História 103 dias - incesto - Capítulo 26


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Visualizações 79
Palavras 751
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 26 - O Arco Iris Depois da Tempestade


Dirijo quase 1 hora e o tanque do carro já esta quase vazio, esse não é o único problema, a Larissa também já vai acordar o sonífero não é tão forte. Antes que eu me desespere finalmente encontro o prédio. Paro o carro em frente e vou falar com o porteiro, ele afirma que já esta avisado de que eu sou o novo dono da cobertura, ele me entrega a chave do apartamento e do estacionamento do prédio. Volto pro carro e desço a rampa do estacionamento. Fecho as portas e pego ela no colo. Vou até o elevador e com muita dificuldade consigo apertar os botões. Continuo com ela no colo até o elevador chegar no último andar, e aquela música tão calma tocando parecia uma ironia. Quando chego na cobertura, procuro pelo número do apartamento que estava escrito na chave, ao achar sento a Larissa ainda desacordada no chão e destranco a porta. CARALHO. Isso não é um apartamento é a porra de uma mansão. Pego ela no colo de novo e deixo ela sentada na sala. "Cara isso é incrível" digo pra mim mesmo olhando todos os móveis, mesa de bilhar, um bar enorme. Continuo andando e tem 3 quartos, "Eu posso ate ter mais filhos com a Larissa, tem quartos suficiente." Volto pra sala e ela esta acordando, tranco bem a porta e guardo a chave no meu bolso. Ela ainda esta bem sonolenta então eu apoio ela no meu ombro e a levo pro primeiro quarto que encontro "Você vai amar esse lugar" digo pra ela sussurrando "Olha essa janela, da pra ver a cidade toda." deito ela na cama e abro as cortinas deixando a vista a bela paisagem das luzes da cidade. Ela começa a se mexer lentamente, e finalmente acorda "Você me dopou?" ela pergunta passando as mãos nos olhos "Esquece isso, olha essa vista." aponto pra janela e ela me olha fixamente "Você vai me levar agora pra casa" olho pra ela e arrumo seu cabelo

"Não"

"Gustavo, você pode ser acusado de sequestro, você sabe o que o papai vai fazer quando perceber que eu sumi?"

"Você acha que eu ligo?" chego mais perto dela e a puxo pra perto de mim, passo a mão em sua barriga e em seguida começo a beija-la. Ela se entrega por um momento mas logo depois me empurra e se levanta da cama "Eu não sei o que você tem na cabeça. Eu vou sair daqui." ela sai do quarto andando em direção a porta de saída. Vou ate ela e observo a cena "Abre essa porra" ela diz gritando e puxando a maçaneta "Chega. Vem aqui." vou ate ela e a trago pro sofá. Ela começa chorar e eu a abraço

 "Não fica nervosa assim. Vai fazer mal pra criança."

"Gustavo, esquece isso. Eu não vou ter esse filho."

"Vai, é claro que vai. Ele ou ela, é o simbolo do que eu sinto por você, de todo o amor que eu tenho aqui no meu peito. A gente tem que aceitar e criar essa criança." ela chora muito e enxuga o rosto "Eu não queria sentir essas coisas por você" eu sorrio e me a aproximo dela "Sentir o que?" pergunto sussurrando em seu ouvindo sentindo ela se arrepiar, beijo seu pescoço e beijo ela lentamente. Ela se entrega completamente nos meus braços e se senta no meu colo. Eu desço a minha bermuda e ela começa a cavalgar no meu pau como ela não fazia a muito tempo, ela tava fazendo com muita saudade "Isso amor. Mata a sua vontade." digo abraçando ela e ajudando o meu pau entrar cada vez mais e mais. Ela geme muito, esta completamente molhada e eu estou me sentindo no céu comendo um anjo. Ainda cavalgando, agora mais devagar, ela joga a cabeça no meu ombro parece cansada mas não desiste de rebolar, deslizando de tão excitada. Então eu a pego no colo e jogo ela no sofá, abro suas pernas "Deixa comigo agora princesa." penetro ela de uma vez e bem fundo, a estoco varias vezes seguidas bem rápido e forte, rápido e forte, e mais rápido e forte. Ela se contorce, segura nas almofadas

"Você é uma irmã muito boa."

 "NÃO PARA.... POR FAVOR POR FAVOR ME COME" ela responde entre lágrimas gemidos e muito suor. 

Gozamos juntos e eu caio em cima dela exausto. Ficamos ali sem falar nada, não precisamos de palavras, só ficamos ali tranquilos, nos recuperando e curtindo o sentimento que só nos dois entendemos.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...