História 7 Sexy Brothers - Capítulo 41


Escrita por:

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Armin, Castiel, Iris, Jade, Kentin, Kim, Leigh, Letícia, Lysandre, Melody, Nathaniel, Personagens Originais, Rosalya, Viktor Chavalier, Violette
Visualizações 276
Palavras 3.898
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Ecchi, Famí­lia, Festa, Harem, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


A partir dos '****' foi a autora voluntaria que escreveu
Boa leitura <3

Capítulo 41 - Um lado dele que eu nunca vi


Fanfic / Fanfiction 7 Sexy Brothers - Capítulo 41 - Um lado dele que eu nunca vi

Espreguicei-me, lembrando do que eu teria que passar no dia de hoje, me joguei na cama novamente.

Mai: - Eu não quero iiiiir. - Me debati de um lado pro outro.

Só de pensar que eu vou ter que suportar o Castiel, sinto um calafrio percorrer meu corpo. Conseguia ouvi-lo falando “Você deve se sentir honrada por passar o dia comigo, poucas tem essa chance”, bufei e me levantei novamente.

Mai: - O quanto antes passar por isso, melhor. -

Arrumei-me e desci para ver Castiel debruçado sobre sua cadeira e a mesa com o café da manhã intacta.

Mai: - Estavas me esperando? - Perguntei enquanto me sentava no meu devido lugar.

Castiel: - É claro! Você preferia que eu te deixasse sozinha? -

Mai: - Não! Eu odeio me sentar à mesa sozinha. -

Castiel: - Eu sei disso, por isso fiz questão de esperar. -

Mai: - Que... -

Castiel: - Então... Vamos comer. -

Tomamos café da manhã em paz, o que na verdade foi um milagre já que Castiel não ousou fazer nenhuma piadinha.

Castiel: - Vamos ir pro ensaio da minha banda. - Castiel falou enquanto se levantava.

Mai: - Eh? Vai dizer que você esqueceu-se de desmarcar o ensaio no dia de sair comigo? -

Castiel: - Pf... Até parece. Eu quero que você vá ao ensaio. Quero que você veja o quão incrível eu sou tocando guitarra para que nunca mais fale que eu não faço nada. -

Estava demorando a começar, suspirei.

Mai: - Tudo bem vou me arrumar. -

Levantei-me e me dirigi ao meu quarto, troquei de roupa e fiquei lendo esperando o Castiel me chamar, o que não demorou a acontecer.

Entrei em seu carro e Castiel dirigiu até o seu pequeno estúdio, não conversamos durante a viagem por falta de assunto, não éramos tão próximos afinal.

Assim que chegamos Castiel rapidamente saiu do carro enquanto eu tirava o cinto de segurança, levei um pequeno susto quando a porta ao meu lado se abriu. Olhei para Castiel que estava com um sorriso bobo em seus lábios enquanto segurava a porta do carro.

Castiel: - Milady! -

Mai: - Que isso? Incorporou o Lysandre? - Dei uma risada, mas parei quando notei que Castiel não havia me acompanhado.

Castiel: - Tss. Eu sei ser um cavalheiro quando me convém. -

Mai: - Aham. - Respondi ironicamente, conheço o Castiel para saber muito bem que ele não sabe como realmente tratar uma garota.

Sai do carro e entramos no estúdio, uma sala fechada, para minha surpresa bem arrumada, havia equipamentos de áudio e instrumentos por toda a sala, todos bem organizados e bem limpos.

Mai: - Quem mantém o lugar assim? -

Castiel: - Eu. -

Mai: - Sim claro, que é você né. Noto pelo seu quarto completamente limpo. Sério quem? -

Castiel: - Sou eu Mairyanne, estou falando sério. Eu posso obrigar os outros á limparem, mas se não for eu mandar ninguém faz. -

Mai: - Então não é você quem limpa, você só manda. É bem você isso. -

Castiel: - Me senti ofendido. - Castiel disse com um sorriso de lado.

?: - Opa... Quem é a da vez? Essa ai é bem mais bonita do que você trouxe na ultima vez. -

Castiel olhou com raiva para o garoto moreno que ria descaradamente.

