História 105 dias (TOP) (BIGBANG) - Capítulo 90


Escrita por:

Postado
Categorias 2NE1, Big Bang, GD & TOP, G-Dragon
Personagens D-Lite (Daesung), G-Dragon, Personagens Originais, Seungri, T.O.P, Taeyang
Tags Big Bang, Choi Seung Hyun, Daesung, Seungri, Taeyang, Top
Visualizações 56
Palavras 2.907
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Ecchi, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 90 - Karaoke


Fanfic / Fanfiction 105 dias (TOP) (BIGBANG) - Capítulo 90 - Karaoke

Patsuan largou a mala e fechou a porta, sorrindo e se curvando para a mulher, que repetiu seu gesto.
"- Desculpe a falta de educação. Meu nome é Shinpachi."
"- Perdoe a mim também. Meu nome é Cecília, Cecília Cheung."
Entraram no elevador e Seung Hyun tentava afastar da mente os pensamentos sobre o que teria feito se a colega de elenco não tivesse aparecido. Ele se perguntava a razão de ela estar ali e por que parecia que ela ia embora quando ele chegou à sua porta.
Cecília pegou o smartphone e sacudiu Seung Hyun, chegando bem perto dele, fazendo as bochechas de Patsuan esquentarem de ciúmes.
"- Olha, olha! Meu marido mandou o vídeo do meu filho mais novo dançando Fantastic Baby!"
A risada de Seung Hyun preencheu o pequeno espaço.
"Filho? Marido? Será que eu entendi errado?"
Cecília mostrou o vídeo para Patsuan e ela riu também.
Ela observou-os, vendo que eles pareciam amigos e que suas suspeitas de que fossem amantes eram infundadas, já que ela começou a falar de sua família com os olhos brilhando e mostrando fotos para os dois.

Quando eles chegaram ao saguão já havia em torno de sete pessoas lá esperando por eles.
Um homem, alto e barbudo, agarrou Seung Hyun pelo pescoço e disse:
"- Vamos lá vai ser divertido!"
Seung Hyun riu e fingiu dar socos na barriga dele, que só parou de rir quando viu Patsuan.
Ele soltou o pescoço de Seung Hyun e foi até ela.
"- Ah seu malandro! Quem é essa beldade?"
Os dois envolvidos riram sem graça.
"- Esta é Shinpachi. Ela é... uma amiga... uma colega de trabalho, da Coréia."
O homem tentou repetir o nome e ela disse:
"- Pode me chamar de Pat."
Ele assentiu e beijou a mão dela, sedutor, recebendo um olhar emburrado de Seung Hyun.
Eles foram até o karaoke a pé e Patsuan se amaldiçoou por ter se deixado enganar pela tarde ensolarada de quando chegou à cidade, afinal, era inverno e agora estava frio.
Ela usava um sobretudo por cima do vestido de lã e mangas cumpridas mas ele era curto e as meias 7/8 que usava não eram tão quentes quanto ela pensou que seriam. Fechou o sobretudo e cruzou os braços, tentando se esquentar.
Seung Hyun a fez parar e tirou a manta que usava no pescoço, enrolando-a no dela, sabendo que as bochechas dela estavam vermelhas enquanto ele fazia isso.
Olhou a nos olhos quando terminou e disse:
"- É muito bom ver você."
O homem barbudo se aproximou e encheu a garota de perguntas, não dando espaço para Seung Hyun continuar a conversa com ela.
"- O que a trás à Colônia?"
Ela olhou para TOP e mordeu o lábio. 

"- Eu estou de folga... E..."
Seung Hyun a interrompeu:
"- Nós estamos envolvidos naquele leilão de arte que eu comentei com você. Nós vamos visitar alguns lugares, algumas exposições."
Eles chegaram ao seu destino e o homem fez de tudo para sentar ao lado de Patsuan, mas Cecília veio e o puxou pelo braço.
"- Pode sentar bem na frente porque você vai ser o primeiro a cantar!"
Eles começaram a pedir bebidas imediatamente e Patsuan bebeu apenas suco de frutas.
No momento em que o homem soltou o primeiro verso da música Patsuan soube o porque de ele ser o primeiro, ele cantava tão mal, que qualquer um que cantasse depois dele seria melhor.

