História 50 Tons de Preto - Capítulo 22


Escrita por: ~ e ~RainhaHomicida

Postado
Categorias In This Moment, Marilyn Manson, Motionless In White, New Years Day
Personagens Ashley Costello, Christopher "Chris Motionless" Cerulli, Devin "Ghost" Sola, Joshua Balz, Maria Brink, Marilyn Manson, Personagens Originais, Richard "Ricky Horror" Olson, Ryan Sitkowski, Vinny Mauro
Tags 50tdp, Damablood, Ghost, Motionless In White, Originais
Visualizações 20
Palavras 1.648
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 22 - Sra. Sitkowski?


Fanfic / Fanfiction 50 Tons de Preto - Capítulo 22 - Sra. Sitkowski?

Pov's Ryan Sitkowski

Depois do começo de namoro de Nicole e Chris as coisas entre eu e Helena, de certo modo, haviam esfriado um pouco, nós ainda nos tratávamos amorosamente mas Helena me parecia meio distante as vezes, principalmente quando estávamos todos conversando e a conversa acabava entrando em relacionamentos, eu não entendia o porque, eu havia feito algo de errado? Ela não gostava mais de mim? Só de pensar nessa alternativa sinto minha garganta se fechar em um nó. Estávamos em nosso quarto, no outro dia iríamos voltar para casa, Helena estava tão abraçada a mim que me sentia como um ursinho de pelúcia, e eu gostava disso, de algum modo que nem sei qual consigo sair de seus braços e do quarto sem acordar o meu anjinho pecaminoso que dormia tranquilamente. Vou para a área da piscina e vejo Vinny ali com seus pés pra dentro da água:

— Hey cara - ele disse calmamente com um sorriso de lado - Por que tá acordado essa hora? Devia estar dormindo com a Helena ou comendo a Helena. -Riu levemente negando, enquanto me sento ao seu lado.

— Ela anda estranha, bem estranha, será que não me ama mais? Será que ela acabou enjoando de mim?-Perguntei observando as estrelas e escutei a risada do moreno ao meu lado.

— Você percebe quando ela fica assim? Quando ela por algum motivo lembra que vocês não tem nada concreto? -confirmo rapidamente, olhando para Vinny - Helena quer ser assumida Ryan, ela quer ter segurança de que você realmente ama ela e que não vai abandona-la quando enjoar.

Agora tudo fazia sentindo, Helena ficava estranha porque queria que ser minha de verdade e eu não via nenhum problema nisso. Dou um beijo na cabeça Vinny e subo as escadas novamente, iria pensar em algo pela manhã, agora que todas as minhas dúvidas haviam acabado eu queria dormir. Quando chego em meu quarto Helena estava dormindo abraçada ao meu travesso, aquilo era fofo, ela era fofa, pego minha camera que estava sobre o criado e tiro uma foto daquilo, não demorando muito para cuidadosamente tirar o travesseiro do meio dos braços de Helena e me colocar dele, a fazendo me abraçar e passar seu nariz por meu peito, amanhã você terá uma ótima surpresa baby, envolvo meus braços a sua cintura e ali adormeço. No outro dia, quando acordo, Helena não estava na cama e seu lugar já estava frio, mostrando que ela havia saído a um tempo, provavelmente para dar aula para as crianças e isso era perfeito. Me levanto e coloco uma roupa normal, camiseta preta, calça preta e ténis, e desço as escadas, minhas filhas estavam ali, era estranho falar "minhas filhas":

— Bom dia meninas, sabe aonde a mãe de vocês está? -Pergunto calmamente me debruçando na bancada.

— Ela foi dar aula, disse que não iria enrolar um pouco hoje. -Elas falaram calmamente.

— Ótimo, vou precisar da ajuda das duas. Eu quero pedir Helena em namoro, quero uma coisa séria com ela, vou comprar as alianças hoje e preciso que vocês a levem a uma capela que tem no meio da mata quando ela chegar. Vocês topam? -Perguntei sorrindo e as meninas confirmariam rapidamente sorrindo, totalmente animadas.

— Finalmente! Achamos que você não iria assumir ela de novo e ia deixar aquele monstro do Devin repetir tudo de novo. -elas disseram revirando os olhos e eu ri levemente, que garotinhas abusadas.

— Bom, eu vou comprar as alianças, querem vir? -perguntei e elas confirmaram, pego uma maça enquanto saímos de casa, não que eu não gostasse de minhas filhas, só tinha medo, medo de Helena morrer de novo, medo de ficar sem ela de novo, e saber que dessa vez a culpa não seria de ninguém a não ser minha. Nós montamos no carro, e automaticamente eu ligo o rádio, por coincidência, ou não, estava tocando Born To Die, a música que tocava na casa noturna que eu e Helena havíamos ido na noite em que tudo começou, aquilo me faz sorrir de lado, é, aquela música era perfeita para nós, Morgana e Aurora foram para o banco de trás e como ninguém poderia ve-las, não tive que me preocupar com cadeirinhas. Quando chegamos no shopping fomos direto para a loja que Chris havia me recomendado, ela era toda negra iluminada por uma luz amarelada, com a ajuda de uma vendedora começo a olhar as alianças e eram todas lindas mas nenhuma que me chamasse realmente a atenção, até que quando olho em um ponto da vitrine vejo um par de alianças, de ouro passado em prata, rodeados de diamantes negros, uma das alianças continha uma pedra um pouco maior no centro. Eram aquelas alianças, com certeza, sem sombra de dúvidas:

— São essas papai!

