1. Spirit Fanfics >
  2. 20 Segundos (Taekook-Vkook) >
  3. Que os jogos vorazes comecem

História 20 Segundos (Taekook-Vkook) - Capítulo 17


Escrita por:


Notas do Autor


Ei gente, eu estou trabalhando em uma nova fanfic chamada "O Valentão" no wattpad, vão lá ler <3

E gente, queria falar sobre meu email que é: [email protected] Estou procurando uma beta para me ajudar em 20s, porque, Zeus, eu tenho uma preguiça de revisar os capítulos. Então se você quiser me ajudar nisso, manda lá no email. Mas quem quiser interagir comigo por lá, me mandar perguntinhas sobre a fanfic, estarei feliz e disposta a responder ;3

Boa LeituraaaAaaaa:

Capítulo 17 - Que os jogos vorazes comecem


Fanfic / Fanfiction 20 Segundos (Taekook-Vkook) - Capítulo 17 - Que os jogos vorazes comecem

 

Só que eu não sei se é para melhor.

 

         Quando eu falei que fomos ao carro, acho que me esqueci de mencionar que eram 5 lugares para sete pessoas. O que se resultou em eu no colo do Jeon, e Jimin, espaçoso do caralho, em uma perna do Hoseok e a outra no Yoongi.

           Enquanto ele podia se movimentar, eu estava com medo até de respirar muito profundamente e ganhar um tapa, ou um sorriso sacana dele. E, embora, eu ainda esteja com vergonha do que aconteceu ontem no quarto dele, e que ele me viu completamente nu, eu continuo com um pingo de senso no meu corpo.

            Eu tentei fazer a mesma coisa que o Jimin, entretanto, Jeon não deixou, como se eu fosse uma propriedade sua. E isso foi à chave para eu tentar novamente, e quase ganhar um novo chupão.

            Jin, que estava no banco de passageiro na frente, colocou musicas no radio do carro, via Bluetooth, deixando o ambiente agradável para todos, menos para mim.

               Sei que estou a dificultar as coisas, porém não é legal ficar no colo de alguém que você transou horas atrás e continua tendo tesão por ela. Tirando o fato que eu posso morrer a qualquer momento (Dramas a parte).

              Portanto, meus caros amigos, como fomos á um lugar apenas conhecido para o grupo dos policiais e o rapper, eu estava relaxado, estaríamos chegando rapidinho – Palavras ditas por Namjoon.

                Após chegarmos, eu fui o primeiro a sair do carro, fazendo todos falarem piadinhas sobre Jeon e eu. Como eu estou estressado, mandei todo mundo ir se foder e eles ficaram quietos.

– Gente, meu vocabulário está muito bom hoje, diz ai. – Falei me gabando.

– Taehyung tem como parar de se exibir um pouquinho? Aff! Parece o Yoongi quando faz alguma coisa no PC.

– Mas eu nem falei nada! E outra, não foi à toa que eu passei um ano e meio fazendo cursinho de informática no Senai. Coisa que você nem fez!

– Tomar no teu cu.

– Ah, Jeon, seu signo não pode ser mais contado como virgem, já que você não é mais, entendeu, entendeu? – Jin falara a piada, e o citado ficou quieto.

– Eu também sou de virgem... – Namjoon disse olhando para a tela do celular. – Ei, gente, vamos entrar.

O lugar era quieto, e tinha poucas pessoas. Era uma loja, cheia de coisas diferentes. Tinha acessórios, comida, bebidas, bebidas alcoólicas, álcool e gel, tinha várias coisas para ser explícito.

Jeon me puxou pelo pulso, e colocou seu braço no meu pescoço, e olhou para trás. Também olhei, e ele virou minha cabeça para frente, mas a única pessoa que eu vir, fora o Yoonseokmin.

Nome difícil...

Todavia, como eu sou uma pessoa muito curiosa, eu olhei novamente para trás, vendo uma mulher arrumada, com um vestido colado no corpo e uma bolsa, encarando o policial\tatuado e o secando.

Se ela estava afim dele? Por que porra ele não me deixou olhá-la?

– Ei, Jeon, por que não me deixa ver o que está acontecendo lá atrás. – Pergunto o cutucando.

– Por nada, Kim... Por nada.

– Jungkook?! – Uma voz fina fora ouvida, e nós dois rapidamente procuramos a pessoa, e era a mulher que eu estava outrora olhando.

