas pelo local arejado – este que se situava no centro de um vasto ambiente decorado em paisagens naturais, tendo o verde em seus mais diversos tons colorindo majoritariamente a vista. 

Nas primeiras horas em que chegara ali, o sol brilhava ameno, aquecendo agradavelmente a manhã preguiçosa que acordava de forma lenta e arrastada naquela quinta-feira fúnebre. Porém, conforme se foi passando o tempo, os raios luminosos do caloroso astro esconderam-se por detrás das cinzentas nuvens que, agora, cobriam todo o azul céu. E, antes mesmo que pudesse entender o que acontecia, viu – pelas laterais abertas – a chuva precipitar-se sobre o solo, orvalhando a grama alta crescida ali. 

Os pêlos do corpo puseram-se a arrepiar. Quiçá tivesse sido pela brisa deveras fria que bailou rodopiante em torno de si, ou simplesmente fora pelo melodioso som enternecedor que ecoou do enorme, também clássico, instrumento de cordas, e adentrou seus ouvidos calma, mansa e tranquilamente, levando-lhe a uma realidade onde a paz habitava no tocar do arco nas cordas e na harmonia que encontrava nas muitas lágrimas celestes que caíam. 

Fosse como fosse, estava bem daquela forma e dali não queria sair nunca mais.

O sentimento pleno de serenidade exalava das muitas notas tecladas no piano elétrico, que construía – ao mesmo que desconstruía – as escalas, compondo assim sua canção atemporal. Também estava no contra-tempo marcado pelo baixo, na doçura da flauta, e até mesmo no estridente som que provinha da bateria.

Não havia nada além de paisagens sonoras dos mais variados tipos lhe agraciando os ouvidos. E mesmo que seja estranho dizer, até o rádio de carro ligado às alturas do outro lado do muro contribuía para que tudo estivesse harmônico e 'numa perfeita sintonia. 

Fosse por onde fosse, estava bem daquela forma e assim queria permanecer eternamente.

E tudo ocorreu naquele dia. Aquele dia de morte em que própria vida lhe falou ao coração, com sua voz de terno silêncio que acalenta a alma e pacifica o espírito. 

Então pôde sentir paz. A verdadeira paz. 

Porque naquele dia de morte, enterrou a si e viveu em Cristo.


Notas Finais


(Eu sei que falei demais nessas notas, mas, por favor, leiam até o final)

Acredito que eu nunca tenha citado esse fato para vocês, aqui. Mas, sim, eu sou cristã (evangélica). Também nunca escrevi sobre minha experiência como tal, não porque tenho vergonha, mas por não saber expressar em palavras o grande amor de Deus pela minha vida. É tão intenso que nenhum vocábulo do dicionário é capaz descrever. Porém, neste caso, eu senti a necessidade de traduzir, da forma que mais sei fazer (ou seja, poeticamente) uma das mais profundas experiências que vivi em um evento relacionado à música – mais especificamente, Encontro de Grupo de Louvor e Instrumentista (e, sim, eu canto e toco na igreja) – que ocorreu no dia 02 de Novembro. Como todos sabem – ou não – essa data é um feriado em memória aos Finados (por isso a referência "dia de morte" citada no texto).

Foi muito especial para mim esse dia, e tentei retratar, mesmo que de forma simplificada, essa minha experiência. Espero que tenham gostado, e mesmo aqueles que não ligam para religião (coisa que respeito, afinal cada um segue o que acredita), espero que tenham, pelo menos, sentido a poesia tocar em seus corações.

"E ouvi uma voz do céu, como a voz de muitas águas, e como a voz de um grande trovão; e ouvi uma voz de harpistas, que tocavam com as suas harpas.

Apocalipse 14:2"

________________

Ok. Agora vamos à segunda parte (prometo ser o mais breve possível):

Quero começar uma Campanha de Divulgação, onde irei, óbvio, divulgar obras de arte que merecem ser reconhecidas aqui no Spirit. Há tantas pérolas preciosíssimas perdidas por este site, que resolvi buscá-las e dar destaques a elas (baseada no meu próprio gosto e ponto de vista sobre o que significa essa "arte" que estou falando). E para inaugurar a campanha, vos trago dois pequenos textos grandiosos da @Cookie_azul. Além de ser uma pessoa maravilhosa, essa @ é uma grande escritora. E eu gostaria que vocês dessem uma chance aos textos dela e fossem lá dar uma olhada <3

1 - Rosa radioativa: https://spiritfanfics.com/historia/rosa-radioativa-10878831

2 - Blue Butterfly: https://spiritfanfics.com/historia/blue-butterfly-9916033
(A foto da borboleta que está na capa desta aqui fui eu quem tirei <3 huahua)


E a última divulgação que eu queria fazer é de um desafio (o 'Scary New Year Challenge') criado pela @PISAO em parceria com a @oddmoon, que é do gênero Terror/Horror e está ligado às festividades de final de ano. Para quem quer aprimorar a escrita e tentar novos desafios, é uma ótima oportunidade. Infelizmente eu não sei escrever nada que dê medo nem em um bebê, por isso não participarei. Mas você que gosta do gênero e estava procurando por algo assim, não deixe a oportunidade passar. Participe com elas!

Link do Jornal explicando tudo direitinho: https://spiritfanfics.com/jornais/challenge-scary-new-year-10894994

Não participarei mas acompanharei as histórias postadas. Quero ver vocês lá, ein! :)


E FINALMENTE TERMINEI DE FALAR TUDO O QUE EU QUERIA. Me desculpem pelo tamanho dessa nota, mas vocês viram que era mesmo muita coisa, né?

Enfim. Digam o que acharam do texto, quero muito saber a opinião de vocês. É importante para mim <3

Beijos, até breve! ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...