História 99 anjo, mas sempre tem aquele 1... - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Denki Kaminari, Eijirou Kirishima, Iida Tenya, Katsuki Bakugou, Mina Ashido
Tags Adoslecente, Bakugou, Bakugou Katsuki, Bakukiri, Bakushima, Fluffy, Kiribaku, Kirishima, Kirishima Eijirou, Shounen Ai, Yaoi
Visualizações 132
Palavras 1.066
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, LGBT, Shonen-Ai, Slash
Avisos: Homossexualidade, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Volteiii com mais fic de Boku no Hero ❤. Eu ainda vou morrer no meio desses ships. Enfim espero que gostem.
Boa leitura docinhos~

Capítulo 1 - Mas seria um anjo? Ou não?


Fanfic / Fanfiction 99 anjo, mas sempre tem aquele 1... - Capítulo 1 - Mas seria um anjo? Ou não?

Mais uma manhã comum nos dormitórios do colégio U. A.. Os alunos da turma A iam aos poucos enchendo o refeitório que havia no térreo do prédio. Alguns meio dormindo enquanto esperavam Iida terminar de passar o café, outros começavam pequenas conversas aqui e ali. Enquanto isso dois jovens terminavam de se vestir para descer. Kirishima estava pronto, terminou de brigar com um fio que insistia em não ficar no lugar nem depois de passar três vezes o gel.

Estando pronto foi bater na porta do seu amigo e vizinho de quarto, Bakugou, costumavam sempre descer juntos pro café. Assim como fazer tantas outras atividades conjuntas se pudessem. Pelo menos na perspectiva do ruivo era um esforço de ambos em querer estar unido. Ele não estava de todo errado, descobriria mais tarde que a situação de ambos era basicamente igual, claro com a leve diferença de temperamento deles levada em conta.

Bakugou estava pronto. Quando o ruivo ia abrir a porta pra ver se outro estava pronto a maçaneta girou e apesar de no reflexo ter soltado, esqueceu de sair da frente. Resultado, um Kirishima no chão com uma cara confusa, conseguiu ativar sua habilidade a tempo mas o impacto o desnorteou por alguns segundos. Deem um desconto para o menino que acordou atrasado e estava brigando com o cabelo minutos antes. Já o garoto explosivo não sabia se ajudava o que estava caído ou se ignorava aquele cabelo de merda logo, no fundo ele queria ter ajudado, mas durante a pequena reflexão Kirishima já estava de pé e o puxando para o café alegando estar com muita fome. O pequeno porém é: o ruivo o pegou pela mão mesmo, como se fosse a coisa mais normal do mundo, até poderia ser. Mas para Bakugou Katsuki, que ainda estava descobrindo como era ter contato com outras pessoas sem ser para explodi-las é... então isso explicava o tom rosado que surgiu no rosto do loiro. Bakugou nada disse, se contentou em sentir o calor da palma alheia. Não que tenha durado muito tempo, foi só até chegarem ao elevador, e então o silêncio se fez presente.

Finalmente chegaram ao refeitório, juntos, nada de anormal. O café já estava servido agora, assim como o refeitório também já estava mais barulhento. Com a chegada de Kirishima, tanto Ashido quanto Kaminari logo se aproximaram para mais uma daquelas conversas agitadas e barulhentas como esse trio era. Os dois iam puxando o ruivo para a mesa deles, porém o mesmo parou no caminho e estendeu a mão para Bakugou:

-Venha, vamos sentar juntos!

Foi ali naquele momento que o loiro teve certeza, ele queria a estar sempre junto com o ruivo de cabelo espetado, ou de cabelo liso, ou bagunçado, tanto fazia, só sabia que tinha que ser ele.

Katsuki nunca foi muito de perder tempo pensando em sentimentos ou prestando muita atenção em como as pessoas eram, mas ele tinha certeza de que o ruivo era especial. Ele talvez fosse como as pessoas chamam mesmo? Aqueles seres que voam, parecem com humanos e que brilham... Ah é; Anjo. Por que ele estava pensando isso do amigo? Se é que podemos dizer que o caso ali era de amizade… Bom, simples. Todos poderiam facilmente enxergar a aura brilhante ao redor de Kirishima. O ruivo era como uma bateria de energia positiva para Bakugou. Aquele sorriso era o que ele estava acostumado a ver direcionado apenas a si. Descobriu-se muito mais atento à volta e a tudo que se relacionava à Eijirou. E esse sorriso junto aquele jeito, que antes considerava deveras chato e irritante, mas que agora via como uma benção. Afinal o menino se arriscou para salvar-lhe, no seu pior momento foi ele que lhe estendeu a mão e chamou por si. Era como um misto de emoções que nem ele sabia decifrar corretamente ainda, mas sabia que era bom e era importante. Lembrava-se de que anjos também salvam as pessoas, os anjos guardiões, anjos do guarda, algo assim. De qualquer forma, Kirishima era o seu anjo.

O ruivo parecia gostar do cargo que adquiriu sem saber, já que fazia de tudo pela presença do loirinho explosivo. E para ele, nada como desfrutar das novas expressões que descobria em Bakugou a cada momento juntos, por isso tinha se tornado quase um viciado em sua presença, em se manterem próximos. Por ele sempre andariam de mãos dadas. Mas Katsuki, como gostava daquele nome, ainda não estava pronto para tal avanço, quem sabe logo mais. A visão que tinha daquele rubor na face do menino arisco era tão raro e precioso para si, que já estava se arrependendo por talvez ter chamado a atenção de mais alguém, e assim todos veriam o lado bonito e desconhecido de Bakugou. Como tinha certa coragem, apenas pegou na mão do outro e, novamente o puxou até a mesa.

A mesma situação no mesmo dia. O coração do jovem Katuski estava a ponto de explodir e ele nem tinha ativado sua peculiaridade, como era possível? Francamente, Eijirou não tinha piedade de si, talvez ele não fosse tão angelical, anjos deviam ser piedosos certo? Tinha errado na comparação? Já sentados e desfrutando do pequeno desjejum japonês, com direito a opções dentre pães, frios, arroz e frutas. Katsuki descobriu ter errado um pouco na sua comparação. É ele tinha errado. Errou na comparação, anjos não deveriam fazer essa expressão maliciosa que tinha na face do outro. O porquê estava sendo encarado daquela forma pelo ruivo, não sabia. Mas Kirishima quis explicar surrando apenas para o loiro ouvir.

-Bakugou, você tem um grão de arroz grudado aqui.

E foi assim que o ruivo esticou o braço pegando o pequeno grão grudado na bochecha e perto da boca de Katsuki e comeu. Dando uma discreta piscada para que só o loiro notasse. Foi premeditado que faria aquilo, por isso a expressão não inocente que era incomum, ou pouco mostrada pelo ruivo tinha chocado o outro. Ali o menino loiro percebeu o grande erro cometido, Kirishima até podia ser na maior parte do tempo 99% anjo, mas ainda existia aquele 1% de “vagabundo”. Será que era um anjo caído? Afinal o que faria um anjo sem asas e na Terra? Bakugou agora tinha um pouco mais de certezas e incertezas sobre quem era Kirishima para si. E que anjo ou não, ele estava a descobrir o que era amar alguém verdadeiramente.


Notas Finais


Quero ver até quando vou conseguir manter meus shipps puros e fofinhos assim suhasuhas. Espero que tenha sido proveitoso pra vocês.
Beijinhos de mel~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...