1. Spirit Fanfics >
  2. A Academia das Lendas: O Primeiro Ano de Bronze (Interativa) >
  3. A Turma Completa

História A Academia das Lendas: O Primeiro Ano de Bronze (Interativa) - Capítulo 11


Escrita por:


Notas do Autor


Oee gente! Não teve capítulo ontem, porque hoje decidi fazer um para acabar as apresentações! É bem grande!!!
Eu tenho medo que a qualidade de escrita tenha vindo a diminuir :'(
Mesmo assim, boa leitura!

Capítulo 11 - A Turma Completa


Fanfic / Fanfiction A Academia das Lendas: O Primeiro Ano de Bronze (Interativa) - Capítulo 11 - A Turma Completa

 O rapaz de cabelos verdes que era, para Twina uma possível paixão, andava confuso pela academia. Aquilo mais parecia um labirinto do que um estabelecimento de ensino. Era de facto enorme. O mesmo olhava para os lados para ver se via alguém que o pudesse ajudar. Já tinha perguntado a várias pessoas se sabiam onde era a sala de Bronze, porém, quanto mais os alunos lhe indicavam as direções, mais confuso o jovem ficava. Cansado e ofegante, o rapaz olhou para o chão, perdido num labirinto chamado escola.

"Porque é que me perco em todo o sítio? O mestre aconselhou-me a vir para aqui para aprender a ser um verdadeiro ninja, mas se nem consigo encontrar uma simples sala, como me tornarei um verdadeiro ninja?"- questionou-se o rapaz em sua mente, desiludido consigo mesmo. Subitamente, um rapaz de cabelos castanhos toca-lhe no ombro. O rapaz de cabelos verdes, por instinto, retira uma kunai do seu bolso. O mesmo olhou furtivamente para o rapaz que o olhava com terror e medo. Vários alunos olhavam assustados para o jovem. No meio deles, estava uma loba branca como uma nuvem. A mesma tinha cabelo da mesma cor de seu pelo e bastante comprido. Os seus olhos eram amarelos como a luz do sol. A mesma olhava aterrada para a situação em que o rapaz de cabelos castanhos estava. A mesma furiosa, pensou:

"Tenho de intervir! Não posso deixar ninguém se ferir!"- subitamente, a mesma olha na direção do rapaz de cabelos verdes. De seguida, pisca o seu olho direito, ainda fitando o suposto agressor. A cara do rapaz de cabelos castanhos ficava mais pálida. O mesmo suava com medo. Com uma voz aterradora, o rapaz de cabelos verdes como grama, disse:

???: O que foi? És algum ninja disfarçado mandado pela Guilda das Garras Obscuras para me perseguir?!- questionou, revoltado, agarrando o rapaz pela gola do uniforme escolar. A lâmina da adaga refletir o olhar perdido do jovem nervoso, que queria chorar de desespero.

???: N-n-não! Não sou um ninja!- gritou o rapaz, implorando por piedade. Duvidoso, o rapaz de óculos que empunhava a kunai, a aproximou do pescoço do rapaz. A loba, ao ver o desespero no rosto do outro jovem, gritou:

???: Poder: Ninja Fighter!- subitamente, o seu cinto que segurava a saia de seda, foi enchido por kunais e shurikens. Nas suas costas, apareceu uma katana e uma kama. No meio do seu peito, um colar com uma esfera cinza se formou. A mesma foi observada por todos os alunos que assistiam ao acontecimento, de forma aterradora. A canídea apenas ignorou começando a correr com uma velocidade impressionante na direção do rapaz que empunhava a kunai.

"Humm... O poder dele é interessante!"- disse rindo. O rapaz de cabelos verdes como a grama, ainda empunhando a sua adaga, olhou mortalmente para o rapaz de cabelos castanhos. O rapaz desesperado, não fitava a cara do agressor. Não... Ele olhava para alguém que para ele seria o seu salvador. Repentinamente, o rapaz de cabelos verdes responde de forma ríspida:

???: O que queres então?! Olha para mim quando...- subitamente, ouve-se um grito.