Como ela sabia o nome dele?

– Hm... Eu não posso falar agora.

– Você veio me procurar? Ah, eu sabia que não havia me esquecido, já que aqui era o nosso lugar. – Franzi o cenho.

Ela tinha cabelos rosa, corpo magro e escultural, o vestido marcava o corpo todo dela, e seu sorriso parecia inocente.

– Eu não vim te ver.

– Ata! Sempre a mesma desculpa esfarrapada. Pode me falar... Hm... Esse seu corpo está tão diferente... Vem malhando? – Pergunta passando a mão no bíceps musculoso dele.

– Me solta. – Parecia que ele não queria falar o nome da garota.

Ela me olhou, e rapidamente eu vi o inferno me pairar. Mas não me dei a baixo, olhei-a do mesmo modo. Não sei por que estávamos fazendo aquilo, porém, estou pagando para ver.

– Quem é você, loirinho?

– Kim Taehyung.

– O V? Nossa Jungkook, você tinha um gosto melhor para amigos.

Então ela me olha de cima a baixo com um olhar cheio de deboche.

Em vez de fazer algo, eu apenas fico fitando-a. Porquê se Deus não me der paciência, ele vai ter que me dá uma arma.

E é engraçado, por que “Amigos” não é uma palavra que nos descreve. Francamente, eu nunca pensei que um dia eu e ele, seriamos algo além de chefe e funcionário. E também transamos, o que me deixou conflito sobre o que somos agora.

– Você não tem nada a ver com minha vida.

– Olha só, está virando homem. Vamos Jungkook, é só admitir que veio me ver.

– Ele não veio aqui por você. – Me pronunciei. – Viemos aqui só para comprar, sem... Eu nem sei seu nome.

– Dahyun. – Após ela falar seu nome, eu senti todo meu corpo se arrepiar.

Crispei meus lábios, e fiquei quieto, dando apenas um sorrisinho. Agora entendi tudo. Ele era apaixonado por ela.

Eu não iria sair correndo, chorando e dizendo minha vida estava acabada. Porque a vida não é um clichê, e certamente Jeon não correria atrás de mim. Então eu fiquei apenas a olhando, e eu senti um clima tenso vindo do mais novo.

– É um prazer conhecê-la. – Falei sorrindo provocativo. – Dahyun. Porém sem querer te fazer ficar triste, e mesmo esse sendo o “lugar” de vocês dois, viemos aqui para comprar. E Jeon, se quiser ficar com ela, fique a vontade.

Disse saindo do braço, dando tchau a ambos e fui atrás do Jin, esse que estava flertando com o Namjoon “discretamente”. Tanto que eu nem pensei que os dois estavam passando cantadas um para o outro.

– Ei, Taehyung, meu celular caiu de um prédio, mas sabe por que ele não quebrou? – Neguei com a cabeça, esperando a resposta mais retardada que viria. – Porque ele estava em modo avião.

O pior é que eu ri. De tão ruim, eu ri.

A cadela do Jimin, ficou vendo joias baratas, dizendo que aquilo ficaria lindo em si.

Sei que provavelmente, estou blefando em falar que eu acho que o Hoseok, hétero de Taubaté, está dando em cima do meu amigo, porém uma parte de mim, nega, falando que estou completamente certo.

Olhei para Jeon, ele me encara enquanto conversa com a mulher. Eu realmente não ligo muito para isso, e olho para Namjoon.

– Por que me trouxe aqui?

– Porque queremos você nesse jogo.

– Jogo?

– Sim, eu e o Jungkook queremos resposta da morte do Choi, e para isso, queremos você jogando. É daqui trinta minutos, por favor, Kim... Faça-nos ganhar.

– E o que eu ganho com isso?

– O Jungkook.

– Não quero, eu ganho ele de graça.

– Vai achando. – Eu ouvi uma voz perto da minha orelha, me fazendo me arrepiar todo. Era o ultimo citado.

– Na próxima vez que me assustar desse jeito, eu te esgano.

– Ah... – Ele assoprou na minha orelha. – Vou pensar no caso.

Filho de uma bela mãe.

– Okay, um carro novo.

– Nossa... Tudo isso para mim? Eu iria apenas querer que vocês me deixasse de folga mais dois dias, mas esse carro ai me chamou atenção.

