1. Spirit Fanfics >
  2. 2020: Ilhabela >
  3. Capítulo 2 - A busca por suprimentos.

História 2020: Ilhabela - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Olá pessoas, sei que sumi e muitos de vocês amavam minha história alternativa de Ao no exorcist, no entanto, tenho tentado abrir com uma base nova, de forma a criar algo inspirado ainda em ficção mas em um plano mais 3D se vocês bem entenderam kkk.
Espero que gostem e que me ajudem a moldar essa história conforme comentarem.

Capítulo 2 - Capítulo 2 - A busca por suprimentos.


Fanfic / Fanfiction 2020: Ilhabela - Capítulo 2 - Capítulo 2 - A busca por suprimentos.

POV Gabriel

Já passava das 9 da manhã e eu ainda estava dormindo debruçado contra uma bandeja de suturas, sentado em uma cadeira de escritório com uma rodinha quebrada, eu tinha passado a noite toda ajudando a Duda com os feridos. Eu dormia numa boa, quando de repente eu sinto um chute muito forte na minha costela, me derrubando da cadeira e me acordando no susto, e junto ao chute um grito de raiva.

–GABRIEL! VOCÊ JÁ DEVERIA ESTAR PRONTO! –Gritou Isabella enquanto me via caído no chão.

Eu calmamente sorri e disse de forma provocativa –Foi mal, passei a noite com sua namorada... –Obviamente eu tomei outro chute na cara.

–Portão Norte... Agora... –Disse ela virando as costas e saindo andando em direção a sala da Duda.

Eu me levantei do chão rapidamente e fui direto para o portão, afinal, ordens são ordens. Ao chegar no portão, vi o Luiz colocando um colete a prova de balas, e eu obviamente não deixaria barato –Você vai precisar de um desses na cabeça... É um alvo bem grande pra um Serafita. –Provoco enquanto pego um kit básico no armário.

–Você acha? É grande pra pensar mais do que você... –Diz ele fechando o armário dele e saindo andando –Saindo em 5...

–Acho... Adoraria testar tiro ao alvo... –Falo de forma irônica e desanimada enquanto visto uma jaqueta e boto minha pistola no coldre.

Me direcionei ao Luiz e aos outros, que estavam rindo sobre alguma coisa. O tempo passou e logo saímos pelo portão, olhando para os outros eu era um civil em meio a um esquadrão de SEALs, porque eu só tinha uma pistola, mas o Luiz e companhia tinham um arsenal completo. No total somos 10, mas separados em duplas para cobrir uma área maior, eu sei, estupidez do Luiz, afinal estamos em guerra, e eu muito provavelmente vou morrer porque minha dupla é o Luiz.

Nós estávamos passando pelo Perequê e paramos para descansar, e quando menos espero, minha dupla simplesmente decide checar uma loja de conveniência antiga chamada Kit-Ket. Eu realmente fiquei impressionado de como esse imbecil é o chefe da equipe, ele literalmente tentou entrar pela porta da frente, como se não houvesse problema algum. Eu automaticamente o segurei pelo colete e puxei para trás.

–Mas o que caralhos você ta fazendo? –Falei de forma pausada para destacar a burrice dele.

–Dando aquela averiguada... É literalmente isso que viemos fazer... –Disse ele com uma cara muito inocente.

–Quem você bajulou pra pegar esse cargo cara? Você não sabe se tem alguma daquelas coisas aí.

Eu decidi dar umas batidas no vidro da porta para chamar a atenção lá dentro e ver se tem algo. Não demorou nem 2 minutos e logo 3 daquelas coisas começaram a ver o Luiz como um belo almoço lá de dentro.

–Ei... Marcos, ajuda o Luiz com esses bichos... –Assim como pedi, eles fizeram e logo todos os outros começaram a revirar a loja em busca de suprimentos, nesse meio termo me mantive de olho na rua, parado na entrada da loja. De repente, vejo 4 homens se espreitando entre os carros, eles achavam que eu não os vi, e esperava que continuasse assim, o elemento surpresa agora era meu, ou melhor, era, pois Luiz saiu para fora se espreguiçando com o fuzil pendurado pela bandoleira.

