História 24 - 25 - Twenty Four - Twenty Five (Jeon Jungkook) - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Ashley Moore, Bangtan Boys (BTS), Loona, Red Velvet
Personagens Ashley Moore, Jeon Jungkook (Jungkook), Kim Lip, Kim Namjoon (RM), Kim Taehyung (V), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais, ViVi, Yeri
Visualizações 355
Palavras 8.287
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 7 - Veja o quão fundo entra em mim


Ela deslizava suavemente o batom vermelho sangue em seus lábios carnudos, sorria maliciosa para si mesma. O delineador estava forte sobre seus olhos, destacando o castanho escurecido. O cabelo caía em ondas perfeitas sobre os ombros, cobrindo boa parte de seus ombros.

Ela usava jeans escuro e justo, camiseta clara e jaqueta de couro um pouco acima da cintura. Andava divinamente sobre seu Scarpin preto, novinho, comprado especialmente para essa noite.

Borrifou seu perfume favorito no ar e deixou que a fragrância caísse sutilmente sobre ela, como se aquele fosse seu cheiro natural. Ela tinha a total consciência de que sua fragrância natural era como um manjar delicioso para os Alfas. Ela sabia o quanto ela era diferente, e o quanto se destacava entre ômegas fracos e acanhados.

Checou mais uma vez seu email no notebook em cima da bancada da cozinha. Ela era uma mulher muito disputada, tanto profissionalmente como pessoalmente. Havia sido a primeira ômega a tomar a frente de uma grande empresa. Batalhou, estudou, e disputou cargos com Alfas tão qualificados quanto ela.

Com apenas vinte quatro anos de idade ela já ocupava um espaço significativo no topo da lista das mulheres mais influentes do país. Cuba estava praticamente em suas mãos, não havia homem ou mulher que não conhecesse o nome de Choa Park.

Andou até a sacada de sua cobertura caríssima. Encarou a cidade lá fora e sorriu. Ela estava em sua própria glória e plenitude. Havia mudado tanto que ela mesma não reconheceria a Choa de anos atrás.

Bagunçou levemente os cachos em frente à porta de metal do elevador. Desceu até o subsolo, de longe ela já podia ver o brilho excitante de seu carro luxuoso. Ela o destrancou e entrou graciosamente na máquina. Aspirou o cheiro de couro do carro, era algo que ela sentia prazer em fazer, aquele cheiro a lembrava de madeira, e madeira sempre atiçou sua curiosidade.

Ligou o carro e partiu pelas ruas. O radio automaticamente ligou, e uma melodia forte soou pelas caixas de som. Dirigiu por alguns minutos, com toda a atenção devida, pois ela odiaria bater ou se quer arranhar seu carro.

Parou em frente de um dos mais luxuosos restaurantes de toda a cidade. Desceu do carro, segurando sua bolsa de mão. Entregou a chave para o manobrista, que a cumprimentou com um aceno educado. Ela frequentava sempre que podia aquele local, adorava a comida dali. A porta foi aberta para ela, sorriu em agradecimento ao rapaz, que se desmanchou de amores para ela no mesmo instante.

A recepcionista sorriu para ela, e mostrou o caminho até a mesa onde seu namorado a aguardava. Ela entrou no saguão, onde todos jantavam e conversavam. Dali ela pode avistar o homem forte e alto, o cabelo perfeitamente bagunçado, o maxilar trincado, um sorriso sedutor e os olhos queimando sobre a mulher que caminhava até ele.

Choa aproximou-se e dispensou a recepcionista, que fez um leve aceno educado e deixou os dois a sós.

Ele fez questão de levantar, tocou com firmeza a cintura perfeitamente desenhada de Choa, beijou-a nos lábios com devoção e respeito. Choa sorriu para ele e esperou enquanto ele puxava a cadeira para que ela sentasse.

- Você está radiante essa noite. - Ele falou assim que voltou a se sentar.

Choa passou a língua sobre os lábios e sorriu. Era sempre assim com Junghyun. Ele era um homem elegante e sedutor. Ele trabalhava para ela na empresa, era um dos sócios mais influentes.

- E você está magnífico. - Choa analisou-o prestando mais atenção.

Junghyun vestia uma camiseta social azul, com as partes internas da lapela e das mangas em um tom preto. Calça Jeans e sapato casual. Ele era um homem incrível até vestido casualmente. Choa queria pular sobre aquela mesa e morder cada músculo de seu namorado.

O desejo sexual de Choa era quase inabalável. Ela já havia se deitado com homens e mulheres, mas nenhum deles havia saciado de todo o seu fogo constante. Talvez pelo fato de que ela apenas fazia sexo com Betas. Ela simplesmente se recusava a foder com um Alfa, isso ia contra suas políticas pessoais, e Choa era uma mulher de diversas políticas pessoais, e ela nunca, jamais, deixava de seguir qualquer regra própria.

Junghyun, como um Beta, não tinha tanto desejo sexual quanto Choa, ele por vezes se esgotava ao zero para poder saciar Choa em seu cio. Mas ela não reclamava, pois ela tinha plena consciência de que seria assim para sempre, já que ela nunca deixaria algum Alfa tocá-la.

Um dos garçons se aproximou da mesa deles, enquanto eles se encaravam, ambos desafiando um ao outro. O garçom silenciosamente deixou dois cardápios na mesa, e serviu duas taças de vinho tinto aos dois.

Choa bebericou um gole do vinho delicioso que desceu quente sobre sua garganta. Junghyun admirava a mulher magnífica a sua frente, ele constantemente deslizava dois de seus dedos sobre os lábios, ansiando por poder beijar cada canto do corpo delicioso de Choa.

A tensão sexual na mesa dos dois era praticamente palpável. Poucas as vezes eles saiam para jantar, pois Junghyun era um homem extremamente ocupado e atarefado, diferente de Choa, que passava boa parte de seu tempo apenas respondendo emails e administrando sua empresa por telefone. E quando eles se encontravam, era de praxe que o sexo aconteceria.

Pode parecer estranho esse tipo de relacionamento entre um homem e uma mulher, mas os dois gostavam dessa vida de sexo casual com um relacionamento firme e sério.

Choa rolou seus olhos pelo cardápio, e em sua mente ela já sabia que a noite seria estonteante.

●❄●


Ele beijava com fervor os lábios dela, saboreando cada lábio dela, mordendo e chupando. Os dedos dela se apertavam contra o couro cabeludo dele, completamente entregue e pronta para se dar a ele.

Ela se ajeitou no colo dele, o sofá era grande o suficiente para que o ato fosse consumado, e ela sabia que não teria tempo para ir até o seu quarto.

Rebolou preguiçosamente sobre o membro latejante dele. Ambos ainda vestidos. Ele a segurou com firmeza pela cintura, forçando o corpo delicado dela para baixo, a fim de criar mais atrito entre seus corpos.

