História 2087 - The Walkthrough - Capítulo 8


Escrita por: e Fishbone

Postado
Categorias Histórias Originais
Visualizações 13
Palavras 2.675
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ficção Científica, Romance e Novela, Sci-Fi, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 8 - "We are Golden"


Fanfic / Fanfiction 2087 - The Walkthrough - Capítulo 8 - "We are Golden"

Joseph e Willian não quiseram se aquecer nem nada. Logaram no horário combinado e já foram para as filas ranqueadas. A arena é, basicamente, um coliseu enorme no qual os participantes preenchem os dados e o rank atual e esperam pelo oponente. Os modos de batalha na arena até então são: Solo, Duo e Team - que no caso são 5x5. Jack estava indo muito bem jogando sozinho, mas agora as coisas complicaram. Ainda não estava bom o suficiente e sem falar que a sua build esquisita funcionava muito melhor com alguém para dar suporte.

Enquanto esperavam, Crusher tratou de pensar numa estratégia. Sendo ele classificado como Bruiser (ou lutador), faria a linha de frente contra inimigos parrudos, agora com os papéis revertidos era a obrigação do assassino dar cabo de todos. O problema maior e o que todos vem odiando é o Lancer.

Por vantagem natural os Lancers são ótimos em combate, digo, artes marciais. Conseguem lidar relativamente sossegados com combate físico como também à longa distância. É frustrante encontrar um que saiba jogar dessa maneira. A build mais famosa com certeza é a Nobushi, Inspirada em uma classe existente na antiguidade. Guerreiros rápidos como o vento e suaves como uma brisa de verão onde seu modo de batalha é maleável, o que lhes permite sempre tomar o controle, ainda fazem uso de veneno, o que torna cada corte mais agonizante que o normal.

— Achou porra! Uhu! – Jack não aguentava mais. Quando se acha uma partida rankeada, os desafiantes são enviados para uma jaula de preparação e lá eles escolhem os itens que vão levar para a batalha, depois que selecionados não podem ser alterados. O Inventário Virtual é sempre bloqueado, para manter as batalhas justas. As arenas variavam, tendo diversos formatos e temas e dessa vez foram parar na Floresta. Claro que tem o nome de algum lugar do jogo, eu só não consigo lembrar, então é o mapa da floresta.

As portas se abriram e os dois guerreiros já foram recebidos por uma saraivada de flechas.

— Archer! – Alertou o Assassin. Não que precisasse disso, pois foi Crusher quem as defendeu. Jack aproveitou para fugir e se esconder nas árvores, precisava achar a localização do arqueiro e saber quem é a sua dupla. Seguindo a lógica, deveria ser alguma classe física mais resistente. Ou talvez um Caster focado em cura e buff. Saltando por entre os galhos, Jack achou o segundo desafiante.

A princípio não usava arma, ele era um Fighter. Finalmente uma build original. Era da classe Berseker, não tão alto como os usuários gostam de criar e também não tão musculoso. Usava luvas cromadas e tinha a postura de um lutador de Muay Thai. Vestia quimono, mas o robe estava amarrado na cintura deixando o peitoral e uma enorme tatuagem de tigre à mostra. Era quase careca, cabelo ralo, sobrancelhas grossas. Seu tempo de avaliação acabou porque o berseker já o tinha visto. Viu um sinal vermelho brotar bem na sua frente, era o efeito da Antecipação no nível máximo, segundos antes de uma rocha passar por ali como um tiro de ganhão.

Em terra, Crusher tentava avançar, mas o arqueiro tinha uma habilidade bastante chata. Ele não precisava mirar toda vez que puxava a corda do arco, ele mesmo soltava centenas de flechas contra o oponente, resumindo, era uma metralhadora da idade média. O dano era reduzido, mas eram tantas que era impossível avançar. Jack já tinha entendido o plano deles. Era simples, mas funcionava perfeitamente bem. O Fighter não o deixaria passar de forma alguma.

— Vamos estourar o lutador primeiro, é o único jeito. – Nem mesmo ele botava fé no plano, mas não via outra forma de passar indo um de cada vez.

— Eu avanço e você pega ele de calça curta? – Sugeriu o saber depois de bater o escudo no chão e quebrar todas as flechas que defendeu.

