1. Spirit Fanfics >
  2. 5 dias com o chefão (Namjin) >
  3. Prologue: Em atraso

História 5 dias com o chefão (Namjin) - Capítulo 1


Escrita por: yxSuun e Moonchild_House

Notas do Autor


Oii, oii eu voltei ein hehe

E aqui vamos nós com uma fic Namjin, socorro eu tô nervosa kkkk

(Créditos ao final do capítulo!!)

Boa leituraa :D

Capítulo 1 - Prologue: Em atraso


Fanfic / Fanfiction 5 dias com o chefão (Namjin) - Capítulo 1 - Prologue: Em atraso

Se arrependimento matasse, eu, de fato, queria estar morto, pois talvez seria melhor estar sete palmos abaixo da terra do que levar bronca do seu chefe em uma plena segunda-feira de manhã. 

Em pleno atraso, o que consigo fazer é choramingar em meio ao desespero enquanto tento ajeitar minha gravata. Prendi a respiração e tentei conter meus dedos nervosos para tentar no mínimo terminar de fazer a primeira volta.

— Oh céus, eu vou ter uma síncope. 

Soltei o ar pela boca já estressado e agoniado quando vi que não conseguiria continuar desse jeito e, então, voltei a abotoar a camisa social. 

Acredito que quem visse isso perguntaria: Que tipo de ser humano colocaria a gravata e arrumaria ela antes mesmo da camisa? Bom, quero deixar bem claro que em momentos onde o desespero domina não há lei de camisa antes da gravata e muito menos qualquer outra lei da vida. 

Escutei meu celular vibrar sobre a escrivaninha, olhei de relance para a tela que ficou acesa e logo vi as notificações surgindo na barra, me aproximei e vi o nome do dono das três mensagens e de uma ligação perdida, Jimin baixinho. Acabei por decidir não ler já que se eu parasse para fazer isso iria demorar mais alguns minutos e de atrasado eu já estou o suficiente. 

Peguei minha bolsa transversal preta assim que consegui terminar de me arrumar e saí correndo para fora de casa. Tranquei a porta e respirei fundo, vendo a vizinhança e as poucas pessoas que passam pelas calçadas. 

— O próximo ônibus é só daqui quinze minutos — falo olhando a hora — e se eu continuar esse será o tempo da minha visível morte. 

Olhei para o lado ao lembrar de minha bicicleta e então me senti um pouco mais aliviado. Não tardei e montei nela, assim comecei a pedalar o mais rápido que pude. Argh, talvez minha morte pode chegar antes dos quinze minutos, já que pelo visto eu também posso ser atropelado se continuar assim. 

— Aish, Jimin! — quase gritei no meio da rua, já ficando nervoso pelo belo início de dia que estava tendo — Por que foi me chamar para beber ontem? 

Nesse ponto não estava ligando se alguém iria escutar o que estava dizendo, se os mais velhos iriam fazer cara feia por isso ou se outras pessoas dariam maus olhares, pois eu precisava jogar a raiva em algum lugar e nada melhor que eu quase gritar no meio da rua enquanto pedalo a toda velocidade até a empresa, certo? 

Se eu tivesse um momento para choramingar mais e jogar a culpa em Jimin essa seria a hora e não deixaria ninguém tirar isso de mim. 

Já conseguia sentir algumas gotas de suor escorrer por minha têmpora, assim como poderia prever que minha camisa social já teria indícios de manchas de suor nas costas e axilas. 

Suspirei feliz ao chegar na sede. Consegui superar aqueles malditos quinze minutos de espera e os prováveis outros quinze dentro do ônibus. 

Olhei para cima vendo o enorme prédio e me apressei para deixar a bicicleta em segurança no estacionamento. Assim que fiz, corri para o térreo do local e fui direto para o elevador, apertei meus passos ao ver as portas começando a se fechar, quase entrei em um novo desespero por pensar que teria de subir pelas escadas, mas felizmente consegui passar por elas. Agora, haviam mais duas pessoas ali comigo e eu estranhei ao sentir os olhares delas sobre mim. 

Será que eu estou fedendo? 

Com isso em mente, de forma discreta cheirei minha camisa e em seguida minhas axilas, mas não havia nenhum mau odor e sim o cheiro bom do meu perfume. Dei de ombros e comecei a controlar a respiração, previsto que eu ainda estava ofegante pela corrida que dei. Enquanto subíamos pelos andares, me lembrei das mensagens que Park havia mandado e eu não tinha lido, retirei meu celular de um dos bolsos frontais da calça social preta e liguei o aparelho em busca do aplicativo que usamos. 

— O que temos aqui? 

Você está atrasado, Nam.

Jimin baixinho — 08H07min

O Sr. Kim está uma fera, cara.
Soube que ele perdeu alguns investidores
durante a reunião das 7H30.