Castiel: - Mano que merda você ta falando? Não me confunda com o Erick. -

Um garoto loiro que estava mexendo na bateria parou e olhou para Castiel.

Erick: - Ow, ow... O que você ta falando? Você sabe muito bem que eu trago as garotas aqui para divulgar nossa banda. -

?: - Aham... E depois você as leva pra onde? Pra elas colarem pôsteres da nossa banda em seu quarto? - O garoto moreno perguntou.

Erick: - Isso já não é da sua conta Paulo. -

Eu observei a cena rindo enquanto os três continuavam brigando, era obvio o quão próximo eles eram.

Leandro que estava afastado também rindo de seus amigos se aproximou de mim.

Leandro: - Oi Mai. - O garoto de cabelos cacheados me cumprimentou com um beijo na bochecha.

O único da banda que eu já havia visto e conversado era o Leandro já que ele ia as vezes lá em casa falar com o Castiel.

Mai: - Oi Leandro. Vejo agora o quanto sua vida é difícil. - O garoto deu uma risada.

Leandro: - Realmente, é muito complicado lidar com esses caras. Mas é divertido. - o garoto respondeu com uma risada.

Castiel: - É verdade, aquela morena que você trouxe daquela vez também não saia do meu pé. Eu entendo que eu sou a definição de ‘perfeição’, mas, isso cansa às vezes. -

Castiel disse, ainda conversando com Erick e Paulo, o ultimo notou o meu olhar de ironia e não deixou passar.

Paulo: - É... Realmente, parece mesmo que todas as garotas ficam atrás de você, deve ser bem cansativo. Só não entendo o motivo de trazer a loirinha, já que né, você aparentemente não precisa mostrar seus dotes de música para conquistar as garotas. -

Nesse momento os três olharam pra mim.

Mai: - Eu também estou curiosa do motivo dele ter me trazido aqui. -

Erick de repente apareceu na minha frente e pegou minha mão.

Erick: - É uma honra conhecer tal beleza. Provavelmente Castiel conhece exatamente meu gosto, então te trouxe de presente pra mim e... -

Antes que Erick continuasse a falar Castiel me separou dele, me afastando dos três garotos.

Leandro: - Mas eu nem fiz nada... -

Castiel: - Você é o pior, se aproximou sem eu nem ver. - Castiel respondeu sério.

Paulo: - Já entendi tudo! O Deus Grego, Castiel, enfim, achou uma garota que ele não consegue conquistar! -

Erick: - Faz sentido, já que ela é a primeira garota que ele trouxe aqui. -

Mai: - Eu sou? - Perguntei incrédula - Não foi isso que o Paulo havia dito antes. -

Paulo: - Eu estava apenas tirando uma com a cara dele. - O moreno disse rindo.

Castiel: - Vocês podem fechar essa merda que vocês chamam de boca? - Castiel perguntou, seu rosto estava completamente vermelho.

Erick: - Ih, não é que o Paulo tem razão mesmo. -

Leandro que estava apenas rindo resolveu interferir.

Leandro: - Eles são irmãos, mas... -

Erick não esperou Leandro terminar e novamente de um jeito galante, como se fosse algo habitual, veio até a minha frente e pegou minha mão.

Erick: - Eu sinto muito por você. Ter que atura-lo todos os dias, mas... Se você me pedir com jeitinho eu posso te tirar do inferno e te levar ao paraíso. -

Castiel agarrou o braço de Erick que segurava minha mão, o olhando com o olhar mais mortal que ele havia, Erick até soltou um soluço.

Leandro: - ...eles não são irmãos de sangue. - Leandro completou enfim a frase.

Erick: - P-Porra Leandro, p-podia ter me falado antes. -

Comecei a rir, isso estava mais divertido do que aparentava que iria ser.

Paulo: - Enfim, desculpe-nos por essa bagunça, aparentemente ninguém aqui sabe como se portar diante de uma dama. Prazer eu sou o Paulo. - O moreno se virou para mim e disse com um sorriso gentil enquanto balançava suas mãos dando um ‘Tchau’.

Mai: - Oh... Pode ficar tranquilo. Eu estou acostumada com isso. Moro com 7 homens, e poucos sabem como lidar com uma dama. -

Castiel: - Eu sei. - A voz irônica de Castiel me fez rir.