???: Doragon No Tekken!!!- a loba corria na direção dele, como uma verdadeira ninja. O seu punho erguido, brilhava um verde intenso. Um verde que formava um dragão de fogo reluzente que brilhava como o sol. O rapaz de cabelos verdes mal teve tempo de se virar. Um forte soco o atingiu nas costas. Os seus óculos caíram no chão, ao mesmo tempo que umas gotas de sangue escarlate que caíram sobre o chão. A kunai fora largada, permanecendo no ar. A mesma caía de forma lenta, no chão, penetrando no vidro dos óculos, os quebrando. O rapaz de cabelos castanhos, estava no chão boquiaberto. Seus olhos estavam húmidos, assim como sua testa. A loba se aproxima do jovem, estendendo sua mão para o levantar.

Sarah: Agora não tens de ter medo. Sou a Sarah, muito prazer.- disse a mesma com um sorriso nos lábios. O rapaz segurou a mão da mesma, ainda em pânico. O mesmo se ergueu de novo.

Lloyd: Eu sou o Lloyd. Obrigado por me ajudares!- disse, com seus olhos a brilharem. A mesma coçou a sua nuca, sorrindo meio sem jeito.

Sarah: Ah! Não foi nada. Eu gosto de ajudar todos!- disse. De seguida, olhou para o jovem de cabelos verdes. Todos os alunos o olhavam aterrorizado. O mesmo olhava para o chão, meio tímido. Sarah o chamou a atenção, pegando nos seus óculos e arrancando a adaga de uma das lentes.- Então... O que te deu?! Não sabes que isto é uma escola?! E se tu o tivesses ferido?!- gritou para o mesmo, que ouvia desapontado consigo mesmo. O mesmo assentiu com a cabeça. Irada, Sarah continuou a bradar.- Então?! O gato comeu-te a língua?!- o rapaz levantou-se. Meio tímido, ele respondeu:

???: Desculpa... É que eu sou meio desconfiado, sabes? Eu vim de Ninjina, um sítio onde não podemos confiar em ninguém... Se meu mestre visse isto ele ficaria desiludido comigo... Não só ele como a senhorita Hana, sua esposa... E a neta deles... Se eu soubesse onde ela está...

Várias memórias passavam pela mente do jovem. Uma senhora de idade, de cabelos brancos, mas ainda extremamente bela. A mesma usava um longo vestido, com rosas brancas e roxas. Ela adorava ler e estava sempre acompanhando o rapaz e sua neta nas suas aventuras. A mesma era acompanhada sempre de uma coruja. Ela deixava a sua ave todo o dia a treinar com as crianças e seu marido. Esta era a senhorita Hana, a "mãe" do jovem. A imagem de uma rapariga jovem loura também não saía da mente do rapaz. Uma menina loura e bastante bonita. Era ela... A sua melhor amiga de infância.

Ao se lembrar dos seus entes queridos, lágrimas vieram aos olhos do jovem. Lágrimas de saudade e vergonha. Todos olhavam espantados a mudança repentina de estado de espírito do moço. Sarah se aproximou dele. Delicadamente, o abraçou. Todos olhavam confusos para a atitude da loba. Lloyd apenas os fitava, com um certo sentimento de pena no rosto.

???: Eu só queria ser um verdadeiro ninja! Não quero desapontar ninguém!- gritava o jovem, deixando suas lágrimas cair sobre o pelo da loba. A mesma o acariciava.

Sarah: Calma... Vamos falar... Não precisas de ficar assim...- disse meio preocupada com o rapaz.- Qual é o teu nome?- perguntou se afastando do jovem. O mesmo limpou as suas lágrimas com as mangas da camisola. Sarah estendeu-lhe os óculos quebrados.

Sarah: Não estão muito bem...- disse fitando o objeto. O rapaz apenas os pegou não dizendo nada. O jovem aspirante a ninja suspirou.

Ken: O meu nome é... Ken. Ken Shury...- disse, meio envergonhado. Todos, ao ouvirem o nome de Ken, ficaram espantados. Com os olhos a brilhar como uma criança que olha para uma montra de uma loja de brinquedos, Lloyd disse:

Lloyd: Ken Shury?! O príncipe de Ninjina?!- questionou, se aproximando. O ninja assentiu com a cabeça.

