1. Spirit Fanfics >
  2. 2402: A Era Alfa >
  3. Oito

História 2402: A Era Alfa - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


Olá! Olha só quem voltou antes de sábado!
Bom, como estamos todos em quarentena, resolvi que vou tentar postar dois capítulos por semana, para ajudar a vocês com o período de isolamento.

Lavem as mãos!!

Boa leitura e espero que gostem!

Capítulo 9 - Oito


Durante o caminho de volta para casa, Jisung ficou em silêncio e Minho ficou na casa dele. O casal de alfas ficou bastante confuso com a atitude do outro casal, principalmente pelo fato de Han Jisung estar quieto. Será que ele estava bravo comigo? Eu havia feito algo errado?

— Então… o que aconteceu com o Hannie? — Changbin questionou quando estamos bem perto da minha casa.

— Eu não faço ideia, hyungs, ele começou a agir estranho depois que saímos do terraço. — Murmurei, estava tão confuso quanto eles.

— O jeito é esperar o Minho contar… — Chan hyung murmurou, notei uma certa preocupação no olhar dele.

— O que não é difícil, é só você falar um pouco mais alto que ele até deita no chão. — Changbin brincou, nos tirando do clima ruim que havia ficado pelo silêncio do outro casal.

— Quanto exagero! — O mais velho resmungou, sendo prontamente abraçado pelo namorado que tirava sarro de sua aura mandona.

— Ah! Parem de me fazer de vela! — Fingi estar incomodado. Realmente, não estava incomodado, mas estava sentindo algo que não sabia identificar e isso me deixava frustrado. Acelerei o passo ao ver meu pai no jardim, deixando o casal ainda mais confuso e dei um tchauzinho.

Pulei nas costas do híbrido mais velho, que riu e me segurou, logo se levantando.

— Acha que ainda tem cinco anos para vir pulando assim? — Ele brincou. — Como foi na escola?

— Acho. — Respondi a brincadeira, vendo o casal de alfas passar por nós e meu pai acenar para eles, que riam da minha interação com o meu pai. — Pai, acho que fiz besteira.

Foi o que eu disse assim que pisamos dentro de casa e ele me olhou curioso.

— Han não falou comigo hoje, mas não me afastou.

— E por que acha que foi algo que você fez?

— Porque ele começou a agir assim depois de eu ter beijado o Hyunjin hyung. — Meu pai arregalou os olhos e então eu me adiantei. — Eu não sei, eu me sinto estranho com o Hannie e com o Minho, mas eles são um casal e são meus amigos, então eu não posso interferir. E também tem o Chan hyung e o Binnie hyung que me deixam todo confuso…

— E onde o garoto Hwang entra nisso?

— Ele quer que a gente fique, porque segundo ele, estamos no mesmo barco já que o Jeonginnie fica afastando ele.

Meu pai riu, enquanto eu colocava comida no meu prato.

— Quando você perceber seus próprios sentimentos, meu bebê, apenas venha nos dizer, tudo bem? Não vamos te julgar. Aliás, você é jovem e esse meninos parecem ser boas pessoas, aproveita, beija umas bocas, transa um pouco com camisinha, claro.

Eu comecei a tossir, engasgando com a própria saliva por conta da vergonha e surpresa pelas palavras do mais velho.

— Talvez ter uma companhia para o seu cio, seria uma coisa boa.

— Pai! — Reclamei, ouvindo rir da minha reação. Minhas bochechas estavam quentes, assim como minhas orelhas e eu só queria terminar de almoçar e me esconder em meu quarto.

Olhei no calendário na porta da geladeira. Eu ainda tinha três semanas até o meu cio, provavelmente eu passaria sozinho de novo e precisava começar listar as coisas que eu precisaria para esses dias.

— Filho, quanto ao Han, apenas tente conversar com ele. Se foi algo que você fez, apenas diga a verdade, que você não fez pensando em machucá-lo e eu tenho certeza que ele vai entender.

— Obrigado pai!

