1. Spirit Fanfics >
  2. 3 chances 3 erros (Fillie) >
  3. 1 Erro (parte 3)

História 3 chances 3 erros (Fillie) - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Olá pessoal, enfim o capítulo da festa que sinceramente está sendo divertido escrever e já é um dos meus capítulos favoritos.
Obs: vocês vão precisar da música woman like me- Litlle Mix. (Vou avisar pela história o momento certo de vocês colocarem para tocar.)
Obs2: A capa é para ajudar vocês a imaginarem o ambiente da festa e a casa do Will.
Obs3: Vai ter mais um à dois capítulos na festa.

Enfim, espero que tenham uma boa leitura e até lá embaixo. ♥️🌈

Capítulo 6 - 1 Erro (parte 3)


Fanfic / Fanfiction 3 chances 3 erros (Fillie) - Capítulo 6 - 1 Erro (parte 3)

*Millie*


Eu e Finn passamos a viagem toda em silêncio. Pude perceber que seus olhos estavam vidrados nas estrada, mas algo além de concentração emanava daquelas orbes negras. Me senti culpada por ter sido tão grossa com ele, talvez eu devesse ter escutado suas desculpas e aí voltaríamos a ser  amigos e continuar fingindo que nada aconteceu entre a gente. 

- Finn, olha me des...- Fui interrompida pelo cacheado ao parar o carro bruscamente. 

- Bem chegamos, espero que possa entender tudo o que eu te disse sobre seu príncipe encantado agora que poderá ver com seus próprios olhos. - Finn falou sem olhar para mim. Agora ele vem se fazer de difícil? isso já está me dando nos nervos. 

- Quer saber esquece Finn, esquece! - Estava prestes a sair do carro quando uma mão quente segurou meu braço me puxando de volta ao banco. 

- Se Noah fizer algo que você não queira ou se sinta ameaçada por ele me liga. Me liga.- Finn falava encarando meus olhos, o jeito que ele falava era sério, não parecia estar brincando. Mas decidi ignorar e sair do carro.

- Me esquece Finn!

.

.

.

*Finn*


Assim que a última aula terminou saí da sala  para esperar por Millie no carro, não queria que ela achasse que estava desesperado mesmo estando realmente desesperado. Eu não entendi o que eu fiz de errado para ela ter se estressado tanto comigo, eu pensei que tivesse chegado ao seu coração naquela noite, mas ela nem tocou no assunto. De primeira cheguei a pensar que talvez ela tivesse ficado envergonhada então resolvi comentar sobre isso em outro momento, mas aí quando chegamos perto do pessoal vi Noah entre eles e tive que mostrar que com aquela garota ele não iria brincar, mas diferente do que achei que fosse ser o mesmo tornou aquilo uma disputa ridícula da qual eu não queria participar só que aí Millie explode comigo como se eu a tivesse ofendido com o que fiz sendo que a única coisa que eu queria era manter ele longe dela. 

Quando saí do mundo de meus pensamentos vi Mills voltar pra casa a pé sem nem sequer me avisar, mas decidi não ir atrás dela, se queria agir como criança tudo bem. 

Assim que cheguei em casa recebi uma mensagem do Noah, pensei em ignorar, porém a mesma poderia estar anunciando algum tipo de trégua para aquela situação nada agradável que pairava entre a gente então peguei meu celular e abri sua mensagem revelando uma foto em que ele estava na sala de aula com as mãos na cintura da minha menina

- Não pode ser, ele não está querendo comprando briga comigo....esse imbecil!-Passei uma vida deixando as garotas pra ele e praticamente ficando com " as sobras", mas dessa vez ele não vai ter a garota que eu gosto

.

.

.

*Millie


Assim que desci do carro fiquei boquiaberta com o tamanho da casa do Noah. O barulho de música eletrônica estava alta e a única iluminação parecia ser de luzes noturnas psicodélicas, aquela casa parecia habitada por todos da escola de tão grande e cheia de gente.

Meu coração apertou e me doeu o sentimento de que minhas pílulas da socialização instantânea haviam acabado e o medo tomou conta de mim em uma proporção inimaginável, mas aí senti uma mão segurar a minha com firmeza e um arrepio percorreu todo o meu corpo, no fundo eu queria que fosse a de Finn mas o mesmo já havia sumido de vista e quem estava à me arrastar para dentro do barulho era Sadie. 

- Você tá com uma cara péssima. Eu escutei tudo o que vocês falaram no carro e olha, não acho que Finn te fez de troféu em momento algum. Eu conheço ele à uma vida toda, sei que ele não transforma garotas em objetos. - Sink me olhava com um semblante preocupado.

- E o Noah?- Suspirei ao perguntar.

- O Noah é....Bem, o Finn já deve ter te falado sobre ele.- Consenti - Então já deve saber que deveria manter distância dele, mas Finn e eu sabemos que você não é nenhuma criança e que também não vai acreditar até que veja com os próprios olhos. Mas sabe, eu gosto de pensar que em algum momento ele possa mudar, só precisa achar a garota certa. 

- Acha que pode ser eu? - Me assustei com a importância que dei aquele assunto, eu não tinha nenhum intuito de me envolver tanto assim com ele.

- Quem sabe? A vida gosta de brincar e foder com a gente. - Sadie me lançou o sorriso mais garnde e lindo que pôde pondo fim naquela conversa. 


Quando entrei na enorme casa a música estava três vezes mais alta ao ponto de eu ter que praticamente gritar para que Sadie pudesse me escutar. Tudo ali cheirava a bebida, suor e maconha. Pessoas se chocando umas contra as outras, se agarrando na pista de dança, vomitando em lugares de resistência duvidosa e nossa, muitas garrafas de whisky e vodka para todo lado. 