Ela se soltou do beijo e arfou, forçando a cabeça dele contra seu pescoço. Ela encarou o teto do seu apartamento enquanto sentia a língua aveludada de Junghyun deslizar pelo seu ponto de pulso, sorriu com a cócega suave que a barba rala dele proporcionava ao esbarrar contra sua pele quente.

Choa deslizava sobre as pernas torneadas e musculosas de Junghyun, ele era um homem que se cuidava e constantemente malhava. Choa friccionava seu clitóris contra o jeans dele. Eles se encararam a meia luz do abajur da sala, Choa mordendo o próprio lábio inferior enquanto Junghyun trincava a mandíbula em um sorriso torto.

●❄●


Ela acordou pela manhã se sentindo bem, seu corpo estava leve, porém, ela ainda sentia certo desejo. Arrastou-se para o lado e deu de cara com seu maravilhoso namorado, dormindo como um deus mitológico ao seu lado. Ele segurava com firmeza a cintura dela. Choa sorriu e o beijou nos lábios, ele não a satisfazia, mas ele a atraia de uma forma que ela não sabia explicar. Ela acariciou com carinho os fios negros do cabelo dele, e aos poucos ele acordou.

Eles ficaram nessa troca de olhares intensa. Choa se apoiou no braço, e o encarou de cima. Ele desceu o olhar para o corpo dela, e teve o prazer de vê-la nua, coberta pelo fino lençol apenas da cintura para baixo.

Ele com certeza se sentia o homem mais sortudo do mundo por ter aquela mulher tão desejada para ele.

●❄●



Os dois tomavam café sentados em frente à bancada da cozinha. Choa vestida apenas com a camiseta social de Junghyun, lendo alguns emails em seu computador enquanto tomava uma xícara de leite quente e beliscava alguns pães. Ele vestido apenas com uma calça moletom, que deixava a amostra seu maravilhoso peitoral e as deliciosas obliquas definidas dele. Ele lia um jornal enquanto tomava um café preto forte.

- O vôo sai a que horas? - Ela perguntou quando finalmente terminou de ler um enorme relatório que sua secretária havia lhe enviado aquela manhã.

- O jatinho estará pronto após o almoço, quando você estiver pronta nós já poderemos ir. - Ele respondeu e a encarou com um sorriso.

Ela sorriu para ele e se arrastou no banco, caminhou até ele, que girou seu banco e a recebeu entre as pernas. Ela o beijou com carinho, tocando-lhe a face, sentindo os pelos da barba dele pinicando em seus dedos. Ela aproveitou para aspirar o cheiro dele, que estava mais forte graças a noite de sexo que eles tiveram.

- Eu tenho realmente que ir? - Ela perguntou manhosa e fez um biquinho adorável.

Junghyun riu baixinho e aproveitou para colocar algumas mechas do cabelo dela atrás de sua orelha delicada.

- Eu quero tanto te apresentar à minha família. - Ele respondeu carinho.

Ela bufou e revirou os olhos.

- Mas e se eles não gostarem de mim?

Ele fez uma careta, pois quem em sã consciência odiaria Choa?

- Eles vão simplesmente te amar! - Ele insistiu. - E mais, meu irmão chega da França hoje, e ele está mais do que ansiosa para poder cozinha para nós.

Choa há semanas ouvia Junghyun falar desse seu tal irmão que foi para a França virar su chef de um restaurante hiper mega famoso e blá blá blá. Ela já não aguentava mais a mesma conversa dele. Junghyun era muito ligado a sua família, o que era um pouco diferente de Choa, já que ela poucas vezes ia visitar seus pais e sua mais nova irmã.

- Se não fosse por você eu não iria, tanto porque eu odeio Busan. - Ela murmurou contra os lábios dele.

- Tento entender seu ódio por aquele lugar lindo até hoje.

Ela com a ajuda dele sentou sobre suas coxas, ajeitando-se sobre o membro dele.

- É muito quente. - Ela disse simplesmente e dando de ombros.

- E Cuba é um lugar extremamente frio, certo? - Ele a desafiou.

- Você não entende. - Ela bufou fazendo carinho no peitoral nu dele. - Eu só não gosto de lá, simples assim.

- Mas é importante para mim que você vá, você é minha namorada e futura esposa.

As palavras pesaram sobre os ombros de Choa, então ela apenas se apoiou sobre os joelhos e ofereceu seus seios ao rosto de Junghyun, que sorriu e apertou com força a anca de Choa.

●❄●


Choa se ajeitou na cadeira confortável de seu jatinho particular. Seriam oito horas de viagem até aquele lugar que ela tanto odiava. Ela se sentia pronta para pisar lá novamente, mas não é como se ela sentisse a necessidade de fazê-lo.

Junghyun estava radiante ao seu lado, e constantemente falava de sua família, de sua irmã e seu irmão, de seu pai e mãe. Choa gostava disso nele, o fato de ele ser tão devoto à sua própria família. Essa ligação que ele tinha com sua família era linda aos olhos dela.

Ela engoliu alguns calmantes, e dormiu a viagem toda sentindo a mão quente de Junghyun em sua coxa.

●❄●


Pegaram um táxi no aeroporto, Junghyun estava animado, e parecia um filhotinho de tanta alegria que exalava. Choa sorria a cada instante que ele mostrava algum lugar especifico para ela.

Ela não se lembrava muito das coisas por ali, ela por anos tentou apagar aquele lugar da sua memória, e por tempos conseguiu com êxito. Mas ali estava ela novamente, de volta ao passado.

●❄●


A casa dos Jeon era grande e espaçosa. Choa desceu do táxi e foi logo recebida por um abraço apertado da senhora Jeon.

- Querida você é tão bonita quanto nas fotos que Junghyun nos manda! - A mulher acariciava o rosto de Choa.

Choa sabia que estava com o cabelo amassado, a cara de sono, e o corpo todo torto por causa das mais de oito horas de viagem.

Jeon Junghee foi o próximo a agarrá-la em um abraço de urso.

Aparentemente todos os Jeon's eram carinhosos e gentis. Choa sentiu-se um pouco deslocada por ser uma mulher um tanto quanto fria.

Junghyun abraçou os pais com extremo carinho. Ela observou o homem que a fazia suspirar e sorriu.

- Venha querida, vou mostrar a casa para você, nossos filhos estão ansiosas para conhecê-la! - Dona Somin logo agarrou Choa pelos ombros, enquanto os homens Jeon vinham logo atrás carregando as malas.

- Obrigada por me aceitar em sua casa, Senhora Jeon, é um prazer conhecê-la. - Choa usou de toda a sua educação e cordialidade.

Os olhos de Somin brilharam ao ver a mulher magnífica que seu pequeno filho havia conseguido para si. Ela abraçou ainda mais forte Choa e entrou com a mesma dentro de sua grande casa.