— Não, ao contrário. Eu vou primeiro, você tem mais chances de se proteger do Archer.

 Sem esperar a resposta Jack tirou duas facas de arremesso do inventário e avançou. Jogou uma e depois outra no lutador. Com as placas de ferro ele defendeu sem problemas, mas isso lhe custou a guarda - ou foi o que pensava. Saltou direto em sua jugular com a Blood Seeker, tinha a confiança que se conseguisse um bom golpe a partida seria vencida ali, mas seu sensor mostrou marcas vermelhas perto demais. O Fighter inclinou um pouco os joelhos e com o impacto dos ombros arremessou o assassino para o alto. De repente sentiu um puxão no pé, foi jogado com toda força em cima de Crusher que vinha a todo vapor em sua direção. Bateu no filho da puta com outro filho da puta.

— Foge! – Jack chutou o Saber para que ele se movesse mais rápido. Uma chuva de flechas vinha logo em seguida. O primeiro tronco não suportou, tiveram que ir mais fundo na floresta para escapar da saraivada.

— Cara, fodeu. O Berseker é muito brabo. – Reclamou o Assassin.

— Eu vi. Tem certeza de que não quer trocar?

— Não vai adiantar. Só vamos ganhar se eu passar dele. Mesmo sendo insuportável, é melhor deixar o arqueiro livre do que ele no meio da gente. Vou jogar mais sério agora. Confia.

 — Ué caralho, não tem outra opção mesmo.

Pediu ajuda para subir nas árvores. Usando o escudo com trampolim, Jack circundava os adversários esperando o melhor momento. Crusher ficava escondido e se aproximava pouco a pouco. O Archer se virou imaginando um ataque furtivo, mas Jack apareceu entre eles com o cutelo dessa vez mirando logo nas pernas do Fighter. Não deu outra vez. O tempo de reação do lutador era bom, ele devia ter sua Concentração a níveis bem alto. Levou um baita soco que o fez partir duas árvores e parar na terceira. Crusher nem apareceu.

— Metade do HP, eu não me preocupei em levar poção de vida... espera. – Mudou o seu plano. Recuou para a floresta e os observou por alguns segundos. Eles não se mexiam. Já que era um aliado, Jack conseguia ver o Saber em qualquer lugar do mapa, se aproximou dele e contou o que tinha percebido.

— Tem razão, estamos muito afobados.

— Agora eu entendi, a gente pode virar esse jogo de verdade.

No meio da arena, o arqueiro começa a debochar. O fighter acabou entrando na onda.

 — Não conseguem, né?

Crusher e Jack estavam parados bem na frente. Não avançariam mais. Era a vez deles tentarem algo. O lutador avançou no assassino. O bruiser era demorado de se lidar, caso demorassem muito Jack ficaria livre e assim poderia perder. Então o foco foi no mais frágil. Na distância aceitável o personagem de Joseph colocou as duas mãos na bolsa atrás e então jogou diversas lâminas para o ar.

— Knife Juggling... – Disse enquanto sorria. Era uma de suas habilidades originais. As diversas facas no ar criaram um campo. Dentro daquele espaço Jack sempre teria prioridade no ataque. Logo a frente tinha uma faca, o lutador escapou por pouco. Como o título bem diz, Jack sempre mirava na garganta. O corte na bochecha não arrancou tanto HP,  em alguns segundos sentiu dor na coxa e então mais outra quase no seu tendão. Não dava para avançar, caso continuasse receberia mais e mais dano. Quando começou a recuar, Jack pegava as facas no ar e arremessava. Tinha ficado em silêncio por ficar concentrado, na sua visão aparecia um sistema parecido com Guitar Hero... é, ele ainda existe, o Rock sempre vai existir no mundo. Ele tinha que pegar a adaga no momento certo para conseguir realizar o próximo movimento, caso erre o tempo perderá algumas oportunidades até corrigir ou os itens acabarem. Defendia como podia, mas muitas ainda passavam e rasgavam o corpo do inimigo.

— AAAH! – Com o grito, bateu o pé no chão com toda a força levantando uma enorme rocha. Das laterais uma saraivada pegou o assassino. Agora ambos estavam feridos. Jack com sua defesa transpassada e o lutador com sangramento moderado. Ainda não tinha acabado, ele deu diversos socos na rocha que tinha levantado lançando pedras em alta velocidade.