Ken: Eu mesmo...- disse meio incomodado com os olhares de todos os presentes. Sarah não queria acreditar.

Sarah: Uau... Não sabia que eras príncipe... Deve ser muito difícil a vida num palácio...- disse chocada com a informação. Ken apenas respondeu, friamente.

Ken: Eu não vivo com os meus pais... Eu não preciso deles... Eles nunca quiseram saber de mim... Só me enfiaram no Dojo Kitsune para se verem livres de mim! Espero que a minha pobre irmãzinha não tenha o mesmo desfecho!- disse irritado. Sarah tocou-lhe nas costas.

Sarah: Calma... Está tudo bem... Olha que tal falarmos disso enquanto vamos para a sala?- questionou, olhando também para Lloyd que se aproximou da mesma. Ken olhou para os dois com um sorriso.

Ken: Mesmo depois do que vos fiz passar, vocês querem ser simpáticos comigo.- disse olhando em frente.

Sarah: Tu estás com problemas emocionais e nós estamos aqui para te ajudar!- disse a loba sorrindo.

Lloyd: Podes contar connosco mesmo depois do que me fizeste...- disse ainda meio nervoso. Com um brilho em seus olhos azuis, Ken agradeceu.

Ken: Arigatō!- e então, os três andavam em direção ao ponto de partida na sua jornada para se tornar uma lenda.

A fantasma que conseguiu um pequeno-almoço de graça andava pela escola, atravessando as paredes, assustando alguns e fazendo outros rir, com a música que cantava.

- Vou te chamar de bebê, deixa eu te pegar no colo! Ui adoro! Ui adooorooo!- disse cantando alegremente, atravessando pelas paredes.- Ai se essa música tivesse uma menção àquilo que eu bem sei que todos gostam!- disse a mesma comentando, parando de cantar. A mesma apenas vagueava por corredores, não sabendo por onde ia.- Será que a sala é por aqui?- questionou-se atravessando outra parede.- Ah que se dane!- disse a mesma vagueando pelas paredes. A mesma andava rapidamente até que ouviu algo que era música para os seus ouvidos... Um gemido... A mesma ao ouvir aquilo, pirou de alegria.- Finalmente! Alguém que sabe o que é verdadeira arte!- gritou, vitoriosa. A mesma escutava atentamente os gemidos que eram sucessivos, a fim de encontrar a sua fonte.- Mas de onde é que eles estão a vir?- questionou se concentrando. Após ouvir a última vez, a mesma adentrou numa parede.- Eba! Vamos ver o que está a...- subitamente, a mesma corou demais. Apenas com a sua cabeça para fora, a mesma observou que estava num banheiro masculino, pelos azulejos azuis e brancos na parede. Outro facto que comprovava onde estava eram as constantes descargas que se ouviam. Ela estava dentro de uma das divisórias. A fantasma apenas olhava para um lobo cinza bastante musculoso, com seus braços todos tatuados, sentado na privada, assistindo no celular segurado pela mão esquerda algo meio prevertido. O mesmo corava bastante e fazia algo com a sua mão direita... A fantasma olhava com um brilho intenso nos olhos. A mesma estava ficando meio excitada, enquanto assistia clandestinamente ao vídeo bastante sugestivo. A mesma não conseguiu se conter soltando um grito.

???: AI OH MEU DEUS ESSA PENETRAÇÃO! O RABO DO MOÇO VAI SAIR MAIS ABERTO QUE UM TÚNEL!- disse sorrindo bastante para o lobo, que a olhou corado com seus olhos roxos. O mesmo ficou meio constrangido com a situação. O rapaz desligou o telemóvel rapidamente e vestiu suas calças. Era para guardar o mesmo no bolso, porém, o aparelho escapou-lhe da mão caindo no meio da água da privada. Incomodada, a fantasma gritou:

???: NÃO! A MAIOR FONTE DA VERDADEIRA OBRA DE ARTE! EU ESTAVA A GOSTAR TANTO! PORQUE É QUE DESLIGASTE?!- o lobo não a ouvira, apenas olhando para o celular no meio da privada.