- Ah querida, é um prazer para nós termos você aqui cono... - A mulher mal teve tempo de responder, pois um vulto passou correndo por elas, e logo atrás o que parecia uma frigideira passou voando a frente das duas.

- JEON JUNGKOOK, VOLTE AQUI AGORA! - Uma garota extremamente parecida com Junghyun saiu da mesma porta que o vulto passou voando com a frigideira atrás. A garota bufou e olhou para o lado, e logo sorriu. - Você deve ser a Choa! - Ela falou alto e puxou Choa para um abraço.

- Eu mesma. - Choa respondeu sorrindo, um pouco assustada com a loucura da garota.

- Eu sou Jisoo, mas pode chamar de Soo. - Os olhos de Jisoo eram cor jabuticaba, assim como os de Somin. Ela tinha um sorriso bonito, e o rosto redondinho e adorável.

- Onde está Jungkook? - Junghee perguntou quando entrou na sala.

- Aquele idiota! - Jisoo bufou. - Acredita que ele me deu uma rasteira no meio da cozinha?!

Sorri com a indignação de Jisoo.

- Isso explica a frigideira? - Choa perguntou fazendo Jisoo rir.

- Sim! Isso explica a frigideira, aliás, desculpa por isso. - A garota corou um pouco.

- Família! Ouvi meu nome?

Choa instantaneamente olhou para cima, no topo da escada estava um homem deslumbrante e sorridente. O homem tinha os olhos muito mais negros do que o que Jisoo e Somin. Choa aspirou o ar e sentiu o cheiro de Alfa do homem.

Junghyun não havia mencionado que seu irmão era Alfa.

Choa não despregou os olhos do homem enquanto ela se aproximava. Ele estava vestido com jeans, botas e camiseta. O cabelo perfeito e jogado para o lado, bagunçado e com aparência desleixada, do mesmo jeito que Choa praticamente obrigava Junghyun a usar o próprio cabelo.

- Jungkook, dê as boas vindas à noiva do seu irmão. - Somin falou toda sorrisos.

Jungkook então encarou a mulher ao lado de sua mãe. Seu sorriso travou no mesmo instante. Ele conhecia aquela garota, céus, como ela conhecia bem aquele rosto e aqueles olhos. Ele deu uma pequena olhada no corpo da mulher, e porra, como ela havia crescido nesses anos.

Jungkook afastou a maioria dos pensamentos e um pouco hesitante abraçou Choa. Seus braços rodearam os ombros pequenos da mulher, ele educadamente deu um beijo na bochecha dela, e aproveitou para inebriar-se com o cheiro dela.

Não havia mudado nada. Cravo, canela e baunilha. Esse cheiro havia o perseguido por anos a fio. Sentiu as pequenas mãos da mulher tocarem superficialmente suas costas. Afastou-se antes que alguém achasse estranho seus atos.

- É um prazer finalmente te conhecer, Choa. - Ele inconscientemente deliciou-se com o nome da mulher.

- Junghyun sempre fala de você, Jungkook. - Choa sorriu quase superficialmente.

Ela se sentia constrangida. Ela queria sair dali, pegar o primeiro vôo para casa e nunca mais tirar os pés de Cuba.

- Bom, agora que todos já a conhecem vou levar minha esposa para um banho relaxante. - Junghyun falou sorridente, enquanto Jisoo fazia sons engraçados.

Choa olhou apenas mais uma vez para Jungkook, e o mesmo já estava a encarando com seus olhos jabuticaba. Choa sentiu um arrepio na espinha. Engoliu em seco e tentou afastar o formigamento em seu ventre.

Jungkook conseguiu sentir o suave cheiro de Choa se fortalecer minimamente, sinal de que ela estava ligeiramente excitada. Ele sorriu, com a convicção de que havia afetado a noiva de seu irmão.

●❄●


Choa se sentia atordoada. Ela afastou qualquer investida de seu noivo, alegando estar com dor de cabeça. Tomou banho sozinha, engoliu dois supressores para ter a certeza de que seu cio não chegaria antes da hora, e deitou-se na cama de casal do quarto.

Junghyun estava no jardim com seu pai e irmão. Os três tomavam cervejas enquanto conversavam sobre a viagem de Jungkook para a França. Junghee sentia-se feliz por estar com seus filhos reunidos, e ainda mais com seu filho homem e beta noivando com uma ômega.

Ele pensava que Junghyun nunca que noivaria com uma ômega, sentiu-se orgulhoso pelo filho, imaginando como Junghyun deveria ser bom na cama para poder satisfazer uma ômega.

Jungkook ria bastante, ele encarava o irmão e imaginava o quão idiota ele era de pensar que uma ômega conseguiria ficar com ele pelo resto de uma vida. Não que ele achasse que o irmão era pouca coisa, mas ele já havia se deitado com diversas ômegas, e sabia o quão difícil era para satisfazer uma.

●❄●



Todos almoçaram em uma mesa disposta no jardim. Choa sentada ao lado de seu noivo, Jungkook logo a sua frente com Jisoo ao seu lado.

- Espero que goste da comida, Choa. Qualquer coisa foi o Jungkook que cozinhou mesmo. - Jisoo falou debochando do irmão mais velho.

- Ela irá adorar minha comida. - Jungkook falou convencido. Ele havia preparado uma surpresa para Choa, ele queria enlouquecer a noiva de seu irmão, ele queria fodê-la e precisava que ela se soltasse. - Eu fiz um prato especial para cada um.

- Estou faminto! - Junghyun falou e Choa sorriu.

Ela estava de todo tentando focar a atenção em seu noivo. E não no homem do seu passado ali na sua frente.

Cada um dos pratos foram servidos, Jungkook demorou-se mais ao entregar o de Choa, roçando "inocentemente" sua mão em seu ombro.

Choa encarou seu prato.

- Macarrão ao molho branco, com frango xadrez e aspargos para a senhorita. - Jungkook falou e fez uma pequena reverência.

Junghyun riu para o irmão, que logo o serviu.

- Arroz com bife e batatas, para o senhor. - Fez outra pequena reverência e foi servir seu pai.

- Ele é muito engraçado, né? - Junghyun comentou com a namorada ao seu lado.

Choa apenas sorriu e assentiu.

- Muito engraçada. - Reforçou o sorriso e capturou a taça de vinho, tomando longas goladas.

Pensou com sigo mesma: Qual é o tamanho da minha sorte por ser logo esse Alfa o irmão do meu noivo?

Choa tentava não aspirar tanto o cheiro de Jungkook que parecia estar empesteado no lugar enquanto ele andava para lá e para cá entregando os pratos como se fosse uma garçom.

- Podem comer! - Jungkook falou sorrindo e esperou que todos se servissem.

Choa pegou o delicado garfo de prata que estava ao lado do seu prato. Enrolou uma pequena porção do macarrão, deslizou um pouco sobre o prato para capturar mais do molho e então levou até a boca.

Mastigou apenas duas vezes, e foi o suficiente para ela sentir o gosto aveludado.

