História 18 Açucarado - Capítulo 31


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Doce 16, Drama, Família, Romance
Visualizações 7
Palavras 1.228
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olááá
Desculpa a demora mais uma vez. Juro que vou ser mais fiel e postar toda semana, todo dia...
E esse é um capitulo muitooo importante. Muito mesmo.
Espero que gostem!!
E ah, obrigada pelos comentários!

Capítulo 31 - Capitulo XXXI: Fotos antigas


Capitulo XXXI:

Eu fui pra minha casa e eles ainda não falavam comigo porque eu pintei meu cabelo, inacreditável isso. Era só uma porcaria de um cabelo. Bem, pelo menos o Rodrigo gostou.

_ Mamãe, pintou o cabelo de amarelo?- Minha filha disse enquanto eu a tirava do carro.

_ Sim filha, você gostou?- Eu disse sorrindo.

_ Sim, foi com lapis?- Ela disse inocentemente.

_ Não filha, foi com tinta.

_ Eu posso pintar o meu?

_ Só quando você crescer meu bem.- Eu disse e a abracei bem forte enquanto entravamos em casa.

_ Ah Paty você finalmente chegou.- Minha mãe veio correndo até mim.

_ É, eu estou aqui.

_ Sobe, rápido, vai se arrumar.- Ela disse animada.

_ Porque, o que aconteceu?

Ela e meu pai se entreolharam e sorriram, então ela disse orgulhosamente:_ O Gabriel vai te dar o anel da família dele.

_ O-o que?- Eu disse apavorada.

_ Ele vai te pedir em casamento.- Minha mãe disse e soltou um grito, depois me abraçou.

_ Mãe, eu não posso aceitar.- Eu disse saindo do abraço.

_ E porque não?- Ela disse olhando pro meu pai.

_Júlia, meu amorzinho, sobe lá pra cima.- Eu disse pra minha filha que desceu do meu colo e fez o que eu mandei, depois eu olhei pra ela e continuei:_ Eu não quero me casar com o Gabriel.

_ O que? Mas você só...- Minha mãe disse e saiu abraçar meu pai.

_ Patrícia o que você está falando?- Meu pai falou pra mim.

_ Eu não vou me casar com ele.- Eu disse e fui pra escada.

_ Espera ai mocinha.- Meu pai disse e minha mãe passou por mim chorando e subiu as escadas até o quarto, nossa, que drama mãe.

_ Pai eu não...

_ Você vai me escutar agora Patrícia. Você tem noção do que você está fazendo?

_ Pai eu só não quero me casar com o Gabriel....

_ Não, você não quer se casar com ele, porque ainda é infantil o bastante pra acreditar na palavra daquele moleque.

_ O que você está falando pai?

_ Eu sei sobre você e o Rodrigo, se você quiser acreditar que vocês dois vão ficar juntos, tudo bem, se ajuntem de novo e fogem, vão pra bem longe da sua família igual você fez da outra vez, vai lá perde a oportunidade de se casar com uma pessoa boa, adulta, responsável e várias outras coisas que o Rodrigo não é.

_ Eu e ele sempre nos demos bem antes de você aparecer.- Eu disse por fim, e ele ficou quieto. Mas então disse:

_ Tudo bem, vamos deixar o casal, porque eu posso te dizer bem uma coisa? Vocês dois só se davam bem porque vocês estavam longe de todos, dos amigos daqui, da família, dos contratempos de não se ver, mas vamos lá, fiquem aqui, façam o que quiserem, vamos ver se vocês conseguem passar pelas atribulações.

_ Pai, porque você odeia tanto o Rodrigo?

_ Eu odeio? Porque será?- Ele disse e foi pra sair, mas eu me coloquei na frente dele e disse:

_ Porque? Me diz pai.

_ Primeiro ele te roubou de mim, ele roubou... muita coisa de mim.- Ele disse mais bravo.

_ Não é só isso. – Eu disse desconfiada, porque tinha que ter algo a mais.

_ O que você quer que eu diga?- Ele disse pegando no meu braço.

_ Por que você odeia ele pai?- Eu repeti. Ele me soltou e saiu da sala. Eu sei que tem algo a mais e vou descobrir o que é.

 

(...)

