História 134340: Calling for Pluto ((NamJin)) - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags 134340, Bt21, Chimmy, Constelações, Cooky, Época, Gueixas, Guerras, Hoseok, Hwarang, Império, Jimin, Jungkook, Koya, Lemon, Lirakuraiinu, Magic Shop, Mang, Namjin, Namjoon, Plutão, Romance, Seokjin, Shooky, Taehyung, Tata, Universo, Vhope, Yaoi, Yoongi, Yoonkook
Visualizações 69
Palavras 2.635
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishounen, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Científica, Fluffy, Lemon, LGBT, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Poesias, Romance e Novela, Shonen-Ai, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OLÁ MEUS BOLINHOS TERRÁQUEOS!
Cheguei com mais um capítulo, e tenho quase certeza que vão gostar dele! Aqui tem muitas referências, viu? A primeira delas pode ser um pouco mais complicada de ser explicada pra quem não sabe ou pra quem AINDA não estuda Filosofia. Por isso, para os manter informados, nas Notas Finais eu vou deixar um link de um site que explica bem o motivo da referência que usei.
Espero que gostem do rumo da história, ela está só começando viu? ^-^


~Boa leitura, amores! <3

Capítulo 4 - Capítulo III: Triangulum Astrale


Fanfic / Fanfiction 134340: Calling for Pluto ((NamJin)) - Capítulo 4 - Capítulo III: Triangulum Astrale

Capítulo 3; Triangulum Astrale

 

Seu desejo fora concedido, mas de um modo completamente, totalmente desastroso. NamJoon caíra numa velocidade absurda quando chegou na atmosfera terrestre. Desacordado estava, mas o calor incessante e o forte impacto à um carrinho de madeira repleto de frutas foi o suficiente para fazer o rapaz acordar no desespero. Com consideráveis machucados pelo corpo, este despertava agonizando por sentir suas retinas queimarem com a claridade do Sol. Por mais que berrasse de dor e desespero, não havia mais escapatórias e não tinha como voltar atrás. As frutas que despedaçou tornava tudo mais doloroso em suas costas, não conseguia se mexer. Enquanto isso, Koya caiu por sorte em um saco de farinha de trigo, amortecendo parte da sua queda. Era como se estivessem saindo de uma caverna escura e fria para um mundo totalmente novo. O que o filósofo Platão diria sobre isso?

Uma multidão se formou rapidamente para ver aquele homem estatelado e injuriado. Sussurros rondavam a mente confusa e agitada de Nam, e cada tentativa de se levantar era falha. “Ele é louco?”, “como ele chegou aqui?”, “ele caiu do céu?”. Ele só escutava isso. O homem escutava e grunhia por ajuda. Seus olhos estavam marejados enquanto os cobria com as duas mãos. Sentia sua pele se queimar com o calor que não estava acostumado a sentir. A pressão era mais leve ali e não estava habituado a sentí-lo.

Quando finalmente se levantou do lugar desconfortável, caiu ajoelhado no chão arenoso. Seus joelhos tremiam e não deixava de se questionar sobre como aquilo tudo aconteceu num piscar de olhos.

-K-Koya! –Murmurou. –Onde está você? –Perguntou com a voz rouca, rastejando, sem conseguir comemorar ainda a sua chegada que este mesmo ansiava.

Desnorteado e tonto, o coala saiu da bolsa suja de farinha e tratou de se arrastar dali com a mochila até seu mestre. Ele sorria de uma forma marota, talvez estivesse feliz por não ter se machucado tanto quanto seu humano.

-Não ria de mim, idiota. –Resmungou enquanto tentava, com dificuldades, abrir os olhos. Sentiu seu animal se aproximar e se encolher perto de seu rosto, e tratou de fazer o mesmo. Estavam com demasiado medo.

Momentos depois, ainda sentindo a proximidade de várias pessoas ao seu redor, pôde ouvir um grito que cessou as fofocas.

-Chega! Vão para casa! Não tem nada para ver aqui! –Uma voz um tanto mais fina conseguiu espantar as pessoas rapidamente enquanto também se aproximava do local do acidente.

Kim NamJoon não sabia quem era a alma milagrosa e talvez não tivesse interesse algum em saber disso agora, apenas fazia tremer. Até sentir lambidas eufóricas em sua bochecha, ato estranho que o fez se afastar de seu coala.

-Aish’! Koya, não seja tão esquisito, pare de me lamber! –Ele exclamou mas nem contava que seu animal não estava mais por perto.

-Desculpe por ele, é apenas um filhote. E não fora seu coala azul, eu garanto. –A voz riu. –Foi meu cachorro, me perdoe mais uma vez. Você está bem?

NamJoon parou e fez uma cara confusa, ainda sem abrir os olhos.

-Quem é você? –Perguntou em um resmungo.