Aquilo não era um simples molho branco.

Ela olhou assustava para jungkook, que sorria diabolicamente.

Mastigou mais uma vez, para ter a plena certeza, e sim, aquilo com certeza era porra.

Choa nunca confundiria o sabor almiscaro de porra, ela por diversas vezes engoliu aquele liquido de seus parceiros.

Respirou fundo e engoliu o pouco macarrão em sua boca.

- Está bom? - Junghyun perguntou ao seu lado. Ele já havia comido boa parte do bife.

Choa não despregou os olhos de Jungkook. Ela apenas assentiu e voltou a enrolar o macarrão no garfo prateado.

- Isso tá divino, Jungkook! - Jisoo exclamou enquanto deliciava-se com sua salada indiana.

- É o tempero, Soo. - Jungkook falou risonho enquanto olhava para a irmã.

Jungkook tinha a plena certeza de que Choa reconheceria o gosto de sua porra. Ele havia tido certo trabalho para poder "batizar" o prato de sua cunhada.

No fundo ele se sentia mal por estar desejando a mulher de seu irmão, mas há anos ele desejava aquela mulher. Ele apenas queria enfiar-se dentro dela uma única vez e deixá-la se casar com o banana do seu irmão.

Choa mastigou mais uma garfada. Seu corpo tremeu levemente quando ela sentiu o gosto do molho misturado com aquele sabor mais agridoce. Ela abençoou-se por ter tomado supressores, porque se não ela provavelmente estaria fodendo com Junghyun no quarto até que o pobre coitado ficasse esgotado.

A cada garfada ela sentia o olhar de Jungkook quente sobre ela.

Ela se sentia humilhada. Ela não havia gostado nem um pouco dessa brincadeira sem graça de seu cunhado. Ela com certeza teria que ter uma conversa com ele mais tarde.

●❄●

Após o almoço, Jungkook foi embora, alegando que teria que arrumar seu novo apartamento no centro.

- Vocês poderiam jantar lá em casa amanhã, o que acham? - Ele ofereceu, abraçado aos ombros do irmão mais novo. - Sei lá quando eu poderei vê-los novamente.

- O que você acha, amor? - Junghyun perguntou, olhando para Choa que estava sentada no sofá com o gato de Jisoo no colo.

Choa não queria ser rude, ainda mais com Junghyun tão feliz assim.

- Seria uma boa. - Ela sorriu fracamente, ainda se sentindo um pouco humilhada.

- Ótimo! Então eu os vejo amanhã! Depois eu te passo o endereço, maninho. - Jungkook falou tudo muito rápido e saiu da casa, após dar um longo beijo na testa de Somin.

●❄●


Naquela noite Choa demorou a dormir. Ela esgotou Junghyun até o máximo que o homem conseguia, e depois ficou acordada vendo-o dormir.

Ela chorou baixinho naquela noite, com medo do seu passado, com medo daquela vergonha toda que ela passou. Almadiçoou os alfas mais uma vez antes de adormecer no peitoral de Junghyun.

●❄●


Quando acordou, Choa sentiu os beijos suaves de Junghyun nas suas costas. Ele era extremamente carinhoso e cuidadoso com ela. Ela se sentia protegida e amada.

Eles tomaram banho juntos, com carinhos e beijos. Choa se sentia um pouco mais leve com toda a situação da tarde passada. Logo ela voltaria para Cuba e não teria nem que olhar para a cara daquele homem novamente.

Ela passou boa parte da manhã resolvendo assuntos da empresa, enquanto Junghyun se divertia na piscina com Jisoo.

Terminou uma longa reunião via Skype após o almoço. Mandou que sua secretária continuasse o serviço sem ela, então foi se preparar para o jantar que viria.

Choa era uma mulher vaidosa, ela se arrumou impecavelmente. Com uma blusa de seda, saia rodada, cinta liga preta e os mesmos Scarpin's que ela usou no jantar com Junghyun algumas noites atrás. Passou uma maquiagem leve, apenas destacando os lábios com seu batom vermelho preferido. Fez o mesmo processo de borrifar o perfume no ar e capturá-lo naturalmente.

Junghyun estava arrumado na sala, esperando que Choa se arrumasse enquanto se divertia jogando xadrez com sua mãe.

Choa apareceu no topo da escada e ele sorriu. Levantou-se e continuou a encarando enquanto ela descia as escadas como uma deusa. Ele a segurou pela cintura e a beijou com carinho nos lábios, para que não borrasse sua maquiagem.

Somin sorriu com o que via, mas logo foi para a cozinha tomar um chá, deixando os dois com privacidade.

- Você está magnífica - ele disse, aspirando o cheiro de Choa.

- E você está lindo.

Junghyun sorriu. Ele com certeza amava aquela mulher.

●❄●



Junnghyun usou um dos vários carros de seu pai. Ele dirigia por Busan enquanto conversava com Madison sobre os tempos de faculdade.

Choa mal falava da sua juventude, pois ela sabia que foi regada de festas e sexo. E ela não queria que seu noivo pensasse que ela era uma pervertida descarada. Ela queria aquele homem, e ela queria para sempre.

●❄●



O condomínio de Jungkook era luxuoso. Eles pegaram o elevador, que dava diretamente no apartamento dele.

Choa tremia internamente quando pisou naquele lugar. Tudo ali cheirava a Alfa. Ela sabia que Junghyun não poderia sentir o cheiro, já que ele era um Beta, mas ela sentia cada minúscula partícula de fragrância Alfa.

Uma música alta tocava, e Choa logo percebeu que era francesa. Junghyun sorriu para ela quando Jungkook começou a cantar sem ter a consciência de que os dois já haviam chegado.

Junghyun caminhou sorrateiramente pelo apartamento de Jungkook enquanto puxava Choa pela mão. Ele parecia uma criança, o que fez Choa sorrir.

Eles então deram de cara com a cozinha espaçosa de Jungkook.

Ele vestia um casaco branco de cozinheiro, jeans e botas. Estava até engraçado o modo como ele cortava algumas vagens com extrema rapidez e cantava a música em francês.

Choa suspirou com a imagem. O Francês de Jungkook era perfeito, assim como sua maestria com a faca afiadíssima. O jaleco branco um pouco sujo no avental. Sem contar a pitada de molho em sua bochecha pálida.

Junghyun pigarreou um pouco alto, o que fez Jungkook dar um pulinho e parar de cantar. Seu instinto fez com que ele não parece o processo de corte rápido dos legumes, mas quando ele olhou para Choa e viu as pernas grossas expostas, ele acabou se atrapalhando todo e ofegou quando a faca raspou com força em seu dedo indicador.

- Droga! - Ele exclamou e levou o dedo até a boca. - Você me assustou! - Ele disse ao irmão e riu com o dedo ainda na boca.

Saiu de trás do balcão ao lado do fogão e foi abraçar o irmão, e logo depois Choa.

