1. Spirit Fanfics >
  2. 90 dias! - Scorose >
  3. Amor

História 90 dias! - Scorose - Capítulo 11


Escrita por:


Notas do Autor


OI OI OI MEU POVO!
turu bom com vcs?
Vamos conversar um pouquinho?

Seguinte, sabemos que o mundo está de quarentena hoje né, tá um saco eu sei, mas FIQUEM EM CASA!
Sou enfermeira, por isso as postagens continuaram atrasadas como sempre,, hahaha só que eu estou de férias do hospital, trabalhando apenas no home care que eu atendo, volto para o hospital dia 01/04 e como tenho asma estou num cagaço gigantescooooo, vcs não tem ideia! Ja falei pra Deus 1.347.764.234 vezes que eu não quero morrer!
Se eu sumir definitivamente já sabem né? hahahaha brincadeirinha...
mas eu gostaria de fazer um pedido sincero agora, mandem muita luz, orem por mim e pelos meus colegas, mas principalmente, fiquem em casa, sigam as recomendações e por favor não repassem fake news!

Enfim, é só,

Boa quarentena, que Deus nos proteja!

Boa leitura mores :)

Capítulo 11 - Amor


Fanfic / Fanfiction 90 dias! - Scorose - Capítulo 11 - Amor

 

Foram os segundos de silencio mais longos da história daquela família, pra logo depois ser quebrado por um coro de gargalhadas seguidas de gritos e falação. Rony se encontrava extremamente vermelho e Scorpius tinha um sorriso extremamente largo no rosto, ele havia de primeiro ganho do pai de Rose e agora havia uma promessa que precisava ser cumprida, mas antes de Scorpius dizer qualquer coisa, Rony se precipitou pra ele na clara de intenção de esganar o garoto. Harry se lançou na frente do sonserino, precisando de exagerada força para segurar o cunhado e Albus o puxou o melhor amigo para trás com medo do seu tio realmente mata-lo.

- VOCÊ TA MORTO MOLEQUE! – vociferou o ruivo pra cima de Scorpius

- Mas o senhor concordou! – Scorpius se defendeu, enquanto permanecia de olhos arregalados, e face totalmente indignada, observando o pai da amada tentar driblar a família para arrancar sua cabeça.

- So que isso não impede que eu te mate antes que você toque na minha filha! – rebateu o outro, James que ouvia tudo meio chocado meio divertido resolveu soltar um riso e uma frase irônica no exato momento em que a sala ficou em silencio esperando a resposta de Scorpius.

- Ele já fez mais do que tocar a sua filhinha – o pensamento dito em voz alta teve várias reações na sala, Ron que já estava muito vermelho agora parecia que iria explodir, se lançou pra cima do garoto que foi colocado atrás do melhor amigo, enquanto esse ralhava com o irmão com a falta de senso do mesmo, o ruivo agora era segurado por Harry, Percy e Fred ll, enquanto proferia ofensas raivosas ao loiro que parecia alguns tons mais pálido e prestes a desmaiar, Jorge contudo se dobrava de tanto rir da cena, claramente não ajudando em nada e o alvoroço fez com que as mulheres entrassem na sala e as meninas descessem dos quartos.

- SILENCIO! – com a varinha na garganta e uma expressão nada amigável no rosto a voz da ministra se fez presente – o que está acontecendo aqui Ronald Wealey? – falou irritada, após avaliar a situação se colocando no meio da roda que havia se formado.

- Nada! – o ruivo resmungou irritado desviando o olhar para não encarar a esposa, já havia sido solto pelos homens da casa porque se havia alguém que conseguia dobrá-lo apenas com um olhar esse alguém era Hermione.

- Não me venha com nada e esse nariz empinado na minha direção, eu quero saber o que esta acontecendo aqui pra essa confusão e se você não quer contar, alguém que fale! – reclamou olhando para os demais.

- Eles apostaram a Rose tia e o Scorpius ganhou – James resumiu de forma equivocada o que tinha acontecido.

- Como é que é?! – o grito veio de mãe e filha, Rose já se encontrava do lado da mãe de braços cruzados, tão vermelha quanto o pai e tão irritada quanto a mãe.

- Rose, não é o que você está pensando – Scorpius já se adiantou pra ruiva que continuou o olhando esperando explicações, só que Ron não deixaria barato.