– Porém é só se você ganhar.

– Eu sempre ganho, Jungkook... Eu sempre ganho...

 

Jimin cortando o meu clima poderoso, apareceu vestido um casaco de luxo, enquanto dançava, cantando o inicio de Crazy in Love da Beyoncé.

– Estou arrasando, não estou?

– Está lindo, meu amor. – Falei, sem deboche.

– Ai, para, assim eu me apaixono. – Se jogou em cima de mim, começamos a apertar a bunda um do outro, e entre risos, nos largamos.

– Vocês brigaram ainda hoje, e já estão assim?

– Acostuma baby. – Falamos ao mesmo tempo á Hoseok.

– Okay, então se é daqui á meia hora, o que podemos fazer?

– Comer? Eu estou com fome. – Resmungou Jin.

– Vamos lá.

Fomos á uma lanchonete em frente à loja, e comemos um hambúrguer gigante, com Coca-cola. Lembrando, refrigerante faz mal, mas estamos nem ai, e continuamos a beber.

Se a morte chegar para mim por comida, eu vou estar é feliz.

Já fui ameaço a morrer de bazuca, metralhadora, calibre, AK47, faca, tudo que é coisa. Quase morri em um assalto, quase morri atropelado, por cadeira elétrica, e etc.

Então se eu morrer por coca-cola, eu vou é agradecer á Deus por morrer feliz.

Após nós comermos tudo, deu ás meia hora, e voltamos para a loja. Descemos á um porão e, ao ver tudo escuro e apenas uma luzinha, interna, revirei os olhos com tudo aquilo.

Em torno de dez caras e a Dahyun estavam no outro lado da mesa. Os caras pareciam seguranças, e todos estavam de braços cruzados, menos um, que usava um capuz, e parecia ter 16 anos.

– Sente-se, V. – A voz de Dahyun pairou pelo ar, e eu nada fiz. Fiquei quieto.

Eu estava no centro de todos. Éramos uma pirâmide. Eu no centro, Namjoon na minha esquerda, e Yoongi na minha direita, Jungkook á esquerda também, e Hoseok na direita. Jimin atrás do Jeon, e o Jin atrás do Jung. Sendo que cada um estava á um passo a distancia do outro.

Eu apertei meus punhos, e senti o choque do ar-condicionado no meu corpo. A mulher vendo que eu não me movi, sorriu sugestiva, sentando-se a mesa, de um jeito vulgar.

– Hm... Parece que o leãozinho não gosta de ser domado. Felix pegue as cartas.

O garoto citado – Que era o de 16 anos. – pegou o que ela mandou, e colocou na mesa, pegando ás uma carta do baralho que estava ali, e colocara na boca, de um jeito sexy, olhando para o Jeon e ao mesmo tempo, eu.

Esse embuste não desencana, não?

– Já que vocês querem como recompensa de quem ganhar, eu quero meu premio também. – Falou batendo palminhas alegres. – O meu premio vai ser... – Apontou para todos, e parou no policial. – Taehyung!

– O que?!

– Ninguém tem seu cérebro, pequeno. Nenhum deles podem me ajudar como você... Vamos lá, hm? As regras são um seguinte-

– Eu faço as regras. – Ela riu.

– Por que eu deixaria você fazer as regras?

– Porque eu sou o premio caso eu perder.

– Hm... Então está bem. Pode falar.

– Primeiro: Sem trapaças. Segundo: A cada jogo, que são três, vamos ter três chances, com jogadores diferentes. Terceiro: Se no primeiro jogo, a pessoa fazer três pontos, ganhar todas as partidas com jogadores diferentes, perde! E outra, se eu jogar com alguém, e eu ganhar a partida, isso que dizer que eu vou ficar ali até eu perde, entendeu?

– Sim... Mais alguma coisa?

– Claro! Não pode insultar o outro, se estressa ou pressionar. Se caso alguém fazer isto, perde!

– Okay. Sr. Park, sente-se. – Um dos seus seguranças sentou onde ela estava, e Namjoon fora por mim.

– O jogo é o seguinte. Felix, vendado, irá embaralhar o jogo e dará ele para vocês. Vocês pegaram, e irão contar os pontos que ele tem. Que são os números. Embora pareça ser um jogo fácil, cuidado com as cartas. Porque se você pegar um A’s, coringa, K, ou outras letras, isto não valerá, e você ficará sem uma carta.

