História 325 quilômetros longe de você. - Capítulo 1


Escrita por: e jisurng

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Park Jimin (Jimin)
Tags Bangtan Boys (BTS), Dedicatória, Jeonjungkook, Jikook, Jikookdose, Kookmin, Parkjimin, Temamensal
Visualizações 196
Palavras 2.763
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção Científica, Fluffy, LGBT, Yaoi (Gay)
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


como minha estréia nesse projeto, não posso deixar de estar imensamente feliz por isso <3 o tema mensal, foi uma história voltada a dedicatória, então decidi escrever para a minha melhor amiga e irmã de vida, Emylle // @babexy, eu te amo mil milhões <3

Capítulo 1 - Capítulo Único: Longe de você.


Fanfic / Fanfiction 325 quilômetros longe de você. - Capítulo 1 - Capítulo Único: Longe de você.

[06/12 13:28] kookie <3

Jimin-hyung, você recebeu alguma coisa sobre a prova?

Ei

Hyung

Não acredito que vc ta dormindo ainda.

[06/12 13:32] jimin-hyung <3

Bom dia pra vc tmb

Me acordou, seu filhote de berinjela.

[06/12 13:32] kookie <3

Qual é hyung, já passou da hora do almoço

Mas e aí? te avisaram sobre algo?

Ei hyung para de me ignorar.

[06/12 13:35] jimin-hyung <3

Desculpa kook, fui lavar o rosto

rosto*

Enfim, ainda não, acho que o prazo é amanhã.

[06/12 13:36] kookie <3

nao esquece de me avisar pfv

[06/12 13:35] jimin-hyung <3

Pode deixar bebê

Vou almoçar aqui, minha mãe ta’ reclamando que a comida esfriou

Depois te ligo, bjs.

[06/12 13:36] kookie <3

Bj, hyung

(···)

Jimin sorriu antes de bloquear seu celular e descer as escadas de sua casa. Deu um beijo estalado na bochecha de sua mãe e fez um high-five com o irmão mais novo, que assistiam televisão no sofá da sala. Foi até a cozinha em busca de algo para saciar sua fome, já que havia ido dormir cedo e não comia nada a mais de 12 horas.

— Filho, os resultados saíram? — A senhora Park, mais conhecida por Shin Hye, perguntou ao filho, gritando da sala para que o outro escutasse.

— Sairá até amanhã, mãe… — gritou de volta, pegando uma lasanha de microondas e a colocando para esquentar. Enquanto isso, decidiu ir até a sala falar com os outros dois. — Se eu passar, como vou acabar me virando sozinho lá? Eu não sei nem fritar um ovo sem queimar a frigideira...

Shin hye acomodou o filho mais novo em seus braços, encarando o outro.

— Você já falou com o Jungkook sobre não ter um lugar para morar ainda? — A mais velha questionou, olhando o loiro com uma sobrancelha arqueada. —  Você ao menos contou para ele sobre isso?

Jimin ponderou por segundos, pensando numa boa resposta. 

— Não quero dar trabalho para ele, mãe… prefiro comprar um apartamento para mim em vez de viver às custas dele. — Jimin brincou com seus anéis.

Shin Hye bateu no lugar vago que tinha ao lado do pequeno Donghee, pedindo silenciosamente para o mais novo se sentar ali. Assim feito, encarou a mãe meio apreensivo.

— Você se lembra quando quase morreu do coração no dia em que você se confessou para ele e o garoto disse que sentia o mesmo? — O Park assentiu, sorrindo bobo ao se ver recordando de um dos melhores dias de sua vida. Mesmo que ainda não namorassem, ambos ainda tinham total consciência do que sentia um pelo outro. — Então, filho. Se Jungkook sentir o que disse por você, que ele te ama, com toda a certeza do mundo ele não ligará de você morar com ele até vocês dois se formarem. Ele mora sozinho, certo? — Jimin assentiu, fazendo cafuné nos cabelos claros do irmão mais novo e prestando atenção no que a mãe dizia. — Melhor ainda. Ele deve se sentir sozinho. Uma companhia a mais, ainda mais sendo a sua, ele não irá ligar.

— Mamãe está certa, Chim, conta ‘pra ele e vê se trata de trazer ele para conhecermos o tal “Jungkook bebê” — disse o pequeno Donghee, fazendo aspas com os dedos e rindo da cara de vergonha que o irmão fez. 

— Você andou mexendo no meu computador, seu pirralhinho? — Jimin se fingiu de zangado, lembrando-se da senha meio boba que colocou no aparelho eletrônico. 