- É sim! Esse moleque quis ganhar você num jogo filha! – Ron soube que jogou baixo, mas pensar em ver a filha nas mãos de um Malfoy e um Malfoy que ganhava dele no xadrez, foi demais pra ele!

- Isso é verdade Scorpius? – ela perguntou para o loiro.

- Não! Rose não, era apenas o consentimento do seu pai, só isso! – se desesperou o sonserino, agora completamente irritado com o pai de Rose, ele a conhecia, esse tipo de coisa ela jamais aceitaria, o medo de que ela entendesse tudo errado começou a assolar o peito dele.

- É verdade Rose! Scor só apostou o consentimento do seu pai e agora que ele ganhou né tio Ron?! – Albus saiu na defesa do amigo, entendendo as intenções do tio.

- O senhor tentou me jogar contra o Scorpius mentindo pra mim papai? – a jovem tinha um olhar magoado pro pai que engoliu em seco antes de começar a gaguejar.

- Rosinha, filha, eu só quero o seu bem, esse moleque é filho...

- EU DECIDO o que é melhor pra mim papai, está ouvindo? – rebateu Rose nervosa – Isso – ela fez um gesto apontando o circo que eles haviam armado – é ridículo! Eu decido a minha vida, não preciso do consentimento dos meus pais – lançou um olhar sugestivo a Scorpius que abaixou a cabeça – Não preciso da sua autorização pra namorar papai, eu acho, pelo o menos foi isso que sempre pensei, que fui muito bem criada, educada e amada pelo senhor para saber o que é melhor pra mim, pensei que confiasse em mim.

- Filha, eu confio... – o pai tentou se explicar, mas Rose apenas levantou a mão para que ele se calasse, a verdade é que Rose estava com ânimos abalados a dias, piorando tudo com os acontecimentos daquele dia e agora o seu pai estava tentando jogá-la contra Scorpius, o que só dificultava mais ainda as coisas, pois ela queria primeiro se entender consigo mesma e com Scorpius para depois ter que lidar com rixas familiares e todo o ciúme do seu pai.

- Não é o que parece – ela lançou um olhar magoado para Scorpius que se desesperou ainda mais, olhou para todos os homens e projetos de homens ali presentes – acabem com esse circo – falou se retirando da sala a caminho dos jardins.

Scorpius se precipitou atrás dela, tendo o braço segurado pelo pai da garota – Onde você pensa que vai?

- Vou ver como ela está, a conheço bem o suficiente pra saber que está muito magoada! – Scorpius vociferou para o homem e antes que ele pudesse responder teve o pulso segurado pela esposa que o fuzilava com o olhar

– Vá atrás dela querido, tenho uma conversa para ter com o meu marido, em casa – dizendo isso ela conseguiu que o menino fosse solto e fizesse o mesmo caminho de Rose.

- Vamos embora Ronald.

- Vá chamar sua irmá Hugo – pediu ele.

- Nem se de ao trabalho querido, vocês continuarão aqui, vamos apenas nós dois, temos muita roupa suja para ser lavada – ele não respondeu mais nada, amarrou a cara da forma mais emburrada possível e se despedindo de todos seguiu a esposa até a lareira.

- Será que hoje o tio Ron apanha? – James quebrou o silencio após os tios sumirem na lareira.

- Se ela estiver brava nível “abandonada em plena guerra” ele apanha! – Harry respondeu fazendo todos rirem.

**

 

- Rose!

- Rose! Aonde você está indo? – Scorpius gritou quando a alcançou, ela ia a caminho das colinas que existiam ali por perto, marchando de forma rápida e firme numa postura irritadiça.

- Vá embora Scorpius! – gritou tentando se desvencilhar dos braços dele quando o loiro a alcançou, sem sucesso.

- Eu não vou! Não vou até saber como você está, até se acalmar! – a prendeu em seus braços, mas Rose se desvencilhou dele voltando a andar e a gritar.

- Já falei pra ir embora! – gritou, mas o loiro a alcançou a segurando e a prendendo entre seus braços.

- E eu já falei que não vou! – rebateu bravo – Você não acreditou no seu pai não é? – perguntou e a ruiva que antes o encarava desvencilhou o olhar, mas negou com a cabeça – Rose fala comigo.

- Acredito em você tá bom? Mas me deixa em paz por favor! Não é porque acredito em você que engoli toda essa história, então me deixa! – pediu e Scorpius teria deixado se ela tivesse se movido um pouco para sair do abraço. A falta de atitude dela o encheu de esperança.

