1. Spirit Fanfics >
  2. 365 dias >
  3. Conversa dura

História 365 dias - Capítulo 38


Escrita por:


Notas do Autor


Espero que gostem. O próximo capítulo só sai na próxima sexta. Agora será dois capítulos por semana, e eles terão de 2500 palavras pra cima.

Capítulo 38 - Conversa dura


 

Já são uma e cinquenta — logo a Inoue irá chegar.

Estou muito nervoso. Pra ser sincero, eu não queria ter essa conversa com ela. Mas decidi confiar no conselho da Sakura e ter.

Após o café, mandei o Naruto ficar vendo desenhos com a garota, enquanto eu arrumava a casa. Dessa vez, ela decidiu assistir, ao invés do canal do tal Vitor. Assim, enquanto o loiro idiota a distraia, lavei pratos, roupas, varri a casa e passei pano no chão.

Fiz tudo que precisava para deixar tudo perfeito. Não é por causa da Inoue, e sim porque eu odeio bagunças e adoro ver minha casa toda limpa.

Enquanto eu fazia algumas coisas da casa, fui preparando logo o pudim e a torta de limão, e por último fiz a lasanha. Almoçamos todos juntos, e o Naruto e ela comeram a sobremesa — por eu não gostar muito de coisa doces, nem toquei.

O idiota ficou aqui em casa até uma e quarenta, e foi para casa levando um pedaço de torta e de pudim, já que só quem iria comer o restante seria a menina.

A princípio, eu pedi para ele levá-la pra casa dele, para ela ficar lá enquanto eu tinha a conversa com a Inoue, mas a garota disse que não queria, que iria ficar quieta no meu quarto, vendo TV. Então decidi aceitar sua decisão, e o Naruto foi sozinho pra casa.
 

 

- - - - - - - - - -

 

— Até quando vai ficar com essa cara emburrada, Itachi? — Sasori indagou após rolar os olhos. Ele está na praia junto com o amigo Itachi e Deidara. Juugo não pode vir, pois disse que iria sair com uma gatinha com quem andava falando pelo Facebook.

— Eu ainda não acredito que ela preferiu ficar com o ranzinza do Sasuke, do que comigo. — soltou seco. Mesmo sendo uma criança, o rapaz não gosta de perder pra ninguém como o preferido.

— Por que diabos tu iria querer ficar com uma pirraia de dez anos, Itachi? — o loiro suspirou logo após. — Não foi bem melhor ela ficar com o teu irmão, que tu fica com o final de semana livre só pra ti? Se ficasse com ela, iria te atrapalhar pegar mulher. — deu um gole na latinha de coca que segurava.

— Cara, não me diga que tu queria ficar com ela por curtir criancinhas?! — o ruivo indagou chocado, após levantar um pouco seu corpo da cadeira de praia onde estava sentado. Logo algumas pessoas que estavam sentados por perto tiveram suas atenções direcionadas para eles

— Tá doido, caralho?! — indagou bastante exaltado, quase saltando da cadeira de praia onde estava sentado. Sua voz estava tão alta que dava pra ser ouvida até por quem estava mais afastado. — Acha que sou pedófilo, filho da puta?! Eu só queria ficar com ela, pois ela consegue saber facilmente se as pessoas estão mentindo. Eu iria usá-la para saber os podres de cada um de vocês, mas infelizmente a mamãe preferiu deixar com o dá o cu do Sasuke.

— Pelo o jeito, ela fez o certo... — o ruivo soltou seco.

— Você realmente é um bosta, Itachi. — tudo que Deidara soltou após saber o motivo ridículo do moreno...
 

- - - - - - - - - -  

 

Duas horas e dez e nada da Inoue chegar. Eu já estava muito nervoso, e para me acalmar, andava de um lado para o outro.

Duas e quinze, a campainha tocou, então fui às pressas atendê-la.

Ao abrir o portão, dei de cara com ela e um carro preto, que creio ser um Uber, já partindo.

Ela estava como da última vez que a vi — cabelos longos e ruivos, cintura fina, coxas bem grossas e seios bem grandes. Vestia um vestido curto, branco, de alça fina, com um pequeno decote.

— Boa tarde, Sasuke... Há quanto tempo? — falou um pouco desconsertada, colocando para trás da orelha uma mecha de cabelo.

— Boa tarde... Entre. — soltei com a voz um pouco falha, abrindo mais o portão para ela entrar. — Me siga. — após fechar, fui com ela ao meu lado até a porta que dá entrada a sala, e adentramos.