— Que dia foi isso? — O menor se fez de desentendido, começando a gargalhar com as cócegas que Jimin fazia no irmão mais novo. 

— Hyung!

— Quem manda mexer onde não deve? Abusado… — Jimin retrucou, observando a mãe que apenas ria dos dois mais novos,  mesmo que sentisse uma pontada de tristeza ao pensar que aquilo acabaria se Jimin passasse na tão sonhada faculdade, mas mesmo assim não deixaria de sentir orgulho de seu menino.

(···)

— Oi, hyung. — Jimin sorriu ao ver o rosto do outro pela tela do celular. 

— Oi, Kook. — Retribuiu o cumprimento, se deitando em sua cama e abrindo o notebook que estava sob ela. — Te liguei como o combinado. Recebi um e-mail dizendo para mim olhar o site da faculdade para ver se eu passei...

— Meu Deus, hyung, anda logo! — Jungkook rapidamente o apressou, se levantando da sua cadeira gamer giratória — onde Jimin suspeitou que ele estivesse jogando LOL antes do loiro ligar para si —, para surtar caso o Park passasse. 

— Calma, é o notebook que não liga logo… — O mais velho respondeu, batendo os dedos impaciente pela cama. Viu que o aparelho ligou, logo pedindo sua senha, escrevendo “Jungkookbebê123” e rapidamente sentindo suas bochechas queimarem de vergonha, mesmo que o outro não tivesse consciência daquilo. 

Abriu o Google, colocando rapidamente a setinha do mouse em cima da barra de pesquisa, procurando o nome da sua — quem sabe — futura faculdade. Procurou o ano de 2019, vendo alguns nomes classificados em ordem de pontuação na prova em que fizeram a meses atrás. Foi procurando e procurando, até ver o seu nome, na 13ª colocação, e, para passar, ele teria que estar ao menos na 50ª posição.

— Hyung? — Jungkook o chamou, ao ver que o loiro estava praticamente na cor de seu cabelo, só que bem, bem mais pálido. — Você está bem? Passou? Está palí-

— EU PASSEI! 

Jungkook nem ligou para a altura que o outro gritou em seu ouvido, apenas se pôs a gritar eufórico, parabenizando Jimin pela sua vitória, sentindo seu coração batendo forte em seu peito ao pensar que iria reencontrar o amado.

— Meu pai, Jimin, que gritaria foi essa? — Shin Hye entrou no quarto do Park, o vendo dar alguns pulinhos ao lado da cama, sorrindo alegremente, enquanto segurava seu celular em mãos. — Você passou?

Jimin a encarou, o que a fez perceber os olhinhos brilhantes e na hora perceber que havia, sim, passado.

— Sim, mãe, eu passei! — O garoto foi até a mãe e a abraçou, sussurrando alegremente: — Eu irei para Seul conhecer o Kook, mãe!

Naquela noite, a mãe solteira não deixou de fazer uma mini confraternização entre ela, os dois irmãos e Jungkook - que ficou pela chamada de vídeo com eles -, para parabenizar o filho mais velho sobre sua nova conquista, pois Shin Hye sabia o quanto Jimin se esforçou ao ir para Seul mêses atrás apenas para fazer uma prova e ver se conseguiria passar numa das faculdades mais renomadas da Coréia.

A mais velha se lembrava tanto deste dia. 

Ela havia levado o filho até a cidade de Seul, a 325 quilômetros de distância de Busan, apenas para Jimin tentar a sorte e passar no curso de advocacia. A Park sabia que o filho conseguiria, visto que o mesmo sempre se esforçou para conseguir boas notas no colégio e trazer o boletim sempre cheio de notas altas para si. 

Se lembrava bem de quando Jimin chegou com um garoto no quarto de hotel em que se hospedaram por apenas uma semana. Ele levou o garoto apenas para a conhecer, dizendo que haviam se esbarrado na hora de saída da prova e Jimin tinha derrubado café no moletom que ele usava, por isso, o levou até lá apenas para que pudesse se redimir, dando um de seus moletons ao garoto, que mais tarde descobriu se chamar Jungkook. 

A mulher percebeu que Jimin passava os únicos dias que ficaram em Seul apenas saindo com o tal Jungkook. Ela percebia, já que o menino sempre chegava com um sorriso nos lábios e um brilho novo nos olhos. Nunca teve algum preconceito, pelo contrário, sempre respeitou as opiniões do filho mais velho e o apoiaria no que fosse preciso, menos quando Jimin pediu para que se mudassem para Seul. Ela sabia que era porque o garoto gostava do Jeon, já que Jimin sempre foi muito aberto para si, mas ela não poderia abandonar seu emprego e o colégio de Donghee apenas para Jimin ficar próximo daquele que ama, mesmo que esse fosse o seu desejo.

