História 14 dias no Paraíso - Capítulo 1


Escrita por: e HanaYuri

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Hanayuri, Hoseok!top, Jikook, Mapamundirapperlinepjct, Namjin, Sope, Yoongi!bottom, Yoongi!centric
Visualizações 122
Palavras 3.250
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Lemon, LGBT, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Bonjour, HanY's!

Esta fanfic foi dedicada ao projeto Rapper Line <3

Eu simplesmente adorei escrever essa estória, além de esse ser meu primeiro hot (Sim, minha santidade evangélica foi tirada)

Enfim, boa leitura 🌙

Capítulo 1 - Aloha, meu amigo!


Fanfic / Fanfiction 14 dias no Paraíso - Capítulo 1 - Aloha, meu amigo!


— Não vou. Não quero.

Aquela era a milésima vez que Yoongi tentava deixar claro para Hoseok que a ideia idiota – na visão do outro – de ir para o Havaí não ia rolar, mas o garoto era insistente e sabia como ganhar o namorado.

— Ah, vai, Yoonnie…

— Hoseok, já falei. Tenho mais o que fazer, você também deveria ter. — Voltou sua atenção para o computador, enquanto Hoseok cutucava sua perna branquela. — Inferno, para com iss-

— Sabe, eu estava pensando… — Seus dedos longos repousaram na coxa magra, enquanto o pálido passava sua destra entre os fios cinzentos de seu cabelo ainda úmido pelo banho recém tomado, suspirando pesadamente para aliviar o estresse de ter Hoseok lhe perturbando. — A gente poderia aproveitar bem essa viagem… — Rapidamente, Yoongi jogou seu travesseiro na cara do Jung.

— O quê? Tá doido? — O Min olhou incrédulo a expressão perversa do moreno. 

— Ué, mas você não quer?

— Não.

— Mentira.

— Não, não quero!

— Quer, sim.

— Quero! — Yoongi tomou ciência de suas palavras, tapando a boca logo em seguida. Mas desistiu, afinal, realmente queria ter uma boa foda com o garoto sem que seus pais interrompessem. — Okay, mas eu não vou pagar nada.

Os olhos de Hoseok brilharam, e sua típica face atrevida tomou conta de si, ao mesmo tempo em que estendia a mão para seu namorado.

— Aloha, meu amigo!


(...)


Min Yoongi odiava aquilo tudo, em que momento achou que seria uma boa ideia viajar com Hoseok? Bom, já estava feito. E, naquele momento, não poderia mais voltar atrás, seu dinheiro para o Uber havia acabado.

De longe puderam avistar Jungkook, Jimin e, por fim, Namjoon, o pobre que trazia a imensa bagagem dos pestinhas folgados. Logo atrás, Kim Taehyung, que não parava de pular em momento algum, irritando seu hyung já cansado; definitivamente Jin não estava pronto para aturar esses jovens rebeldes e chatos a viajem inteira.

— Yoongi-hyung! — O ruivo simplesmente pulou em seu pescoço, quase derrubando-o por ser duas vezes maior. 

— Taehyung-ah! Larga ele. 

— Desculpa, hyung. — Naquele momento, Yoongi agradeceu mentalmente por Seokjin estar ali, afinal, não queria usar a violência.

— Tá, tá. Oi, Jin. Oi, Taehyungie.

— Nossa, ela tá de bom humor hoje, hobi? Que novidade. — A frase debochada de Jungkook ecoou como um pedido de morte para o Min, este que tentou ignorá-lo por completo. — Tô brincando, tá legal? Senti saudades.

 — Ei, ei, ei. Longe, Jungkook. Dez centímetros! — Yoongi afastou-se do Jeon, mas não podia esconder seu sorriso ao ver todos os seus amigos novamente, sua cara devia ser a mais boba possível, em sua visão.

— Suguito! — Maldição, pensou. — Suguito, que bom te ver! — O sorriso de Jimin era fofo, mas o apelido no qual chamara o mais velho era vergonhoso, ainda mais dito alto daquele jeito.

Depois de longos minutos falando da vida alheia e vários abraços, enfim, todos estavam ali, como há muito tempo não estavam. O peito de Yoongi estava aquecido, mesmo que tentasse esconder com sua postura mal-humorada de sempre, e seu namorado sabia, Jung Hoseok sentia-se profundamente feliz com isso. 

Ainda podia lembrar de como tudo começou, apenas uma palavra: Kim Seokjin.