???: O meu celular...- disse meio chocado. Com fúria, o canídeo rosnou para a fantasma.- Estás a ver o que fizeste?!- disse quase chorando. A fantasma, apenas com a cabeça de fora já chorava.

???: Porquê?! Porque é que este belo telemóvel teve um destino cruel?! Eu queria ouvir o rapazinho a chamar o nome do Daddy!- gritou a mesma em desespero. O lobo tentou a arranhar, com a fúria que sentia, porém não foi possível, já que a mesma era um fantasma. A mesma apenas estava quieta, ainda triste pelo destino do telemóvel.

???: Tu vais pagar! Pelo meu telemóvel!- subitamente, alguém bateu á porta da divisória. Uma batida forte e estrondosa. Um rapaz de pele escura, com barba castanha e rastas, e ainda uma bandana amarela que atava o seu cabelo, batia na mesma.

???: Cara, cê tá bem?- perguntou, com um sotaque brasileiro.- Você tá gritando faz tempo! E até ouvi aí a voz de uma garota falando!- disse continuando a bater na porta, á espera de uma resposta. O lobo apenas ficou corado, sem saber o que responder. A fantasma calou-se por um bocado. Ao não ouvir ninguém, o jovem disse:

Hadson: Droga! Não tá respondendo! Deixa que o Hadson quebra a porra da porta!- disse olhando para a porta azul clara. O mesmo colocou uma mão no chão, quase fazendo o pino. De seguida, o mesmo abriu suas pernas fazendo uma espécie de hélice. O mesmo começou a rodar, formando areia em volta dos seus pés. Ao ouvir aquilo tudo, o lobo ia gritar:

???: Não é...

Hadson: Capoeira do Deserto!- gritou, ecoando por todo o banheiro, interrompendo o lobo. A fantasma assustada se escondeu dentro da parede. O lobo apenas olhava, a porta se quebrando com um pontapé que deitou areia por todo o lado. Hadson apenas olhou para o lobo ali em pé, com os pés cobertos por areia. O jovem negro olhou por todos os lados.

Hadson: Pensava que estava mal... Me desculpa...- disse coçando a nuca. O lobo apenas olhava para o jovem confuso, que sorria meio sem jeito. Subitamente, a fantasma aparece ao lado de Hadson.

???: É bom que peças desculpa com um sexozinho do bom! Vá vai lá ter com o rapaz que está á tua espera!- disse irritada com o sucedido. O lobo olhou para ela irritado e meio corado. Hadson a fitou meio incomodado. A fantasma lhe olhou de forma sedutora. O jovem humano apenas se retirou do banheiro, saindo pela porta de madeira, com um enorme choque nos olhos.- EI! VOLTA AQUI!- gritou a fantasma.- E agora?! Como vou ter o meu sexozinho ao vivo?!- gritou a mesma irritada. O lobo apenas se retirou também, deixando a fantasma ali a falar sozinha, não fazendo a mesma notar na sua partida.

"Este ano vai ser duro..."- pensou o lobo cinza, andando de mãos nos bolsos.- "Já perdi o telemóvel no primeiro dia... Ah... Que merda!"- pensou o mesmo do lado de fora do banheiro. A fantasma saiu pela parede do banheiro, chegando perto do lobo que não notou na presença dela.

Roxie: Ei! É feio deixar os outros sozinhos! Já agora, eu sou a Roxie, uma fantasma do amor. Eu sei tudo sobre amor! Tudo o que tu precisas de saber!- disse chamando a atenção do lobo, que lhe tentou socar a cara.- Sabes que isso não funciona, né?- disse fazendo troça do rapaz. O lobo apenas rangiu os dentes.

???: Olha podes te calar?! Já me causaste problemas hoje!- disse andando de mãos nos bolsos.- Perdi a minha fonte de energia principal para ativar o meu poder!- gritou com Roxie.

Roxie: Olha agora deixaste-me curiosa! Qual é o teu poder? O meu é dar prazer sexual a todos!- gritou a fantasma, se orgulhando, fazendo vários alunos se rirem das figuras da mesma. O lobo a olhou com raiva.

???: Fala mais baixo!- advertiu. A fantasma sorriu coçando a nuca.