Os dois se olharam por uma fração de segundos.

- Acho melhor você colocar um band-aid nisso aí. - Junghyun falou enquanto se sentava de frente ao balcão.

- Certo, eu vou fazer isso. - ele sorriu. - Fiquem de olho no fogo para mim. - Piscou para Choa e foi até seu quarto.

Choa observou Jungkook desaparecer dentro do apartamento. Ela foi até a cozinha e ficou ao lado do fogão, e então percebeu que não entendia nada de cozinha.

- Isso tá queimando? - Ela perguntou baixinho após um tempo para Junghyun enquanto ele beliscava alguns pedaços de bacon já cortados.

Junghyun ia responder, mas viu seu irmão caminhando atrás de Choa e sorriu.

- Não mesmo, cunhadinha! - ele falou, pegando Choa de surpresa.

Choa sorriu nervosa e foi se sentar ao lado do noivo.

- Deu um jeito no dedo? - Junghyun perguntou ao irmão.

Jungkook sorriu e mostrou o dedo indicados envolto por um band-aid amarelo com estrelinhas brancas.

- Eu nem sei por que comprei essa coisa dessa cor. - Ele falou e voltou a pegar a faca em suas mãos.

- É adorável. - Junghyun zombou.

- Assim como suas cuequinhas do Bob Esponja, maninho? - Jungkook soltou e logo depois riu com a cara que seu irmão fez.

●❄●



O jantar transcorreu normalmente. Jungkook agia normalmente com Choa, e ela agradecia por isso, pois não queria uma excitação pelo irmão do seu noivo.

Eles iam para a parte da sobremesa, quando Junghyun recebeu uma ligação e ficou sério. Ele caminhou pela sala enquanto sussurrava algo no telefone. Choa estava ligeiramente preocupada.

Jungkook levantou-se e começou a retirar a mesa. Ela estava na cozinha quando Junghyun voltou com o olhar preocupado.

- Eu vou ter que sair por uma hora. - Ele falou e Choa franziu o cenho.

- Por quê? - Ela perguntou desconfiada.

Jungkook apenas observava os dois cochicharem na mesa, e mal ousou sair da cozinha enquanto eles dois não se resolvessem.

- Você confia em mim? - Ele perguntou com o maxilar trincado.

- Sim. - Choa falou sem pensar duas vezes. - Mas seria bom você me dizer para onde vai e com quem vai.

Junghyun sorriu levemente.

- Eu vou e volto rapidinho, meu amor. Jungkook te fará companhia.

Choa estremeceu quando percebeu que seu noivo pretendia deixá-la ali sozinha com seu objeto de desejo.

- Me leve para a casa dos seus pais. - Ela suplicou baixinho.

- Seria falta de educação com Jungkook, e mais, eu já volto. - Ele insistiu.

Choa murmurou algo emburrada. Junghyun beijou-a e foi até Jungkook na cozinha.

Ele explicou que teria que sair, ele também falou com um sorriso nos lábios que estava preparando o pedido de casamento, então por isso teria que sair por algumas horas, pois acabou que aconteceu algum problema com as pombas e ele teria que resolver.

Jungkook ficou confuso na parte das pombas, mas apenas prometeu ao irmão que cuidaria de Choa enquanto ele não voltasse.

●❄●



Choa mastigava um pouco tensa a deliciosa torta de limão que Jungkook havia preparado. Pelo menos sua comida não tinha nenhum tempero estranho, e ela agrade céu por isso.

Jungkook comia silenciosamente bem a sua frente. Ele estava encantado com Choa.

- Você se lembra de mim? - Jungkook então perguntou.

Choa custou a engolir o pedaço de torta em sua boca, parecia que sua garganta havia se fechado de tensão. Ela resolveu não responder, apenas comer mais um pedaço da torta no seu prato.

Jungkook suspirou frustrado. Ele queria que Choa o respondesse.

- Eu lembro de você. Você bagunçou toda a minha vida sabia? - Ele rosnou um pouco baixo, as lembranças daquele dia bagunçando seu humor.

- Não foi minha culpa. - Choa enfim falou em um sussurro.

O coração de Jungkook ao mesmo tempo se amoleceu. Ele se sentiu mal por Choa.

- Desculpe por ontem. - Ele disse mudando de assunto.

Choa colocou delicadamente o garfo sobre o prato e subiu seu olhar até o homem a sua frente. Ela odiava Alfas, mas em questão ela realmente odiava Jungkook, odiava o fato de ele ser tão atrativo para o seu intimo.

- Não sei do que você está falando. - Choa queria de tudo poder fugir do assunto.

- No almoço. O molho... - Jungkook então também subiu o olhar, e eles se encararam.

E foi como anos atrás.

A respiração de Choa começou a descompassar, sua mão suava frio enquanto ela via as coisas um pouco turvas. Jungkook sentia cada músculo de seu corpo se retrair, sua mente virava uma confusão enquanto ele encarava o corpo frágil de Choa.

Choa se assustou quando os olhos de Jungkook estavam ficando vermelhos, e aos poucos sua pupila dilatando até quase todo o seu olho estar preto. Jungkook estava entrando no cio, Choa sabia disso.

Jungkook respirou fundo, aspirando o cheiro de Choa. Ele apertava com força o garfo em sua mão. Balançou a cabeça e desviou o olhar.

Os dois se levantaram ao mesmo tempo.

Choa sentiu uma lágrima cair de seu olho quando sentiu suas paredes internas se fecharem no nada, buscando algo para se aliviar, e encontrando o doloroso nada. Ela colocou a mão em seu ventre e gemeu.

Jungkook quando ouviu o gemido de Choa, não se controlou, com uma força desnecessária ele arrastou a mesa para o outro lado com brutalidade.

Em fração de segundos ele segurou o corpo mole de Choa antes de que a mesma caísse no chão.

Choa enfiou seu rosto na curva do pescoço de Jungkook, apertou com força seu jaleco e gritou contra ele, seus espasmos dolorosos quase a matando de desespero e desejo.

- Isso é errado. - Jungkook rosnou baixinho para si mesmo.

- Me ajuda, me ajuda, por favor, me ajuda... - Choa suplicava e se encolhia mais contra o corpo forte de Jungkook.

Jungkook tremia para tentar se controlar. Seu coração martelando em seu peito. Com todas as suas forças ele tentava lutar contra seus instintos.

- Eu não posso, eu não posso... - Ele repetia como um mantra, mesmo que suas mãos deslizassem pelas coxas de Choa, quase se enfiando por dentro da saia dela.

- Me fode... - Choa suplicou com a visão turva, afastou-se de Jungkook e encarou os olhos completamente negros dela.

Ela nunca havia dado para um Alfa, e acabou se assustando com os olhos de Jungkook. Arfou e se aproximou com curiosidade. Quando seu corpo se chocou novamente ao de Jungkook, ela sentiu perfeitamente o relevo nas calças dele, olhou no mesmo instante para baixo e gemeu.

