História 3337-5g - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Tags Baekyeol, Chanbaek, Filosofia, Poesias
Visualizações 5
Palavras 1.100
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Lemon, LGBT, Luta, Magia, Misticismo, Poesias, Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Leiam as notas finais

Capítulo 7 - Preste atenção


Fanfic / Fanfiction 3337-5g - Capítulo 7 - Preste atenção

{???}

Chanyeol lançou o vaso de cerâmica que havia ali contra os homens de preto que corriam para cada vez mais perto, o Park corria em direção a Baekhyun, que segurava sua irmã em seus braços.

Chanyeol fechou a porta do quarto na cara dos homens assim que conseguiu entrar, trancou a mesma e disse olhando para o menor, que estava devastado.

Precisamos fugir.

Sábado, 25 de julho

Diário, estou assustado. Baekhyun tem melhorado muito nas aulas físicas, e se eu disser para ele o que sei agora, acho que ele ficará muito chocado demais e pode ir mal nas aulas. O que irei fazer?

Ah, eu também descobri que o Byun tem notas boas em exatas e aceitou ajudar Sehun, já que Junmyeon e eu não temos paciência. Faz uma semana que eu e Baekkie ficamos muito próximos mesmo, mas também faz uma semana que estou mentindo para ele. Preciso acabar com isso, não aguento mais mentir para o mesmo, seu aniversário está chegando e ele sempre fica me lembrando disso enquanto pula ao meu redor. Quando digo que ficamos muito próximos, quero dizer a ponto de irmos para festas e bebermos juntos, ele me conta tudo e eu conto tudo para ele, sempre que estou com medo de meu pai, eu corro para a casa dos Byun e eles me tratam como se me conhecessem em um para sempre. Eu amo aquela família, não suporto a ideia de destruí-la com más notícias.

Em pensar que eu não saberia de nada disso se não tivesse clicado na GZV...

Mando uma mensagem para Baekhyun, dizendo para ele me encontrar na cafeteria depois de sua prova física, pois precisávamos conversar urgentemente.

Para minha surpresa, ele apenas concorda.

Baekhyun é curioso, ele deveria estar me mandando mensagens repetidamente perguntando o por quê.

Por um segundo, me pergunto se ele já sabe. Mas isso é impossível, não é? Ele não faz ideia!

Ponho meu tênis, tirando a blusa – do Byun, peguei emprestada quando estava na casa dele estampada com um dragãozinho laranja, trocando-a por um moletom preto. Estava calor, mas eu comprei aquele moletom e estou me obrigando a usá-lo.

Antes de sair, olho para os dois lados da porta, como se estivesse prestes a atravessar uma rua muito movimentada, tendo a certeza de que meu pai não está em casa, eu saio e pego minha mochila com as prints de Byun Naomi salvas no aparelho.

Eu sabia que ele estava terminando a aula, então não teria problema chegar mais cedo do que o horário que eu sei que a aula termina.

Já na rua, começou a chover a ponto de trovejar, e minhas roupas ficaram encharcadas.

Touché, vida. Eu mereço, claro, por ter mentido tanto.

É justo.

Ah! Diário, eu não te contei? Eu e o Byun fomos em uma festa do Kris juntos, e, cara, bebemos tanto que a única coisa que eu me lembro é de Baekhyun caindo de um banco do bar. Não sei porque ele subiu, mas caiu aos meus pés, literalmente.

Consigo ver Baekhyun sentado na cadeira de madeira, ele parece com frio, ou nervoso pelo menos. Suas mãos estão em sua boca, ele expira ar em ambas e depois esfrega uma na outra, e fica repetindo isso. Tudo no menor é bonito, ele tem um corpo perfeito, não que seja magro a ponto de ter costelas aparecendo ou qualquer uma dessas coisas que a maioria acha dentro do padrão e etc, eu sei que ele tem muitas olheiras e muitas espinhas, também tem algumas gordurinhas, seu corpo é cheio delas. Suas coxas são muito grandes para a de um garoto, sua bunda também, e seus pézinhos, ah, eles são a coisa mais bonita no Byun, junto com seus olhinhos, sua boca, e seu sorriso amarelado. Ah, o sorriso de Baekhyun me iluminava por completo, a risada dele, o jeito dele de ser. Eu não estava acostumado a vê-lo sorrir, sempre o conheci como o sério e inteligente, mas agora percebo que ele também ri de bobeiras, ele também chora por coisas bobas, como por exemplo quando a pipoca acaba durante um filme que ele está amando assistir e coisas do tipo, ele também é um ser humano. E, droga, como eu amo fazê-lo rir, porque simplesmente pensar na possibilidade de perdê-lo para outra pessoa como aconteceu com a maioria de meus amigos, me faz chorar. E eu não quero chorar ao pensar no Byun. Quero sorrir ao pensar que, sem querer, Bo-Young esqueceu de colocar sutiã e tivemos que caçar papel higiênico para ela esconder o bico do peito que estava parecendo dois faróis acesos em um bando de leões do ensino médio, nós corremos tanto e rimos tanto, pegamos quase um rolo inteiro, então, estávamos dançando e o papel higiênico voou do peito dela e ela se abaixou para pegar, então ele voou para mais pra frente e continuou assim até percebemos ela correndo atrás de um papel higiênico voador enquanto segurava o outro peito que balançava.

Estou parado em frente ao vidro sujo com os pingos de chuva há quase dez minutos. Eu já deveria ter entrado, mas ele está tão lindo com o uniforme de frio da escola quase cobrindo seus dedinhos.

Além de que, estou tendo uma epifania aqui.

Sem perceber, meu ombro é tocado.

É Baekhyun, ele saiu de lá dentro e eu nem percebi.

–Channie, você está bem? Está me encarando há uns quinze minutos e não faz nada.– Baekhyun tem razão, eu não faço nada. Por anos, encarei Baekhyun andar pelo corredor de nossa escola com seus amigos, no ensino fundamental até o médio, sempre foi assim.

Eu não te encarei por quinze minutos, eu tenho te encarado por toda minha trajetória nessa escola.

Eu tinha preparado meu discurso sobre coragem para o mesmo, estava perfeito a ponto de eu saber que o faria chorar, porém, para sequer ter moral de falar nisso, preciso ser corajoso também.

Por isso, pego o menor pela cintura, colocando minhas mãos na parte de sua cintura que não era coberta pelo casaco, em sua pele quentinha. Junto seu corpo ao meu, e Baekhyun coloca suas mãos ao redor de meu pescoço.

Uma de minhas mãos vão até seu queixo, Baekhyun continua com os olhos entre abertos, observo seu lábio superior escorrendo café até sua língua, aquilo me deixou tão... extasiado que logo juntei sua boca à minha e fechei meus olhos.

Meus cabelos estavam molhados pela chuva, suas mãos passeavam pelo mesmo, molhando tanto suas mãos quando as mangas de seu casaco. O corpo de Baekhyun estava quente, assim como sua boca, provavelmente por causa do café.

Eu com certeza iria ficar resfriado, mas seria bom, pois, pela primeira vez, teria alguém para cuidar de mim.


Notas Finais


Oi bbs, tudo bo? É a primeira vez que eu falo com os leitores, é esquisito zzzz 

Mas eai, ceis tão gostando? Se estiverem, por favor, dê fav e comente na fic, vou ficar mto feliz de ler

Eh isto

o final está próximo, bye 


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...