Jimin baixinho — 08H09min 

Não vá se esquecer do café dele
Sabe como ele fica sem o café.

Jimin baixinho — 08H10min

Ali mesmo meu pequeno esboço de sorriso sumiu, assim como minha alma quis deixar meu corpo, senti minhas mãos começarem a ficar geladas e uma sensação de calafrio tomar conta de mim, abri a boca para quem sabe dizer algo ou então começar a chorar de fato. 

O...c-café.

Aquilo havia sido um banho de água fria. Por que diabos eu não li a mensagem antes de vir? 

Fiz careta de desgosto por tal coisa, estava me sentindo ridículo por ter esquecido algo que compro quase todo dia para o Sr. Kim. Por força de hábito, levei minhas mãos e pousei elas sobre meus cabelos e em seguida dei uma bagunçada nos fios. 

Burro. Burro. Me martirizo mentalmente em um surto, comecei a prever a bronca que levaria pelo atraso e, agora, por não ter trazido o café especial do homem. 

Abri os olhos quando as portas metálicas do elevador se abriram, olhei o número do andar e vi que estava no meu. Aquelas duas pessoas saíram e eu ao menos notei já que meu surto estava sendo mais importante. Tentei ao menos respirar fundo em busca de algum resquício de calma e, apesar de sentir minhas pernas bambearem um pouco, segui o caminho até minha mesa. 

Jimin arregalou os olhos ao me ver chegando, sua mesa é ao lado da minha e ele parecia preocupado ao mesmo tempo em que segurava um riso. 

"Você está ferrado" ele silabou sem voz e fez encenação de uma trágica morte por decapitação em seguida. 

Coloquei minha bolsa sobre a mesa e olhei na direção da porta do meu chefe. 

— Ele está lá? — murmuro baixo.

— Com toda certeza. Boa sorte, hyung. 

Park parecia se divertir com meu estado. 

— Te vejo no inferno, baixinho — comento assim que começo a andar e escuto o mesmo bufar pelo apelido. 

Cada vez mais me aproximava daquela sala. Cruzei meus dedos e rezei em silêncio. Já em frente à porta de madeira clara, com a placa em preto e com os caracteres em branco escrito: CEO Kim, prendi meu lábio inferior entre meus dentes e ergui a mão fechada para enfim bater ali. 

Iria fazer se no último segundo não tivesse parado e desistido, bufei por isso. 

— Ah qual é, Namjoon. É só seu chefe, é só um cara que nem você.

Em segundos a porta se abriu, arregalei os olhos e senti a presença firme do homem. Olhei em sua direção de baixo para cima. Como sempre ele estava muito bem vestido, suas roupas sempre parecem ser caras e de grife. À medida em que ia subindo com o olhar, começava a ficar envergonhado, o mesmo estava em pé e com sua postura bem desenvolvida, de braços cruzados — estes que demonstravam alguns músculos sob o tecido do terno. Parei meus olhos ao seu rosto, em seus olhos. Aqueles olhos escuros e que pareciam querer dar um oi ou um tapa em minha alma. 

Vi o moreno comprimir os lábios carnudos e avermelhados e em seguida ele passou a língua nos dentes de baixo…é, ele está bravo.

— Eu sou que nem você mesmo, Kim? — perguntou de forma grossa. 

— A-ah, não foi o que eu q-quis dizer, Chefe… E-Eu-

— Entre. 

Antes mesmo que eu terminasse de falar, ele deu espaço e apontou para dentro de sua sala com um balanceio de cabeça. Calei minha boca na hora e mordi meu lábio inferior enquanto adentrava no local bem organizado. 

O ar estava frio devido ao ar-condicionado ligado, juntei minhas mãos atrás de meu corpo e esperei ele fechar a porta e andar em passos calmos até perto de sua cadeira. 

— Sabe que horas são? Por que diabos chegou tão atrasado?

Me senti intimidado com aquele olhar penetrante que estava recebendo dele, ainda mais com o tom de sua voz se elevando a cada final de pergunta. Queria voltar a culpar Jimin, mas isso seria uma sacanagem. Comprimi os lábios e tomei coragem para encará-lo. 

— D-Desculpe, Chefe.

— Argh, mas que droga — Ele arfa e começa a se aproximar de mim novamente. — Quer saber? Eu não quero escutar mais desculpinhas, sei que você é competente e responsável com o cargo e espero que não aconteça disso se tornar algo frequente.

Seu jeito de mostrar confiança às vezes era questionável, não sabia se ele ainda estava bravo ou se estava amenizando as consequências do meu atraso. Certo, isso está estranho. 