Sentiu-se feliz quando o Park afirmou que havia passado, pois assim ele poderia ficar com Jungkook até a faculdade terminar, e se o destino os quisesse juntos, eles dariam um jeito de, ou Jimin morar definitivamente lá, ou Jungkook ir embora com Jimin para Busan e Shin Hye o acolheria até ambos firmarem um relacionamento sério.

Mas, por ora, ela queria apenas que o filho fosse até a tão sonhada cidade e reencontrasse Jungkook para que pudessem se firmar finalmente como a tempos querem. 

(···)

— Você está levando roupas de frio? Nessa época está muito frio lá e… 

Jimin riu do desespero da mãe que o abraçava se despedindo no aeroporto, já que o vôo havia sido anunciado a poucos segundos. 

— Está tudo na mala, mãe. — Jimin a abraçou forte, inalando o cheiro de baunilha uma última vez nos próximos meses. — Não se preocupe, okay?

O Park do meio secou as lágrimas da mais velha, sorrindo terno ao ver que ela assentiu. 

— Se cuide filho, não se esforce muito e por favor, lasca um beijo no menino logo, por favor! Mande lembranças para o Jungkook… — Deu um último beijo na bochecha do filho, acariciando seu rosto. Jimin concordou com a cabeça, rindo, se abaixando um pouquinho para ficar na altura do irmão mais novo.

— Cuide da mamãe, certo pirralho? — Abraçou o mais novo, o levantando no ar e ouvindo o segundo e penúltimo chamado de embarque para o vôo. — Trate de tirar boas notas e não dê trabalho para ela. Ah! E vê se cresce e esteja maior que eu quando eu voltar.

— Isso não é tão difícil, Chim… — Donhee riu, levando um peteleco na testa vindo do outro. Ia reclamar da dor, mas pensou que aquele ato seria o último até seu irmão voltar e poderem brigar de pirraça novamente, então tratou de o abraçar mais uma vez. — Vê se você come lá, Chim! Não volte magrinho como está, parece meu mindinho…

Jimin riu antes de dar um beijo na bochecha do mais novo e o colocar de volta no chão, olhando-os uma última vez antes de mandar beijos no ar e se afastar acenando para os dois, tendo uma última visão da mãe abraçada no seu pirralhinho preferido. Sentiria falta dos dois, mas pensava que em breve estaria ali novamente para queimar as panelas de sua mãe e encher o saco do irmão com as namoradinhas dele.

(···)

[23/1 10:54] kookie <3

Hyung, já chegou ou o avião caiu?

Meu deus, me livra desses pensamentos, sinhô

Mas eai hyung? cadê tu?

Já faz uns vinte minutos que tu deveria estar aqui 

[23/1 11:29] jimin-hyung <3

Mano eu ja to aqui, mas eu não faço ideia de onde eu to

Tipo 

To no aeroporto, mas não sei onde eu to

[23/1 11:29] kookie <3

Meu deus, dai-me paciência  pra essa perdição

Me fala oq tem em volta de você q eu te socorro

[23/1 11:30] jimin-hyung <3

Ta pera

Tem um elevador trasbarente mo daora

Transparente*

Ai tem umas planta aq

Tem um mc donald

Sla como escreve isso

[23/1 11:30] kookie <3

Ta pelo menos sei q tu ta perto do mc

To indo ai 

Vê se n sai do lugar pq nunca vi um ser tão  curioso

N saia dai nem mexa um musculo

[23/1 11:30] jimin-hyung <3

Venha me socorrer principe encantado

[23/1 11:31] kookie <3

To indo ao seu encontro princesa

Jogue suas tranças

To ido

Ino

Indo

A q se dane

(···)

Jimin não conteve as risadas, guardando seu celular no bolso e sentindo seu coração bater forte contra o peito. Eles estavam no mesmo aeroporto. Um indo ao encontro do outro. O que faria quando visse Jungkook? O abraçaria? Ficaria o olhando como um idiota? Tantas perguntas, mas nenhuma resposta.

Olhava em volta, apertando a alça de sua mochila fortemente, enquanto tentava captar alguma cabeleira castanha e uma carinha de coelho. Foi aí que o viu. 

