História 3337-5g - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Tags Baekyeol, Chanbaek, Filosofia, Poesias
Visualizações 7
Palavras 1.124
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Lemon, LGBT, Luta, Magia, Misticismo, Poesias, Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Yay :3

Capítulo 3 - 3


Fanfic / Fanfiction 3337-5g - Capítulo 3 - 3

Quarta-feira, 8 de julho

Sabe, minha irmã é bem popular. Ela sempre está com um garoto ou garota nova, andando pelos corredores grudada no namorado da semana. Eu a invejo. Não porque eu quero ficar com várias pessoas ao mesmo tempo, mas porque ela sabe que pode fazê-lo, basta enrolar um pouco a saia do colégio. Minha irmã é uma boa pessoa, doce, gentil, e bonita. Incrivelmente bonita, na verdade. Com seu corpo – que meu pai dizia ser exatamente igual ao de nossa mãe – que os garotos e garotas tanto admiravam.

Eu não sou assim, não tenho um corpo, um rosto ou alguma coisa que chama a atenção, por mais que sejamos gêmeos, somos diferentes. Minha irmã é como um pêssego, macia e bonita por fora, doce por dentro. Eu, sou como um limão. Duro por fora e azedo por dentro. Não trato ninguém mal, sério, mas, às vezes acabam me pegando quando estou depressivo no meu canto, acabo gritando e sendo rude.

Diário, sabia que na minha escola temos aulas de Vertraging? (stadigacinese)

Caso esteja se perguntando de onde todos esses nomes vem, coloque-os em um tradutor, é africâner, caso ocorra um erro.

Essas aulas, são uma forma de melhorar nossos reflexos. Algumas pessoas de minha sala tem a habilidade de atrasar o cérebro, isso significa que elas podem bloquear certas coisas por um tempo limitado, elas podem bloquear o que elas quiserem, podem parar sua respiração e te matarem se quiserem, mas isso requer muita experiência, a maioria só consegue parar um estímulo por no máximo, vinte segundos, e ainda exige muita concentração. Então, essas pessoas tentam nos parar com sua habilidade, e temos que perceber o que elas estão tentando fazer.  Bom, você pode me perguntar "mas Baek, como?"

Bom, fulano vai tentar parar um estímulo físico que seu corpo vai fazer, então, quando mirarem numa parte específica do cérebro, a parte que controla os estímulos físicos, você vai sentir dor pela pressão imposta. É aí que entra a parte do reflexo, a dor começa muito fraca, mas ela aumenta conforme o indivíduo faz mais pressão, ao tentar parar a conexão dos neurônios.

Nessa hora, você tem que correr. Assim que sentir o mínimo de dor, reconheça quem está tentando te bloquear, quem está olhando para você, e dê um jeito de desconcentrá-lo, qualquer coisa! Apenas desconcentre-o.

Em uma dessas aulas, eu conheci um garoto chamado Chanyeol. Ele é bem alto, e habilidoso também, sabia? Ouvi dizer que ele tem uma habilidade chamada t-alguma coisa. Quando estávamos jogando basquete – em outra aula, não a de Vertraging. – ele pulou por cima de mim, foi tão alto, mais tão alto, que eu achei que estava acontecendo algum tipo de eclipse.

Depois do jogo, conversamos no vestiário, ele me disse – enquanto segurava a toalha acima de sua cabeça, secando os fios molhados, pelo banho recente – que adoraria me ensinar a jogar, ou a pelo menos melhorar minha nota nas provas físicas. Foi muito gentil da parte do Park, pois estou com um "C-" nas provas que tem a ver com minhas habilidades. Depois, o garoto me deu seu número, conversamos até o vestiário ficar vazio. Era a última aula e todos estavam indo embora, então quem ligava? Eu não, mas parece que meu pai sim. Quando cheguei em casa, levei uma bronca por estar fedendo à suor e não ter tomado banho na escola, depois, uma por chegar tarde, depois uma por deixar Bo-Young ir sozinha. É claro que ela não foi sozinha, tinha o "namorado" pra acompanhar, mas meu pai não sabia disso e não seria eu a falar. Respirei fundo, contei até 10 e pronunciei um ótimo pedido de desculpas e uma explicação decente. Meu pai continuou me olhando daquele jeito, mas, no final ele apenas foi para a cozinha cozinhar o que iriamos comer. Eu moro numa casa na área urbana da cidade, então sempre há pessoas rondando por aí, ela nunca está realmente deserta. Eu também tenho um peixinho roxo que vive em um aquário em forma de casa na minha escrivaninha. O nome dele é Peito de Frango. É, eu sei. Na época parecia uma boa ideia. Agora meu pai vive me perguntando se eu alimentei o Peito de Frango, se eu troquei a água do Peito de Frango e por aí vai. Complicado.

Voltando a falar sobre mim, mais cedo, antes da última aula, conversei com JongDae. Estávamos brigados, eu esqueci de mencionar isso. Eu pedi desculpas por ter sido um hipócrita e ficou tudo bem, mas sabe, por mais que tenha ficado tudo bem e já estivéssemos conversando e brincando de novo... Assim que alguma coisa desse tipo acontece, uma parte da confiança que um dia era perfeita é retirada, e nunca pode ser devolvida. Assim como um coração. Se você sofrer um ataque cardíaco, o tecido do coração é lesionado. O mesmo é com a confiança, após um erro, seu relacionamento é lesionado, e consequentemente, o tempo de vida do mesmo.

Mas vamos tentar não pensar nos fatos.

Meu aniversário – e o de minha irmã – é daqui a...bem... calma, deixa eu contar.... Ah, uns 20 dias. Espero receber uma festa surpresa, pois eu fiz uma para o Minseok ano passado, e o bolo me custou muito.

Eu também tive uma aula onde tivemos que dissecar um pobre pássaro. O coitado parecia... morto.

É óbvio que ele estava morto Baekhyun, se estivesse vivo estaria na reserva!

Ah, tem isso também.

Também tivemos uma simulação da reserva. Eles nos colocaram sentados nas cadeiras de plástico, e depois colocaram lentes em nossos olhos, e algumas outras coisas.

Então, do nada, o professor começou a falar e, diante dos meus olhos, havia um Elephas maximus!* Eu nunca vi um de perto, até porque somos mantidos longes de qualquer tipo de animal vivo, os únicos que realmente são permitidos são peixes de espécies pequenas, cachorros e gatos. Os outros, só poderíamos ver caso já estivessem sem vida, como na aula de hoje. Pássaros eram comuns, mas não se via uma pessoa que os abrigava, pois era proibido alimentá-los.

O professor disse também que existiam muitos animais na reserva, porém, existiam muito mais na Terra. Infelizmente somente alguns foram clonados com sucesso.

Agora, vamos pro poema.

A água molhava os meus pés descalços,

a água molhava as roupas de todos ali presentes.

A água é esquisita.

A água não tem gosto,

não tem cor,

não tem cheiro e não tem conteúdo.

Mesmo assim...

Todos precisam de água. Caso contrário,

precisam de algo para substituí-la, pois ela

faz falta.

Eu quero ser como a água para você.

Eu quero ser tão necessário, que se você se afastar de mim,

seu corpo ainda sentirá minha falta.

Eu quero ser tão importante que você sinta a necessidade

de me substituir por algo que, mesmo que tente,

nunca terá o mesmo valor.

Eu quero ser como a água.

* Elephas Maximus = Elefante


Notas Finais


<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...