1. Spirit Fanfics >
  2. 90’s Summer - Jikook >
  3. Capítulo 3: Rescue

História 90’s Summer - Jikook - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Atualização perto da hora do almoço, é isso aí 😜

Boaa leituraa 📖

Capítulo 3 - Capítulo 3: Rescue


Fanfic / Fanfiction 90’s Summer - Jikook - Capítulo 3 - Capítulo 3: Rescue

Malibu, Califórnia ( EUA )


                        

          Jeon Jungkook Pv’s 




A cada minuto que passava eu ficava cada vez mais impressionado com o talento daqueles garotos e homens. Era incrível o talento que eles tinham com o surf, a maneira em que faziam suas manobras, a leveza em que conduziam a prancha pela água, tudo estava impecável.  Em alguns momentos eu discutia alguns pontos com os meus colegas de bancada sobre algum deslize na hora de conduzir a prancha, mas nada muito grande. Definitivamente aquela mini competição estava acirrada. 

Passadas exatamente uma hora e meia a competição teve seu fim. Todos se dirigiram em ficaram um ao lado do outro em frente a nossa mesa esperando o veredito. Tendo por fim o meu amigo Myles quebrando todo aquele silêncio. 



– Quero que saibam que independentemente de qualquer resultado, todos vocês foram excepcionalmente bem e arrisco-me a dizer que alguns chegariam ao meu patamar.    — Falou animado e todos rimos com sua alto estima inabalável. 


–  Sim, todos vocês foram muito bem, mas não quer dizer que não tiveram um deslize aqui e outro ali. E foi justamente isso que julgamos, portanto sem mais delongas vamos ao vencedor.   — Falei enquanto olhava o pequeno cartão que constava o nome do vencedor. 


–  E a pessoa que utilizou mais técnicas práticas do que arriscadas, a pessoa que conseguiu domínio completo da sua prancha é...  — Abri o pequeno cartão — Henry Samuel! 



O garoto em questão saiu correndo de onde estava nos cumprimentando e recebendo o seu prêmio. Era muito gratificante ver o progresso de todos eles, mesmo que os outros não tivessem ganhado, eles continuavam com os seus sorrisos em rosto, até porque, o surf nem sempre era competição, o amor e dedicação que cada um de nós tínhamos ao entrar naquelas águas valia muito mais do que qualquer prêmio. 



[...] 



Umas três horas depois que a competição acabou, eu comi um sanduíche natural em um quiosque em que eu frequentava, e fui direto para o meu posto de salva-vidas. Obviamente eu não trabalhava sozinho, e havia várias guaritas espalhadas pela praia, onde cada dia nos era designado um lugar diferente. O lugar ao qual eu estava me dirigindo hoje era um pouco afastado da maioria, geralmente as pessoas que vinham para essa parte da praia, eram pessoas que não gostavam de multidões ou ficar com muitas pessoas dentro da água. 


Subi rapidamente a pequena escadinha da guarita e fiquei na varandinha observando as poucas pessoas que estavam naquela parte. Havia um grupinho de crianças e um homem um pouco longe, se divertindo com uma bola. Uma família um pouco mais afastada e um cara tomando sol na areia. Como tudo parecia normal, me permiti entrar na casinha – não que eu estivesse saindo do meu posto, apenas tudo estava tranquilo, então me permitir relaxar um pouco – e sentar em um banquinho enquanto ligava o rádio. Depois que sintonizei o rádio na minha estação favorita, eu fechei os olhos e fiquei batucando os dedos na madeira escura da mesa enquanto ouvia a melodia suave de Stand by me. 


Mas de repente eu comecei a ouvir crianças gritando e vindo em direção a guarita. 



– M-moço — respirava com dificuldade por conta da pequena corrida que havia feito — nosso amigo foi atrás da bola no m-mar e ele parecia aflito. 



Sem pensar duas vezes, sai correndo em direção a água. Quando já estava entrando vi ao longe o mesmo homem que brincava com as crianças minutos atrás tentando desesperadamente voltar a superfície depois de uma onda o engolir. Corri rapidamente e mergulhei no mar começando a nadar rapidamente. Cada vez que  parava um mísero segundo para recuperar o ar e olhar em sua direção ele se afogava cada vez mais. Até que chegou um momento em que olhei em sua direção e ele não estava mais lá. Um gelo subiu pela minha espinha e nadei o mais rápido que eu consegui — até onde ele estava —, respirei profundamente mais uma vez e mergulhei. 


Por eu estar com óculos de mergulho eu conseguia ver claramente dentro do mar, nadei um pouco mais a fundo e um pouco mais ao longe vi uma silhueta afundando mais e mais. Nadei rapidamente até ele é o puxei pelo braço. Ele não era pesado, então acelerou ainda mais o processo para que saíssemos de dentro da água e eu conseguisse nadar o puxando para o solo firme.


 Demorou alguns minutos até chegarmos na areia da praia, o coloquei delicadamente no chão e aproximei meu ouvido do seu peito checando se ele estava vivo, e felizmente ele estava. Coloquei sua cabeça deitada em minha coxa, apertei seu nariz com uma mão enquanto a outra segurava seu queixo e comecei a lhe fazer respiração boca-a-boca. Soprei o ar em sua boca várias vezes até que ele começou a se mexer e rapidamente o coloquei em posição lateral para que não engasgasse com a água que estava liberando. 


Ele ficou liberando água por alguns segundos até abrir de fato seus olhos e me encarar com uma expressão totalmente cansada. 



– M-muito o-obrigado por salvar a m-minha vida.  — passou a segurar fracamente a minha mão. 


– Não se preocupe, é apenas o meu trabalho. — apertei levemente as nossas mãos juntas. 



E rapidamente o sentir desmaiar novamente em meus braços. Isso era relativamente comum em alguns casos, então o peguei em meus braços e o levei em direção ao meu carro — já que ele estava sozinho —. O coloquei deitado no banco de trás e dirigi em direção ao hospital mais próximo. 



Notas Finais


Espero que tenham gostado 💙

🏝 Música citada: Stand By Me – John Lennon 🏝

Até o próximo 🏄🏻‍♂️🏄🏻‍♂️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...