Erick: - Eu sou o Erick, e infelizmente nosso amor vai ser separado pelo Castiel. Que tragédia. -

Castiel: - Erick, se você falar mais uma vez algo sobre ‘amor’ ou chegar perto dela. Eu juro que vou meter um soco bem no meio dessa sua cara. -

Erick: - Ok. Ok. Parei. -

Leandro: - Enfim, vamos para o que interessa? Acho que Mairy deve estar curiosa para nos ver tocar. -

Mai: - Estou! Quero ver o som que sai dessa bagunça de personalidades. -

Paulo: - Podemos ser bem diferentes, mas garanto que na hora da música a gente se entende. -

Mai:- Eu não duvido disso! -

Sentei-me em um sofá que havia ali e passei um bom tempo ouvindo eles tocarem e discutirem sobre suas músicas, odeio confessar, mas realmente Castiel manda muito bem na guitarra. E como Paulo disse, a sincronia dos quatro era incrível. Castiel parecia liderar com sua guitarra, Erick o seguia com sua bateria jogando todo o charme que podia, Paulo se divertia no baixo enquanto Leandro se entregava totalmente ao vocal.

Parecia que eu estava em um show de uma banda realmente famosa, eles não pareciam nada com iniciantes e eu não pude não me envolver, sempre os aplaudia no fim das músicas e quando tocavam uma musica que eu conhecia eu cantava junto mesmo estragando totalmente a harmonia dos rapazes.

No fim da tarde Castiel encerrou os ensaios dizendo que tinha que me levar em outro lugar, me despedi dos garotos e Castiel me levou até uma sorveteria.

Chegando lá a atendente que parecia conhecer Castiel veio nos atender.

Atendente: - Castiel... Quanto tempo. Você está lindo como sempre. -

Castiel: - Obrigada. - Castiel respondeu sem interesse, ele puxou a cadeira para mim sentar.

Atendente: - E então? Quando nós vamos sair? - A garota perguntou, esquecendo-se completamente que estava trabalhando e ignorando minha presença ali.

Após se sentar, Castiel olhou a garota com olhos frios.

Castiel: - Não vamos sair. Não lembro de ter te convidado para sair. Então se possível pode fazer o seu TRABALHO direito e pegar nosso pedido? Ou eu vou ter que chamar o gerente? -

A garota de recompôs, um tom de vermelho podia ser visto no seu rosto. Depois de fazermos o nosso pedido, Castiel se voltou para mim.

Castiel: - Desculpe por isso. - Ele disse em um tom sério, sem nenhuma brincadeira, o fitei desconfiada.

Mai: - Você não vai falar algo tipo ‘Não posso evitar, sou muito gostoso?’ -

Castiel deu uma gargalhada antes de me responder.

Castiel: - Não. Eu quero te mostrar que eu sei ser ‘normal’ às vezes. -

Mai: - Dou 20 minutos até que você volte ao normal. -

Castiel: - Ah é? É isso que você pensa de mim Mairyanne? - Dei uma risada.

Nosso pedido logo chegou, conversamos sobre coisas banais, descobri algumas coisas que eu nem sabia sobre Castiel.

Devo dizer que eu estava um pouco desconfortável. Nunca havia conversado tanto com ele, pois ele sempre começava com brincadeiras idiotas que me faziam evita-lo. Mas eu não podia dizer que eu desgostava da atitude de Castiel, algumas das brincadeiras dele eram boas e eu sempre o vi com esse tipo de personalidade. O jeito que ele toca ou o jeito que ele tem me tratado hoje, eu nunca havia visto este lado de Castiel, seu lado sério.

Eu não posso mentir, eu estava um tanto corada recebendo tanta atenção de Castiel dessa maneira. Várias garotas passavam por nós, tentando chamar a atenção do ruivo, mas ele fingia que nenhuma delas existia, ele somente olhava pra mim, o que me fez perceber que ele realmente gostava de mim. No inicio eu achei que ele estava ali apenas por diversão, mas hoje ele me provou que não era isso.

Chegamos em casa, eu ainda estava desnorteada com tudo o que havia acontecido.