- Eu deixo, seja sincera comigo Rose, peça pra eu ir embora, diga que não quer nada comigo, que não gosta de mim, olhando nos meus olhos e eu juro que vou embora e nunca mais te perturbo -  Rose que lutava contra as lágrimas finalmente se deixou abraçar e que toda a agitação de seus sentimentos fossem extravasadas – do que você tem medo Rosie?

- De você, de mim, de sentir... – respondeu chorando mais e sendo abraçada mais forte pelo loiro.

- De sentir o quê linda? – ele perguntou paciente enquanto afagava os cabelos dela e dava beijos leves em sua cabeça.

- Tenho medo do ruim Scar, de me decepcionar, de sofrer – ela finalmente havia parado de chorar e olhava pra ele, estava quebrada dentro de seus medos, Scorpius não podia garantir nada a ela, mas de uma coisa ele sabia, a amava de todo o seu coração.

- Eu amo você – disse colando a testa na dela de olhos fechados e Rose abafou um soluço – me deixe amá-la, por favor, não posso garantir que não haverá chateações ou que eu farei a coisa certa sempre, mas me deixe te amar – ele pediu num sussurro, Rose sorriu e concordou.

- Tá! Só que isso não significa que temos que falar pra todo mundo e... – a tagarelice que ia começar foi interrompida por um beijo, um tanto avassalador, que lhe roubou o ar e amoleceu as pernas, fazendo com que ela se agarrasse mais ainda aquele loiro, quando eles se separaram ficaram um momento apenas se olhando e sorrindo.

- Onde você estava indo? – Scorpius finalmente fez a pergunta que estava pairando em sua mente desde o momento que a viu ir tão determinada para as colinas, Rose em resposta sorriu e o puxou pela mão.

- Vem comigo!

Os dois seguiram e logo estavam em uma pequena mata, com várias arvores frutíferas compondo o ambiente, Rose se aprofundou mais e em uma clareira logo ele observou uma casa na arvore, meio torta, desproporcional ao tamanho em relação a arvore em que estava e claramente segura por magia, ela foi para as escadas e o sonserino a seguiu.

- Meu avô construiu essa casa para os meus tios e ai o meu pai me mostrou onde ficava – explicou assim que entraram na casa da arvore, não havia muito pó, apesar de ser algo tão antigo, eles cabiam em pé, mas se Scorpius fosse dez centímetros mais alto ele bateria no teto com certeza, havia um fogão de madeira e algumas estantes, ele ainda olhava tudo com um sorriso torto no lábio quando Rose se abaixou para abrir um piso de madeira e tirar de lá um cobertor enrolado em um saco, ela abriu e estendeu no chão, o loiro se surpreendeu porque o cobertor não tinha cheiro de mofo ou poeira – Encantamentos para que todo o interior se conserve limpo – respondeu ela adivinhando o motivo da expressão de surpresa no rosto do loiro.

Eles sentaram no cobertor e Scorpius a abraçou a puxando pra si – Toda a sua família tem conhecimento dessa casa?

- Sim, mas dificilmente alguém vem aqui, eu sou a única problemática a querer me isolar com frequência – falou em tom de brincadeira, mas Scorpius não riu, ele sentiu a dor por trás das palavras dela.

- Você não é problemática Rose – ele falou e eles se olharam, se encarando por um tempo, oceano no ceu cinzento e Scorpius a beijou de novo.

Dessa vez ninguém iria os interromper e aí é que estava o problema, ele tinha que se controlar, um pouco difícil tendo a pele macia do pescoço de Rose ao alcance dos seus lábios e tendo a garota tão derretida em seus braços, quando deu por si já cobria parte do corpo dela com o seu, Rose suspirava com as carícias do loiro e as mãos passeavam livremente pelo corpo um do outro, foi quando ela fez menção de tirar a blusa dele que Scorpius se deu conta do que estava por vir e parou.

- Aqui não Rosie – sorriu ao ver o olhar de decepção dela

- Mas ninguém vira aqui – ela insistiu, unhando novamente as costas do loiro, fazendo com ele suspirasse.

- Rosie, é sério, olha eu nunca estive com uma garota que fosse a primeira vez dela – começou a se explicar, mas foi interrompido quando Rose emburrou.

- Vai falar das suas ex’s e peguetes agora? – ela estava brava e Scorpius não aguentou e riu.