 Conheceu o Kim no colegial, seu amigo inseparável. Jin era o oposto de Yoongi, extrovertido, gostava sempre de estar curtindo a vida e o que havia de melhor dela, diferente do Min, que só sabia ficar num canto reclamando de tudo e de todos. Como mencionado, Seokjin gostava muito de sair e desbravar novos lugares – boates, na maioria das vezes –, e, em uma dessas vezes, conheceu Namjoon, seu, agora, namorado. 

Kim Namjoon estava cursando advocacia, era um cara sério, inteligente e gentil, um bom alguém para abaixar o fogo do Kim. Logo conheceram Kim Taehyung, o irmão doidinho de Namjoon, um doce de pessoa para Jin, um macaco grudento para Yoongi. Mas Taehyung era uma boa pessoa, não podia negar.

1 ano depois, novamente em mais uma festa, conheceram Jimin e Jungkook, o casal que cursava a mesma universidade que eles. Jungkook era como qualquer outro universitário rico: debochado, mesquinho e chato, palavras de Yoongi. Par ideal de Jimin. Ainda sentia-se envergonhado ao lembrar do dia em que foi pego por Jimin vendo revistas pornográficas, pelo menos depois fingiram que nada havia acontecido.

O primo de Jungkook foi apresentado para si 3 meses depois, Jung Hoseok, o cara bonitinho da casa ao lado. Sim, eram vizinhos. Começaram a sair desde então, alguns meses depois já estavam namorando. Min Yoongi amava Jung Hoseok, era impossível não amá-lo. Hoseok era compreensivo, engraçado, bonito e tudo de bom para ele. Hoje, com 24 anos, percebeu que não errou nadinha.

Infelizmente, o tumor em seu corpo foi descoberto tarde. Jung Hoseok surtou totalmente quando soube, chorou dias e noites ao lado do namorado, inconformado. Seus amigos não ficaram diferentes, eram tão próximos que sequer imaginavam viver sem o amigo. Depois que Jin e Namjoon foram morar na Califórnia, o grupo se separou completamente, e foi assim por quase 2 anos, infelizmente estudos e trabalhos impediam-nos de se encontrarem.

— Amor, tudo bem? 

— ãh? — Yoongi demorou para entender as palavras, mas logo sorriu para o namorado. — Sim, sim. Por que?

 — Não sei, você parece pensativo. O que foi? Tá sentindo alguma coisa? Você tá bem? — Hoseok preocupado ficava realmente lindo. —  Se quiser, poss-

— Tá tudo bem, sim. Só estou um pouco cansado. — Apoiou a cabeça na parte de trás do assento do avião. — E você?

— Tô bem, aliás, muito animado. — Sua empolgação era evidente. — Não vejo a hora de chegarmos! Eu nunca fui no Havaí.

— Nem eu, mas vi sobre na internet. É bom que quando eu chegar me recebam com colares de florzinha e dizendo Aloha.

— E dançando.

— Isso! Também.

Riram juntos. Alguns minutos depois, Yoongi se deixou levar pela vontade imensa de dormir, e assim o fez. Hoseok não demorou muito também. Horas de vôo se passaram, às vezes Yoongi acordava assustado, mas ao ver Hoseok dormindo tão tranquilamente, sorria e voltava a dormir.


(...)


— Hoseok, não tô vendo.

— O quê, amor? — O moreno virou para seu namorado, ainda com as bagagens em mãos, andando para fora do aeroporto.

— O Aloha, os colares, as mulheres de saia. Não tô vendo, Hoseok. — Pronto, aquela viagem não estava mais valendo para Yoongi.

— Yoon… — Tentou segurar, mas acabou rindo do pálido, que logo ameaçou chutar suas partes íntimas. — Tá bom, parei.

— Quero ir embora.

Hoseok ouviu aquela frase por pelo menos 1 hora, até chegarem no hotel onde iriam se hospedar pelos próximos 14 dias. Tentou mimar o namorado, mas nada adiantava. Até pensou em comprar alguém para se vestir de havaiano e falar Aloha para ele, mas tráfego de pessoas seria errado, e infelizmente proibido no país.

— Yoongi, já volto.

Foi aí que Hoseok teve uma brilhante ideia, na qual se arrependeria profundamente depois. Min Yoongi continuou sentado, lendo seu livro, tudo estava quieto demais, ele sabia. Alguns minutos depois, o silêncio foi totalmente cortado pelo soar da campainha. Devia ser Hoseok, claro. 

Mas não era.

Percebeu isso ao olhar pelo buraquinho da porta e encontrar um narigudo chato esperando.

— Inferno. — Murmurou baixo, procurando o card para abrir a porta. Um som de batidas. — Para, Jungkook, já vai! — Abriu a porta, vendo o garoto sorrir largo. — Fala logo e vai embora.