Sua mão afoita agarrou o membro de Jungkook, apertando com força, tentando a todo custo senti-lo.

Jungkook rosnou e entregou-se ao desejo de anos. Foi empurrando Choa até a parede mais próxima, pressionou seu corpo contra o dela. Afastou com brutalidade a mão de Choa, e prendeu seus dois pulsos acima de sua cabeça. Arrastou a mão livre pelo rosto doce de Choa, deslizou o polegar pelos lábios convidativos e entre abertos.

Choa sugou o dedo de Jungkook para dentro de sua boca, e a acariciou com sua língua aveludada. Sugou com prazer e praticamente choramingou quando Jungkook retirou seu dedo da boca dela.

Jungkook aproximou-se e beijou seu maxilar, e foi seguindo a linha demarcada até o queixo, onde ele mordeu, fazendo Choa gemer. Colou seus lábios superficialmente sobre os de Choa, sentindo a respiração quente dela entrando em sua boca e o enchendo de desejo.

Segurou com firmeza sua nuca, e uniu seus lábios com devoção.

Fogos de artifício explodiram dentro de Choa. Ela realmente havia entrado no cio apenas com o desejo de ter aquele Alfa. Mandou para o inferno seu noivo e o caralho a quarto, ela apenas queria dar até não conseguir andar.

Suas bocas se abriram em sincronia, suas línguas se tocaram afoitas e quentes, deslizando uma no sabor da outra. Capturando tudo o que podiam. Jungkook chupou com devoção o lábio carnudo de Choa.

Tamanha era a excitação de Choa, que ela já sentia sua calcinha melar com sua lubrificação natural. Ela enlaçou sua perna direita na cintura de Jungkook, fazendo assim com que sua saia subisse e ela pudesse sentir com mais firmeza o membro semi ereto de Jungkook contra seu clitóris. Ela arrastou a ponta de seu salto pela coxa de Jungkook, completamente extasiada pela luxuria.

Jungkook apertou com mais força os pulsos de Choa, e forçou sua pélvis contra a dela. Arrastou seu nariz no cabelo de Choa, aspirando o cheiro de ômega dela.

- Ele te satisfaz? - Jungkook perguntou enquanto subia e descia sua pélvis contra Choa, simulando uma transa.

Choa gemeu e fechou os olhos. Apoiou sua cabeça na parede e arfou.

- Responde! - Jungkook em um golpe baixo usou sua voz de Alfa, que era completamente irresistível para um ômega.

A boceta de Choa fechou-se contra o nada, mandando vibrações dolorosas para o resto do corpo.

Era assim que um Alfa conseguia controlar qualquer ômega.

- Não! Ele não satisfaz! - Choa gritou e arfou.

Se um Alfa usa sua voz com uma ômega, e ele não responde, é como se o ômega se auto mutilasse ou tentasse se auto sufocar.

Seus olhos estava entre abertos, e ela se deliciava com os olhos completamente negros de Jungkook.

- Coitada de você... - Jungkook deslizou sua mão pelo rosto de Choa. - Nunca deve ter sido fodida na vida. - Murmurou e pendeu sua cabeça para o lado.

Choa choramingou e forçou sua perna na cintura de Jungkook para que ele se aproximasse, mas Jungkook era muito mais forte, e conseguiu manter-se no mesmo lugar.

- Eu vou te comer todinha. - Ele sussurrou no ouvido de Jungkook, e logo depois capturou o lóbulo de sua orelha na boca.

Choa deliciou-se com o som de zíper se abrindo. Ela rebolou deliciosamente contra Jungkook, completamente ansiosa pelo o que viria.

- Calminha anjo. - Jungkook riu.

Ele abaixou seu jeans apenas um pouco, o suficiente para ele liberar seu pênis da cueca azul. Choa sentiu algo quente em sua barriga. Ela olhou para baixo e ofegou assustada.

Aquilo era enorme. Duas vezes maior do que o de Junghyun. Ela pensou se aquilo realmente caberia dentro dela. Jungkook liberou uma das mãos de Choa, enquanto dobrava o braço dela ainda acima de sua cabeça e se aproximasse mais dela.

Choa tocou com leveza a cabeça rosada e com aparência deliciosa. Ela deslizou o polegar pelo pequeno buraquinho onde liberava um pré-gozo clarinho. Jungkook acariciava a bochecha de Choa com a sua própria bochecha.

- É maior do que o dele? - Jungkook perguntou.

Choa ofegou com a voz de Alfa, e inconscientemente rodeou seus dedos contra a base, mal conseguindo fechá-los em volta da circunferência do membro de Jungkook.

- M-Muito maior... - Choa  respondeu. - Eu o quero na minha boca. - Ela murmurou para si mesma.

Jungkook riu baixinho e se afastou. Abriu todos os grandes botões do jaleco grosso, e abaixou um pouco mais sua cueca que havia subido um pouco. Liberou o que ainda faltava de seu cumprimento, fazendo Choa arfar novamente.

- Ajoelha. - Ele ordenou.

Choa obedeceu instantaneamente. Fincou suas unhas nas coxas de Jungkook. Aproximou seu rosto de seu objeto de desejo. Ela aspirou o cheiro maravilhoso do sexo de Jungkook e deu uma longa lambida, desde e glande até a base.

Olhou para cima, e suspirou ao constatar que Jungkook a observava.

- É mais gostoso que o dele? - Ele perguntou.

Choa assentiu freneticamente antes de lambê-lo novamente. Ela então o segurou pela base, e constatou que Jungkook não estava completamente excitada. Sentiu seu ego ficando um pouco ofendido, a ômega dentro de si gritando para fazer com que aquela Alfa tivesse a melhor trepada de sua vida.

Rodeou sua língua pela glande, fazendo pequenos círculos na parte de baixo, onde ela sabia que era o local mais sensível de um pênis. Jungkook rosnou e arfou, suas mãos estavam contra a parede atrás de Choa, dando-lhe apoio.

Choa então colocou tanto quanto ela podia do membro de Jungkook dentro de sua boca, e simplesmente não era o suficiente. Ela já o sentia em sua garganta, mas conseguia facilmente segurar a base com as duas mãos.

Ela respirou fundo, tentando não engasgar. Fechou os olhos e forçou mais dentro de sua boca, levando quase tudo dentro de si.

- Porra, Choa! - Jungkook gemeu e apertou os olhos, nunca nenhuma mulher havia a levado tanto na boca.

Choa gemeu, e no fundo de sua garganta Jungkook pode sentir as vibrações e arfou, se apoiando com mais força na parede.

- Cacete de boca gostosa! - Rosnou entre dentes.

Choa olhou novamente pra ele, e então começou a retirá-lo lentamente de sua boca, deixando apenas a glande em sua língua avermelhada. Jungkook trincou a mandíbula, enfiou sua mão no emaranhado de cabelo da Choa e forçou seu pau garganta abaixo na mesma, que gemeu e deixou uma lágrima escapar.