"- Você vai cantar Shinpachi?"
"- Não, eu não conheço quase nenhuma dessas músicas." Ela mentiu.
"- Não seja por isso, eles podem conectar à Internet e baixar qualquer canção que você queira."
Ela sacudiu as mãos em frente ao rosto negando e os acompanhantes deles fizeram coro, pedindo que ela cantasse.
"- Vai Shinpachi, canta alguma coisa, sua voz é linda."
Quando questionado a respeito, TOP concordou e disse que ela cantava muito bem.
Ela parou e encarou Seung Hyun, que tinha o menu eletrônico de músicas nas mãos.
"- O que você quer que eu cante?"
Ele sorriu de canto.
"- Uma bem difícil. Eu aposto que você não consegue."
Ele já tinha feito o download e mostrou a tela do tablet pra ela.
Ela ergueu uma sobrancelha.
"- Você aposta que eu não consigo uma boa pontuação?"
"- Aposto."
"- Então quer dizer que se eu conseguir... Você me dá o que eu quiser?"
Seung Hyun sacudiu a cabeça concordando, fazendo os presentes soltarem um "uhh" em coro.
"- Você pode me pedir qualquer coisa, menos que eu te pague uma refeição. Você come demais."
Ele disse sério e Patsuan fez cara de triste, arrancando risadas de todos.
Ela bebeu todo o conteúdo do copo de whisky de Seung Hyun e foi até o palco.
Quando as primeiras notas de Doom Dada começaram, os presentes aplaudiram.

Ela ergueu o queixo, confiante, enquanto Seung Hyun disfarçadamente admirava o corpo dela.
O vestido justo e preto, as meias e as botas, a pose e os gestos que ela fazia enquanto cantava deixaram-no impressionado.

"Faz tempo que não nos vemos.
Estou ficando impaciente.
Todos vocês, crianças, vão para o canto.
Eu sou o sommelier
que mudará seu paladar
Jogue mais lenha quando todo este mundo estiver em chamas
Pegue o que estou lhe entregando e curve-se em agradecimento.
Hey senhor, hey irmã.
TOP, o verdadeiro, está chegando."


Seung Hyun percebeu que ela mudou um pouco a letra, para que parecesse que ela estava falando dele, e não de si mesma.

"Sopre enquanto está quente.
Faça as chamas aumentarem.
Ainda há tempo, podemos construir
um novo mundo sobre as cinzas deste.

Você ainda está inconsciente.
Conheça a arma definitiva.
Aquela que afetará os tímpanos estreitos das almas adormecidas.
Vou invadi-las fervorosamente, como um espinho.
Conheça a arma definitiva
Vou invadir fervorosamente como um espinho.
Deus, Deus, Deus.
O chuveiro que lavará seus tímpanos.

Almas perdidas, incansáveis e ardentes.
Venham celebrar comigo no Paraíso
Almas perdidas, incansáveis e ardentes.
Vamos lá
DOOM DA DA DIVI DA DA
DOOM DA DA DIVI DA DA
DOOM DA DA DIVI DA DA DOOM
Em frente!
DOOM DA DA DIVI DA DA
DOOM DA DA DIVI DA DA
DOOM DA DA DIVI DA DA DOOM

Ele é T.O.P, um coreano extraordinário do século 21.
Um rapper com um dom dado por Deus, um Basquiat com um microfone."


Seung Hyun sorriu envergonhado e aplaudiu.

"Ele aqueceu a voz pela primeira vez em algum tempo
e terminou o jogo em apenas uma canção.
Mas me fez perder a cabeça e deixou um gosto em minha boca como um bom Pinot Noir."