— Nossa, Yoongi. É assim que recebe os amigos? — Questionou irônico. — Que coisa. Só vim aqui pra falar que vamos ir à uma excursão, mas se quiser, fica aí mesmo.

— Ei… — Segurou seu braço, antes que aquele atravessasse a porta. — Desculpa, eu tô um pouco estressado. — Riu sem humor. — Você disse excursão?

— Sim, kauai, lindo lugar. Uma tal de Park Chaeyoung vai levar a gente, uma ruivinha. — Coçou seu queixo, pensando. — Não quero parecer turista. Como eu tô? — Apontou para sua camisa colorida detalhada com algumas flores tropicais.

— Nada hétero.

— Essa é a intenção. — Piscou antes de sair. — Aliás, que coxa bonita.

— O quê? — Praticamente gritou. — Como assim, seu… — Jungkook saiu antes de qualquer palavra ou agressão do menor. — Vontade de matar no soco… E Hoseok! Você tava aí o tempo todo, por que não falou nada? — Viu o garoto sair de trás do grande vaso de flores, foi aí que Yoongi percebeu. — Ah, não…

Aloha, mi amore. — Mexeu sua cintura, fazendo a saia de palha rodar em seu corpo.


(...)


As folhas de algumas palmeiras presentes arranhavam o rosto pálido de Yoongi – sim, eram afiadas –, enquanto aquele caminhava zangado, sentindo vespas e mosquitos rodeares seu corpo. Hoseok andava ao seu lado, ouvindo atenciosamente cada palavra da ruiva, juntamente a Seokjin e Namjoon. Jimin e Jungkook conversavam pelo celular, às vezes até falando o quanto Namjoon estava estranho com aquela roupa verde, quase se camuflando à natureza. Taehyung admirava as aves exóticas voarem alto pelas árvores, quase tropeçando nos garotos à frente.

— Ai! — Jungkook bateu no ruivo, que havia pisado em seu pé. — Desculpa, não vi.

— O Island Tour é uma das atividades mais famosas da Hawaii Eco Divers, pois podemos ver em um só dia as mais belas partes de Oahu e também acrescentar um pouco de aventura aos nossos passeios, que são totalmente baseados no interesse dos nossos clientes. — Rosé – apelido dado a ela mesma –, a guia dos rapazes, murmurou apontando para o mapa turístico do local. — E, galera, nosso primeiro ponto vai ser observar as tartarugas em Laniakea Beach.

Yoongi quase riu. Como assim viajou horas, passou raiva, gastou dinheiro para, no fim, ir ver tartarugas?

— Tartarugas?

— Sim, continuando. — Tossiu. — Logo após iremos passear pela região histórica de Honolulu, assim aprenderão a história tão magnífica d-

— Tá, mas quando a gente vai poder nadar pelado?

— Sinto muito, mas aqui não há praias de nudismo, senhor Jeon. — Chaeyoung tentava ao máximo soar amigável, mas os mais novos – contando com Yoongi – não colaboravam. — Posso continuar? — Concordaram. — Ótimo. No final da tarde, iremos à praia Kailua, lá sim vocês poderão entrar, para assim assistirem ao espetáculo de fogos de artifício à beira do mar. Será majestoso. — Sorriu, ouvindo alguns suspiros cansados.


(...)


— Jin-hyung! Jin-hyung! Jin-hyung! — O garoto de cabelos vermelhos chamava-o, apontando para o grande aquário. — Olha lá, que bonitinhas!

— Verdade, Tae. São espécies bem interessantes. — Murmurou Namjoon, ainda abraçado com seu namorado. — O que você acha, Jin? 

— Que são tartarugas.

— Da espécie mestiça. É uma espécie de tartaruga marinha pertencente à família Cheloniidae. Habita o oceano Atlântico, Pacífico e Índico, e o Mediterrâneo. Atualmente é a única espécie do género Caretta, por isso parecem tão agitadas nestas águas.  — A guia turística explicou. — Está certo, Namjoon, é uma espécie realmente interessante. — Piscou.

O tour durou em torno de 40 minutos, estavam cansados, mas ainda tiveram que ouvir sobre as tradições e história do povo havaiano por pelo menos 2 horas. Exaustos, Yoongi e Hoseok seguiram caminho novamente para o hotel, se preparando para a noite de chuva de fogos de artifício.

— Amor… Já é o nosso décimo dia aqui e ainda não fizemos nada…

— Como assim? A gente viu a merda da tartaruga, ficou horas ouvindo sobre um assunto que nem me lembro, foi visitar a moradia dos caras havaianos, foi em mil e um restaurantes e- — A fala de Yoongi foi cortada pelo beijo do Jung.

