História 7 dias para amar o LuHan - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias EXO, Huang Zitao "Z.Tao", Kris Wu, Lu Han
Personagens Lu Han, Personagens Originais, Xiumin
Tags Exo, Sebaek, Xiuhan
Visualizações 6
Palavras 4.303
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fluffy, LGBT, Mistério, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Yoo leitinhos! Me perdoem a demora... Eu tive alguns imprevisto, mas aqui está! Um capítulo fresquinho só pra vocês.

Boa leitura! @Kissus

Capítulo 2 - Capítulo 2


- Como você sabe disso?! Huh? Como ninguém nunca me disse nada?! Xiumin, você sabe o quanto eu gosto de você. Mas não posso admitir essa mentira. -Minha expressão mudou de confuso para irritado.

Na verdade nem eu sabia como eu estava. Uma parte de mim me dizia para acreditar nele, pois sabia que ele jamais seria capaz de mentir pra mim. Mas a outra parte me dizia para não acreditar, pois ele deveria estar apenas inventando uma história devido a picuinha do Sehun com ele. Aah! Eu estou confuso, eu não sei o que fazer, eu não sei no que acreditar. O Sehun seria mesmo capaz de fazer isso comigo? Ele disse que me amava... Um amor pode acabar de uma hora pra outra? Meu corpo se movia em direção a porta. Foi quando ouvi novamente a voz do menor.

- Tá bom, Luhan. Se acha mesmo que eu sou capaz de fazer isso com você, se acha que sou capaz de inventar boato para lhe magoar... Sobe no segundo andar. Agora vou lhe dizer uma coisa.... -Ele se aproximou de mim, parou em minha frente e me olhou no fundo dos olhos.- Não diga que eu não lhe avisei.

Vi o loiro se virar, abrir a porta e sair do local. Meu corpo tremia de uma forma descontrolada, eu nunca havia me sentido dessa forma, eu estava confuso. Antes da hora, ás lágrimas insistiam em querer cair, mas eu estava me segurando ao máximo. Meus pés como de uma forma automática, começaram a mover meu corpo de um lado para o outro, enquanto minha cabeça girava de uma forma descontrolada. Parei por um momento, respirei fundo e abri a porta da sacada, voltando para dentro da casa. Abri um sorriso meio forçado enquanto ás pessoas passavam por mim e algumas me comprimentavam. A música estava um tanto quanto alta, e havia diversas pessoas dançando na sala. Algumas estavam do lado de fora, outras encostadas no balcão conversando e outras fazendo disputa. A casa estava mais lotada que o previsto, e a todo momento parecia que mais pessoas chegavam na residência.

- Luhan, sabe onde está o Sehun? Preciso da ajuda dele pra comprar mais bebidas. -Olhou em volta, na certa procurando o moreno.

Minha reação foi apenas balançar a cabeça e olhar em volta, me perguntando a mesma coisa. Fazia um tempo desda última vez que vi o Sehun, e só agora vim me dar conta de que ele realmente havia sumido do local. Kris chamou Chanyeol com um aceno de mão e ambos sairam, na certa pra comprar ás bebidas. Voltei a caminhar um pouco, até que me veio a mente o que o xiumin havia me dito segundos atrás. Olhei para ás escadas e levei a destra a boca, roendo um pouco minhas unhas. Será que eu deveria ir atrás dele? Não... Isso vai provar que eu não confio nele. Mas ele está demorando muito... Ah, que se dane, eu vou!