-Saberá se abrir os olhos! –O segundo garoto exclamou e riu baixo.

-Não consigo. –Choramingou.

-Venha comigo então, ajudarei você com isso. Qual o seu nome afinal? Você tem um nome não é? –O outro perguntou enquanto segurava as mãos de NamJoon e o ajudava calmamente a ficar de pé ali.

-Sim. Me chamo Kim NamJoon, e meu coala se chama Koya. –Ele deu um sorriso fino antes de despencar sobre o ombro daquele que o ajudava. Sua cabeça girava.

-Bom, eu me chamo Park Jimin! E a criatura que te acordou é meu cachorro Chimmy. Te levarei para um lugar onde poderá ser bem cuidado, tudo bem? –Com esforço por ser mais baixo que NamJoon, carregou o mesmo até a entrada da Magic Shop. No meio do caminho, notou uma marca estranha na nuca do rapaz, como uma espécie de queimadura. Então abriu um questionamento; -És de Plutão?

-Sim, eu acabei vindo de lá Jimin. Alguns Hwarangs me arrastaram. –Falava no momento em que tentava abrir minimamente suas pálpebras.

-Então essa foi a sua salvação! Eu e mais dois amigos gostaríamos de saber da sua história.

-Por onde eu deveria começar?

-Pelo começo, é uma boa escolha. –Gargalhou. –Mas guarde sua narração para daqui a pouco, estamos entendidos?

 


[わくせい]

 


-O que? Ele veio de onde?! –Taehyung perguntava atônito enquanto encarava o novo rapaz, que permanecia de olhos fechados.

Estavam na biblioteca da lanchonete, em uma mesa ampla onde vários livros estavam espalhados entre os quatro rapazes. Jung Hoseok cuidava de seus ferimentos enquanto Park Jimin dava banho em Koya numa bacia, fazendo a farinha de trigo escorrer.

Chimmy estava agitado com o novo animal. Não parava de balançar sua cauda e não parava de observá-lo. Tata ajudava o mestre de outra criatura a limpar Koya e Mang apenas brincava com bolhas de sabão que flutuavam.

-De Plutão, Tae! –Hoseok respondia enquanto passava toalhas banhadas com água quente para limpar os machucados nas costas nuas de NamJoon. –Ele tem uma marca no pescoço que se não me engano segue a simbologia dos planetas e planetoides.

-Isso está mais para uma queimadura do que para uma simples marca. É como se ele não vivesse lá desde seu nascimento, é como se tivesse sido punido ou mandado para lá por um propósito. –Jimin deduzia de modo confuso, enquanto secava o coala azul com uma toalha macia.

-Suspeito. Suspeito demais. –Hoseok murmurava enquanto passava o polegar contra a marca de NamJoom. –Tá mais pra uma queimadura.

-Foi exatamente o que eu pensei! –Park exclamou, soltando o animal azul, o deixando correr com Tata, Mang e Chimmy.

-Como assim, uma queimadura? –Taehyung estava confuso. Coçou sua cabeça e olhou para o rapaz de cabelos alaranjados.

-Como se alguém tivesse feito essa marca no pescoço desse pobre coitado, Tae. Com aqueles instrumentos de metal moldados para isso. Tipo aqueles instrumentos de tortura com fogo.

-Caramba, é muito cruel pensar assim! –Jimin exclamou enquanto cruzava os braços.

-Mas não deixa de ser uma possibilidade. Será que ele já passou por Bon-Hwa? –Hoseok estremeceu e se encolheu ao pensar nas atrocidades possíveis.

-Bon-Hwa... –NamJoon murmurou e os outros três encararam rapidamente o rapaz de cabelos claros.

-Não me diga que conhece ele, senhor Kim NamJoon! –Hoseok disse em pavor enquanto colocava a mão em seu ombro e apertava, o encarando.

-Não conheço mas... é como se esse nome passasse pela minha cabeça como um sussurro. –Joon finalmente conseguiu abrir – não totalmente – seus olhos, apoiando o cotovelo contra a mesa de madeira e fazendo a ponta de seus dedos da mão tocarem pontos de seu rosto.

Os outros três se encararam em uma transparente preocupação e silenciaram por um tempo.

-Pode nos contar mais sobre o que sabe? –Taehyung engoliu em seco.

-Mas eu não sei de nada além de Plutão. –De maneira inocente, encarou o moreno.

O silêncio voltou por uns instantes, e enquanto sua visão voltava, observava atentamente os rostos de cada um dos meninos. Que também eram familiares para o homem que veio de longe. Ele observava Koya brincando com aquelas outras pequenas criaturas e pareciam amigos que não se viam a décadas. Estava tudo estranho, e mais perguntas brotavam na mente pensativa de Kim NamJoon.

-Pois bem. –Hoseok bateu uma palma única e alta, chamando a atenção dos garotos. –Temos o trabalho de mostrar tudo para NamJoon, entenderam?

