1. Spirit Fanfics >
  2. 24 regras. >
  3. Prólogo.

História 24 regras. - Capítulo 1


Escrita por:


Capítulo 1 - Prólogo.


01-Nada de nomes.

02-Nada de relações pessoais.

03-Nada de brincadeiras durante o expediente.

04-Nada de gritos ou vozes alteradas.

05-Nada de roupas brancas ou coloridas.

06-Nada de perfumes fortes.

07-Discrição.

08-Nada de conversas paralelas.

09-Nada de achismos.Quero de você apenas certezas,nada de opiniões.O controle é meu.

10-Nada de folgas ou feriados.

11-Total disponibilidade de horário.

12-Nada de erros,fissuras ou enganos.

13-Escrita padronizada,sem abreviações.

14-Sem gagueira.

15-Diálogos chulos. 

16-Mastigue de boca fechada.

17-Exames médicos regulares.

18-Apresentar-se maquiada e bem vestida.

19-Unhas higienizadas.

20-Hálito agradável.

21-Durma oito horas por dia

22- Não beba,nem fume.

23- Você agora será minha.

24- Viva para mim e seus dias nessa empresa se prolongaram.

Sr.Marquina,LSdesahuciados.

O que é isto que estou lendo?Um contrato de submissão,parece mais que estou pedindo para ser dominada do que empregada.Agora entendo  porque ninguém quis esse trabalho.

[TRÊS DIAS ANTES]

Eu preciso de um trabalho urgentemente,as contas não param de chegar na porta e se vacilar a ordem de despejo também vira.Mas,isso não parecia esquentar a cabeça da senhora de cabelos brancos assistindo a novela no último volume.

— Mamãe._disse,me sentando no sofá velho com capa colorida,que escondia os rasgos e sujeiras do tecido.A seguir minha irmã caçula atravessa o cômodo,lindíssima numa calça preta cola,saltos e uma ínfima blusinha vermelha mostrando mais do que cobrindo.Toda maquiada e com os cabelos castanhos escuros escovados,caídos pelos ombros.Atrá dela vinha a amiga,carregando sua bolsinha e falando algo sobre batom,não entendi direito.

— Estou saindo._Marta,minha irmã três anos mais nova,parou na sala,e,olhando para mim,estendeu a mão para pegar sua bolsinha com a amiga.

— Vai sair à essa hora_Indaguei,serenamente.

— Vou.Sexta-feira é dia de diversão.Você conhece essa palavra,maninha?_Ela sorriu e mandou um olhar à mãe que fez o mesmo.

— Meu conceito de diversão é diferente do seu._Eu retruquei.

Marta olhou-me com seu deboche natural e se voltou para nossa mãe,baixinha e gordinha,ao meu lado.Beijou-a no rosto e falou:

— Amanhã trago seu remédio.

— Claro,querida.Vou esperar!

Mariví olhou para a filha caçula,radiante e animada.Marta cuidava muito da mamãe,até mais que eu.Mas,o que me intrigava era como conseguia arcar com a medicação dela sem trabalhar.Será que minha irmã vende drogas?Se protistui?Assalta?.A cabeça pensa um monte de besteira na hora,e,tento controlar a preocupação.Quantas vezes quis conversar com ela sobre?Infinitas.No entanto a raiva por minha interferência impedia.

Com cuidado,indaguei:

— Amanhã?Então,você vai dormir fora hoje?_Tive vontade de acrescentar “de novo”.Mas não disse nada.

— Vou.Aliás,não sei a hora que volto._Seus olhos escuros,bem maquiados,pareciam me desafiar a impedi-la.

— Ela vai à festa da agência,numa cobertura.35 anos de existência._revelou a amiga,orgulhosa.

— Agência?.Agência de droga,Marta?

— Não.De modelo.

Modelo?Minha irmã é modelo.Por essa eu não esperava.Não sei se fico aliviada ou mais preocupada.Aliviada porque o trabalho era honesto ou preocupada porque já ouvir falar muito sobre agências fajurtas que levam as modelos à prostituição.Respirei fundo.Que este não seja o caso da minha irmãzinha,a amo tanto.Não quero esta vida para ela!

— Ok,já estão sabendo no que trabalho.E como consigo pagar os remédios caros da mamãe._Marta,me olha duramente.Ela sabia que esta era minha dúvida._É melhor eu ir para meu compromisso.Tchau,mãe._Ela beijou novamente Mariví,que olhava para a TV.Depois dirige friamente à mim,passando do meu lado._Tchau.

— Marta,espere.