— Como aqui está muito mudado. — ela olhava para todos os lados da sala enquanto adentrava mais.

— Decidi mudar certas coisas que me trás más lembranças. — comentei sério. Depois da morte da Karin, eu pintei toda a casa, joguei todos os forros de sofá que foi comprado por ela, assim como algumas cortinas e lençóis. Alguns móveis, doei e coloquei outros em seus lugares. Eu não queria mais nada que lembrasse a ela. Até pensei por um minuto em me afastar do Naruto e dos seus pais, mas logo mudei de ideia, pois eles não têm nada haver com o que a Karin fez. — Sente. — apontei para o sofá. Sem responder nada, ela foi em direção dele e se sentou.

— E seus pais e seu irmão, como vão? — cruzou as pernas, colocando a bolsa preta que trazia no sofá, ao seu lado.

— Bem... Agora seja direta. Diga o que veio falar. — fui logo curto e grosso. A vi suspirar um pouco, após baixar a cabeça.

— Sasuke...  — começou com a voz um pouco entristecida. — Eu sei que errei, e errei muito. Desde o momento que descobri o caso deles dois, eu deveria ter te contado, pois assim como eles eram meus amigos, você também era.

— E por que você não falou?! — me exaltei um pouco. Se ela tivesse contado desde o começo, eu teria cortado minha relação com os dois, e talvez eu não sofreria o tanto que sofri.

— Por que eu tinha medo...

— Medo do quê?! Me diz!  — dei um passo a sua frente. — Você sabia que eu era traído, e ao invés de logo me contar, ficou calada e só me falou após a morte deles. Você sabe o quanto foi difícil pra mim perder a mulher que eu amo e meu melhor amigo no mesmo dia?! Você sabe o quanto foi doloroso, após o enterro deles, descobrir que eles eram amantes?! Ouvir as pessoas cochichando pelas minhas costas e até mesmo rindo?! — eu estava muito irritado. Só de me lembrar de tudo que eu passei, de tudo que ouvi por causa daqueles dois malditos, isso me enfurece.

— Me desculpe! — começou a chorar. — Me desculpe por não dizer nada, mas eu... — levou as duas mãos até o rosto e começou a chorar mais alto. — No começo eu tinha medo de perder a amizade deles. A Karin foi à pessoa que me ajudou muito com meus problemas familiares. Se não fosse por ela, eu não teria superado a morte do meu irmão, nem mesmo a separação dos meus pais. Dizer a verdade para você era como trair aquela pessoa que sempre me ajudou em tudo. — limpava algumas lágrimas que escorria. — Ao mesmo tempo em que eu fiquei zangada por ela estar te enganando, enganando meu amigo querido, eu fiquei triste, pois ela era minha melhor amiga, e o Suigetsu era um cara que eu apreciava muito. Por isso, era muito difícil chegar e contar tudo. Chegou uma época que eu tomei coragem, mas logo desisti, pois eu tinha medo de você me odiar por não contar logo, e tinha medo do que poderia acontecer com os três. Eu não queria que vocês brigassem... Que se afastassem ou se odiassem.

— Então você preferiu me ver sendo corneado? Me ver sendo enganado a cada dia que passava? — eu estava muito nervoso. Massageava as minhas mãos como forma de me apaziguar, e no mesmo estado estava ela que não parava de chorar.

Eu estava me sentindo muito mal. Não queria mais me lembrar daquela maldita época, tão pouco daquele maldito que fingia ser meu amigo e daquela maldita vadia que jurava me amar.

Eu sempre fui fiel a ela — sempre era mais da casa para o trabalho e só saía mais com ela para que ela não se irritasse com seus ciúmes. E para quê? Para que ela enfeitasse minha testa com o aquele que se dizia o meu melhor amigo?

— Não, Sasuke! — levantou-se do sofá. — Eu não preferia te ver sendo enganado, eu não queria que isso acontecesse. Eu queria que tudo tivesse sido diferente... Que ela sempre fosse fiel a você, como você era fiel a ela. Eu queria que ao invés do Suigetsu olhasse para ela, olhasse para mim. Que me amasse, e que nós quatros, junto com o Naruto e a garota que ele amava, saíssemos como casais para baladas, cinemas e até mesmo praia. Mas tudo foi diferente de como eu queria. — voltou a levar as mãos para o rosto.

— Você gostava do Suigestu? — perguntei completamente chocado. Ela nunca pareceu gostar dele, então ouvir isso me deixava bastante confuso e chocado.