- Você realmente tem a quem puxar hein – ele desfez a cara emburrada dela com cosquinhas – é sério ruiva, minha mãe teve “A conversa” comigo, pode ser muito desconfortável para a garota na primeira vez, não quero que seja assim, quero que seja especial.

Dava pra ficar mais apaixonada ainda? Dava! Ela sorriu derretida rolando sobre ele e o beijando, apesar do desejo palpável iria com calma.

Eles ficaram um tempo trocando carícias, conversaram sobre a situação de James e Dominique e até a deles próprios, não houve a palavra namoro, não foi citado eles assumirem sobre o relacionamento deles para a família, ambos tinham plena consciência que estavam indo com calma, eram nascidos de famílias rivais, havia um passado sombrio sobre eles e por mais que não quisessem eram a continuação de uma história, aquela união, entre Weasley e Malfoy precisava ser pensada e feita com calma.

Voltaram para a toca caminhando lado a lado, já sorriam com brincadeiras e pegavam no pé um do outro com o desempenho em quadribol de ambos. Quando se aproximavam da casa Rose estranhou seu irmão saindo pela porta para correr em sua direção, apressaram o passo.

- Rose é Dominique, ela está sangrando! – falou apavorado e Rose correu em disparada pela casa, quando entrou foi informada por James muito nervoso de que a prima estava no quarto. Correu pelas escadas e quando entrou no quarto as mulheres se encontravam em volta da cama improvisada com Dominique deitada, Rose se aproximou e sentiu o peito apertar, a sempre tão linda, estava pálida, tinha uma sombra roxa embaixo dos olhos e aparentemente tinha febre, já que a sua vó fazia uma compressa de água fria na testa da prima, o vestido meia estação que Dominique usava encontrava-se manchado de sangue na parte inferior e ela tinha as mãos sobre a barriga como se quisesse proteger quem estava ali.

- Domi – chamou a prima que a olhou com os olhos já cheios de lágrimas.

- Rose, estou perdendo meu bebê! – se desesperou para a prima que segurou a sua mão enquanto tentava a acalmar, Ginny ergueu a saia da sobrinha para verificar o sangramento.

- O sangramento não cessou, precisamos de um medibruxo! – falou fazendo com que as mulheres dessem mais uma dose de alguma poção que Rose não conhecia para a garota e saíssem do quarto. O problema maior, Rose sabia, era achar um medibruxo naquela época do ano, os que estavam trabalhando se encontravam no St Mungus da onde não poderiam sair e aparatar com Dominique ou usar a lareira com ela naquele estado, estava fora de cogitação.

- Lily, fique com a Domi, eu já volto! – assegurou as primas e saiu seguindo as vozes que se encontravam todas na sala.

- Mas como levaremos ela nesse estado? – quem falava era seu tio Harry – de carro é longe, não podemos aparatar com ela e nem usar a rede flú, precisamos de um medibruxo aqui.

- A maioria está viajando Harry, os que estão trabalhando estão no hospital! – Angelina respondeu.

- Com licença, se vocês permitirem – Scorpius olhou receoso para o rosto deles – posso pedir para o meu pai voltar e atender a Domi.

- Mas seu pai não está no Brasil cara? – Albus perguntou e Scorpius assentiu.

- Querido, obrigada, mas não dá tempo, Rose ligue para a sua mãe, peça para ela vir até aqui, deve saber de algo para nos ajudar – pediu Molly, Rose assentiu mais Scorpius interrompeu novamente.

- Rose peça pra ela nos encontrar na minha casa, acredito que meu pai deve ter poções ou algum livro sobre gravidez que possa ajudar – Rose não respondeu de pronto, ficou olhando petrificada o sonserino, sem saber o que fazer.

- Ele está certo, por mais que Hermione conheça sobre poções, ela não as terá aqui, fale com ela querida – ordenou Arthur e um silêncio caiu sobre a casa, somente uma vez Hermione esteve na mansão Malfoy e não foi uma visita agradável.

- Eu vou com vocês, aparatamos lá – Harry informou Scorpius que assentiu observando Rose falar com a mãe ao celular.


Notas Finais


E aiiiiiii? Gostaram?!
Que será que vai ser não é mesmo? Nem eu sei hahahaha
Tadinha da Domi :(

Ah povo, vou escrever uma nova fanfic, inspirada na série do netflix "Anne wite an 'E'", é Romione para os fãs, acho que vai ser legal, mais ainda é só um projeto, me mandem muita luz para que eu mande esse bloqueio criativo pra PQP!

Beijos mores e comentem!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...