Ela dizia estas palavras de forma provocante já que nenhum dos presentes além de Seung Hyun e Hongil às entendiam e, pelo olhar no rosto de TOP, ele estava gostando.


"Não me importo se os seus ossos derreterem, vamos ver o fim desta loucura.
Só assim vamos ver um novo mundo.
Aponte sua arma para o mundo complicado e barulhento e atire. Bang bang bang!
Solte a respiração e
DOOM DA DA DIVI DA

Ga na da ra ma ba sa
Ah ja cha ka ta pa,
O céu vai nos proteger
É como ver e ouvir estando acima do Universo.
Ele é um sonhador destemido.
Fugir? Ele não foge.
Ele vai te deixar em chamas.
Deus, Deus, Deus
O chuveiro que lavará seus tímpanos.
"

Seung Hyun se ajeitou na cadeira, ansioso pela parte mais rápida da letra.

"Hey mídia de massa, fiquem calmos
e lidem com esta nova inspiração.
DOOM DADA DIVI DA
Através da meditação eu observo a terceira dimensão.
Com o poder nos dado pelos Deuses
Teremos nossa vitoriosa civilização brilhante.
DOOM DADA DIVI DA,
Espero pela luz verde que brilhará em uma nova vida.
Damos voltas e voltas e voltas
Nunca saindo do mesmo lugar
Somente a voz dos que falam muito e fazem pouco
está sendo ouvida.
Siga, siga e siga
Fervendo, fumegando.
Enquanto a agitada mídia de massa manipula as pessoas.
Hakuna matata Hakuna matata
DOOM DADA DIVI DA,
Espero pela luz verde que brilhará em uma nova vida.
DOOM DA DA DIVI DA DA
DOOM DA DA DIVI DA DA
DOOM DA DA DIVI DA DA DOOM
Let’s Go
DOOM DA DA DIVI DA DA
DOOM DA DA DIVI DA DA
DOOM DA DA DIVI DA DA DOOM
Yeah."


Ela foi aplaudida de pé, principalmente por TOP e Hongil e sorriu, contente e envergonhada, se curvando à platéia.
Seung Hyun estava surpreso por ela ter ido tão bem, não que ele não acreditasse que ela conseguiria, mas ficou surpreso com como se sentiu assistindo-a, encantado e surpreendentemente excitado.
Quando ela voltou a se sentar, depois de receber vários tapinhas nas costas, mesmo das pessoas que não entenderam nada do que ela cantou, Seung Hyun pegou a mão dela e lhe deu um beijo estalado no rosto, lhe mostrando a pontuação alta.
"- Você foi maravilhosa! Adorei as partes que você mudou."
"- Achei que você não ia gostar..."
Ela percebeu que ele não havia soltado a mão dela.
Eles se encararam intensamente e ela disse em voz alta que não estava se sentindo bem, que precisava lavar o rosto com água fria.
O whisky havia sido demais para ela.
Um estagiário explicou-a aonde era o banheiro e ela se levantou, perdendo o equilíbrio, sendo amparada por Seung Hyun, que disse que a acompanharia até lá.