Ao ver o Luiz, um dos Serafitas pensou que estávamos avançando e se levanta de um dos carros, atirando contra a gente, o tiro que ia diretamente para a testa de Luiz tomou outro rumo, pois eu o empurrei para o chão com toda a força e tomei o lugar dele, fazendo com que a bala atravessasse meu ombro, muito provavelmente esfarelando minha escápula esquerda e pegando na parede atrás da gente. Eu caí no chão e logo todos saíram e começaram a atirar. Fiquei anestesiado pelo impacto por alguns segundos, tudo ficou embaçado e eu escutava apenas um zumbido alto, e então, voltei a ver e escutar rapidamente, e comecei a engatinhar para perto de um dos carros, saindo do campo de visão dos Serafitas. Dos 4, 3 deles foram mortos pelo nosso grupo, mas eu vi mais deles descendo a rua rapidamente, O que estava vivo decidiu correr para longe com a chegada dos outros, provavelmente para chamar mais deles.

–Luiz, me dá cobertura... –Falei rapidamente me levantando com a arma em mãos e correndo na mesma direção que aquele cara. Luiz e os outros continuaram atirando nos Serafitas e eu entrei em perseguição contra o fujão.

O segui por umas duas quadras enquanto ele tentava me acertar de novo, até que do nada ele parou e se escondeu atrás de um táxi e atirou freneticamente contra mim. Eu por minha vez me escondi atrás de um poste e esperei ele parar para recarregar, quando isso aconteceu eu corri até um carro emparelhado com o dele e me escondi novamente, ele voltou a atirar e me xingava aos montes.

–Filho da puta... Morre de uma vez e me deixa ir... –Disse ele enquanto pegava cobertura novamente atrás do carro.

–Você atirou em mim seu merda... Olho por olho, não é isso que vocês falam? –Falei de forma provocativa, enquanto eu buscava uma forma de pegar esse desgraçado. Olhei por uma vidraça de uma loja, e percebi que ele estava exatamente no meio do carro, então me deitei no chão e esperei ele se esconder de novo.

–Reza pra eu acertar sua cabeça... Eu você não acerta... –Disse ele ao se esconder de novo.

Eu mirei diretamente no tornozelo dele e atirei, automaticamente eu ouvi ele gritar de dor e largando a pistola. Eu rapidamente corri até ele e chutei a arma para longe do alcance dele, enquanto eu mirava pra cara dele e respondi à ameaça dele de forma sarcástica –Pode repetir? Eu não consegui ouvir...

Fiquei cerca de uns 3 minutos mirando nele e então Luiz e alguns dos outros chegaram até mim, eles olharam pro cara desarmado e ferido e Luiz disse:

–Ótimo, pegou ele, agora finaliza e vamos atrás de suprimentos... Tivemos 3 mortos –Disse ele de forma rápida e imperial.

–Acabei de conseguir o melhor suprimento que vocês poderiam ter encontrado... –Respondi o olhando seriamente.

–E qual seria esse divino suprimento Gabriel? –Perguntou ele de forma irônica.

Eu tinha notado que ele tinha uma bandana amarrada no braço, algo que eu só tinha visto em um membro de alto escalão dos Serafitas –Informação...

Ao verem a bandana que retirei do cara, eles entenderam o que quis dizer e a maioria concordou que aquilo era prioridade, e como houveram muitos tiros disparados, era provável que Zumbis estivessem seguindo o barulho.

Então, nós voltamos para a base com esse cara. E a Isabella, a Duda e  o Gustavo, fora mais algumas pessoas esperavam nossa chegada. A realidade é que foi uma saída praticamente inútil se não considerarmos o prisioneiro, pois só conseguimos algumas latas de comida e garrafas d'água.

–Essa foi rápida não? Espero que tenham trazido algo... –Gustavo logo parou de falar ao ver a falta de presença de 3 de nós, dentre eles o Felipe, amigo dele que foi escalado pelo próprio Gustavo como uma brincadeira. Logo ele também reparou a presença do nosso mais novo bichinho de estimação aleijado –Peguem esse cara e amarrem no 145... –Disse ele aos guardas que estavam entre a multidão.

–O que aconteceu?! Esse sangue é seu? –Perguntou Isabella espantada ao ver minha blusa toda suja de sangue e eu segurando meu braço com um pouco de dor.

–Aquele desgraçado atirou em mim... –Falo o encarando sendo levado para o "interrogatório" –Desculpa Isa, mas eu acho que preciso alugar sua namorada por mais um tempinho –Falei tentando aliviar um pouco a situação, mas logo começo a ver tudo embaçado novamente, e quando eu estava prestes a desmaiar, a Duda rapidamente me segurou um pouco antes de eu cair no chão.

–Vamos, vou cuidar de você... –Disse ela um pouco antes de eu apagar completamente.

E assim terminamos o capítulo de hoje.


Notas Finais


Espero que tenham gostado, comentem aí algo que pode mudar e em pouco tempo estarei aqui para dar continuidade a história.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...