 

23:00

 

Mensagem ON**

_ Rodrigo, você não ficou bravo de eu ter ido embora sem avisar não né?

_ Não, não dessa vez.

_ Você já está melhor?

_ Sim, já passou a dor.

_ Que bom. Você quer sair comigo qualquer dia desses?

_ Sim, vamos na sexta?

_ Pode ser.

_ Que horário?

Mensagem OFF**

_ Filha, posso entrar?- Minha mãe disse pondo a cabeça dentro do meu quarto, eu escondi meu celular e disse:

_ Pode, o que foi mãe?

_ Nada, eu só estava vendo essas fotos antigas, quer ver comigo?- Ela disse entrando com algumas caixas.

_ Quero.- Eu disse e senti aquilo que a gente sente pelas mães. Ela se sentou ao meu lado e nós começamos a ver as fotos, algumas minhas e do Júlio quando éramos crianças, do casamento dela, da infância dela e do papai.

_ Espera, esse é o papai?- Eu disse apontando pra uma foto em que ele estava numa cachoeira e parecia muito apaixonado ao lado de uma mulher, mas espera, não era minha mãe.

_ Sim.- Ela disse um pouco nervosa, e eu estava rindo do meu pai na foto. Ela tirou a foto da minha mão.

_ Espera ai mãe.- Eu disse e peguei a foto da mão dela. Reparei que ele beijava a mulher. Olhei mais perto, não podia ser.- Quem é essa mulher mãe?

_ Não sei filha.- Ela disse nervosa.

_ Espera eu sei quem é essa mulher.

_ Não, não sabe.

_ É a mãe do Rodrigo.- Eu disse apavorada.

_ Filha...

_ Você trouxe aqui pra eu ver mesmo.- Eu disse pegando mais um monte de fotos dele juntos, baile de formatura, campo, aniversários, meu Deus, meu pai e a mãe do Rodrigo. E algo mais apavorante passou na minha cabeça: _ Mãe não me diga que... que..O Rodrigo é meu irmão?

_ Filha...

_ Ele é?- Eu disse apavorada.

_ Não sei filha.

_ Ah meu Deus.- Eu disse começando a chorar, coloquei minha mão no rosto.

_ Calma filha.- Ela disse segurando meu braço.

_ Vocês não podiam ter deixado isso acontecer. Eu dormi com meu irmão, eu tenho um filho com ele, meu Deus, eu amo meu irmão.- Eu disse apavorada.

_ Calma filha.

_ Calma? Imagina se fosse com você. É por isso que o papai odeia tanto ele...

_ Filha...

_ Eu quero ficar sozinha, sai do meu quarto.

_ Não filha calma.

_ Sai.- Eu disse e ela saiu. O que eu vou fazer? Eu quero morrer.

(...)

_ Paty.- Júlio disse entrando no quarto.

_ Júlio.- Eu disse indo correndo abraçar ele.

_ O minha irmãzinha.

_ Você sabia?

_ Não, eu acabei de ficar sabendo. Estou tão pasmo quanto você.

_ Por isso o papai odeia ele, não tem nada ver comigo, é por culpa.

_ Por isso o papai quase matou ele quando a mãe dele morreu.

_ Ele culpa o Rodrigo por tudo.

_ Sim.- Ele disse me abraçando mais forte.

_ O Rodrigo é meu irmão.

_ Calma Paty.

_ Eu dormi com meu irmão. Eu tinha uma família com ele.

_ Vocês não sabiam Paty.

_ Mesmo assim, o que eu vou fazer? Eu quero morrer Júlio.- Eu disse abraçando ele mais forte.

_ Calma, talvez não seja. A gente vai fazer o teste de DNA.

_ Talvez não seja né?!- Eu disse olhando pra ele.

_Talvez não.

_ O que eu vou fazer se for?

_ A gente vai dar um jeito Paty.

_ Júlio eu não quero mais viver, olha o que eu fiz.

_ Calma meu amor, a gente não pode ficar...

_ Você já falou com ele?

_ Não. Quer que eu fale?

_ Sim.

_ Tá bom, eu vou falar.


Notas Finais


Vixi, e agora?
Não pode ser verdade, será?
COMENTEM o que acharam!
Bjoss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...