"- Desculpe, faz muito tempo que eu não bebo."
"- Tudo bem."
Seung Hyun pegou-a pela cintura e ajudou-a a se curvar na pia, chocando seus quadris levemente, devido ao pouco espaço.
Ele não tinha pra onde recuar então ficou encostado nela, constrangido por não conseguir evitar que ela percebesse sua ereção.
Patsuan terminou de lavar o rosto e se virou, se esfregando nele, que respirou fundo.
Ela encarou os lábios de Seung Hyun e mordeu os próprios, chegando seu rosto mais perto, roçando seu nariz na bochecha dele, sentindo o cheiro de sua pele.
Se afastou e olhou-o nos olhos, sem saber se deveria fazer o que estava com vontade.
"- Shinpachi."
Ele sussurrou e se inclinou lentamente em direção à ela e a beijou, com desejo e vontade, agarrando a cintura dela para deixar seus corpos ainda mais colados.
Enquanto beijava-o ela sentou na pia, agarrou-o pelo pescoço e o fez ficar entre suas pernas.
Seung Hyun arfava, passando as mãos pelas coxas dela, sentindo a cinta liga e ficando ainda mais excitado.
Puxou-a para mais perto, levantando seu vestido e esfregou o membro nela, que gemeu e o beijou ainda mais voraz.
De repente ela percebeu-o disperso.
"- Shinpachi..."
Ela não deu bola e continuou o que estava fazendo, mesmo ele tentando se afastar gentilmente.
"- Shinpachi" Ela o calou com um beijo, mas ele ainda estava tentando falar.
Ela interrompeu o beijo e fixou seu olhar no dele, exasperada, temendo o que ele ia dizer, já que quem havia tomado a iniciativa havia sido ele, até que ele a fez parar.
"- Pare. Nós parecemos dois animais. Eu não quero isso assim."
Ela se afastou, espantada, mas ele pôs o dedo em seus lábios e não a deixou falar.
Seung Hyun ajeitou os cabelos e a roupa dela e se olhou no espelho.
Todo mundo notaria o volume em suas calças.
Ele pôs as mãos na cintura, com um semblante que ela não soube identificar e a mandou sair primeiro, depois que ela lavou o rosto novamente.

"- Aonde está Seung Hyun?" Perguntou Cecília quando ela retornou.
"- Ele me acompanhou apenas até a porta, achei que ele já tinha voltado."
"- Acho que ele foi lá fora fumar."
Quando ele voltou, informou que iria embora.
"- Eu já vou indo, também."
"- Que isso, está cedo ainda."
"- Amanhã nós gravaremos cedo e ela vai me acompanhar ao set."
Pensou com cuidado no que dizer em seguida e mentiu:
"- Depois ela vai ter muito trabalho a fazer. Vai ser um dia cheio."
Ela concordou com suas palavras e os colegas lhes desejaram boa noite e os dois partiram acompanhados por Hongil.

O caminho até o hotel foi em completo silêncio.
Seung Hyun se controlando para não ir contra suas palavras e pular em cima dela e ela sem saber o que dizer, depois de ele ter os comparado a animais.
"Ele gostava mais quando eu era recatada? Prefere que eu aja com inocência e não demonstre o que eu quero e como eu me sinto em relação à ele?"
Ela pensava, sem conseguir decifrar porque o sorriso de canto no rosto dele contrastava com a atitude que ele teve no banheiro.