— Tenta fugir, eu não posso defender isso! – Aconselhou o Saber.

 — Calma que eu ainda não acabei. Eu vou fazer a minha parte e você termina a batalha. – Tirou todas as flechas do corpo e continuou avançando escapando das rochas. Lançou um frasco de líquido transparente mas espesso como um óleo. Quando o vidro se chocou contra a pedra, explodiu. Era basicamente uma granada de impacto. Saltou por cima, dessa vez viu o sinal vermelho bem a sua frente e abaixou. Retirou Butcher’s Daughter e arrancou o braço direito com um corte vertical para cima, mas não esperava pela joelhada. Aquilo desgraçou com seus pontos de vida. Parece não vai conseguir cumprir o acordo e levar o lutador junto. Em estado crítico pensava em fugir, mas o arqueiro não iria deixar, entregou uma ampola de líquido laranja para o Saber antes de ser finalizado por 300 flechas e virar um queijo suíço explodindo em energia.

Crusher respirou fundo. Sabia que o lutador não iria demorar para cair, mas ele estava se mantendo graças a poção de vida, porém a hemorragia se tornou grave, seu sangue caia mais rápido do que recuperava. No fim, ele ainda pode ser um problema caso absorva algum dano pelo arqueiro.

— Shield Combat Composture. – Lá está a forma ofensiva do Saber. Tirou a rolha da ampola e bebeu o líquido. Sentia seu corpo queimar - e ele de fato estava. A droga criada por Jack diminuía drasticamente todas as defesas e resistências do usuário para lhe dar um ataque ainda maior e ainda no final ele perdia a sanidade. O corpo do Cruzado emanava vapor, como se estivesse superaquecendo, sua pele se avermelhava e seus olhos ficavam mais secos. Não precisa ser nenhum gênio para saber que o Fighter serviria de escudo para o arqueiro, não precisava mais focá-lo então. A explosão de velocidade assustou a ambos. – Armor Destroyer.

Junto com as palavras, da sua boca saía vapor. Ele literalmente amassou a cabeça do Fighter quando o mesmo entrou na frente para proteger o arqueiro, mas o inimigo fez isso com um sorriso, estava confiante. Antes de explodir em energia como Jack escutava um som, algo se energizava ali perto.

— Pensou que eu só tinha aquela habilidade sem foco? Eu posso ajustar meu arco para o modo rajada ou precisão. Um completamente diferente do outro. Ao contrário daquele, dessa vez eu dou muito mais dano com apenas uma flecha. E você está prestes a recebe-la bem na testa. – Percebeu que o Archer tinha fincado a base do arco no chão enquanto puxava a corda com as duas mãos, parecia mais um estilingue. Era impossível errar e com o defensive drop enorme da alquimia, era óbvio o que iria acontecer.

Quando soltou a corda, a pressão criada quase partiu seus dedos. Um turbilhão agitou todas as folhas da arena e então o disparo desapareceu com parte da cabeça do guerreiro. Parecia um bug, a partida não acabava mesmo que o HP tivesse chegado a 0. No guia ao lado apareceu um comunicado para o Archer. Habilidade Last Resort ativada! O mesmo arregalou os olhos quando viu apenas um sorriso ensanguentado e todo aquele vapor saindo do corpo, Crusher mostrou a língua antes de levantar sua espada curva e atravessar todo o corpo do arqueiro como se fosse manteiga.

E essa foi a última batalha deles no Silver. Com essa vitória, Jack e Crusher conquistaram pontos para serem promovidos a Gold. Novos lugares foram desbloqueados e um novo título poderia ser adquirido, assim como mais espaço para novas habilidades.

Não era preciso falar que Joseph e Willian ficaram falando disso em todas as vezes que se encontraram, mesmo nas visitas à casa na qual se reuniam para decidir sobre o projeto. Malena aproveitava para conversar com Naomi, porque a loira estudava Arte, mas no caso a História da Arte. Enquanto hoje em dia tudo era feito em computação, Naomi permanecia fiel ao pincel aos métodos clássicos. Isso acabou dando algumas ideias à Malena para um novo jogo, talvez no futuro, quando conquistar mais a intimidade deles ali, ela pediria para formar um grupo novo. Willian trabalhava com I.A, ela cuidava de programar todos os sistemas do jogo, Naomi a arte e Joseph era muito bom com as pessoas. No caso, ele seria útil em convencer alguém a fazer, comprar ou divulgar algo. Era assustador como ele sempre conseguia dar o seu jeito.