-Buscarei roupas novas para ele! –Taehyung sorriu largo e amigável, se levantando e correndo até a porta de entrada e saída da biblioteca.

-Irei buscar comida. Está com fome, NamJoon? –Jimin perguntou enquanto corava e sorria de leve.

-Sim. Muita! –Ele riu baixo em resposta e viu o loiro correr logo atrás de Tae.

Jung Hoseok recolheu o material indesejado que estava sobre a mesa, assim retornando para sentar-se com o novato.

-Você se sente melhor? –Hoseok perguntou em tom de preocupação ao garoto que o encarava ao ouvir sua voz.

-Sinto. Obrigado por isso. São realmente atenciosos. –Riu, expondo suas covinhas.

-Sempre será bem-vindo aqui. Me diga, qual a sensação de ver tantas cores e tantas pessoas ao seu redor?

-Muito boa. Muito melhor do que a vida que levava lá em cima. E é bem mais quente. Finalmente não serei mais obrigado a usar vestes tão pesadas.

-E como é lá em Plutão?

-Solitário. Sombrio. Escuro. –Suspirou e riu baixo.

-Presumo que tenha se incomodado um pouco com a luz do Sol, correto?

-Pensei que fosse ficar cego! –Choramingou e Hoseok notou o exagero em sua fala, logo rindo.

-Porém você consegue ver melhor nesse momento? –Sorriu.

-É tudo muito bonito! –Exclamou. –Me sinto grato por não ter perdido a visão. –Sorriu e olhou para todos os cantos daquele ambiente.

-Poderá ver muito mais, em breve! –Jung riu e deu tapinhas de leve em seu ombro.

Momentos mais tarde, os rapazes podem ver Taehyung e Jimin chegando juntos, com o que fora prometido.

-Espero que goste de bolo e chá verde, Nam! –Jimin disse enquanto colocava o prato e a xícara na frente do rapaz, que arregalou os olhos ao ver as iguarias.

-Que tanto de roupa é esse, Taehyung?! –Hoseok perguntou enquanto olhava para as peças penduradas nos braços e ombros do moreno.

-Eu não sei qual o gosto dele! –Se defendeu. –Trouxe mais de uma roupa para ele provas. Depois iremos às compras com ele. –Protestou de modo engraçado, colocando os tecidos na mesa.

-‘Ocês fem roufas lefes, ferto’? –Com a boca cheia e as bochechas infladas que denunciavam que pelo menos metade da torta entregue à Nam se fora.

-NamJoon! –Jimin exclamou ao ver seu estado e gargalhou.

-Coma mais devagar, espere engolir a comida para falar. –O de cabelos alaranjados prendeu suas risadas contra a garganta enquanto limpava os lábios sujos do rapaz com um guardanapo.

-Desculpe. –NamJoon corou e falou após seguir o conselho de seu novo amigo, se encolhendo.

-Deixe, a gente entende! Agora trate de trocar de roupas quando acabar de comer.

Como uma criança agitada, NamJoon terminou de comer sua torta e beber o chá quente. Rapidamente se levantou e pegou as roupas oferecidas por um dos outros garotos.

Passou um tempo entrando e saindo do banheiro que tinha na biblioteca, mostrando as roupas em seu corpo para os garotos. Volta e meia tratavam de aprovar ou reprovar pelo garoto, até verem-no no final com roupas brancas combinadas com rosa, largas e confortáveis o bastante para Nam.

-Está muito larga, Nam, vá colocar algo melhor. –Sugeriu Jimin enquanto acariciava Chimmy em seu colo.

-Acho que está bom para mim, Jimin. É confortável como eu gostaria. Taehyung, eu prometo te devolver assim que eu puder. –Joon corou enquanto fitava-o.

-Considere como um presente. –Sorriu e deu-lhe uma piscadela. –Já disse que depois iremos fazer compras!

-Yeah baby! –Hoseok exclamou em comemoração. Ele era daqueles que amava fazer compras como ninguém, ainda mais se fosse sair para comprar roupas.

-Ele está usando rosa e branco? –Questionava Jimin à Taehyung ao encarar o mais velho de pé.

-Sim ele está. Rosa não combina tanto comigo quanto azul faz. Por que a pergunta? –Taehyung falava enquanto apoiava seu rosto à mesa.

-E sabe quem mais gosta de rosa? –Park sorriu de canto e encarou Tae após Hoseok, deixando Joon confuso.

-Ooh, agora sei onde está tentando chegar. –Jung riu baixo, de maneira travessa. –Kim SeokJin. Esse cara é um cara que grita coragem e cor-de-rosa por onde passa. –Ele mordeu o lábio inferior em um sorriso largo enquanto estapeava a mesa.

-De quem estão falando? –NamJoon questionou enquanto se aproximava e se sentava novamente ao lado dos outros meninos.