Castiel: - Você quer pedir alguma coisa pra janta? Eu estou com vontade de comer pizza faz um tempo. -

Eu o olhei, mergulhei meus olhos naquele olhar cinza, procurando algum indicio de que ele estava fingindo.

Não! Eu conheço o Castiel. Ele não é assim. Ele está me tratando desta forma apenas para brincar comigo e depois dizer ‘Eu disse que todas caem nos meus encantos’. Mas... Por que eu não encontro nada que prove isso?

Mai: - Já ta tudo bem. Você não precisa mais fingir. Eu confesso que você pode ser bem atraente quando você quiser. - Castiel parou abruptamente e se virou para me fitar, com uma expressão de duvida.

Castiel: - Oi? -

Mai: - É... Eu sei que você fingiu ser atencioso comigo para depois me zoar. Você pode parar agora. Eu não vou cair nessa. -

Castiel me fitou, um misto de expressões passou pelo seu rosto antes que me ele me olhasse com raiva.

Castiel: - Por que? Por que, Mairyanne, eu sou o único que você não leva a sério? Por que você tem sempre que me tratar dessa maneira? Achando que eu estou sempre brincando com você. Várias vezes eu tive que fingir que eu realmente estava brincando para que você não ficasse me olhando com essa expressão de “Eu sabia o tempo todo”, mas eu cansei. Eu estava realmente sério hoje. Assim como nessa competição. - Eu o fitei prendendo minha respiração. - Mas parece que não importa né? Eu sou o único que você despreza. Eu entendi. -

Castiel virou as costas e subiu para seu quarto em passos pesados. Eu fiquei em pé no meio da sala por um tempo antes de me dirigir para meu quarto.

Eu estava confusa.

Ele estava realmente sério? Ou isso é coisa da minha cabeça? Ele está me fazendo de boba novamente? Essas perguntas continuaram na minha cabeça conforme o passar da noite.

Após meu banho eu me joguei na cama, me virando de um lado para o outro.

Mai: - Eu falei merda. - Disse pra mim mesma enquanto levava minha mão até meu rosto, como se tampando de vergonha.

Mesmo ele tendo me tratado como uma princesa, me fazendo rir, me falando coisas que eu nem sabia sobre ele, eu ainda o tratei daquela forma. Eu ainda mereço ser disputada por tantos garotos maravilhosos se eu os trato dessa forma?

É verdade que o Castiel tem esse jeito brincalhão dele, e eu sei que ele consegue ser bem babaca às vezes, mas isso não é motivo para mim acreditar que ele não sabe ser sério.

Levantei-me da cama, decidida em acabar com essa minha agonia.

Me dirigi ao quarto de Castiel e bati na porta, não houve resposta, bati mais algumas vezes antes de decidir simplesmente entrar.

Castiel estava jogado no sofá com um copo de bebida na mão e com fones de ouvido, seus olhos fechados se abriram lentamente quando percebeu que estava sendo observado.

Ele me fitou, seu olhar raivoso fez um calafrio correr sobre mim.

Castiel: - Não sabe bater? - Ele perguntou se levantando e tirando o fone de ouvido.

Mai: - Eu bati varias vezes, você não escutou. -

Castiel: - Isso se deve ao motivo de eu não querer abrir a porta, então... - O interrompi.

Mai: - Escuta, me desculpe pelas coisas que eu disse. Mesmo depois de você ter me tratado tão bem eu ainda fui muito rude com você. - Castiel deu uma gargalhada irônica.

Castiel:- Você não foi simplesmente rude. Aquelas palavras realmente doeram Mairyanne e agora para você ficar de bem consigo você quer se desculpar para limpar sua consciência? Poupe-me. -

Mai: - Eu realmente estou arrependida, não estou aqui para limpar minha consciência. Eu só estranhei. - Suspirei ao notar que isso não estava tomando o rumo que eu gostaria.

Castiel: - Se isso é tudo, você pode se retirar. -

Mai: - Eu faço qualquer coisa. - Disse em um timbre envergonhado, essas palavras dirigidas ao Castiel poderiam se tornar uma bomba.

