1. Spirit Fanfics >
  2. Marotos 1977 lendo Harry Potter. >
  3. Prologue

História Marotos 1977 lendo Harry Potter. - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Oi vidas, essa é uma das primeiras fanfics que eu posto aqui e eu espero que gostem. Não vou fazer eles lerem A pedra filosofal porque a maioria das fanfics já mostram, a gente vai dar prioridade a Prisioneiro de Azkaban. Espero que gostem!

Capítulo 1 - Prologue


Hogwarts 1995 

Dumbledore estava em sua sala, o bruxo estava aflito, preocupado com o menino Harry. Sabia que o garoto deveria estar o odiando, mas teria que continuar o afastando apenas para a proteção do garoto. 

Logo uma luz apareceu em sua mesa, parecia uma caixa e nela havia um bilhete. Dumbledore franziu o cenho, oras, estaria aquilo impregnado de magia das trevas? Após verificar viu que não, abriu a caixa vendo alguns livros e decidiu abrir a carta.

Caro Diretor Dumbledore,

Essa carta vem de um futuro não muito distante, futuro este que Lord Voldemort foi derrotado pelo menino Potter, acho que o senhor já deve suspeitar. Para que isso acontecece vários inocentes tiveram que morrer, porém temos mais uma chance de mudar tudo. Sabemos que o senhor tem um vira-tempo que pode avançar mais de 5 horas, seu quadro nós falou, por isso por favor leve os seguintes alunos para 1977:

Harry Potter

Ronald Weasley

Hermione Granger 

Gina Weasley

Neville Longbottom

Luna Lovegood 

Jorge e Fred Weasley

Draco Malfoy 

Obrigado por colaborar professor!

Ass: ASP, JSP, SM, TL, RW, HP, DM, HGW, RW, GWP

Dumbledore sorriu de leve ao saber que a paz no mundo bruxo reinaria. Mandou chamado para os alunos descritos e esperou até que ouviu as breves discussões.

— Ainda não entendo o porque Dumbledore nos chamou, a gente ainda nem fez nada – Rony resmungava fazendo Draco revirar os olhos.

— Vai ver você recebeu doações Weasley, ainda há bruxos que fazem trabalho voluntário – o loiro alfinetou recebendo um olhar incrédulo de Hermione e Gina. 

— Azedinhas – disse Harry ao chegar na sala do diretor.

Os alunos logo estavam de frente ao mais velho, com os gêmeos pensando em cada pegadinha que haviam feito, não deveria ser aquilo não é?. Por outro lado, Harry estava irritado, depois do episódio no ministério o diretor estava o evitando.

— Professor Dumbledore, aconteceu alguma coisa? – Hermione perguntou.

— Oh sim senhorita Granger, nesta manhã recebi uma caixa com 5 livros, livros que vieram do futuro – Dumbledore falou com sua habitual calmaria.

— Livros do futuro? – Gina franziu o cenho.

— Sim senhorita Weasley, porém esses livros contam a história do senhor Harry Potter – após dizer isso todos os olhares caíram sobre Harry que ficou estático.

— Sobre mim? – perguntou o garoto confuso.

— Sim senhor Potter, esses livros vieram de um futuro onde Lord Voldemort já não existe, porém algumas pessoas do futuro querem mudar algumas coisas. – Dumbledore se levantou indo até uma prateleira onde havia um pequeno cordão, que Hermione logo confirmou que era um vira-tempo – Vocês irão voltar no tempo, até 1977 onde ainda ocorria a primeira guerra bruxa.

— Professor, uma vez a professora Minerva nos disse que é muito perigoso mexer com a linha temporal – opinou Hermione.

— E com certeza é senhorita Granger, contudo, acho que dessa vez não haverá problema certo? – sorriu o mais velho — Vou providenciar uma carta a família de vocês, fiquem prontos que daqui alguns minutos vou contatar vocês.

Após dizer isso, os adolescentes seguiram para fora da sala do diretor ainda confusos. Luna havia adorado a ideia, sempre quis dar um pulo no tempo. Draco ainda não sabia o que tinha a ver com aquilo, mas estava aflito, se Lord Voldemort caiu no futuro, como que sua família estava?

Harry estava em silêncio pensando sobre o que havia acabado de ouvir. 1977, seus pais ainda estavam em Hogwarts, teria a chance de vê-los e conversar com eles.