"- No que você está pensando tanto?"
Ele perguntou, escorando um dos braços na soleira da porta do apartamento em que ela estava hospedada no hotel, enquanto ela a abria.
"- Você nos comparou a animais e parou o que nós estávamos fazendo."
Ele ergueu uma sobrancelha e quando ela abriu a porta, ele entrou atrás e a prendeu de encontro à parede.
"- Animais... Fazem isso rápido..."
Ele puxou os cabelos dela para o outro lado e passou o nariz pelo pescoço dela, deixando beijos suaves por ali e ela se arrepiou quando ele disse em seu ouvido:
"- Eu quero fazer tudo bem devagar. Como da última vez..."
Seung Hyun subiu as mãos pela cintura dela e acariciou os seios por cima da roupa, dando beijos bem leves em seus lábios.
Patsuan tirou o casaco dele, retribuindo os beijos e lhe dando muitos outros mais, no maxilar e no queixo, tocando-o com carinho pela barriga e pelas costas.
Ele tirou o casaco dela a pegou pela mão, a levando até a cama, olhando em seus olhos.
Se ajoelhou para tirar-lhe as botas, beijando suas pernas e tirou a roupa dela vagarosamente, deixando beijos na pele descoberta, enquanto ela passava as mãos e puxava os cabelos dele, ajudando-o a se livrar das roupas.
Se beijaram devagar e Seung Hyun sentou na cama, com ela em seu colo, vestindo apenas as meias 7/8, que ele adorou. 
Beijou os seios dela e lambeu os mamilos, ouvindo-a suspirar.
Deitou-a e beijou seu corpo, ficando entre suas coxas.
Patsuan gemeu quando ele lambeu seu clitóris e enfiou o dedo nela.
Ele fazia tudo devagar e com calma e ela fechou os olhos, aproveitando a sensação quente da língua de Seung Hyun explorando cada canto de sua intimidade.
Puxou-o pelos cabelos e o trouxe pra cima de si, até que o pênis dele estivesse em seu rosto.
Ele sorriu e se ajeitou sobre ela, que passou a língua lentamente na extensão de seu membro sem parar.
Seung Hyun respirou fundo, gemendo, quando ela pôs só a glande na boca e a circulou com a língua, deixando-a molhada.
Ela ergueu a cabeça um pouco mais e chupou-o devagar e profundamente, olhando-o nos olhos.
Quando não estava aguentando mais, Seung Hyun deitou na cama e a puxou para o colo, beijando-a na boca.
Ela se ajeitou sobre seu membro e rebolou, gemendo baixinho, enquanto ele passava as mãos no corpo dela.
Patsuan pegou uma das mãos dele e beijou seus dedos, que ele manteve em sua boca, acariciando os lábios dela com o dedão, levando-os depois até seu pescoço e o apertando de leve, enquanto fazia ela se esfregar em seu colo para frente e para trás.
Se sentou na cama e colou seu corpo no dela, deixando-a ditar a velocidade dos movimentos, olhando fixamente para o rosto dela.
A garota abraçou-o, suspirou e gemeu em seu ouvido enquanto gozava.
Seung Hyun fechou os olhos com força e ela se afastou um pouco, beijando seu rosto, satisfeita ao ouvi-lo gemer e ao sentir o calor do orgasmo dele lhe invadindo.

Seung Hyun acordou no meio da madrugada e a observou dormindo, pensando no que a trouxe até ali.
No início do ano, depois de vê-la com outro homem, ele tinha decidido esquecê-la.
Por mais que ela negasse, Seung Hyun sabia que eles estavam juntos, mas agora, depois de tudo o que ouve com o outro homem e entre ele e Patsuan no ano anterior, Seung Hyun sabia que ela estava machucada e acabou se afastando apesar da saudade que esmagava seu peito cada vez que pensava nela.
Depois da festa, ele decidiu cortar o mal pela raiz e se afastar o máximo que pudesse, até mesmo partindo sem aviso prévio ou despedida.
Ela estava deitada de costas para ele e se aproximou, sonolenta, tirando-o de seu devaneio.
"- Oppa."
Ele a abraçou, se encaixando atrás dela, que mantinha os olhos fechados, sem estar completamente acordada.
"- Eu estou sonhando, oppa?" Ela murmurou, suspirando.
"- Eu que estou sonhando, princesa." Ele respondeu, com o rosto no pescoço dela, cheirando-lhe os cabelos.
"- Me desculpe por ter deixado outro homem me tocar..."
Ele sorriu de canto e deitou-a de costas na cama, fazendo-a despertar e se dar conta do que disse.
Ela enrubesceu e virou o rosto para o lado, envergonhada, mas Seung Hyun pegou o queixo dela e a fez olhar em seu rosto.
"- Ele pode ter te visto nua, mas ele não te conhece, ele não sabe sobre os seus sonhos, não conhece a sua história. Ele viu sua pele e tocou o seu corpo, mas ele não viu a sua alma... Nem o seu coração... Não é?"
Ela deu um sorriso tímido e negou com a cabeça, abraçando o pescoço dele, que acariciou os cabelos dela até ambos caírem no sono.
"Como nos velhos tempos."


Notas Finais


Ai, ai *suspiro*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...