— Sim... — assentiu com a cabeça. — Mas notei que ele tinha olhos apenas para ela, então decidi desistir desse amor. E depois quando descobri que eles tinham um caso, desisti de uma vez por toda. Me senti devastada ao saber que o homem que eu amava era apaixonado pela minha melhor amiga. Eu ainda cheguei a conversar com ela sobre seu caso com ele, lhe aconselhei a terminar, que deveria ter terminado com você antes, mas ela disse que não podia... Que tinha medo de terminar, por isso começou a ter um caso escondido com ele.

— Medo do quê?! — soltei enraivecido. — Se ela não gostava mais de mim, era só ter terminado, e cada um de nós iria seguir sua vida. Mas ao invés disso, ficou me traindo com aquele maldito! — ouvir essa porra de que ela tinha medo de terminar, me enfurecia. Eu sempre fui aberto com ela. Se algum de nós não gostasse mais um do outro, que terminasse. Eu não aceito traição, tão pouco o cometeria.

— De você... — hesitou com a cabeça baixa. — De você matar o Suigetsu, ou até mesmo ela.

O quê?!

Só pode ser brincadeira, não é?!

— De que infernos ela tirou isso?! Por que eu a mataria por querer terminar uma droga de relacionamento?! — eu estava tão exaltado no momento, que nem me lembrava mais da menina. Apenas colocava todas minhas indignações nos meus berros. — Eu nunca fui violento com ela, nunca se quer levantei a mão para ela ou até mesmo a minha voz. Sempre deixei claro que se um dia ela não gostasse mais de mim, ou eu não gostasse mais dela, ao invés de ficarmos no forçando em relacionamento sem amor, iríamos nos sentar e conversar para terminar de uma forma saudável o máximo possível! Então por que ela tinha medo de terminar comigo?! Por que preferiu me trair ao invés de me chamar no canto e ter uma conversa séria comigo?!

Eu estava tão enfurecido que minha mão até tremia.

— Eu não sei! — gritou chorosa. Muitas lágrimas escorriam pelo seu rosto, muitas delas eram enxutas por suas mãos que uma hora ou outra ela esfregava em seus olhos. — Foi o que ela me disse. Se era verdade ou não, eu não sei! Me perdoa! Me perdoa, por favor! Eu não queria esconder isso de você. Eu não queria que tudo acabasse da forma como acabou. Por favor... — se ajoelhou, segurando minhas pernas e me deixando totalmente desconsertado e surpreso com sua atitude. — Me perdoe...

Eu estava sem reação. Vê-la de joelhos, aos choros e implorando por meu perdão, me deixou completamente atordoado.

Por um lado, eu estava muito furioso por seu silêncio... Por ter me deixado sendo enganado por aqueles dois que me fizeram de trouxa. Mas por outro lado, de certo modo eu entendo que não é fácil contar uma coisa dessas sobre dois amigos que tanto gosta, e ainda mais para um outro amigo, sabendo que vai perder a amizade de dois amigos que tanto gosta.

A partir do momento que ela me contasse que o Suigetsu e a Karin tinham um caso, provavelmente os dois nunca mais iriam querer falar com ela, e poderia até mesmo ocorrer de eu não acreditar nela por estar apaixonado e por envolver meu melhor amigo. Então isso tudo é tão confuso para mim.

— Inoue... — soltei um pouco baixo, após um minuto de silêncio, vendo-a levantar a cabeça, ainda chorosa, para ouvir o que iria falar. — Se eu disser que a perdoo totalmente, e que tudo será como antes, eu estaria mentindo. — vi uma expressão de tristeza brotar em sua face. — Mas depois de pensar, de certo modo eu entendo o que você passou, e seus motivos. Por isso, se você realmente quer voltar a ser minha amiga, eu pediria que você tivesse paciência comigo, e que nós comecemos devagar.

— Você está dizendo que me perdoa?! — sorriu com duas lágrimas caindo sobre o decote de seu vestido.

— Estou dizendo que mesmo não a perdoando agora, tudo bem voltarmos a manter contado, mas tudo com calma e ao seu tempo.

— Muito obrigada! — ela correu até mim e me abraçou. — Muito obrigada! Eu prometo nunca mais esconder algo de você. Eu juro! — seu corpo estava um pouco trêmulo por causa do choro.

Soltei um suspiro, passando a mão de leve em seus longos cabelos macios para ver se a acalmava.

Espero que, o que fiz agora não me faça me arrepender no futuro... 

                                                                                                             



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...