Jungkook metia o tão fundo quanto ele conseguia, e logo então saia, vendo seu pau completamente molhado com a saliva de Choa. Ele estava indo a loucura com apenas um oral.

Choa arrastou suas mãos com força pelas coxas de Jungkook, fazendo-o estremecer, capturou os testículos de Jungkook e constatou que até aquilo era maior que os de Junghyun, ela também os queria em sua boca, mas Jungkook estava completamente imerso em forçar sua cabeça contra seu pau.

Ela olhou para Jungkook, e o mesmo estava de olhos fechados, arfando e gemendo, seu rosto contra seu braço na parede.

Choa abaixou ainda mais a cueca e calça de Jungkook, podendo então capturar suas bolas lisinhas em suas mãos pequenas. Jungkook abaixou sua outra mão até a cabeça de Choa e a forçou até sua base. Choa soltou um pequeno grito que foi completamente abafado pelo pau de Jungkook em sua garganta, ela sentiu as bolas de Jungkook pulsarem e logo então algo quente deslizando por sua garganta.

Jungkook manteve seu pau dentro da boca de Choa até que sua última gota fosse derramada. Choa aos poucos foi retirando Jungkook de dentro de si, arfando ela segurou o pau completamente ereto de Jungkook. Era lindo.

Choa aproveitou que Jungkook tentava se recuperar do orgasmo e abaixou-se um pouco mais para poder capturar seus testículos. Chupou com doçura a pele morna do locar fazendo Jungkook gemer.

- Você... é a... melhor... - Jungkook arfou e acariciou o cabelo de Choa enquanto ela chupava com devoção suas bolas.

Choa gemeu em alegria ao constatar que o pau de Jungkook não havia se quer amolecido um pouco. Ele se mantia firme e forte contra seu rosto. Ela se levantou e beijou Jungkook, deixando que a língua dela explorasse cada canto de sua boca.

Jungkook segurou com força atrás das coxas de Choa, e a impulsionou para cima. Instantaneamente Choa rodeou a cintura de Jungkook com as pernas e soltou um pequeno gritinho sorrindo.

- Você é delicioso, Kook... - Choa gemeu, segurando com doçura o rosto de Jungkook. - Foi tão bom te levar em minha boca. - Gemeu baixinho para provocar Jungkook.

- Vadia. - Jungkook rosnou e imprensou Choa com força contra a parede. - Eu vou te comer tão forte. - Negou sorrindo enquanto Choa mordia o próprio lábio.

Com destreza ele afastou a calcinha encharcada de Choa, guiou seu pau até as dobrar molhadas e enfiou-se apenas até a metade. Choa gritou de dor e desmanchou-se contra a parede, gozou tão intensamente quanto poderia, agarrou-se no jaleco de Jungkook com suas mãos pequenas. Jungkook sentia perfeitamente as paredes internas de Choa fecharem-se com brutalidade em seu pau.

- Jungkook... Jungkook... - Ela suplicava arfando.

- Sh, calma meu anjo, calma. - Ele acariciava o rosto de Choa, enquanto a pequena ainda sentia os espasmos do orgasmo.

Com brutalidade ele enfiou-se até a base, fazendo Choa engasgar e fechar-se em torno de Jungkook. Ela arfou e abriu os olhos encarando Jungkook. Era o tamanho perfeito. Ela se sentia completamente preenchida, um pouco dolorida, porém, saciada.

Arranjou forças sabe se lá de onde, e apoiou-se nos ombros de Jungkook, deslizando seu corpo para cima, retirando todo o cumprimento de dentro dela. Ela sentia sua boceta mastigando o pau de Jungkook conforme ela saía. Jungkook a ajudava segurando-a pela bunda, fez com que ela ficasse parada, apenas com sua glande dentro de si, e então a empurrou para baixo com brutalidade, fazendo-a gritar novamente, porém, de alegria.

Jungkook riu e mordeu o lábio, repetiu o processo, e por si própria jogou-se para baixo, sentindo Jungkook acertando o fundo de sua boceta. Jungkook estava maravilhado com aquela mulher, e o quão fodidamente sexy ela conseguia ser.

Forçou o corpo de Choa completamente para baixo, completando-a, preenchendo-a inteiramente. Choa soltava gritinhos a cada estocada suave dentro de si. Jungkook a beijou nos lábios, estando em um estado de feitiço por Choa.

Ele carregou o corpo pequeno de Choa até o sofá, com a garota ainda quicando suavemente sobre ele. Sentou-se no meio do espaçoso sofá, segurando com força a cintura de Choa. Subiu um pouco sua camiseta cinza, para que pudesse observar a boceta de Choa.

Afastou a saia de Choa, colocando-a acima de sua cintura. Ele arfou com o que viu. Seu pau completamente dentro da pequena, sua boceta lisinha e um pouco avermelhada. O ventre de Choa formava a protuberância perfeita do pau de Jungkook. Ele estava literalmente fodendo aquela pequena mulher.

- Tão linda... - Jungkook sussurrou e Choa gemeu. - Você é tão bonita. - Ele falou bobamente olhando para os olhos castanhos de Choa.

Em resposta Choa começou a erguer seu corpo, retirando por completo o pau de Jungkook dentro de si. Ela sentou um pouco mais para trás nas coxas de Jungkook. Retirou sua camiseta de seda e a jogou em cima do sofá. Seu sutiã era preto, fazendo conjunto com a cinta liga e a calcinha.

Ela pegou o pau de Jungkook e o colocou contra sua barriga. O cumprimento todo ia muito acima do umbigo da pequena.

- Olha como você vai fundo em mim. - Ela murmurou extasiada.

- Porra! - Jungkook rosnou.

- Eu sinto você todinho... - Aproximou seus lábios de Jungkook e selou seus lábios.

Choa ergueu seu corpo e posicionou o pau de Jungkook, ela o enfiou dentro de si e quicou com força para baixo. Choramingou nos lábios inchados de Jungkook e começou a quicar tanto quanto podia.

Jungkook a ajudava no processo de sobe e desce, socando seu pau no interior de Choa enquanto ela choramingava.

Choa prensou seu corpo contra o de Jungkook, empinou sua bunda maravilhosa, dando uma visão privilegiada para Jungkook que estava com o rosto sobre seu ombro esquerdo.

Jungkook não se controlando, deu um tapa com força em Choa, e foi o estopim para que Choa gozasse pela segunda vez. Ela se desmanchou sobre o corpo de Jungkook, agarrando suas roupas e implorando por mais. Seu corpo todo se curvou, com os seios expostos para Jungkook, ela jogou sua cabeça para trás e gritou o nome do irmão de seu noivo.

Ela amoleceu sobre o corpo de Jungkook. Arfando e ainda gemendo com o pau de Jungkook dentro de si.