— Você fala demais. — Afagou os cabelos cinzentos, atacando seus lábios novamente, deitando o corpo magro delicadamente na cama, apoiando-se nele em seguida.

 Lentamente, Hoseok tirou ambas as vestes, beijando a pele macia da barriga de Yoongi logo após, voltando para os lábios quentes. O moreno tratou de ser cuidadoso a todo momento, pois sabia que em qualquer instante o Min poderia sentir dor, mas não adiantou, logo Yoongi estava sentado ao pé da cama, recuperando o fôlego pouco perdido.

— Se não estiver bem, podemos parar.

— Não, tudo bem. Não é como se eu fosse morrer em um orgasmo. — Riu sem humor.

Hoseok ajoelhou-se frente ao garoto, olhando para a face agora avermelhada, em um pedido mudo para continuar. Quando deu-se permissão, o Jung agarrou o pênis róseo já desnudo, movimentando-o lentamente cima a baixo, enlouquecendo-o. O Min contorcia-se por entre os lençóis, ora contendo-se, ora gemendo baixo, arrastado.

— Hm… — Gemeu manhoso, sentindo seu namorado engoli-lo por inteiro. 

Os dedos esguios enrolaram-se nos fios negros, puxando-os levemente, à medida em que sentia-se mais necessitado. Hoseok chupava-lhe tão bem; perdia-se na sensação calorosa dada pela língua que reverberava pela extensão moldada por veias espessas.

Yoongi revirou os olhos ao sentir a língua áspera envolver seus testículos, voltando novamente para a uretra, saboreando o líquido viscoso que esta provia. Apertou os fios macios, sentindo o orgasmo próximo, levantando com dificuldade o quadril para foder aquela boca tão quente. Seu ápice veio fortemente, sujando um pouco de seu abdômen, o resto fora absorvido pela boca de seu namorado, dando uma de suas visões preferidas.

— Deite. — Hoseok mandou, ao mesmo tempo em que abria a gaveta do armário, retirando de lá um lubrificante. Já havia planejado tudo. — Estava louco para fazer isso.

— O quê? Colocar o pau em mim?

— Foder você com ele. — Sorriu cafajeste.

Rapidamente, o Jung deitou o pequeno corpo de Yoongi na cama, abrindo ambas as pernas, vislumbrando da bela visão; poucos pelos claros habitavam o rosado, deixava-o ainda mais sexy. Hoseok perdia-se na visão dos deuses.

 O Min gemeu em deleite ao ver seu namorado masturbando-se à sua frente, Hoseok era muito bonito, além de ter um corpo maravilhoso. Colocou ambas as mãos em cada lado do corpo abaixo de si, deixando um beijo afoito no garoto. Pegou a base de seu membro já ereto, simulando estocar a entradinha do Min, levando-o ao delírio. Riu soprado, molhando três dedos com o lubrificante, adentrando aquele lugar apertado, arrancando um grunhido arrastado de seu namorado. Sorriu satisfeito.

— Posso? — Hoseok ainda gostava de torturá-lo, sabia que era tímido demais para admitir palavras tão sujas. Viu o garoto assentir. — Eu não ouvi. Posso? — Segurou seu cacete, masturbando-o levemente. Min Yoongi mordeu os lábios, rendendo-se ao desejo extremo.

— Sim. — Fechou os olhos. — Sim, você pode.

O moreno poderia tremer com aquelas palavras ditas de forma tão séria, mas isso foi o ápice para enlouquecê-lo. Sem enrolação, tratou de penetrá-lo lentamente, sentindo o choque de ter seu membro tão apertado em um lugar tão quente e gostoso; graças ao lubrificante, teve facilidade em se movimentar, causando sons tão eróticos que seriam capazes de causar um orgasmo em uma terceira pessoa presente.

Hoseok estocava-o, lento e fundo, desfrutando dos sons finos proferidos de forma tão melodiosa da boca do pálido. Acelerou os movimento, às vezes gemendo baixo por sentir seu caralho sendo engolido por inteiro. Desviava o olhar para a porta, pois se olhasse para Yoongi por mais segundos, certamente gozaria.

Invertendo as posições, o Jung marcou as nádegas brancas e lisas com um tapa feroz, visto que agora Yoongi encontrava-se de quatro. Iniciou uma masturbação lenta no membro já esquecido do garoto, descontando todo o seu prazer; não demoraria muito para ter um delicioso orgasmo, todavia queria proporcionar o melhor para seu namorado primeiro, este que não demorou mais que alguns minutos para desmanchar-se na mão do rapaz. 