— Vem Harry, precisamos pegar algumas coisas e voltar pra sala do professor Dumbledore – disse Rony pegando uma varinha de alcaçuz.

Logo os 8 adolescentes já estavam com o vira-tempo, Dumbledore havia dado todas as instruções e deixou uma carta para entregarem ao seu eu do passado. Hermione girou o objeto três vezes e logo tudo ficou claro.


Hogwarts 1977

O professor Dumbledore lia a carta com uma expressão leve, mandou um aluno do primeiro ano chamar a pessoas que havia na carta.

Caro professor Dumbledore,

Essa carta vem de um futuro onde Lord Voldemort caiu, mais precisamente depois da segunda guerra bruxa. Porém muitos inocentes morreram, mas temos uma chance de mudar isso. Alguns alunos do futuro chegarão aí, não são da mesma época que nós, porém são os que farão a mudança. Por favor, chame os seguintes alunos e os leve para a sala precisa, tenho certeza que Hogwarts vai nos ajudar. Chame:

James Potter

Lily Evans

Sirius Black

Remus Lupin

Peter Pettigrew 

Regulus Black

Severus Snape

Marlene Mckinnon 

Frank Longbottom

Alice Abott 

Lucius e Narcisa Malfoy

Arthur e Molly Weasley

Obrigada por colaborar professor!

ASS: ASP, JSP, RGW, SM, TL, HP, HGW, RW, GWP, DM.

Logo todos os citados estavam na sala precisa. Os casais Malfoy e Weasley estava confuso, pois já haviam terminado seus estudos em Hogwarts.

— Eu não vou aguentar ficar muito tempo trancada com ele – choramingava Lily no ombro de Marlene que ria junto a Alice. 

— Meu lírio, você me ama só falta admitir – James sorria cafajeste para a garota de cabelos acaju.

— É Evans, Potter – disse sorrindo debochada. Ela odiava aquele garoto de cabelos negros e espetados, ela não ia aguentar muito tempo.

— Evans Potter só depois do casamento – sorriu de canto e se virou para Sirius que estava vermelho de rir — Viu só Padfoot, ela já quer pular pro casamento.

— Alguém pode me falar o que estamos fazendo aqui? – Snape disse irritado. A cena de Potter e Lily o enojava.

— Queria saber também – disse Lucius com a cara fechada. 

Logo a porta se abriu trazendo um Dumbledore sorridente seguido de 8 jovens. James franziu o cenho ao ver um garoto que era sua cara, literalmente sua cara, tirando os olhos verdes de esmeraldas.

— Creio que esperam uma explicação sobre o porque os chamei aqui. – disse Dumbledore calmamente — Pela manhã recebi esta caixa com alguns livros e nela havia uma carta. Os senhores tem chance de mudar um futuro terrível para algumas pessoas e para isso também foi preciso chamar um pessoal do futuro. Por favor se apresentem.

— Ah..Eu sou Rony Weasley, tenho 16 anos e sou da Grifinoria – sorriu sentindo suas orelhas ficarem vermelhas. O senhor e a senhora Weasley ficaram surpresos, porém felizes, já tinham três filhos e saber que teriam mais os deixavam animados.

— Eu sou Draco Malfoy, tenho 16 anos e obviamente sou da Sonserina – disse o loiro com voz arrastada e sorriu ao receber um sorriso da mãe.

— Neville Longbottom, 15 anos e da Grifinoria – Neville disse tímido e olhando para seus país.

— Longbottom? – Alice perguntou sentindo um sorriso tomar conta de seu rosto — Frank nós temos um filho – a garota se levantou abraçando Neville, que sentiu seus olhos lacrimejarem.

— É bom te ver mamãe – fungou e se sentou entre ela e seu pai, que por sua vez abraçou o garoto de lado sorridente.

— Eu sou Fred Weasley, 17 anos e da Grifinoria – disse o ruivo com um sorriso maroto

— Não, eu sou o Fred e você é o Jorge – retrucou o gêmeo sorrindo

— Quantos filhos mais nós vamos ter? – perguntou Molly com um sorriso lindo.

— Só eu mamãe – sorriu Gina — Aliás, meu nome é Gina Weasley, tenho 14 anos e sou da Grifinoria.