As duas falaram animadas e eu sorri confirmando, compro o par de alianças e saio da loja, indo diretamente para casa, não podia perder tempo. Quando chegamos fui direto para o jardim do castelo e ali colhi as rosas negras, elas eram um marco na nossa história e Helena as adorava, eu iria contar a ela esta noite o motivo das flores serem negras, vou para a capela que havia em um campo livre no meio da mata e depois de limpar todo o lugar, que obviamente estava toda empoeirada pelos séculos sem uso, coloquei vários buquês das rosas negras por todo o ambiente e algumas pelos bancos, o lustre estava ligado e deixava todo o ambiente mais vitoriano, estava tudo pronto, eu não iria cometer o mesmo erro do passado. Saio da capela e volto para o castelo, indo direto para nosso quarto, todos nós já havíamos voltados para o castelo. Tomo um bom banho enquanto pensava no que iria falar para ela, coloco um terno todo preto, aparo minha barba e passo um bom perfume, me olho no espelho, e bom, acho que estava bonito. Olho meu relógio, 18:34pm, estava quase na hora dela chegar, desço as escadas correndo e vou para a capela, quando chego no lugar fico em frente ao lugar aonde o padre, se tivéssemos um, falava e eu a espero, ansioso e nervoso.

Pov's Helena Dellavega

Havia sido um dia maravilhoso de trabalho, as crianças haviam feito vários desenhos para mim e a maioria elas desenhavam Ryan junto a mim. Chego em casa em torno das dez pra sete da noite, e quando entro no castelo vejo Morganna e Aurora no saguão, oque me faz sorrir e elas sorriram de volta:

— Oi meus amores, oque estão fazendo por aqui? -perguntei indo até elas e as mesmas pegaram em minha mão sem falar nada, começando a me arrastar para onde me parecia ser o jardim, mas nós passamos direto por ele adentrando a  mata

— Aonde estão me levando meninas?Pergunto sem obter resposta, foi quando chegamos a oque me parecia uma capela, ela era linda e suas luzes estavam acesas, quando entramos Ryan estava ali, vestindo um terno preto, suas bochechas pálidas estavam vermelhas, aquilo me fez sorrir, era fofo, as menknas continuam me arrastando capela adentro que estava cheia de rosas negras. Sou colocada de frente para Ryan que sorri nervoso, sorrio de volta para ela ainda olhando o lugar. —Oque é tudo isso Ryan? Está lindo... -  disse admirada e ele pegou em minha mão me levando até um dos ramos de rosas espalhados pelo lugar— Sabe por que essas rosas são negras? - Neguei

 - Crianças tapem os ouvidos -ele disse e as meninas o obedeceram - No passado, você matava pessoas, principalmente homens, que eram ruins e abusavam de crianças, você tomava banho no sangue deles e nós fodiamos sempre que possível na banheira de sangue também -seu sorriso se tornou safado e eu estava surpresa - e depois, você regava as rosas com o sangue, você cheia de sangue era uma cena bonita, tenho que admitir. - Ryan disse sorrindo e conforme ele falava, eu me recordava de tudo aquilo, tudo mesmo, e meu santo Deus, a vontade de voltar a fazer aquilo era gigante, o homem pegou em minha mão novamente e me levou de volta ao centro da capela, se virou e pegou uma rosa que estava ali, me entregando ela, quando olho no meio da flor havia uma caixinha ali, troco olhares com Ryan que sorri de lado, será que era oque eu pensava? Pego a caixinha e coloco a rosa no banco ao nosso lado, quando a abro vejo um par de alianças simplesmente maravilhosas, e meus olhos já estavam cheios de lágrimas, olho para Ryan e ele estava de joelhos.

— Helena, minha rainha de sangue, eu cometi muitos erros com você no passado, de certo ponto sua morte também foi culpa minha por não ter te assumido antes de tudo, eu lembro disso todos os dias de minha vida, durante muito tempo tentei afogar essas lembranças com tudo oque se pode pensar, outras mulheres, bebidas e por ai vai, mas a noite, quando me deitava na cama, minha mente ia para você, seu sorriso, seu jeito, até que chegasse em sua morte, seus olhos antes de um verde vivo, naquele dia assumiram um verde morto, sem brilho, sem alma, e então eu voltava pra minha vida inútil de tentar esquecer. Eu não quero cometer o mesmo erro Helena, não quero te perder de novo, não quero voltar a sentir o mesmo vazio e viver na mesma vida sem sentido, eu quero ter você do meu lado pro resto da eternidade, quero me casar um dia com você e ter aquelas pirralhas, mas agora do jeito certo, sem Devin para nos atormentar, sem inquisição para matar Nicole. Só que tem um primeiro passo para isso, você precisa namorar comigo, então... Você aceita ser a Sra. Sitkowski? - Naquele ponto eu já estava chorando, me jogando em lágrimas e desespero, Ryan havia conseguido atingir todas as minhas expectativas e eu finalmente sentia o vazio que carregava em meu peito desde criança preenchido.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...