 

Foram três dias naquela agonia, Jisung estava estranho, parecia frustrado, e Minho estava mais carinhoso com ele. O casal de alfas ainda não sabia o que estava acontecendo com os dois e Jeongin continuava afastando Hyunjin de si. Woojin estava tão confuso quanto eu sobre o que estava acontecendo no nosso grupinho. Três dias que Minho não aparecia em casa para me ajudar e eu estava tendo que estudar o dobro para acompanhar o ritmo da escola.

Novamente eu havia sido deixado em casa pelo casal mais velho e almoçado com meu pai em completo silêncio, o deixando um pouco preocupado, apenas murmurei que iria estudar.

Como estudar quando está tudo tão confuso?

Fiquei refletindo os últimos acontecimentos enquanto encarava as anotações da aula de coreano. Ouvi batidas na porta, já sabendo que era meu pai, pedi para que ele entrasse.

— Bebê, vou dar uma saidinha e provavelmente vou passar buscar seu outro pai no trabalho, então vou demorar, okay? — Eu assenti e ele sorriu. — Hyunjin está na sala, falei que iria te avisar e que era para ele subir assim que eu descesse. Juízo!

Não demorou muito para que eu sentisse o cheirinho do alfa e logo visse o rosto dele esperando ser convidado para entrar, o chamei com a mão e ele sorriu, logo se jogando na minha cama.

— E esse sorriso tristinho? — Questionei o mais velho.

— Jeongin. Parece que ele ta tendo um webnamoro.

— O nosso baby Innie? Wow.

— Pois é, meu barco acabou de afundar de vez. — Ele suspirou derrotado. — E como vai com sua confusão sentimental?

Me levantei da cadeira e me joguei ao lado dele na cama.

— Péssima. Essa situação toda só me deixa mais confuso e dói. Meu peito dói, sinto que vou morrer sem ar. — Tentei explicar algo que nem eu entendia direito.

— Sinto te informar, mas acho que você está apaixonado. — Ele sorriu e segurou minha mão. — Agora a pergunta que importa é… por quem?

— Não importa, se eu realmente estou apaixonado, só posso tentar matar esse sentimento. — Conclui. — Não vou ficar no meio de um casal, ainda mais quando sou amigo de ambos.

— Poliamor é possível, viu bebê! — Fiquei pensativo por um tempo e então senti o corpo dele sobre o meu, logo tendo o toque gentil de seus lábios nos meus.

Suas mãos grandes estavam em minha cintura, apertando levemente o local, enquanto sua língua adentrava minha boca e se enroscava na minha. Hyunjin é simplesmente maravilhoso e seu beijo é muito bom e extremamente viciante. Levei minhas mãos para sua nuca, acariciando o cabelo macio do alfa.

Os feromônios ficaram mais evidentes, as mãos do mais velho desceram para a minha coxa e então voltaram. Eu podia sentir o meu rosto quente e senti meus lábios um pouco dormente quando ele se afastou, depois de sugar e prender meu lábio inferior entre seus dentes várias vezes. Quente. O ambiente estava se tornando quente.  Trocamos olhares e eu soube que confiava o suficiente no alfa para deixá-lo seguir para o próximo passo, logo sentindo os lábios em minha mandíbula e então em meu pescoço. Fechei os olhos e ofeguei, sentindo minha pele se arrepiar ao receber mordidinhas e chupões, as longas falanges levantaram o blusão que eu vestia, logo retirando a peça de meu corpo.

Hyunjin aproveitou que teve de se afastar para retirar minha blusa e retirou a própria, mordendo o lábio inferior ao notar que eu usava apenas uma cueca por baixo da blusa gigante. Voltou a se aproximar, beijando minha clavícula enquanto as mãos acariciavam minhas coxas.

— Hyung, e-eu nunca fiz… — Alertei, mesmo que estivesse completamente envergonhado. Então ele se afastou um pouco, me olhando nos olhos.

— Vamos fazer o que você quiser, Lixie, e se você quiser.

— Eu confio em você, mas acho que não estou pronto para ir até o fim. — Interrompi ele, sorrindo travesso em seguida. — Mas isso não quer dizer que não podemos nos divertir um pouco.