Pedi licença para ás pessoas que estavam no meio do caminho e subi ás escadas com um pouco de pressa. No corredor do segundo andar, havia algumas pessoas se pegando, outras quase cochilando e outras passando mal. Fui me desviando daquela quantidade de gente, procurando por algum sinal do maior, mas aparentemente ele não estava ali. Olhei em alguns dos quartos, mas como eu imaginava.... Não achei nada. Minha expressão foi de decepcionado, afinal eu confiava no Xiumin, jamais pensei que ele seria capaz de inventar tal mentira apenas para prejudicar o Sehun. Balancei a cabeça em negativa e enquanto eu estava saindo do meu quarto, escutei o que parecia ser gemidos. Imediatamente meu corpo parou de se mover, meus ouvidos pareciam ter ficado mais atentos e novamente fiquei esperando o mesmo ruido. E como esperado, ouvi novamente o mesmo som outra vez, mas dessa vez em dose dupla. Meus olhos foram pecorrendo pelo quarto, mas não estava vendo nada ali. Girei o corpo no calcanhar e olhei atentamente para cada cantinho, não vendo nada além da cama vazia, a porta do banheiro e o closet. Semicerrei os olhos e em passos lentos e calmos, me dirigi até a porta do banheiro.

Cada vez que eu me aproximava, os gemidos ficavam mais altos, meu coração acelerava e meu cosciente me enviava um sinal de alerta. Humpf! Que besteira, tanta gente aqui, claro que iriam ter pessoas se relacionando. parei na porta do banheiro e estava pronto para deixar isso de lado e ir embora. Foi quando escutei aquele maldito gemido.

- Ahh, Hannie... -A voz era rouca, necessitada e manhosa.

Meus olhos se fecharam por impulso e minha cabeça balançou em negativa, enquanto minhas lágrimas escorriam sem um pouco de esforço. Minha única reação foi me deixar levar pelo impulso e abrir de uma vez a merda da porta daquele maldito banheiro. E bem, lá estava a cena de terror... A pessoa cujo nome era Oh Sehun, que se dizia ser meu namorado e me amar muito. Juntamente com um branquelo acastanhado, cujo eu nunca havia visto na minha vida. A forma como os encontrei, foi a mais escrota da minha vida... O acastanhado estava sendo suspenso pelo moreno, que se encontrava despido e completamente dentro dele, fazendo aqueles benditos movimentos. ambos gemiam sem pudor algum, dentro do meu banheiro... E como se não bastá-se, ele ainda teve a audácia de chamar o meu nome!

Minha destra se dirigiu aos meus lábios e meu peito queimava, queimava muito. Eu tentava abafar o meu desespero... Foi quando eu respirei fundo e mantive o controle. Minhas mãos se fecharam em um punho e um sorriso sarcástico surgiu em meus lábios. Adentrei o banheiro, caminhei até a pia, abri a gaveta e tirei de lá um pacote de camisinha.

- Sua mãe nunca te ensinou a usar camisinha ao comer putas? -Os olhei com um sorriso sacana e em um susto vi os dois me olharem surpresos.

- Luhan, eu posso explicar... -Sehun soltou o acastanhado, que se cobriu com uma toalha.

- Não precisa... Sei como é estar caminhando e seu pau cair dentro do cu de outra pessoa. -Joguei a camisinha na direção dele e caminhei até a porta.

- Luhan! -Segurou meu braço. Confesso que me deu ânsia de vômito.

- De verdade, Sehun. Mas deixa eu te dar uma dica... -Aproximei meus lábios do ouvido dele e sussurrei.- Nunca mais chame meu nome quando estiver penetrando uma foça. Caso contrário, eu te mato!

Dei um tampinha no ombro dele e sai do local. Okay, minhas pernas fraquejaram um pouco e ao sair do quarto, senti minhas vistas ficarem turvas e tudo se apagou. 