Roxie: Sexo é a minha coisa favorita! Eu me empolgo a falar disso!- disse rindo. O lobo a olhou de lado, e decidiu replicar.

???: Pois... Também é a minha... Isso é literalmente a minha fonte de poder...- disse corando bastante, tapando o rosto avermelhado com suas mãos suaves e peludas.

Roxie: Oh meu Deus! Tu sabes mesmo o que é bom! Ah! Vai ser super fixe! Somos parceiros de sexo!- gritou a mesma super orgulhosa, fazendo vários alunos olharem para ela. O lobo corou ainda mais.

???: AH ISSO PARECE TÃO MAL!- gritou o mesmo envergonhado. Após andarem um bocado, viram que estavam perto da sala... A sala de Bronze... Hadson entrava na mesma, seguido de um casal de ruivos que andava de mãos dadas. A jovem bastante corada e o rapaz com um sorriso orgulhoso. Eram Twina e Maximus. A ruiva estava envergonhada pelos olhares de que era alvo. A mesma estava feliz por andar com um de seus príncipes encantados... Mas e o outro? O seu outro príncipe de cabo verde? Ao pensar onde ele estava, a jovem o avista, sorrindo, rodeado por uma loba e por um outro rapaz. Isso foi suficiente para a fazer amuar. Maximus, ao notar na feição de Twinaz disse:

Maximus: O que foi, minha donzela?- disse o mesmo de modo charmoso. Twina o olhou nos olhos e retorquiu:

Twina: Nada... Só pensamentos meus...- Maximus acenou com a cabeça positivamente, entrando os dois na sala, seguidos por Roxie e pelo lobo e, finalmente, pelo trio de Ken, que davam o primeiro passo para a trilha lendária...

Constella: Eu gosto muuuito da constelação de Dragão! E a tua? Qual é a tua constelação favorita?!- a rapariga de cabelos rosados ainda incomodava o jovem raposo avermelhado com esbeltas asas, que estava já chateado com as insinuações de Constella. O rapaz albino que estava sentado na grama, já estava erguido andando lentamente atrás de Constella e do outro jovem, com medo da rapariga notar na sua presença.

"Parece que quase todos aqui ou não têm paciência ou são doidos..."- pensou calmamente. Ao lado dele mas mais afastado, andava Zap com suas duas causas que não paravam de se magoar.

Hat: ("Zap! O Yet arranhou-me com a ponta!")- queixou-se uma das caudas.

Zap: Arranha-o de volta...- disse o guepardo cinza, já sem paciência para ouvir as caudas a reclamar. Hat assim o fez, fazendo, desta vez, Yet se queixar.

Yet: ("Zap! O Hat arranhou-me!")- gritou a outra cauda. O felino, já farto de aturar as caudas, berrou:

Zap: OLHEM! CALEM-SE DE UMA VEZ!- disse arregalando os olhos e olhando para trás. Uma fénix fêmea, que estava a andar atrás dele, olhou confusa para o guepardo cinza. A mesma era linda e tinha o cabelo atado. Zap apenas a fitou durante algum tempo. Parecia que o tempo tinha parado. Para quebrar o gelo entre os dois, a fénix disse:

Ember: Ahm... Ok eu não percebi o que aconteceu... Mas... Olha deixa, eu sou a Ember!- disse sorrindo para o jovem guepardo, que a olhava sedento.

"Uma fénix! Já queria uma faz tempo para fazer análise!"- o mesmo a olhava de alto a baixo. Olhava cada curva e cada pena. A mesma ficou meio constrangida, ao ser observada pelo rapaz.

Ember: A-ah... Estás a olhar para onde?! Seu pervertido!- a mesma, ofendida, o pisou com suas unhas afiadas da pata. Zap levou as mãos ao pé, o acariciando para acalmar a dor. Zap continuava a fitar a rapariga, que adentrava a porta avermelhada e enorme da academia. As caudas do felino riam da cara do mesmo que a olhava como se a mesma fosse o paraíso. O guepardo cinza nem ouvia os risos estéricos das caudas.

Zap: Ela é tão linda...- disse sorrindo de forma maníaca. O mesmo largou o seu pé ferido e foi em direção á porta para entrar na academia.- Este ano vai ser brutal!- gritou, já se vangloriando vitorioso e se iludindo.