O projeto de Sci-Empreendedorismo não avançaria mais do que isso. Agora que Maria chegou, Joseph finalmente parou de falar do jogo e começou a conversar com a baixinha.

— Gente, eu vim convidar vocês para festa que vai rolar no campus B. Parece que um monte de gente está saindo de lá e eles querem atrair futuros compradores.  Tipo, todo mundo está convidado... todo mundo mesmo. – Disse ela enquanto sentada no colo do moreno. Maria brincava com o baralho que estava na mesinha. Naomi olhava fixamente para o rapaz. Ela até então achava que eram namorados e que naquele dia Joseph a tinha traído com sua amiga. Não estava gostando de ver ele tão relaxado assim.

— Acho que eu não vou... – Se aquele era o tipo de pessoa que Joseph era, não queria mais ficar perto dele nem por um segundo.

— Aquela sua amiga ruiva vai? – Perguntou o moreno e todos ficaram em silêncio. Até mesmo Maria esperou a resposta de Naomi. A loira ficou vermelha de raiva, ele não poderia ser tão ridículo assim, ou poderia? Enquanto sua mente inundava de xingamentos ele olhava para Maria e falava de Evelyn. – Eu acabei ficando e conversando com Naomi e suas duas amigas, e tinha a ruiva que era muito linda.

— Só aceito se tiver pegado ela. – Quase caiu da cadeira por ter ouvido aquilo da boca de Maria.

— Ei, qual a relação de vocês? Não namoram? – Perguntava mais com indignação.

— Ué, eu já não disse? Somos bons amigos. Só isso. – Maria se ajeitava no colo de Joseph, o que dava a entender em outra coisa.

Só se ouviu um tapa seco. Naomi se bateu, só com uma bela porrada a ideia entraria na sua cabeça. Depois sorriu idiota. Ficou mais estranho do que tinha imaginado.

— Tá, parece que eu vou sim. E eu vou chamar a Evelyn... – Olhou para Willian que fumava na janela. – Você vai também?

Malena fez um sorriso de moleque enquanto dava cotoveladas em Joseph para prestar atenção no que acontecia ali. E ele sorria concordando. “Ela gosta dele! ” Pareciam crianças. Apesar de que na cabeça da Malena vinha algo mais pesado como “Ela quer muito dar pra você” ou “Come essa menina logo, se não eu vou”.

Willian até ficou desconfortável com todo mundo encarando aguardando sua resposta.

— Se eu não tiver nada pr-

— Vai sim! Ele vai, já está lá! – Cortou Joseph. Naomi parecia confusa, olhou para Malena. Ela concordava com tudo que o moreno dizia e completou:

— Todo mundo aqui vai, e geral vai transar muito. E ai da pessoa... – Maria começou a rir, não deixando que ela continuasse. A mesma se espreguiçou no colo do rapaz, se preparando para levantar.

— Eu vou deixar vocês continuarem e vou lá na cozinha preparar algum lanchinho.

— Nice! – Comentou Malena dando um tapa na bunda da garota enquanto esta passava por perto.

— Ei! – Gritaram Maria e Joseph ao mesmo tempo.

— Essa bunda é minha! – Falou o rapaz no final.

— Por enquanto. – Malena deu mais dois tapinhas.

A data da festa se aproximava, o quarto aluno do grupo finalmente deu alguma notícia. No jogo Jack explorava mais e mais os benefícios do ranque dourado. Ainda não pensou em um bom título. Começou a seguir um rumor na internet, de Bosses lendários escondidos dentro de Raids também escondidas. Monstros com habilidades tão fortes que de balanceiam o jogo em si e para acha-los deve estar sozinho. Todo mundo acreditava ser alguma brincadeira de mau gosto para fazer jogadores perderem o tempo, mas como escrito na bíblia das mães, Joseph não era todo mundo.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...