~Quebra de Tempo~


Depois disso não me lembro o que ocorreu, eu só lembro que quando acordei, estava deitado na cama e totalmente coberto. Minha cabeça girava um pouco e meu corpo doía  muito! Eu não me lembrava de muito coisa, estava tudo muito confuso. Olhei para o lado e dei de cara com o relógio, que marcavam 10:50 da manhã. Eu dormi por tanto tempo assim? O pior de tudo, é que não me lembro de ter bebido muito. Respirei fundo, apoiei minhas mãos na cama e me levantei com cuidado. Meu corpo estava pesado e muito, muito dolorido. Parecia que eu havia carregado um peso de 100kg, sem exageros! Fiquei um tempo sentado, esperando minha visão voltar ao normal, o que não demorou muito. Olhei em volta, vendo tudo escuro ainda, devido ás cortinas fechadas. Respirei fundo, sentindo um doce cheirinho de chá. Ah, como eu amo chá! Isso me deixou animado, e logo me levantei da cama. Calcei minha pantufa de coelhinho e vesti um agasalho. Enquanto caminhava até a porta e abria a mesma, senti algo estranho na minha barriga... Mas apenas ignorei e sai do quarto. Assim que desci ás escadas, ainda conseguia ouvir ás risadas do meu grupinho de amigos. Ah, como eu os amo! Fui me aproximando da cozinha, mas parei no meio do caminho ao ver uma figura acastanhada em pé, ao lado do moreno. Meu corpo praticamente congelou, me deu uma tremedeira do nada, e minhas vistas começaram a ficar embaçadas. Eu preferia ter sofrido de amnésia... Eu não conseguia prosseguir e nem retroceder. Eu apenas fiquei ali parado, encarando ambos, vendo como eles riam juntamente aos meus amigos. E foi quando minha memória ressurgiu das cinzas e eu me lembrei da cena escrota que presenciei ontem. E me lembrei do motivo das dores do meu corpo... Eu agora podia dizer que eu odiava Sehun com todas ás minhas forças! Antes que minha presença fosse notada ali, eu me virei, caminhando apressadamente para ás escadas. Mas era tarde demais.

- Hannie, acordou tarde. Vem, deixei o seu chá prontinho do jeitinho que você gosta! -Ouvi a doce voz do loiro e contorci minha boca.

Luhan, não vira, não vira, não... Tarde demais! Me virei e notei que todos me olhavam de forma fixa, principalmente os dois abutres! Respirei fundo, forçando um sorriso e lutando contra ás minhas benditas lágrimas. Xiumin veio em minha direção e me puxou pelo braço, me levando para onde estavam todos os outros. Chanyeol puxou uma cadeira pra mim e assim que sentei, Xiumin colocou a xicara a minha frente.

- Obrigado... -Tentei fazer minha voz soar menos chorosa possível.

- Hannie, você está bem? -O moreno parecia preocupado e colocou sua mão sobre a minha.

Eu fiquei o olhando por um tempo, olhei para a mão dele, olhei para o acastanhado e senti uma enorme ânsia. Rapidamente me levantei da mesa e corri para o banheiro, onde só deu tempo de abrir a tampa da privada e tudo de ontem havia sido posto para fora. Minha cabeça voltou a girar e meu peito se apertou de uma forma tão grande, que eu não consegui me segurar. Depois da terceira tentativa de rejeitar o que se encontrava em meu estômago, lavei a boca, sentei-me no chão e levei ás mãos a cabeça.

Eu havia dormido o suficiente, agora era hora do meu organismo sofrer por tudo que não sofreu ontem. Lembranças foram invadindo minha mente e minhas lágrimas saiam como cachoeira... Me deitei no chão, abracei meus joelhos e chorei de forma desesperada, como se minha vida dependesse daquilo. O que eu fiz de errado? Porque ele mentiu pra mim? Pra quê me enganar desse jeito? Eu machuquei ele de alguma forma? Eu alguma vez o humilhei sem perceber? Eu não compreendia mais o que estava acontecendo.

E derrepente me veio a mente os dias em que ele chegou para mim, me abraçou por trás e disse o quanto eu era especial. Ás vezes em que ele me olhou nos olhos, apertou firmemente minha mão e disse que estaria ao meu lado. O dia em que me entreguei para ele de corpo e alma, e ele fez a minha primeira vez ser mais que especial... E como pó jogado ao vento, e cinzas levadas embora pela chuva... Eu vi essas lembranças sendo corrompidas pela lembraça de ontem e a nova visão que eu tinha dele. Como ele pôde? Chamar meu nome enquanto estava com outro? Como ele conseguiu ser tão frio? a forma como ele o beijou, como ele colava ambos os corpos... Isso havia se gravado na minha memória. Em certo momento, eu não conseguia mais chorar, e apenas os soluços ecoavam pelo banheiro. Minhas pálpebras se fechavam lentamente e meu peito ardia mais e mais... Mas nada eu podia fazer.