Kim concentrado pegou ás cincos cartas que se fora jogado para si. O menino jogou para o outro, e engoliu a seco á quase jogar para o outro lado da sala. O Park riu, desacreditado do numero que ganhou, e depois jogou confiante na mesa, já Namjoon, fez o mesmo.

Park: 23 pontos.

Rm: 36 pontos.

Realmente foi um numero de diferença bem grande. Rm pegou uma carta de 10, uma de seis, nove, sete e a ultima de oito.

Já o outro, pegará uma de quatro, outra de seis, uma de cinco, outra de cinco e a ultima de três.

– Merda. – Falara o perdedor. Dahyun sorriu e o outro dos jogadores sentou-se.

Felix embaralhou o jogo, e deu as cincos cartas á cada, eu atento, tentei olhar os olhos dele, mas não consegui ver nada. Então fui ao lado dele, e fiquei ali mesmo.

Vigilante: 35.

Rm: 23.

O Kim apenas se levantou, quieto. E se pôs ao lado dos meninos, mas agora quem fora é o Jin. Mesmo sendo alguém super de boa, ele pode ser competitivo quando o premio é comida, ou alguém que ele ama. No caso eu.

– É hoje que você vai chorar, meu amor.

Percebi que o bolinho que ele segurava, havia dez cartas. Cinco para cada jogador, e ele começou dessa vez com as cartas viradas para cima e começou de baixo.

– Vai sonhando.

Ele os deu as cartas. E Jin comemorou, após vencer.

Jin: 34.

Vigilante: 31.

Okay, sei que é bem estranho uma diferença de três pontos, mas seguimos em frente. A mulher trocou o jogo da mão do jovem, e um novo vigilante sentou-se. Jin o encarou com a sobrancelha erguida.

– Nosso grupo Nigth Killer, já tem 1 ponto fixo. E qual é o nome de vocês?

– Bangtan boys... Ou BTS. – Namjoon falou e todos concordaram com o nome improvisado.

– Temos 2.

– Ainda temos seis pontos para fazermos. É o 21! Acredita? Quanto tempo eu não jogo isto? – Ela riu.

Vinte um, é um jogo que você pega quantas cartas você quiser. Até que elas formem esse numero. Caso você o ultrapasse, você perde.

O vigilante foi até o bolinho de cartas, e pegou duas de baixo, uma no meio e outra em cima. Jin pegou as três em cima, e depois mais uma.

Seok: 23.

Vigilante 2: 21.

Olhei para Felix ao meu lado, ele estava muito nervoso, e eu apenas tirei minha cutícula. Esperando o que estava por vir.

Jin saiu, e quem entrou fora o Hoseok. Ele pegou as três cartas e franziu a sobrancelha, pegou mais uma, no final, pegando um numero altíssimo. Dez. E perdeu.

Já o segurança, pegou só os de cima, e conseguiu um numero adequado. Ele fez uma cara de decepção, e eu senti cheiro de merda no ar.

Jung: 32.

Vigilante 2: 23.

– Hm... Já que ambos perderam, tentem novamente. – Após Felix embaralhar de novo, eles pegaram novas cartas, e Hoseok pegou uma do meio, vindo um A’s.

Após contarem, o ruivo riu feliz, gritando que conseguiu, e eu para alegrá-lo, abracei-o. Mas mesmo assim olhando para Dahyun e o jovem.

Ele a olhou, e ela deu um aceno. Então ele bebeu água. Percebi que o mesmo era muito quieto, e isso me intrigava.

Jung: 21.

Vigilante 2: 28.

Depois outro segurança veio. Sentando-se a cadeira. Fizeram o mesmo processo, e perderam. Então eles pegaram novas cartas e perderam, fizeram isso mais umas cinco vezes, e o vigilante ganhou.

– Estamos empatados, Tae...

– Não me chame assim. – Falei rude, a vendo rir debochada.

– Cãozinho que late não morde.

– Eu sou um leãozinho, como você me chamou. Eu posso ter 1,7 metros de altura. Posso ter até 2,5 de comprimento. E posso te matar a qualquer momento. Todos se rebaixam á mim, eu sempre sou o primeiro á tudo. E pode ter a certeza, que eu não tenho medo de te morder, porque eu não sou um cão, eu sou um leão. – A raiva que eu peguei dela, fora se estralando, e ela riu mais ainda.