Jungkook vinha em sua direção com as mãos nos bolsos, o qual rapidamente tirou assim que viu o mais velho. Vestia uma calça jeans preta rasgada nos joelhos e coxas, junto a uma camiseta branca do Guns N’ Roses, típico dele, e um vans nos pés. Perfeito aos olhos de Jimin.

Sentiram-se numa cena clichê, daquelas que o mundo ao redor para e você só vê a pessoa que está vindo até ti. Jungkook não sabia se corria ao encontro do outro, mas apertou o passo. Jimin não sabia se corria até o garoto, mas decidiu segurar suas malas e ir ao encontro do Jeon.

Quando estavam frente-a-frente, ficaram parados encarando um ao outro, perguntando-se mentalmente se aquilo era real. Se, após meses e meses longe um do outro, o amado estava ali, de frente para si, o olhando como se visse a coisa mais linda do mundo.

Foi Jungkook quem agiu primeiro. Levou suas mãos até o delicado rosto de Jimin, passando seus dígitos na pele branquinha e macia do Park. Se viu perguntando a si mesmo se os lábios do mais baixo eram tão macios quando sua pele e quanto aparentavam ser, de tão cheinhos. 

— Você está… aqui. 

Jimin sorriu ao ver que Jungkook tinha a mesma voz encantadora que antes, visto pelo fato do celular deixar sua voz um pouco diferente. Jimin abaixou sua cabeça e entrelaçou sua mão com a alheia.

— E você ainda está aqui — respondeu, vendo Jungkook abrir um sorriso ladino. — Me esperando… depois de praticamente um ano…

— Eu sempre te esperarei, hyung, onde quer que você esteja, eu ainda vou estar aqui, esperando você chegar. 

E aquilo foi o cúmulo para Jimin. 

Envolveu Jungkook num abraço caloroso, sentindo o outro abraçar sua cintura e sorrir contra seu pescoço. Se abraçavam fortemente, quase se tornando um só. O acastanhado se afastou um pouquinho apenas para encarar o loiro, levando suas duas mãos até o rosto de Jimin e colando suas testas.

— Hyung, eu quis tanto te reencontrar depois de descobrir meus sentimentos por você… — confessou, balançando sua cabeça e fazendo ambos os narizes se roçarem e ambas as bocas se alongarem em um sorriso. Não estava se importando com quem os visse ali, mas sim com aquele que estava em seus próprios braços. — E-eu posso te beijar?

— Eu passei meses e meses a 325 quilômetros longe de você, te amando, e você ainda me pergunta se pode me beijar? — O mais novo riu baixinho, fazendo o outro repetir o ato.

Jungkook enfim cortou a pequena distância que tinham dos lábios alheios, colando sua boca na de Jimin num pequeno selinho, este que virou dois, três e quatro antes de se transformar numa batalha tímida de línguas, as que faziam seus donos irem a loucura com o primeiro beijo que trocaram desde que se conheceram, contrariamente ao que queriam, já que Jungkook quis agarrar Jimin assim que o loiro derrubou café em si, e o outro ao ver que Jungkook foi muito compreensível consigo, mesmo depois de tremenda besteira que tinha feito.

Se separaram sem ar, com sorrisos nos rostos e corações batendo num nível frenético dentro dos peitos. Os olhos brilhavam olhando para o outro, com as pupilas dilatadas. 

— Vamos para sua nova casa, hyung? — Jungkook perguntou, entrelaçando sua mão com a de Jimin e com a livre o ajudando com as malas e recebendo um aceno de cabeça do loiro.

O Park havia tido coragem de dizer para o mais novo que não tinha uma moradia ainda para morar em Seul, mas que estava procurando um apartamento perto da faculdade, contudo, como Shin Hye havia previsto, Jungkook não pensou duas vezes antes de convidar Jimin para morar consigo, este que, mesmo relutante, aceitou conviver com Jungkook, mas com a proposta de que o ajudaria com as contas e as despesas.

Saíram do aeroporto, indo até um táxi, este que não tardou a ir em direção a nova casa do Park. Jungkook, ao longo do caminho mostrava paisagens novas aos olhos de Jimin, dizendo que algum dia o levaria para conhecer toda a cidade de Seul e, assim que tivesse chance, o levaria até o rio Han, que fica perfeitamente belo de noite, com muitas luzes e afins, afirmando que o pediria em namoro numa destas noites, com a lua testemunhando os corações de ambos se confessando.


Notas Finais


Queria agradecer a @Xjeongguk pela capa e banner, e a @Nyewang pela betagem :3

Foi isso, obrigada <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...