Em certo momento acho que eu adormeci de tanto chorar. Abri meus olhos lentamente e com muita preguiça, já que meus cabelos recebiam afagos tão carinhosos e afetivos. O perfume ao meu lado era doce e suave, tão terno... Aos poucos fui erguendo a cabeça para poder ver quem era a pessoa que estava sendo atenciosa comigo. Foi quando eu vi aquele sorriso... O sorriso que eu sempre amei, o sorriso que conseguia me tranquilizar. E foi esse sorriso que me fez novamente chorar... Me sentei subtamente e abracei o corpo do menor, o apertei firme, como se ele fosse o meu porto seguro. Mesmo sem nem ter mais o que chorar, eu chorava, e chorava muito. Ele afagou minha nuca e passou ás mãos por minhas costas, em busca de me consolar.

- Me perdoe Xiumin... Me perdoe! Eu deveria ter acreditado em você... -Dizia em meio aos prantos, o apertando cada vez mais.

- Shh... Calma, Hannie, calma. -Sua voz era calma, como se me passá-se segurança.

- Eu... Eu nunca ia imaginar que ele seria capaz disso... Nunca... -Comecei a fungar de uma forma nada fofa, enquanto abria os olhos.- Eu amava ele, Minnie... Eu ainda o amo. Como ele foi capaz?

- Hannie, tem coisas que  são difíceis  de explicar. Mas embora sejam doloridas, acontecem por uma boa causa. -Me afastou um pouco, ergueu minha cabeça e me olhou nos olhos.- Hannie, seja forte... Você precisa. Você tem que mostrar para ele que você supera, huh?

Eu o olhei por um tempo, ainda me sentia confuso. Respirei fundo, passei a mão no rosto e enxuguei bem meus olhos. O xiumin tinha razão, eu precisava superar isso, precisava mostrar para ele o que ele havia perdido. Mas confesso, isso não vai ser nada fácil.

- Você tem razão... Eu não posso ficar chorando pelos cantos, eu preciso superar isso. -Vi xiumin se levantar e estender a mão para mim. Segurei na mesma e me levantei, olhando diretamente para o espelho.

- Certo, no início  vai ser um pouco difícil, mas você vai conseguir. E bem, eu vou lhe ajudar! -Ele estendeu a mão para mim e eu fiquei olhando por um tempo. Olhei para meu reflexo e olhei novamente para ele.

Assim que vi o sorriso do menor, me senti mais motivado para iniciar essa nova fase da minha vida, cujo, Oh Sehun não constava nela. Segurei na mão dele e permiti que o mesmo me arrastá-se para fora do banheiro.


~Quebra de Tempo~


Agora estávamos  no meu quarto. Eu estava sentado na cama, enquanto xiumin apareceu na minha frente com um quadro negro e o pendurou na frente do espelho. Ele pegou  um giz e começou a rabiscar algumas coisas, e assim que terminou, ele saiu da frente e revelou para mim. O quadro contia algumas coisas escritas, mas o que me chamou a atenção foi o nome do projeto. "7 Dias para me amar" eu cocei um pouco os olhos e o olhei um tanto confuso. Era um nome cômico, talvez possa dar certo.

- Bom, primeiro iremos começar pela sua saúde. Luhan, quanto tempo faz que você não vai ao médico? -Pegou uma varinha e parou ao lado do quadro.

- Sei lá, talvez um ano e meio... -Minha voz saiu meio baixa e rouca, efeito do choro.

- Luhan, você precisa fazer um check-up de dois em dois meses. Já passou da hora de você ir ao médico. -Me repreendeu e não parecia nada feliz com isso.- Mas vemos isso depois, afinal ainda está em tempo. E ao dentista, quanto tempo?

Dei de ombros. Ah, qual é? Eu tenho medo de dentista, tá legal?! Ele balançou a cabeça em negativa e respirou fundo.