O albino de olhos roxos olhava em redor. Ele não queria ouvir Constella porém a mesma falava tão alto que era quase impossível não ouvir.

Constella: Então qual é o teu nome? Eu sou a Constella Starcast! E o teu? Qual é? Qual é? Qual é?!- Constella ainda bradava em redor do jovem raposo, que já estava de saco cheio de a ouvir.

"Eu quero mandá-la calar... Mas não queria ser rude..."- o mesmo franzia o sobrolho fechando os olhos. Finalmente, cedeu á tentação. Á tentação de Constella por ouvir suas perguntas respondidas.

Raymond: Eu sou Raymond Firefox...- disse revirando os seus olhos flamejantes. A rapariga sorriu e se abraçou a ele, fazendo Raymond ficar ainda mais vermelho do que já era. O mesmo estava tão confuso... Á medida que iam entrando no estabelecimento, Constella insinua:

Constella: O teu pelo é tão quentinho e macio... Tu és uma almofada em pessoa! Assim posso sonhar com as estrelas a dormir em cima de ti!- gritou sorrindo bastante, mostrando seus dentes brancos. O raposo a olhou com medo, entrando assim na grandiosa academia.

O albino suspirou de alívio. Finalmente, aquela rapariga não o iria chatear. Um rapaz, que notava nas reações do jovem, se aproximou do mesmo. O jovem era alto, de cabelos brancos assim como ele, e tinha uma enorme marca vermelha no olho esquerdo. Ainda portava um leve sorriso no rosto. O outro albino o olhou com seus orbes ametista de lado.

Luke: Eu notei este tempo todo que querias que ela fosse embora. Já agora sou o Luke. Muito prazer.- o jovem da marca vermelha sorriu bastante, estendendo a sua mão esquerda, esta também, banhada por tinta vermelha, fazendo de novo outra marca. O outro albino olhou impressionado a mão de Luke. De forma tímida, apertou a sua mão.

Alexander: Alexander... Alexander Demotou...- disse de maneira fria. Ele só queria distância das pessoas, porém, não teve sorte. Luke o olhou estranhamente.

"Ele deve ser daquelas pessoas frias... Ele não me parece nada feliz.."- pensou olhando para a enorme porta da academia.- "Bom, hora de ir... Hora da verdadeira aventura!"- pensou na sua mente, o fazendo sorrir ainda mais.

Leon IV, o lobo branco, andava meio sozinho. Ele olhava para o chão meio triste.

Leon IV: Ele parece ter-me achado estúpido... Pela maneira como ele me olhou...- disse pensando na forma como Alexander lhe tinha olhado pela primeira vez.- Eu sou um babaca!- gritou esmurrando uma parede. Maxwell passava por ele bastante magoado pelo acontecimento com Maximus. O mesmo apenas olhou o lupino que parecia triste e chateado. Com um leve toque nos pelos macios do lobo, Maxwell disse de forma doce:

Maxwell: Também estás a ter um dia mau?- perguntou. Leon o olhou nos olhos. Um dragão esbelto e de pelos brancos e pretos. Um sorriso leve se forma em Leon IV que cora ao sentir a doce mão de Maxwell em si. Meio envergonhado, responde:

Leon: Não muito mau... Mas aconteceu uma coisa que me deixou triste...- disse olhando para o lado. Maxwell o olhou preocupado.

Maxwell: Queres falar melhor na sala?- perguntou-lhe dando uma outra festa no topo da sua cabeça. Leon estava a ir ao delírio. Para além de giro, Maxwell era carinhoso. O lupino corou mais ainda. Maxwell notou na vermelhidão do jovem lobo.

"Parece que ele está a gostar..."- pensou Maxwell. Leon já sorria bastante. O mesmo fitou vibrantemente a porta da sala que era invadida por mais alunos ainda. Mais calmo, o lupino branco disse:

Leon: Vamos... Vai ser mais fácil para mim desabafar num sítio mais quieto...- então Maxwell e Leon entraram na sala, que não seria tão quieta como Leon pensava.