Yoongi estava acabado, a única coisa que conseguia fazer naquele momento era deixar seu quadril empinado para Hoseok, que socava-lhe ainda mais forte, prolongado o prazer já sentido. Mais algumas estocadas foram o suficiente para o moreno jorrar seu líquido quente ainda dentro de seu namorado.

Deitaram na cama, sentindo um alívio nas costas ao sentir o soalho macio no qual caíram. Viraram-se para encarar um ao outro, dando alguns sorrisos tímidos, naquele momento pareciam que conseguiam desvendar os pensamentos alheios. Definitivamente pareciam dois adolescentes bobos e apaixonados que acabaram de perder a virgindade. Era sempre assim.

— Eu te amo.

— Te amo, Suguito. — Brincou. Yoongi poderia até repreendê-lo, porém estava perdido nos olhos negros que lhe encaravam com uma paixão nunca vista.

Ficaram mais um tempo assim, um encarando o outro, até se lembrarem que ainda teriam uma grande noite pela frente. Tomaram banho juntos, mas nada que envolvesse algo sexual; estavam tão exaustos que o máximo que fizeram foram observar seus corpos e rirem.

 — Pode se trocar aí, eu posso ir pro quarto. — Jung Hoseok pegou suas vestes e saiu para o cômodo ao lado, aprontando-se junto a Yoongi, este que havia ficado no banheiro.


(...)


O carro preto parou em uma rua deserta, obrigando-os a seguir caminho até a praia andando. Todos estavam reunidos novamente, com roupas simples, animados para nadarem e observarem a chuva de fogos.

— Onde é o banheiro? — Taehyung perguntou. Logo a guia turística mostrou a todos onde deveriam se trocar, assim fizeram.

Já com roupas de banho, adentraram a beira do mar, sentindo as ondas levantarem seus corpos, aproveitando disso para jogarem água uns nos outros. O espetáculo havia começado; lindos fogos coloridos eram atirados no céu escuro, dando-os uma visão majestosa.

Woa. — Os olhos de Yoongi brilhavam, enquanto seu namorado beijava sua bochecha vermelhinha, abraçando-o pelas águas do Caribe. — Isso é tã-

— Pessoal, pessoal! — Jungkook, ainda com roupas de banho, subiu no palco, pegando um microfone. — Tá na hora do discurso daquele que deu motivos para nós estarmos todos juntos de novo. Um grande amigo. Yoongi, vem aqui! — O Min saiu do mar, sentindo seu corpo pesado. — Toma. — Pegou o objeto das mãos do mais novo.

— Bom… — Yoongi olhou em volta, procurando o que dizer. — Não sei por onde começar, não sou bom com discursos. — Procurou os olhos de seu namorado, encontrando-o sorrindo para si. — Mas quero que saibam que estou muito feliz por estar aqui.

Respirou fundo, apertando ainda mais o microfone em suas mãos. Começou a observar o ambiente, vendo as luzes amareladas que iluminavam a praia, as pessoas no local que pararam tudo para ouvi-lo. Sorriu vislumbrado. 

— Eu sempre fui um adolescente vazio, com pensamentos vazios, que ia se reprimindo cada vez mais por um futuro distinto, isso fez com que eu perdesse muitas coisas na vida. Já estava na hora de me despedir deste meu eu. — Sorriu para seus amigos, sentindo seus olhos molhados. — Graças ao meu namorado, graças aos meus amigos presentes aqui, eu pude ver e sentir que eu ainda tenho muito pela frente, e gostaria de aproveitar isso tudo com eles. — Não aguentou, deixou várias lágrimas grossas rolarem por seu rosto, vendo que seus amigos não estavam diferentes. Até as pessoas que não tinham nada a ver com a história choraram também. — Obrigado, gente. Eu amo vocês.

Seus amigos saíram de onde estavam – uns no mar, outros sentados – e foram abraçá-lo. Yoongi nunca havia se sentido tão acolhido e amado como naquele momento.

Poderia parecer mentira, mas aquele garoto ainda viveria muito, pelo menos o suficiente para descobrir que sua vida tinha sim um propósito, este que era saber que nunca é tarde para viver de verdade.





Notas Finais


Oooi, monas, ó eu de novo.

Eu gostaria de agradecer a capista @Giihxs e beta @_dark_storm_ por me ajudarem com tudo, valeu aí, gente!

E também ao maravilhoso projeto Rapper Line, porque sem eles eu não teria escrito a fanfic, então obrigadão, gente, por me tirarem da preguiça <3

Me sigam: @HanaYuri

Me sigam no Wattpad também, sei que tá difícil o negócio lá, mas sigam a pobrezinha aqui: @HanitaYuri

Au revoir, HanY's! 🌕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...