Repentinamente ele aproximou seu rosto ao lado do meu, como se fosse contar algo importante. Minha única reação foi ficar parado feito uma estátua e claro, tendo o coração disparado momentaneamente como a velocidade de um carro de corrida. Franzi o cenho ao ter escutado o mais velho ter fungado meu cheiro…. Ahm, será que escutei coisas?

— Ao menos não está fedendo — diz se afastando e apesar das palavras positivas ditas há minutos seu rosto ainda carregava um semblante sério, o que ainda me deixa confuso — Yah, vá arrumar sua roupa, está parecendo um mendigo assim, não posso trabalhar com um secretário vestido dessa maneira. 

Errado ele não estava, nem tive tempo de passar o ferro na camisa social, dava para notar algumas marcas de amassados de alguns metros, mas acho que ele exagerou me comparando com um mendigo. 

— Quero você aqui em cinco minutos ou irei reduzir seu salário — afirmou. 

Curvei-me e saí dali rapidamente com o destino traçado até o banheiro mais próximo no andar. Assim que abri a porta e me olhei no grande espelho, acabei bufando ao ver minha aparência. 

Certo, até que o Kim não exagerou tanto quanto eu pensei. Minha aparência definitivamente não era a das melhores, principalmente com aquelas olheiras e com o cabelo quase parecendo um pequeno ninho de passarinhos. Em poucos minutos ali, a porta se abriu e logo a imagem de Park foi revelada. 

— Woah, você está vivo. 

— Ha ha, muito engraçado — solto uma falsa risada e o vejo sorrir. 

— Eu realmente achei que ele iria te matar dentro do escritório — encena em uma falsa preocupação —, podia escutar o bambolear das suas pernas da minha mesa — fala risonho e eu ameaço bater nele. 

— Sabe que isso é tudo culpa sua, não sabe? 

— Por quê? 

— Por que você insistiu em me levar pra beber e eu me atrasei por ter dormido além da conta em consequência da bebida e agora por essa ressaca que estou tendo, aish — falo enfezado e faço careta ao sentir minha cabeça voltar a latejar, o menor por outro lado cruza os braços ainda com aquele sorriso ladino nos lábios avermelhados. 

— Não chore pelo leite derramado, Jonnie, foi você quem aceitou ir. 

— Tá’, tá’, apenas me ajude aqui, então. 

Sua ajuda foi bem prestativa e logo eu estava bem mais apresentável, quem sabe não me confundiriam com alguma pessoa importante, como o senhor Kim? 

— Ei, para de secar o homem. 

— O-O que? — pergunto voltando à realidade. 

— Você está há meio século encarando nosso CEO, está até babando — diz e eu passo a mão na boca para conferir, em seguida escuto Jimin arfar — Jonnie, você está me envergonhando. 

— Jimin-ah! — sussurro seu nome ao ver o Kim se aproximando e o Park se afastando de mim. 

Engoli em seco e senti minhas bochechas quentes novamente ao ver meu chefe cada vez mais próximo. Por que eu estou me sentindo vulnerável? Será que Jimin me drogou e eu não vi? Parei de imaginar assim que meu superior parou em minha frente, olhou-me de baixo a cima e juro ter visto um esboço de sorriso em seus lábios bonitos… Bonitos? Oh céus, o que estou pensando? 

— Mudanças de planos, secretário Kim. Irei precisar que libere minha agenda pelos próximos cinco dias, pois tenho uma viagem à negócios muito importante. 

— Certo, senhor. Irei providenciar as novas marcações dos horários de suas reuniões e outras entrevistas. 

— É isso que espero — confirma em um tom superior, algo que ele parecia fazer com prazer — E se prepare também, pois será meu acompanhante. 

— Sim, senh- — paro de falar e arregalo um pouco os olhos — O que disse, chefe? 

— Ora, não me faça repetir, sei bem que escutou. Vejo você no aeroporto amanhã às seis horas da manhã e não me faça esperar! 

Antes mesmo que eu pudesse respondê-lo o mesmo sai de perto e eu continuo ali, parado feito um bobo que recebeu o primeiro fora ou então feito um bobo que passou vergonha na frente de alguém que gosta muito. Por que eu sempre envolvo crushes nas minhas metáforas?

— Que cara é essa Jonnie? — escutei novamente a voz de Jimin por perto — O chefe te pegou de vez? 

— Ah, fique quieto. 

— Woah, até consegui sentir a tensão entre vocês, ui — o loiro continuou e eu avancei para cima — Cuidado para não errar de quarto e acabar na cama dele ein, sei que você não resistiria. 

— JIMIN, CALADO! 


Notas Finais


Espero que gostem dessa obra, foi bem divertido escrever hehe

Meus amores, deem uma passada no perfil da @Moonchild_House, vocês vão amar os talentos dessa casa!!

Créditos a:

Capa maravilhosa: @CruellaCruell
Betagem cheirosa: @Dominatrix_021


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...