- Okay, primeiro vamos ao dentista, precisamos saber se está tudo bem com sua boca. -Ele se virou para o quadro e começou a fazer anotações.- Certo, segundo, vamos ver alguns exercícios  pra você fazer, você está muito sedentário.

Olhei meu corpo de cima á baixo e o fitei, franzido o cenho. Quem ele pensa que é pra me chamar de sedentarista?! Eu apenas economizo energias, oush! Me joguei na cama e fechei os olhos por um tempinho.

- Certo, a proxima parte, é cuidar da sua estética. O cabelo, você precisa trocar a cor desse cabelo, tem que inovar. Depois sua pele... Notei que você tem ficado com algumas marcas expressivas e isso não é bom. Em seguida vamos para suas unhas, elas são lindas, porém fraquinhas. E não menos importante... Vamos dar um Up nesse seu guarda-roupa.

Ele começou a falar e foi anotando cada coisa que iriamos fazer, EU pra ser mais preciso. Enquanto isso eu fiquei deitado na cama apenas ouvindo a toda ordem, me vi em um filme de princesas. Mas enfim, se você é curioso como eu, e quer mesmo saber como ficou essa lista, vou lhe dizer.

7 Dias para me Amar

1° Dia- Visitar um dentista.

2° Dia- Entrar em uma acadêmia e começar com exercícios básicos.

3° Dia- Ir ao espar, passar em um cabeleleiro para cuidar das estéticas das minhas unhas e mudar o visual do cabelo.

4° Dia- Ir ao shopping e fazer um Up no closet.

5° Dia- Me dedicar somente ao trabalho e mais nada.

6° Dia- Ter o dia inteirinho de laser somente para mim e na companhia de quem gosto.

7° Dia- Ir ao médico para um exame geral.

Confesso que me deu uma canseira só em olhar para tudo aquilo. Mas bom, Xiumin parecia bem empolgado, então isso me deu um certo incentivo... Mesmo que eu não visse como aquilo iria me ajudar á esquecer o Sehun. Mas se ele estava disposto e animado com isso, não custava nada tentar.


~Quebra de Tempo~


1° Dia. 

Xiumin veio no meu quarto e se jogou em cima de mim, como se fosse a coisa mais normal do mundo! Deitar em cima de uma pessoa ainda adormecida. Belo jeito de despertar alguém! Mas como um ótimo amigo que sou, eu apenas abri os meus belos olhos, me espreguissei e sentei na cama. Minha cara estava inchada, e eu mais queria estar deitado ainda. Mas ai lembro que meu melhor amigo, marcou um dentista para mim, plenas 06:00 da matina. Eu merezo! E assim foi um Luhan zumbi ter que levantar da cama, fazer sua higiene matinal. Como se não bastá-se, com um xiumin berrando á todo momento, dizendo que dessa forma a gente iria se atrasar. Como se eu tivesse ligando... Mas tudo bem. Dei um jeito de acelerar meus passos, escolhi a primeira roupa que caiu na minha frente e assim que dei um pé na bunda dele o expulsando do quarto, pude finalmente trocar de roupa.

Desci para o primeiro andar com uma animação de dar medo. Olha eu sendo sarcástico. Assim que coloquei os pés no fim do primeiro degrau, pude ouvir novamente aquelas risadinhas. Meus amigos riam juntamente ao acastanhado desconhecido, e meu coração se encontrava ainda em pedaços. Mas meus amigos não tinham culpa, eles não sabiam do ocorrido. Novamente xiumin apareceu em minha frente, ele me puxou, me arrastando para aquela cozinha. Eu já não gostava mais da cozinha, pra ser sincero, por que esse cara ainda está aqui? Enquanto eu segurava a xicara, algumas lágrimas começaram a escorrer pelo meu rosto.

- Você está bem? O que houve? -Lay me olhou preocupado, e assim que os demais o viram enxugar minhas lágrimas, olharam diretamente para mim.