- Você não gozou... - Ela constatou quando Jungkook empurrou suavemente seu pênis para dentro dela.

- Eu estou apenas começando. - Riu com malicia.

Choa sentiu seu corpo esquentar instantaneamente.

Jungkook se levantou com facilidade do sofá. Abraçou com carinho o corpo amolecido de Choa, que rebolava preguiçosamente em seu pau. Ele entrou em seu quarto, colocou Choa sobre a cama e saiu de dentro dela.

- Não! - Choa protestou tentando agarrar o corpo de Jungkook.

- Eu quero você nua, Choa. Agora. - Ele ordenou enquanto retirava seu próprio jaleco grosso de cozinheira.

Choa deslizou a saia sobre suas pernas, retirou os Scarpins e os jogou no chão. Seu sutiã ela tirou enquanto encarava Jungkook retirar sua camiseta. A calcinha estava arruinada, Choa a tomou nas mãos e jogou em Jungkook, que riu e a capturou no ar.

Jungkook cheirou o tecido fino e melado, fechando os olhos em prazer. Deixou a calcinha cair no chão, mas com certeza Choa não levaria aquela peça para casa. Terminou te tirar suas roupas e subiu na cama, deslizando para cima do corpo pequeno de Choa.

Choa sorriu. Ela finalmente estava realizando seu desejo de anos atrás. Agarrou Jungkook pelas costas e o fez apoiar todo seu peso contra ela.

- Não sabe como eu sonhei com isso. - Ela murmurou no pescoço pálido.

- Fica de quarto. - Jungkook ordenou.

Choa gemeu e sorriu. Jungkook afastou-se e quase desmaiou quando Choa se apoiou pelos cotovelos e pelos joelhos. Admirou a bunda deliciosa a sua frente.

Ele apoiou as mãos nas costas de Choa, e meteu-se com força dentro de sua boceta.

Choa arfou com aquela posição, perdendo o equilíbrio e deixando seus braços deslizarem para cima, agarrando o travesseiro de Jungkook.

- Tão apertada! - Jungkook rosnou.

Choa empinou ainda mais sua bunda, fazendo Jungkook enfiar-se mais ainda dentro dela.

Jungkook começou então a socar seu pau dentro e fundo em Choa. Ela metia com toda a sua força, rosnando e xingando Choa de tudo quanto era nome. Ele precisava acabar com a boceta de Choa, para que ela nunca se esquecesse do quanto um Alfa era bom. Ele agarrou a cabeceira da cama com as mãos, criando mais apoio para meter em Choa.

- Vadia gostosa! - Ele gritou e apertou seus dedos contra o cabelo bagunçado de Choa, forçando o rosto da pequena contra a cama enquanto ele a fodia.

- Droga! Isso dói! - Choa gritou em protesto. - Porra... tão bom... - Ela murmurou incoerente enquanto seu rosto era imprensado contra a cama.

- Sua puta! Você adora com força?! - Jungkook rosnou com sua voz de Alfa. - Como sua boceta se sente, hein Choa? - Ela perguntava entre uma estocada e outra.

- Ela se sente tão bem, tão bem... - Choa respondia com alegria. - Você a deixa feliz quando a fode assim. - Murmurou com a bochecha contra os lençóis.

Ela olhou para cima e encontrou o rosto de Jungkook sorrindo para ela.

Ambos estavam suadas, seus corpos criando um atrito gostoso.

Jungkook apoiou os cotovelos dos lados de Choa e começou a fodê-la com carinho, beijando seu rosto e nuca.

Choa sentia cada pedacinho do pau de Jungkook dentro dela, e ela estava indo ao inferno e voltando com cada estocada.

- Com força! - Choa rosnou entre dentes.

E Jungkook não pode negar. O mais maravilhoso entre um Alfa e um ômega é que nenhum dos dois consegue negar algo um ao outro. O ômega tinha tanta influência no Alfa quanto o Alfa no ômega.

Jungkook afastou-se e agarrou a anca de Choa, apertando com força enquanto estocava freneticamente dentro da pequena.

Choa agarrava os lençóis abaixo de sua cintura. Expondo cada vez mais sua boceta para Jungkook. Dando-se cada vez mais.

Jungkook sentiu suas bolas formigarem, ele se segurou nos ombros de Choa, e forçou o corpo frágil contra ela, metendo-se tão fundo quanto podia.

Choa sentiu o membro de Jungkook pulsando. Ela sabia o que viria a seguir.

O pau de Jungkook então inchou e vibrou dentro de Choa, gozando demoradamente dentro da pequena. Choa se sentiu ainda mais preenchida quando Jungkook praticamente dobrou de tamanho e a encheu com sua porra quente.

Ela arfou contra o lençol da cama e o mordeu, gozando logo em seguida.

Jungkook se manteve dentro de Choa, ele sabia que se tentasse sair de dentro dela agora iria machucá-la, pois estava muito mais grosso do que Choa poderia aguentar com sua pequena boceta. Então com carinho ele se apoiou no corpo de Choa, deitou seu rosto contra as costas suadas da pequena, agarrou as coxas dela, e fez com que ela se juntasse mais ao corpo de Choa, não movimentando nenhum centímetro de seu pênis dentro da boceta de Choa.

Choa tentava recuperar o ar enquanto ela sentia um desconforto gostoso dentro de si. Ela se movimentou apenas poucos centímetros, e com isso fez o pau de Jungkook entrar um pouco mais dentro dela. Ela gritou quando o orgasmo inesperado a atingiu. Ela não tinha nenhuma noção de que ela deveria ficar em completa plenitude e sem se mover.

- Sh, Choa. Fique parada. - Jungkook ordenou, mas Choa foi ousada e fez com que seu corpo deslizasse mais para baixo, gozando novamente em seguida.

- Porra! Isso é... caralho... tão bom! - Ela gritou e riu quando repetiu o processo e gozou novamente.

Ela estava fascinada com isso. Parecia surreal que apenas um movimento a fizesse gozar.

Jungkook riu baixinho da infantilidade de Choa, e constatou que realmente ela nunca havia se deitado com um Alfa.

- O que é... - Choa movimentou-se novamente, fodendo o pau inchado de Jungkook dentro de si, movimentando todo o gozo dentro dela, fazendo seu ápice chegar novamente. - Isso! - Riu e mordeu o lábio, deliciando-se com tamanho prazer.

- Se eu me mover agora, você realmente saíra machucada, Choa, então por favor, facilita. - Jungkook explicou e riu preguiçosamente.

- É tão bom! - Choa ia se mover novamente, porém, Jungkook foi mais rápido e estocou com força dentro da menor, fazendo-a delirar com pequenas explosões de orgasmos múltiplos em seu ventre.

Choa enfim ficou imóvel, assustada com o momento.

- Vai ficar quieta agora?

Choa apenas assentiu, e Jungkook sorriu.  





Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...