– Me morde, que você vai ver...

– Não me subestime.

– Por quê? Vai fazer o que?

– Apenas não me subestime.

– Então okay. Quem será o próximo?

– Jimin.

– Whong, é sua vez.

Ele sentou-se, e eu senti a vibração dos olhares que ele lançava para o meu amigo, e este retribuía. Era como se ambos pudessem pular um em cima do outro a qualquer momento. E não de um jeito bom.

– O jogo é UNO!

– Não iremos jogar mais nada, a não ser que eu diga. E faça tudo.

– O que?!

– Acha mesmo que eu não percebi? Ah, pelo amor de Deus. Aquela venda ali que o Felix está, nem é uma venda. É um pano branco que cobre os olhos dele, e ele consegue ver tudo, percebi isso quando o mesmo fora beber água. A cor realmente foi imprevisível, porque se fosse uma preta, estaria na cara. Mas como a criatividade de vocês bateu mais alto... Tirando o do primeiro jogo, acha mesmo que eu não percebi que as cartas altas estavam em baixo, e as de números pequenos em cima? Se eu não tivesse percebido, vocês ganhariam nessa partida... Entretanto minha querida, você é muito esperta, mas eu sou mais. No meado do bolinho de cartas, estavam todas as cartas que não estavam com números. Tanto que os números do vigilante eram bem pequenos em quesito diferenças, se eles quisessem, faziam na hora que quisessem.

– Você é muito esperto mesmo...

– Quando o vigilante 2 fez cara de decepção, eu percebi que ele estava sendo falso. Quando alguém perde, ele xingaria ou ficaria fazendo cara de zangado, igual o Park. Mas infelizmente, os homens que você contratou são um lixo em atuação. Felix também estava nervoso demais. E nas cinco cartas, toda vez que ele vira para cima as cartas, significa que vocês irão ganhar. A proporção do pensamento seria, nós empatados, e vocês ganhando no final... Mas veja só... Seu plano de merda, fora ao fundo do mar. E agora, é a minha vez de mandar nesse jogo. O que? Acha que eu não percebi que os jogos eram fácies para eu não pensar que você estava trapaceando? `Pelo amor! Eu sou mais que isso. E nem fiel á palavras você é, Dahyun... Você não seguiu a primeira regra.

– E você é?

– Claro. Porque eu sempre venço, e não preciso trapacear. – Sorri alegre, batendo palmas. – Mas agora, sou eu quem mando não é?  O jogo vai se o seguinte, todos nós temos uma arma na mão, certo? – Eles assentiram, menos Felix. – Então se matem, o ultimo a sobreviver ganha! – Ri, e todos me olharam assustado, mas apontaram um para o outro. – EU ESTOU BRINCANDO CARALHO! GUARDA ESSA ARMA!

– Então Taehyung, o que nos propôs?

– Um jogo de sangue, vai ser um seguinte, vamos misturar 21 com o jogo do cinco. Vamos pegar cinco cartas e quem conseguir o numero 21 ganha. E as regras serão as mesmas.

– Isso é impossível. – Disse Whong.

– Nada é impossível, amorzinho. – Ele me olhou cheio e desejo nos olhos, e eu ri compreendendo. – O que foi? Quer um beijo meu? – Ele negou rapidamente.

– Sou hétero.

– Aff! – Foi até o mesmo e coloquei minha mão na sua nuca. – Não minta para mim... – Dei-o um selinho.

– Eu tenho família.

– Hm... Se você se importasse com ela, não estaria trabalhando com a Dahyun.

– Se vocês perderem, eu vou rir tanto. – A citada deu um sorriso maldoso, cortando o clima.

– Eu nunca perco, Dahyun, eu nunca perco... Vamos lá meninas! – Falei sendo sarcástico. – Que os jogos vorazes, co-me-ce.

Hashtag vocês quem lutem. – Jimin falara.

– Ah, Dahyun. Agora quem vai jogar, sou eu e você. Apenas... Eu e você.

 

 


Notas Finais


(Explicação da posição):

Jin Jimin
Jungkook Hoseok
Namjoon Yoongi
V

A parte do álcool e gel foi sim uma indicação do Corona Vírus, alias, se cuidem
Amo vocês <3
Ate o próximo cap
Comentem...
E espero que tenham gostado


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...