Eu o fitei e sorri de forma triste, tentei segurar ao máximo meu choro, mas logo balancei a cabeça em negativa e o abracei forte, novamente voltando a chorar. Merda! Eu não podia chorar na frente deles, isso é humilhante. Um silêncio pairou pela cozinha, mas logo xiumin deu um jeito de criar uma situação favorável.

- Eu te disse pra não comer mais doce. Viu! Agora está ai com essa dor de dente forte. -Ele se aproximou de mim com um paninho.- Vem, vou te levar pro dentista.

- Eu posso ir junto se quiser. -Ele se pronunciou. Mas quem falou com ele mesmo? Se ele soubesse como eu estava com ódio dele.

- Obrigado, Hunnie. Mas eu mesmo o levo, pode deixar. -Me soltei do Lay e segurei a mão do Minnie, logo o seguindo.

Eu procurava não pensar no Sehun e nem em toda aquela situação, eu queria me ver livre disso... Mas parecia ser tão difícil. Assim que chegamos ao dentista, eu tentei deveras vezes ir embora, mas o xiumin sempre me impedia. Que coisa!

Chegou a minha vez, o dentista chamou meu nome e o xiumin me arrastou para dentro da sala, me sentei naquela poltrona tenebrosa e abri a boca como ele pediu. Ele deu uma olhada em meus dentes, olhou para o xiumin, olhou novamente para minha boca.

- O que vocês vieram fazer aqui mesmo? Ele tem os dentes perfeitos! Não precisa fazer nada aqui. -Ajeitou a cadeira e retirou ás luvas.- Continue cuidando da sua boca, se precisar algum dia, compareça aqui novamente.

Olhei pro Xiumin com uma cara de vitorioso e como recompensa por ter sido um bom garoto, ele me levou pra tomar sorvete.

2° Dia. 

De novo... Outro dia... Outra vez acordando cedo. Olhei pras minhas costas e lá estava o folgado, deitado em cima de mim na maior mordomia. Eu merezo! Fiz o mesmo processo, me levantei, fiz minha higiene matinal. Sai do banheiro, peguei a primeira roupa do closet e chutei o Xiumin para fora do quarto. Assim que troquei de roupa, sai do quarto, desci para o primeiro andar sem empolgação alguma... E novamente ouvi aquela mesma maldita risada. Me aproximei da cozinha á passos lentos, e segurei ao máximo para não chorar ali mesmo.

- Como foi no dentista? -Kris preparava a torrada para o Chanyeol, que estava sentado na ponta da mesa.

- o médico disse que ele tem dentes perfeitos! -Bendito seja Xiumin, todo entrometido.

- Uau, bom garoto, continue assim. -Sorri em resposta para o kris.

Xiumin colocou um copo em minha frente, o cheiro era terrivel! Será Que ele está querendo me matar? O olhei desconfiado e olhei pro copo.

- Toma, fiz agorinha. -Expôs seu belo sorriso doce. E o que eu fiz? Tomei aquela merda fedorenta.

O gosto era pior ainda! Parecia que tinha ovo estragado. O moreno olhou pro loiro um tanto quanto desconfiado.

- O que tem ali? -Sua curiosidade fora notória.

- Dois ovos, fermento e vitamina. -Ergueu a listinha e eu quase vomitei ali mesmo.- Vamos, está na hora.

Ele saiu de trás do balcão, pegou em meu braço e saiu me arrastando para o jardim. Ele pegou o som, ligou na tomada e logo "Evil" começou a ecoar pelo local. Xiumin parecia um louco, disse que ia começar com coisas leves, mas já iniciou pedindo vinte agachamentos, vinte e cinco pés de chinelo, quinze flexões, trinta abdôminal. Por fim, uma corrida de 30km. Eu estava somente o caco!

O fim da tarde chegou, ambos tivemos a necessidade de tomar um banho, mais uma vez tomamos aquela porcaria terrível e fomos para a acadêmia nos encontrar com o personal treinee dele.