Jasmine, Lolly, Edward e Leonnie andavam pela escola em busca da sala de Bronze. Lolly já ia às cavalitas do lobo castanho, já que estava muito cansada. Jasmine e Leonnie olhavam por todo o sítio mas nada parecia ser a sua sala. Fartíssima de procurar, Jasmine gritou:

Jasmine: Ah! Porque é que esta espelunca não tem um mapa na entrada?!- gritou puxando os seus próprios cabelos acastanhados. A felina que a acompanhava suspirou.

Leonnie: Isso queria eu saber. Parece que fazem de propósito para nós perdermos...- disse meio confusa. Edward apenas andava calado, fingindo ser um cavalo da princesa Lolly.

Lolly: Edward! Leve-me aos meus aposentos!- ordenou Lolly, se fingindo de princesa. O lupino suspirou, já ofegante.

Edward: Minha alteza perfeita lorde real senhorita Lolly Poppy... Não sei o caminho para os seus aposentos...- disse se referindo á sala de aulas. O rapaz já estava cansado de caminhar por uma escola que mais parecia um labirinto. Jasmine continuava á procura, enquanto que Leonnie foi perguntar a várias pessoas, porém a mesma não percebia as indicações. Jasmine suspirou.

Jasmine: Esquece, Leonnie ao menos tentaste...- disse cerrando seus olhos amarelados como o sol. Porém, a felina não desistiu e quando tudo parecia perdido, Leonnie se aproxima com dois lobos azuis: um mais escuro e alto e outro mais claro e bem mais pequeno.

Leonnie: O que dizias, Jasmine?!- questionou fazendo troça da humana. A mesma sorriu ironicamente e revirou os olhos.- Então... Vocês sabem onde é a sala, certo?- questionou a leoa aos dois lobos. Edward olhou para eles de forma calma e cansada, de tanto andar com Lolly nos seus ombros fingindo ser uma princesa. Princesa que olhava atentamente para o lobo claro e mais baixo. Ele parecia o príncipe perfeito, que a iria livrar da torre onde estava cativa.

Bark: Já agora sou o Bark, muito prazer.- disse o lobo de tom de azul escuro. O mesmo era bem mais alto que o outro, que se apresentou de seguida.

Shane: Eu sou o Shane Dallas, muito prazer. Vim de Darceaja e tenho a solução para vos ajudar!- ao dizer isto, o coração de Jasmine palpitou mais rapidamente.

Jasmine: Eu também sou de Darceaja! És um amante de tecnologia?! Já agora sou a Jasmine...- a mesma o olhava como a mesma olhava para um mega computador. Seu coração acelerou rapidamente. Lolly cruzou os braços em cima de Edward. Alguém parecia levar a brincadeira muito a sério. Leonnie apenas olhou a jovem apaixonada, que ficava com as bochechas rosadas. Shane corou também.

Shane: Sou sim! Adoro tecnologia! Tecnologia é vida!- disse super entusiasmado. Jasmine concordou com um enorme sorriso nos lábios finos. Bark olhava para a conversa se notando meio de fora.

Bark: Eu tamb-...- subitamente, Shane o interrompeu.

Shane: Eu vou nos levar para a sala com o meu GPS portátil! Tem todas as coordenadas possíveis! Pode te levar até a pessoas!- disse super entusiasmado, fazendo Jasmine ficar impressionadsa.

Jasmine: Que fixe! Eu também gosto de inventar coisas!- disse sorrindo como se fosse uma criança com o seu brinquedo novo. Bark, se vendo ali a mais, se retirou de perto deles. O mesmo olhou para trás emburrado. Shane nem notou na sua desaparição. Edward olhava para trás preocupado com Bark.

"Coitado... Parece que o Shane se vidrou demais na Jasmine..."- pensou o lobo. Lolly olhava Jasmine com inveja.

Lolly: Esse príncipe é meu!- gritou a mesma, se abanando nos ombros de Edward, fazendo o mesmo quase perder o equilíbrio.

"Ele fica sempre no centro das atenções! Eu nunca! Eu parece que só existo para o suportar!"- Bark pensava andando furioso em direção á sala de Bronze. O mesmo entrou na mesma, pensando.- "Se ele prefere mostrar o quão bom ele é agora, ele que fique! Mas lhe garanto, que eu o irei superar!"

