História 365 Days in a Zombie Apocalypse - Capítulo 30


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags High School Of The Dead, The Walking Dead
Visualizações 13
Palavras 799
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Ficção Adolescente, Luta, Romance e Novela, Terror e Horror, Violência
Avisos: Canibalismo, Mutilação, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


...

Capítulo 30 - Trigésimo


Fanfic / Fanfiction 365 Days in a Zombie Apocalypse - Capítulo 30 - Trigésimo

Trigésimo

Depois de um tempo de descanso, resolvemos seguir em frente, nos havíamos conversado muito ontem a noite, eu contei um pouco sobre minha família, ele não falou quase nada sobre a família dele, talvez não tivesse.

Conseguimos pelo menos criar uma amizade, é ruim você brigar com alguém que muitas vezes é tudo que você tem.

Você pode pensar que tudo esta perdido as vezes, que esta procurando vingança igual o Jason ou o Heitor, mas eu consigo sentir a sensação de facada nas costas que eles também levaram, apesar deles estarem com más intenções com a gente.

Eu gosto delas, não sei se pra elas foi preciso me abandonar, as vezes não foi por maldade, ou foi.

Tenho vontade de morrer às vezes. Ai você me diz: “Você esta entre os mortos, se joga em cima de um que o serviço já estará feito”

Eu tenho medo de morrer e virar uma alma penada igual a eles.

Estou com medo e perdendo a sanidade, acho que entendo como essa dor pode prejudicar as pessoas.

Enquanto caminhávamos encontramos algo que poderia indicar o caminho certo, o colar da Lívia:

Andre: Estamos indo na direção certa pelo menos

Eu: Você acha que elas estão bem?

Andre: As vezes o serviço já foi feito Haha

Olhei assustada pra ele, queria vingança não que elas morressem .

No caminho encontrei uma lata de Coca-cola no chão, não pensei 2 vezes abri e tomei, eu amo coca-cola, enquanto eu tomava disse:

Eu : Vamos logo atrás delas, quando antes melhor.

Andamos ate achar um suposto lugar aonde elas poderiam estar, não tínhamos certeza mas era quase possível que elas estariam la.O que fez nos chegarmos nessas conclusões foi que era a casa mais próxima e bem protegida daquela área.Estávamos em um lugar que so havia estrada e postos de gasolina e uma floresta do outro lado da rua.

Essa casa era um sobrado, o casaco de cor vinho que Amanda estava vestindo estava do lado de fora pendurado na porta.Havia também muitos pedaços de madeira no chão.

Com muita calma peguei um dos pedaços, e passo por passo pensava o que iria acontecer comigo.

Quando abri a porta, Lívia estava boquiaberta olhando assustada pra mim:

Lívia: Que droga, o que você esta fazendo aqui?

Eu : Buscar o que eu tenho direito – Acertei o pedaço de madeira no centro da cabeça dela fazendo desmaiar no chão

Andre entrou pelos fundos, ele conseguiu desacordar Amanda e Elis.

Amarramos-nos elas em uma das cadeiras da casa.Olhamos todas as coisas delas, achei alguns folhetos de um “refúgio” que ficava muito longe de onde nos estávamos.Por isso que elas fugiram.  

Quando elas acordaram começou o interrogatório:

Eu: Suas Vadias estúpidas, me explica o porquê vocês fizeram isso?! O que eu fiz pra vocês?

Amanda: Melhore o jeito que você fala com a gente, Angelina.

Eu: Responde-me agora!!! – Ela fez eu gritar com todo ar do meu pulmão

Lívia: A gente estava tentando achar um lugar seguro para nos três, você sabe que nos três somos muito intimas.

Eu : Eu imaginei que vocês fariam qualquer coisa pelas amiguinhas de vocês.Ja era esperado, mas o que mais duas pessoas iriam interferir na amizade de vocês?

Elis: Você não percebeu que esta em um apocalipse zumbi? Não estamos em uma creche Angelina.

Acertei um tapa no rosto dessa abusada:

Eu:Me respeita, eu estou no topo.

Elis: Hahaha você acha que eu me importo com você?Pode me bater o quanto quiser,  achei que você era minha amiga, acho que tenho uma nova inimiga.

Lívia: Angelina, porque você abandonou Kate no meio do tiroteio? Você não ouviu os gritos? Você não sentiu as lagrimas dela?

Eu: Seu jogo psicológico não funciona comigo, Lívia.

Andre: É bom vocês terem um motivo para eu e a Angelina não acabarmos com a vidinha medíocre de vocês.

Amanda: Pelo menos vocês conseguiram se pegar.

Andre: Cala sua boca agora.

Nessa distração, as cordas velhas arrebentaram, fazendo Elis se soltar. Ela se levanta pega a cadeira e joga  na direção do Andre fazendo ele cair no chão, ela em seguida veio na minha direção e deu um soco no meio da minha cara fazendo meu nariz sangrar e meu olho direito ficar inchado.

Quase não enxergava nada, so conseguia ver Elis desamarrar Lívia e Amanda, Elis soltava um sorriso maléfico que percorria toda sua face.Amanda veio em minha direção, me deu um tapa e me arrastou ate a cadeira me amarrando com toda força possível fazendo minhas mãos ficarem roxas. Elas fizeram o mesmo com o Andre.

Andre estava desacordado, eu estava acordada porem morrendo de dor, conseguia sentir meu rosto latejar.

Lívia e Amanda arrumaram as coisas delas, Elis me encarava e alisava seus cabelos longos:

Elis: Veja só, quem esta no topo agora?   

 

 

 

 

 


Notas Finais


...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...