— Eu sou a Luna, Luna Lovegood, tenho 15 anos e sou da Corvinal – disse a loira com uma voz sonhadora.

— Lovegood, tipo filha do Xenofilio? – perguntou Remus recebendo uma afirmação da garota — O Pasquim foi o único jornal que apoiou os lobisomens.

Lucius fez uma cara de nojo que não passou despercebida por Harry. Agora via de onde Draco havia puxado sua arrogância.

— Meu nome é Hermione Granger, tenho 16 anos e também sou da Grifinoria – disse a garota com um sorriso bonito e cabelos cacheados.

— Granger? Nunca ouvi falar de seu sobrenome – disse Lucius com um olhar superior.

— Sou nascida trouxa, senhor Malfoy – respondeu a garota com um olhar a mesma altura, isso fez Lucius a olhar enojado e voltar a recostar sobre o sofá.

— Sério? Eu também sou – disse Lily docemente com os olhos brilhando.

Harry se virou para a mãe e sentiu seu coração bater mais rápido, sorriu de leve e logo seu olhar se encontrou com o de seu pai que o olhava com um sorriso curioso.

— E como é o seu nome, garoto? – perguntou Snape temendo a resposta.

— Meu nome é Harry Potter, tenho 15 anos e sou da Grifinoria – falou vendo o sorriso de James aumentar e logo um grito de Sirius tomou conta do lugar.

— O VEADO VAI TER UM FILHO, UM FILHO E EH COM CERTEZA SOU O PADRINHO – os viajantes riram, até mesmo Draco que recebeu um olhar incrédulo de seu pai.

— É CERVO SEU PULGUENTO – gritou James rindo e logo se levantou abraçando Harry — Já peço desculpas pelo cabelo.

Aquilo arrancou risadas de todos os grifinorios. Lily olhava para Harry com curiosidade, ele era a cara de James, tirando os olhos verdes. Ela não ia admitir, mas sentiu algo diferente em seu peito ao saber que James teria um filho com alguma outra pessoa.

Após todos os viajantes se sentarem espalhados pelos sofás, Dumbledore pegou um dos livros lendo o título.

— Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban – disse o diretor em bom som.

— Espera, vamos ter que ler sobre a vida do filho do Potter? – perguntou Snape enjoado.

— Tá incomodado Ranhoso? – disse Sirius recebendo um beliscão de Remus — Para Moony, dói.

— Sim, senhor Snape, isso será necessário – disse o diretor e logo todos se calaram ao ver uma luz azul surgir no final da sala.

De lá saiu um garoto bonito de cabelos azuis, ele estava sorridente.

— Desculpe, quem é você? – perguntou Regulus confuso.

— Meu nome é Teddy Lupin, fui quem mandou a caixa para o senhor diretor. – disse o garoto.

Remus arregalou os olhos ao ouvir o sobrenome do garoto, será possível?. James e Sirius gritaram animados.

— MOONY VOCÊ É PAI – James balançou o amigo arrancando risadas de algumas pessoas da sala.

— Fique tranquilo pai, seu probleminha peludo não é hereditário – disse Teddy imaginando a preocupação do pai, que por sua vez se permitiu dar um sorriso.

— E quem é a sua mãe? – perguntou Remus sorrindo de leve e a pergunta fez Teddy rir, assim como Hermione que já imaginava quem era.

— Minha mãe é Ninfadora Tonks – falou e logo viu sorrisos de Harry, Rony, Gina e Hermione.

— Espera aí, Tonks minha prima de 6 anos? – Sirius perguntou e Teddy assentiu — ALUADO SEU SAFADO, LOGO NA MINHA PRIMINHA.

Regulus riu do irmão, sentia falta do humor do Black mais velho, porém não tinha coragem de ir contra os princípios de sua mãe. Regulus não foi o único da família a rir, Narcisa dera um sorriso simples ao ouvir seu primo.

— Nós não vamos começar por esse livro diretor, antes preciso ler apenas o primeiro capítulo do primeiro livro, apenas para que não fiquem perdidos – disse Teddy recebendo acenos de afirmações dos outros, o garoto pegou o livro e começou – O menino que sobreviveu..



Notas Finais


Esse foi o prólogo gente, tomara que tenham gostado, vou tentar postar o primeiro capítulo ainda hoje.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...