-Kim. Seok. Jin. –Jimin falou pausadamente enquanto seus olhos rolavam até visualizar o rosto de Joon. –Sabe quem ele é?

-Não. –Respondeu baixo e os fitou curioso.

-Ele é um Hwarang. O mais corajoso deles. Sabe o que ele fez?

-Para de suspense, Jimin! Conte logo pra ele! –Taehyung deu um tapa em suas costas.

-Bom, deixe que eu conto. –Hoseok os interrompeu e começou a falar. –Este tal Kim SeokJin, ou Jin, é um conhecido nosso, e ele fez algo que nenhum outro tem a audácia de fazer num império corrupto como esse. Ele se assumiu gay, e as notícias correram tão rápido que chegou em Bon-Hwa. O Imperador o puniu, o afastando da base e dessa região. Agora ele é obrigado a viver com uma alpaca em uma casa no campo. –Suspirou. –Ele é mais uma alma boa que foi condenada injustamente.

-Ele foi muito corajoso. –Jimin se lamentou.

-Por que ele vive com uma alpaca? –Perguntou Joon, visivelmente interessado com a história de Jin.

-A alpaca é mais um bicho de estimação dele, como o Koya, Tata ou o Chimmy. –Explicou Jung.

-Eu gostaria de vê-lo pessoalmente um dia. Parece ser uma pessoa maravilhosa. –Sorriu Nam.

-Para a sua sorte, ele virá no festival da Lua Azul daqui alguns dias. –Hoseok mexeu em seus cabelos como uma reação amigável.

-Ah, veremos sua beleza mais uma vez. –Tae suspirou.

Não se sabe se por ciúme ou outra coisa, recebera um tapa desferido por Hoseok em sua nuca. O de cabelos alaranjados cruzou as pernas e os braços e revirou os olhos.

-Não se esqueça que agora está sendo obrigado a viver como uma gueixa, Hoseok! –Jimin exclamou.

-Como uma gueixa? Como uma mulher?! –Nam perguntou incrédulo.

-O Imperador acha que as mulheres não são muito importantes, e que os homens gays devem ser rebaixados à nível de uma. O que não é nem um pouco justo.

-Mulheres devem ser rebaixadas? Isso não é legal. As mulheres são importantes, e se elas quiserem podem muito bem salvar a China com uma espada, um cavalo, um dragão magricela e um grilo da sorte. Eu penso assim. E qual o problema de SeokJin ser gay? Eu o apoio muito, o que importa é a felicidade de cada um, não o que agrada a esse Imperador.

Os garotos encararam NamJoon perplexos com seus dizeres e se impressionaram por ser tão mais mente aberta do que certas pessoas.

-Oh céus estamos salvos. Finalmente uma pessoa sensata nesse lugar. –Hoseok dizia enquanto suspirava aliviado.

-Imploro, NamJoon, seja nosso Imperador! –Tae suplicava e fazia o mais velho rir e corar.

-Garotos, já está ficando tarde. –Jimin os avisou. –Vamos nos recolher logo, estou cansado. –O loiro resmungava enquanto se levantava com Chimmy em seus braços.

-Vamos. Onde NamJoon ficará? –Hoseok se levantou em seguida, abrindo sua pergunta aos outros rapazes que eram seus funcionários..

-Eu posso oferecer uma das minhas camas para ele! Nam pode dormir na minha casa hoje, ou até arrumar lugar para ficar. –Tae disse com um sorriso bobo.

-Certo, Kim Taehyung. –Jung mudou de humor. –Faça o que quiser, nos vemos amanhã. Jimin, não se esqueça de comprar o que pedi amanhã de manhã. –Hoseok disse enquanto carregava Mang e saia da biblioteca às pressas.

NamJoon estranhou o comportamento de Hoseok. Jimin deu de ombros e logo seguiu os passos do outro enquanto acenava para os outros dois que ficavam.

-Tenho a suspeita de que ele ainda me ama. –Tae disse enquanto murmurava e levantava, soltando uma respiração profunda e pesada.

Tata esticou seu braço elástico e segurou a mão se seu mestre, que repetiu o ato.

-O que disse? –Joon questionou curioso ao sentir Koya subir em suas costas.

-Nada demais. –Sorriu bobo. –Vamos logo, temos muita coisa para fazer amanhã e temos que dormir bastante. –Deu tapas nas costas de NamJoon, de leve.

Logo os dois saíram juntos da biblioteca e da Magic Shop. Kim NamJoon sorriu apesar da confusão, e se esquecendo do modo desastroso de como chegou ao planeta Terra, se sentia abençoado por seu sonho de longa data ter sido realizado.

 


Notas Finais


Aqui está a citação de Platão!;
https://www.todamateria.com.br/mito-da-caverna/

Nos vemos em breve! >///<


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...