Castiel: - Oi? -

Mai: - Para provar que eu realmente estou arrependida. Eu faço o que você quiser. -

***************************************************************************************************************************************

Castiel: - Tem certeza que vai fazer o que eu quiser? -

Sua expressão furiosa se foi, o sorriso malicioso que ele lançou, me fez estremecer e ao mesmo tempo retroceder dois passos, suas mãos grossas me puxaram para seu peito largo antes que eu me afastesse mais.

Castiel: - Você gosta disso tanto quanto eu! - Sua língua deslizou pelo meu pescoço, dando leves chupões no local, colo os nossos corpos querendo sentir a sua pele quente.

Mai: - Por que você sempre brinca comigo? - minhas mãos descem pelo seu ombro tirando a sua jaqueta.

Castiel: - Eu nunca te uso. - sua voz grossa sussurra próxima a minha orelha, e a minha calcinha fica completamente molhada.

Ele me ajuda a tirar a sua jaqueta, seguro a barra da sua camisa e tiro a mesma deixando o seu peitoral definido à mostra, jogo a peça em qualquer lugar da sala. Meus lábios descem pela veia do seu pescoço fazendo carinho no local e paro em seu ombro, ele me aperta contra o seu corpo.

Droga! Castiel é gostoso demais, é praticamente impossível resistir ao seu toque.

Meus dedos deslizam pelos seus músculos desejando ter o seu corpo em cima do meu, me fazendo gemer manhosa, ter todo o prazer que Castiel pode me proporcionar. Meus ombros caem quando Castiel beija os meus lábios com calma e posso desfrutar o gosto de bebida na sua língua, meus dedos se enfiam entre os seus cabelos vermelhos e lisos e me entrego completamente ao nosso beijo. Impulsiono o meu corpo a ficar o mais colado possível do dele.

Suas mãos descem pela lateral do meu corpo, decorando as poucas curvas existentes em mim. Meu corpo se contrai e me sinto pequena e protegida nos seus braços.

Castiel me pega em seus braços e caminha até a cama, enquanto me segura pela bunda e faço questão de beijar os seus lábios deliciosos.

Cada passo em direção à cama me faz ficar ainda mais nervosa e aumenta calor entre as minhas pernas. Ele me prende contra a parede, gemo baixo e arranho as suas costas, então os seus lábios capturam os meus em um ato meio bruto e um tanto excitante.

Suas mãos grossas apalpam as minhas coxas que envolvem a sua cintura, ele eleva os meus braços para cima da minha cabeça e a minha respiração ficam ofegantes quando sinto a sua boca no meu pescoço dando chupões molhados.

Mai: - Castiel - Gemo o seu nome.

Castiel: - Faz apenas algumas horas que não te vejo e mesmo assim quero te tocar - seus olhos cinza se fixam aos meus, ele desliza delicadamente as pontas dos seus dedos nos meus lábios e descem em direção aos meus seios.

Mai: - Castiel, eu... - nem consigo terminar de falar, pois Castiel me coloca no chão quebrando o contato das nossas intimidades e me vira para cama me deixando de costas para ele. Quero reclamar, quero senti-lo entre as minhas pernas, quero ter o seu corpo para mim.

Castiel: - Você é tão gostosa, Mai - ele sussurra na minha orelha.

Minha camisola desce lentamente pelo meu corpo me deixando apenas de calcinha, sinto um frio na barriga quando vejo os seus dedos longos descerem pelo meu ventre e entrar no tecido minúsculo. Tombo a cabeça para trás, apoiando todo o meu corpo no seu tronco, minha mão agarra o seu braço e me controlo para não arrancar o pedaço da sua pele. Ele sabe tão bem o que tem que fazer.

Ele beija o meu ombro e os seus dedos acariciam a minha intimidade sedenta, que implora para ser fodida. Sua mão sobe pelo meu pescoço e para perto da minha boca, chupo o seu dedo e Castiel solta um gemido rouco.

Castiel: - Mai, caralho, eu vou te foder. - o sussurro na minha orelha me faz suspirar.

Sem piedade ele introduz dois dedos na minha intimidade que está tão molhada que chega a incomodar. Inclino o meu corpo para frente empinando a minha bunda para ele, que começa movimentos excitantes dentro de mim com os dedos.

Mai: - Castiel, assim não... - gemo manhosa.