Caminhei com Sink até o espaço onde tinha um homem que aparentava ter seus 25 anos de blusa apertada que dava total visão de seus músculos e a sombra de suas tatuagens de letras chinesas pelo tecido fino. Me perguntei se ele sabia o real significado daquelas letras orientais, geralmente as pessoas que faziam esse tipo de tatuagem costumam se equivocar sobre seu real significado. Percebi que estava a tempo demais observando as marcas em seu abdômen definido quando levantei meus olhos e me deparei com um sorriso malicioso e o rapaz levantou a barra da blusa até seu peitoral musculoso me dando visão completa da pele morena com kanjis em preto do tamanho de uma bola de sinuca acima de seu baixo ventre. Desviei meu olhar quando a ruiva esfregou em minha cara a bebida que havia pegado pra mim. 

- O que é isso?- Gritei enquanto provava com uma pequena colher um pouco da gelatina  vermelha no recipiente.- Aliás, ele pode fazer isso? Bebida alcoólica pra menores de idade?

- Jello shot, pensei que já tivesse vindo a festas antes, estou admirada que não saiba o que é. Respondendo a sua segunda pergunta o Noah tem grana. Sabe como é, quem tem dinheiro no bolso consegue qualquer coisa.

- Nas festas que tinham onde eu morava serviam vodka barata com gosto de água tônica e cerveja, às vezes vinho se décimos sorte de a festar ser de alguém em um patamar mais acima. E pra alguém que não imaginava que Ayla usa drogas você é bem interessada no setor alcoólico né garota?- Arqueei minha sobrancelha e ela riu do que eu havia falado. 


(N/A Podem pôr play na música)


- Ah, vai com calma. É doce, mas tem vodka  pode acabar passando mal e acredite, vomitar na frente dos outros como uma qualquer em uma festa como essa não vai ser bom pra você. - rimos juntas e deixei o copinho vazio em cima do balcão e saímos para a pista de dança. Estava tocando Woman like me e eu desabei, aquela era minha música favorita e eu não deixaria passar sem performá-la. 

.....

Drink and I get all fired up, hey, hey, hey;


Insecure, but I’m working with it;


Many things that I could get rid of

Ain’t about to give it up;


I made a few mistakes, I regret it nightly;


I broke a couple hearts that I wear on my sleeve;


My momma always said: Girl, you’re trouble, and;


And now I wonder, could you fall for a woman like me? ;

....


Enquanto dançava estava em uma momento só meu, a música me invadia e saia por meus poros. Cada movimento que eu fazia era insinuante e me esforcei para ser o mais sexy que eu podia ser para fazer jus a minha música favorita.

...

Still I wonder, could you fall for a woman like me? (A woman);


Woman like me;

like a woman like me, la la la;


Woman like me;

like a woman like me, la la la (a woman);

....

Em meio aqueles movimentos percebi que um olhar específico pesava em minha direção, e eu sabia muito bem quem era o dono daqueles olhos negros que encaravam-me de longe com desejo. A sensação de ser adorada era ótima.

Passei a dedilhar meu corpo com lentidão parando um pouco em minha cintura e pescoço rebolando ao ritmo da música.

.... 

Or we could just go out for the evening;


Hopefully end up with you kissing my mouth, eh eh;


You got them blue jeans with a rip up in them;


My hair with your fingers in it;


Love it when you turn me on;


Yoncé with a little bit of

Love drunk in the middle with it;


Get down to our favourite song;

...


Aquele momento era perfeito e o rapaz de olhos negros também notou isso pois já se encontrava atrás de mim com suas mãos firmes em minha cintura acompanhando meus movimentos provocantes contra seu corpo sensível. Não demorei a sentir o desejo fluir entre nós.

- E toda vez que nos tocamos garoto, você me deixa fraca. - cantei junto com a música quando virei meu rosto minimamente para olhar em seus olhos senti meu coração palpitar mais forte. Quanto mais me absorvia dos seus toques mais o cacheado beija e marcava meu pescoço, parecia absorver de meu perfume.

 Estávamos tão próximos um do outro que pude sentir sua ereção contra minha bunda e naquele momento meu cabelo foi puxado cautelosamente para o lado dando total acesso a extensão do meu pescoço e aquilo me fez gemer baixo, porém audível o suficiente para o cacheado perceber e soltar um risinho anasalado em meu pescoço. 

 

As coisas estavam ficando quentes entre nós dois até finalmente Finn tomar meus lábios com um beijo envolvente e necessitado. Naquele momento só existia eu e ele na pista de dança. Estávamos dilapidando o desejo um do outro, nossos línguas se enroscavam travando uma batalha de luxúria dando conta da necessidade de contato  que sentíamos. As mãos de Finn foram escorregando até chegarem em minha bunda as apertando liberando todo e qualquer resquício de sanidade que me sobrava. Minhas mãos alternavam entre arranhar suas costas por cima do tecido e enrolar meus dedos em seus fios negros perfeitamente enrolados. Meu intuito era fazer com que aquele beijo, aquele contato não acabasse nunca, eu podia sentir seu gosto, sua precisão em cada toque, naquele momento ele me queria e eu não sentia diferente. Mas logo a falta de ar nos percorreu fazendo com que nos separasse ofegantes.

 Levantei meu rosto e olhei em seus olhos, estavam completamente diferentes de alguns instantes atrás e à algumas horas no carro, a raiva e a luxúria abriram espaço para um olhar de serenidade e contentamento e aquilo me dominou completamente, se estava sentindo raiva dele agora não estou mais. Ele fez o que ninguém havia feito antes, ele acendeu a pequena chama do meu coração. Tudo culpa dele. 

- Continua






Notas Finais


Esperam que tenham gostado do capítulo e até o próximo pessoal ♥️🌈


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...