Patty andava lado a lado com Laportte. A mesma não parava de pensar no guepardo cinza que viu pela janela. A mesma se imaginava... Imaginava-a com o seu querido guepardo á beira do mar, com o pôr do sol, refletido no mar. A mesma sorria bastante. O seu gémeo notou no seu sorriso.

Laportte: Patty... Estás a sorri sem motivo? Ou é por alguma coisa em especial?- perguntou o jovem vendado. A mesma acordou do seu mundo de fantasias e milagres, corando imenso.

Patty: ("Ah... Não... Não é por nada...")- disse a mesma através de telepatia. Laportte a olhou desconfiado mas desta vez deixou passar, se calando. Ao passarem por um corredor, viram vários alunos a ir na direção de uma sala: uma fénix que parecia furiosa, dois albinos quem andavam lado a lado de bocas cerradas, uma rapariga sorridente de cabelos rosa que andava abraçada a um raposo, e finalmente, um guepardo que andava vidrado no chão. Ao ver o seu homem dos sonhos, Patty corou demais. Laportte a olhou de lado, notando o porquê dela sorrir tanto.

Laportte: Já entendi tudo, Pattrycia.- disse seguindo o guepardo, ficando com uma feição séria. Patty ficou meio chateada. A mesma andava atrás do seu irmão, pensando no guepardo que estava a centímetros de distância.

"Ele é tão bonito... Porém, o Laportte não vai querer que eu namore com ele..."- disse se lembrando da sua cultura... Uma cultura alienígena...

Faltavam apenas cinco minutos para as aulas começarem. Lune, a rapariga roxa que parecia um unicórnio andava apressada, empurrando várias pessoas, que gritavam com a mesma.

Lune: Peço desculpa!- a mesma corria apressada.- Não posso chegar atrasada no primeiro dia! Ai que desastrada!- gritava consigo mesma. Lunitta e Soliera andavam atrás dela... Bem mais atrás para não serem atropeladas por ela de novo.

Lunitta: Ai coitada. Ela nem sabe para que lado sequer fica a sala.- disse indo em direção á porta. Soliera apenas olhava para trás, pensando em Lune.

Soliera: Coitada... Ela é uma desamparada...- quando a mesma ia entrar, um réptil verde com listras roxas passa por elas. O mesmo as olha de lado de forma fria. Soliera ficou toda arrepiada enquanto que Lunitta o olhou como quem olha para um modelo capa de revista. O mesmo entrou sem dar bola às reações das irmãs. Com o coração a mil, Lunitta diz:

Lunitta: Ai ele é tão lindo! Já é meu território!- grita a mesma, sorrindo. Após isso, um rapaz de cabelos vermelhos desgrenhados com as pontas negras e olhos cor de mel, se aproxima delas. O mesmo parecia já ter tido asas, dado que dava para se ver um par de membranas fatiadas nas costas. Meio tímido, pergunta:

???: Esta é a sala de Bronze?- questionou o rapaz, de forma doce, fazendo Soliera ficar zonza de amor. Lunitta o olhou com repulsa de alto a baixo. De forma fria, Lunitta responde:

Lunitta: É sim! É melhor te despachares!- disse fazendo uma pose de diva. O jovem rapaz avermelhado a fita com pavor, entrando calmamente na sala. Chocada, Soliera pergunta á irmã.

Soliera: Tu estás doida?! O que foi aquilo?! Ele era tão perfeito!- gritou com a irmã. A mesma deu de ombros.

Lunitta: Ele é tão sem sal! Com sal é meu lindo réptil!- disse lembrando da maneira fria como ele as mirou. Soliera ficou a olhar nada convencida para a jovem de cabelos brancos. Um jovem lobo verde com detalhes brancos se aproxima também da porta. O mesmo as olha com seus enormes olhos verdes como a atmosfera de uma floresta e adentra a sala, sem dizer uma única palavra. Lunitta e Soliera se entreolham confusas. O sinal toca... E sabem o que isso significa? A verdadeira aventura vem aí!


Notas Finais


Quais são as vossas previsões de casais? Digam ae nos comentários :D


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...