Ele sorriu malicioso, descendo os lábios pelo meu abdômen liso e desviando da minha cueca, passando a morder e chupar minhas coxas com devoção. O alfa puxou minha cueca para fora do meu corpo e passou a língua pela minha ereção, não consegui conter o gemido manhoso que escapou dos meus lábios com a sensação do toque úmido em uma região tão sensível.

Hyunjin sugou minha glande antes de abrir toda a minha extensão em sua cavidade oral, subindo e descendo lentamente, como uma provocação. Eu tentava manter os olhos abertos para poder observar a cena quente, contudo, por conta do prazer sentido, meu olhos ficavam semicerrados, orelhas abaixadas e minha boca entreaberta, deixando com que os sons vergonhosos escapassem. Enrosquei meus dedos em seus fios sedosos e com a mão livre segurei o lençol abaixo de mim, o apertando cada vez que o mais velho pressionava a língua contra minha uretra.

Aos poucos, o alfa foi aumentando a velocidade com a qual chupava o meu falo, deixando os meus gemidos cada vez mais alto e me deixando cada vez mais perto de um orgasmo. Eu puxei o cabelo dele como forma de avisar, já que não conseguia formar nenhuma palavra decente por conta da mente nublada pelo prazer. Quando eu finalmente gozei, pude ver o mais velho engolir o líquido viscoso e voltar a ficar acima de mim, envolvendo meus lábios em um novo ósculo, com gosto de porra e menta. Juntei o restinho de minhas forças e troquei nossas posições, desabotoando e abaixando o zíper da jeans apertada, para então retirá-la de seu corpo.

Mordi o lábio inferior, estava inseguro. O alfa sorri de modo encorajador, então passei minha língua pela extensão e eu pude ouví-lo gemer arrastado.

— Puta merda! — Ele exclamou ao que eu lambi o membro novamente. — Isso é muito bom!

Eu sabia que tinha que tomar um certo cuidado maior, por conta das presinhas salientes, então abriguei a ereção em minha boca com calma, procurando pelo meu limite. Subi e desci a cabeça devagar, imitando os movimentos que ele havia feito em mim e me incentivando com os gemidos cada vez mais altos. O Hwang segurou meu cabelo e passou a ditar o ritmo, me fazendo gemer manhoso contra o pau duro em minha boca, causando uma vibração aparentemente gostosa em si. Ele passou a mover o quadril contra a minha boca e eu tentava não engasgar com o ritmo que estava sendo imposto, vez ou outra dando mais atenção a cabecinha avermelhada.

— Lixie-ah, eu vou gozar! — Ele alertou após alguns espasmos e então eu me concentrei em chupar apenas a glande, logo sentindo os jatos grossos em minha cavidade oral. A expressão de prazer no rosto do mais velho foi uma das coisas mais sexys que eu vi em toda a minha curta vida. — Você engole se quiser.

Dei de ombros e engoli.

— Não é tão ruim assim, mas não posso dizer que é gostoso. — Comentei, me jogando ao lado de Hyunjin.

— Foi um dos melhores boquetes que eu já recebi em toda a minha vida. Tem certeza que nunca havia feito isso?

— Sim, toda a certeza do mundo.

— Você tem um dom fantástico com essa sua linguinha áspera, a sensação é incrível. — Ele disse, sorrindo meigo logo em seguida e me roubando um selinho. — Minhas pernas estão moles.

 

Nota mental: Hyunjin é um pervertido e extremamente gostoso.

 


Notas Finais


O que o casal Minsung esconde? E essas marquinhas no corpinho do Felix, será que alguém do grupinho irá notar?
Comentem, deixem estrelinhas, compartilhem com os amiguinhos.
Seja um coelhinho e venha me cobrar atualizações através desse link: https://chat.whatsapp.com/HU4rt6e89hS12w5TDVoiUp
Até mais, lavem as mãos e...

Sem abraço, sem beijo, sem aperto de mão!
Titia Bunny


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...