— O que é?_Irritada,ela parou e me encarou,já esperando alguma crítica ou um conselho.

— Tome cuidado.

Eu queria dizer muito mais.Queria parabenizá-la pelo trabalho;mas principalmente,queria que voltasse a confiar em mim - pelo menos de vez em quando - para contar suas coisas.Queria que ela entendesse que eu desejava o seu bem por isso minhas marcações.Marta apenas me lançou o mesmo olhar debochado de antes e saiu.

Lá fora,ela e Alicia riram,cochichando algo e o carro arrancou.Senti meu coração apertado no peito,elas corriam risco na rua,desde um acidente de carro até algo fatal.Eram apenas duas meninas irresponsáveis,procurando problemas.

— Filha,você devia fazer o mesmo._A voz da minha mãe,conselheira como sempre,penetrou e minha mente.

Eu a fitei.

— Fazer o quê?

— Saí de casa,ir à festas,conhecer pessoas.Quem sabe conhecer um novo amor?O Alberto não te merece,cariño._comentou,mudando o canal da televisão._Ele fez a escolha dele.

Há um ano,meu desastroso casamento com Alberto Vicuña terminou em divórcio.Eu descobri da forma mais cruel que não passei de uma aposta suja feita na rodinha de seus amigos.Fiquei tão arrasada que deixei tudo para atrás e retornei para a casa que nunca deveria ter saído.

— Eu vou mesmo sair,conhecer pessoas.Mamãe.Vou procurar um trabalho,não é justo que a Marta segure as contas de casa sozinha._beijei o topo da sua cabeça e me levantei.

Cansada emocionalmente,entrei no quarto e abri o guarda-roupa de madeira para pegar o pijama e a toalha.Meu celular vibrou no bolso e olho nas notificações os classificados do facebook.Reabertura dos Los Desahuciados,interessados enviar currículos.Deito na cama,e abro a notícia.

" A empresa cujo nome Los Desahuciados,ficou conhecida por fazer vários comerciais e publicidades no país inteiro.Alguns até repercutiram internacionalmente.Mas,o grande sucesso também trouxe o fechamento de suas portas no dia 23 de agosto de 2012….Oito anos depois,misteriosamente,as portas se abrem de novo e a partir de segunda-feira estará recebendo currículos.Aos interessados,não carecem experiências.

— Segunda estarei lá!

Um pingo de esperança me toma.

[SÉRGIO MARQUINA]1

Eu estava tomando um gole do meu whisky apreciando a vista da capital espanhola - Madri ou Madrid como preferir.Esta era a primeira vez que fazia isso,desde que passei a condenar o lugar.Não foi nada fácil ouvir tantas críticas e deboches de todos os cantos,principalmente,motivados e justificados por coisas que eu sabia da minha inocência.

Eu jamais iria negligenciar os meus serviços e o pior maltratar algum funcionário da equipe,no entanto,para a Conceitos era possível.Até porque ela estava perdendo muito dos seus clientes para mim,e então,precisava agir e disseminar o quanto antes notícias falsas para quebrar minha credibilidade.Só que foram tantas aberrações que a justiça determinou o fechamento das portas do Los Desahuciados por tempo indeterminado.

Entrei com um ação pedindo a verificação dos dados,porque nem sequer foi feito uma vistoria e fiquei aguardando.Aguardando até esse ano e exatamente neste mês a investigação entrou na empresa,coletou os depoimentos dos funcionários e me legitimou das acusações devolvendo meu alvará de funcionamento.

A justiça demora mas não falha.Sem contar que dois anos à frente da minha queda a Conceitos também fechou as portas por rombo dos cofres pelo gerente e o atraso no pagamentos.

— Já vamos cantar os parabéns do Giuseppe,filho.Venha!

A voz grave do meu pai me faz virar o restante do líquido alcoólico e saí das grades de segurança da varanda.Hoje é o aniversário do meu sobrinho-afilhado Guiseppe.É o primeiro aninho dele.E meu irmão e minha cunhada decidiram fazer essa festa em família  para comemorar a data.

E eu precisava aproveitar ao máximo esses momentos em âmbito familiar,porque com a volta das atividades seria um pouco mais difícil estar presente.

— Já estou entrando,papai.

Cumpleaños feliz te deseamos a ti

Cumpleaños feliz,cumpleaños feliz

Te deseamos a ti,cumpleaños feliz

Cumpleaños feliz,feliz cumpleaños 

Giuseppe Fonollosa Jiménez Neto

Qué los cumplas muy bien.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...