3° Dia

Meu corpo está praticamente quebrado, e sinceramente? Eu não me levanto da cama hoje por nada nessa vida! Eu quero mesmo é dormir, descansar, hibernar. Estava em um sono delicioso, quando sinto como se um pacote de chumbo fosse arremesado em cima de mim. Deu apenas tempo de berrar, céus! Parece que meus ossos foram triturados. abri imediatamente os olhos e ergui a cabeça, dando de cara com um Xiumin sorridente. Ai. Meu. God! Esse menino não sente dor não?! Não é possível, eu estou todo quebrado e ele ainda acha forças para se jogar em cima de mim. Isso que é vontade de cometer maldade, seloko!

- Vamos Luhan, a gente precisa sair logo, temos horário marcado. -Empurrou meu corpo para fora da cama, como se fosse a coisa mais natural do mundo!

Apenas revirei os olhos e novamente me enfiei dentro daquele banheiro. A dor estava tanta, que dessa vez até a água fez meu corpo doer. Sai do banheiro, caminhava parecendo que tinha sido atropelado por um caminhão, só pra constar. Abri o closet e peguei a roupa que Xiumin havia separado, pois nada mais justo, já que ele quebrou os ossos do meu corpo. Dessa vez ele não estava no quarto, então pude trocar de roupa em paz.

Sai do quarto, e desci para o primeiro andar com a maior dificuldade do universo! Olhei em volta e vi que a porta se encontrava aberta. Escutei conversas vindo da cozinha, mas preferi ir ver o que se passava lá fora. Caminhei com calma, até porque eu estava dolorido por causa do chinchinla humana! E vi o mesmo colocando ás malas dentro do carro. Afinal de contas a gente ia morar lá?

- Vamos logo, não estou afim de ver aquele cara de porta hoje. -Adentrou no carro e como estava demorando, dirigiu o mesmo até mim.


~Quebra de tempo~


Ao chegarmos no espar, tive um dia de príncipe! Meu corpo estava totalmente revigorado, minha mente estava relaxada e meus músculos muito melhores que antes. Eu estava parecendo uma nova pessoa! O ar parecia até mais puro. O Minnie me levou para um salão perto e elas tiveram todo o cuidado para com minhas unhas, tanto da mão como do pé. Eu me sentia bem mais animado, relaxado e sem dor. Agora era hora de cuidar do meu cabelo... Pra ser sincero, eu não queria mudá-lo. Mas... Se o Xiumin havia se empenhado pra fazer aquilo, eu deveria confiar nele, certo?

- O que quer fazer? -O cabeleleiro perguntou diretamente para o Xiumin. Legal, um complo contra mim, é isso?

Xiumin sussurrou algo no ouvido dele e foi se sentar. O carinha me olhou com um sorriso gentil, me virou para o lado oposto do espelho e iniciou seu trabalho. Só pra constar, ele me vendou.

Depois de quase uma hora e meia, ele finalmente retirou a venda do meu rosto. Xiumin me olhava dos pés a cabeça boquiaberto, e algumas pessoas do salão até aplaudiram.

- Agora pode se olhar. -Descobriu o espelho e me encarou com expectativa.

Nossa, eu não tinha nem palavras para descrever... Esse cara havia feito um milagre! Ele conseguiu me deixar ainda mais bonito que antes... Esse corte, essa cor de cabelo... Eu estava amando esse meu novo visual. Passei a mão no meu cabelo azulado algumas vezes e sorri todo bobo, me virando pro Xiumin.

- Você está um verdadeiro gato! -Me abraçou forte e sorriu, olhando meu reflexo.

- Obrigado, Minnie... De verdade. -O abracei novamente e respirei fundo.

Saímos  do salão e entramos no carro, já saímos de lá no anoitecer, então Minnie decidiu ir direto para acadêmia e de lá voltarmos para casa.


Notas Finais


Eu sei, eu sei! Eu estou demasiada atrasada. Liberem o perdão pra mim, sim? Eu estava no curso. Bom eu só fiz postar e editar algumas coisas, então se tiver algum erro de português, me perdoem!! Eu irei ajeitar amanhã.

Deixe a opinião de vocês. @Kissus


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...