Castiel me vira, agarra a minha cintura e me joga na cama. Rapidamente me sento no colchão e tiro a calcinha ao vê-lo tirar a calça com cueca, observo o ruivo alto na minha frente completamente nu, admiro seu corpo escultural. Minha mão envolve o seu pênis iniciando movimento lento, fico em pé bem à sua frente, desço os meus beijos pelo seu pescoço, passando pelo seu peitoral, tanquinho, e volto a me sentar na cama e passo a língua pela sua glande e ele geme baixo, começo a chupá-lo lubrificando o seu pênis com a minha língua.

Castiel: - Se você continuar assim eu vou gozar - sua mão acaricia a minha face.

O seu corpo gostoso vai me deitando lentamente na sua cama, olho fixamente para os seus olhos me sinto um pouco nervosa e excitada ao extremo. Sua cintura se encaixa entre as minhas pernas, e o meu corpo relaxa no colchão quando sinto o seu pênis entrar em contato com a minha intimidade. Voltamos a nos beijar, tentando acabar o fogo de desejo em nós dois, gemo em seus lábios macios quando sinto as nossas intimidades se tocarem novamente, mas ele não me penetra.

Mai: - Não me maltrata - peço em um gemido desesperado.

Castiel se inclina sobre mim partindo os nossos lábios, sua pele quente se afasta da minha e os seus olhos estagnam aos meus. Passo a língua entre os lábios ansiosa. Minha testa se franze e abro a boca minimamente quando o sinto me penetrando aos poucos, ele continua me encarando como se estivesse achando excitante me ver implorar ainda mais pelo seu toque.

Castiel deita-se novamente sob mim, mexendo o seu quadril me dando estocadas cada vez mais fundas, subo as minhas mãos pelas suas costas lisas cravando as minhas unhas no topo, e vou arranhando com força. Não paro de beijá-lo e de sentir todo o seu corpo, aproveitando o momento que ele se entrega para mim, assim como eu estou entregue a ele.

Ele apoia as mãos de cada lado da cama para manter o equilíbrio, subo uma perna pelo seu quadril, e sinto os seus movimentos sob o meu corpo. Levo as minhas mãos para o seu pescoço, volto a beijá-lo, a sua língua invade a minha boca sugando a minha com pressa, e sinto os movimentos de penetração mais acelerados.

Castiel: - Mai! - Me esforço para encostar as nossas testas para me deliciar com a forma que os seus lábios se mexem ao dizer o meu nome em um gemido tão excitante, depois desço para o seu pescoço voltando a fazer carinho em seu ponto de prazer.

Desço os meus lábios para o seu queixo, mordo o seu maxilar, encosto as nossas testas e os meus lábios se entreabrem deixando o seu nome escapar em meio os meus gemidos. Encaro seus olhos cinza, arranho suas costas com força, franzo a minha testa ao sentir todos os músculos se contraírem, as minhas pernas tremem de uma forma que não consigo controlar, e gozo em seguida. Castiel enfia os dedos nos meus cabelos, relaxando todo o seu corpo quente sob mim, a velocidade dos seus movimentos vai diminuindo aos poucos, e quando acho que ele cansou sinto o seu líquido jorrar dentro de mim, depois Castiel cai ofegante ao meu lado.

Castiel: - Uma pena meus irmãos não estar em casa, eles iriam ouvir como você gemeu meu nome alto.

Castiel não perde a oportunidade de se elogiar, conseguindo arrancar uma gargalhada minha em meio ao meu estado de cansaço pós-orgasmo.


Notas Finais


Então a autora dessa vez foi: TiaClara
Perfil: https://www.spiritfanfiction.com/perfil/clarahelen
Muito atenciosa e com uma escrita de tirar o fôlego, mesmo eu tendo dado um pequeno desafio por ser o paquera que ela não tem afinidade, ela sinceramente arrasou no hot <3
Obrigada pelo apoio TiaClara <3

***UPDATE***
Então, acabei de ter uma surpresa ganhando um trailer da fic que a própria TiaClara fez <3
Eu fiquei MUITO feliz, nunca imaginei que a fic ganharia um.
Link: https://youtu.be/nbb38ADZz0w
Espero que vocês gostem tanto quanto eu gostei :33
Novamente, obrigada TiaClara <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...