História A acompanhante - Capítulo 29


Escrita por:

Postado
Categorias Camila Cabello, Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Camren Norminah Vercy
Visualizações 96
Palavras 3.538
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, LGBT, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


boa leitura

Capítulo 29 - Capítulo XXIX


 

POV Camila

 

Miami, Florida 03:15

 

Lauren batucava os dedos no volante de forma impaciente, a morena estava tão curiosa que vez ou outra olhava para a amiga pelo retrovisor, já a mesma estava completamente apagada, sua namorada estava ao seu lado acariciando seus cabelos em uma tentativa falha de acordar a mulher, voltei a observar a morena, ela mostrava todos os indícios de que não estava nada a vontade com aquela situação, a respiração estava desregulada, assim como as veias de seu pescoço estavam visíveis, as mãos apertavam com força demais o volante ocasionando as pontas mais brancas do que o normal em seus dedos.

 

- Meu bem, tente se controlar, não precisa levar tão a sério o que a Verônica está falando nesse momento. - Tento confortar a mulher, mesmo que eu soubesse que isso ia ser meio difícil.

- Realmente, Laur, tente não levar em consideração, ela está bêbada igual a uma porca. - Lucy diz olhando para sua namorada jogada no banco.

- Eu sei que ela está bêbada, por isso acredito ainda mais no que disse, ela normalmente já não possui muitos filtros mas quando bebe a verdade sai como se tivesse tomado um antídoto da verdade. - Seus lábios estavam torcidos e suas mãos voltaram apertar o volante.

 

Levei minha mão até seus cabelos, onde tratei de acariciá-los, a morena pareceu relaxar mais, a respiração estava praticamente voltando ao normal, até estacionar o carro em frente uma casa enorme, deixei meus olhos viajarem por todo o edifício, mesmo com a noite era possível notar a cor da casa, em azul-claro com alguns tons em azul mais escuro, havia uma parede de vidro e dava para notar que ali era a sala, tinha uma televisão enorme grudada na parede e dava para ver um sofá de couro, uma pequena mesa de centro e nada mais.

 

- Aqui é a casa dela? - Perguntei baixo para a morena que apenas assentiu com a cabeça, fiquei simplesmente apaixonada com a estrutura da casa da mulher, Verônica tinha um bom gosto notável, isso era algo que ninguém poderia negar.

 

Lauren saiu do carro e foi até minha porta abrindo a mesma, a mulher me recebeu com um sorriso doce nos lábios e me deu um leve selinho, Lucy puxou o banco para frente para que pudesse sair, pelo canto dos olhos vi a morena revirar os olhos e entrar no banco de trás logo depois, a mesma pegou a amiga no colo e saiu, Verônica estava apagada, seu rosto estava repousado nos seios avantajados de Lauren, a mulher carregava a amiga com facilidade por conta dela ser bem mais leve que a morena, se fosse uma situação contraria tenho certeza que Verônica teria muita dificuldade de levar a morena no colo por conta do peso.

Lucy parou ao meu lado, virei meu rosto um pouco, até ver o carro que estava parado na frente do de Lauren, eu não tinha percebido até então, era a bmw branca de Dinah, olhei para Lucy a mulher pareceu entender minha expressão e concordou com a cabeça, tinha algo ali, e a namorada da mulher estava bem lucida quando citou a possível festa. Caminhamos meio relutantes até a enorme porta da frente, assim que entramos meu queixo literalmente caiu, era tudo bem mobiliado, coisas caras, pinturas nas paredes em cores claras, alguns vasos espalhados como decorações, por deus, todas essas meninas eram ricas, por que não é possível.

Seguimos por um extenso corredor a procura de Dinah e Normani a casa era literalmente enorme eu me perderia com tanta facilidade que me fez pensar na possibilidade de pedir um mapa para Lauren, a morena caminhava na frente com a amiga em seu colo, a casa estava tão silenciosa que eu diria fielmente que Verônica estava tão bêbada que pareceu inventar uma festa em sua mente.

 

- Eu vou levar essa bêbada para o quarto dela, pelo amor de deus fiquem aqui. - Lauren diz olhando no fundo dos meus olhos, a morena estava séria. - Não irei demorar, quando voltar podemos achar as meninas juntas, até por que elas estão aqui, Dinah não soube nem esconder o carro. - Assentimos com a cabeça totalmente assustadas pela forma como a morena nos olhava.

 

Lauren não esperou nenhum tipo de resposta e saiu andando pela enorme escada de mármore, Lucy estava agoniada, a mulher caminhou até um dos quarto do andar de baixo e abriu a porta em uma tentativa falha de achar as mulheres que tinham inventado toda essa situação.

 

- Não acha que devemos procurá-las? - Pergunto com a sobrancelha arqueada para a mulher que me olhou assustada assim que fechou a porta do quarto.

- Ta maluca, Karla, se a Lauren voltar aqui e não nos achar vai dar um chilique enorme. - Revirei os olhos, eu sabia muito bem dos chiliques da mulher que era minha namorada, mas comigo, os chiliques dela eu resolvia de formas diferentes, se é que entendem.

- Lucy, você pode confiar em mim que comigo os chiliques dela serão resolvidos. - Pisquei para a mulher que gargalhou alto e negou com a cabeça sabendo exatamente o que eu queria dizer.

- Olha, eu esperarei ansiosa por isso, por que já aguentei os chiliques dela por tempo demais. - Concordei com a mesma, pois me lembrava vagamente de sua hospedagem no Havaí.

- Espera ansiosa para o que, senhora Lúcia Vives. - Lauren apareceu, a morena estava com os braços cruzados e estava escorada no corrimão que tinham alguns desenhos em ouro branco, só aquele corrimão mudaria a vida de umas quinze famílias em Cuba, guardei meus pensamentos para mim mesma.

- Para encontrar aquelas ridículas logo, não aguento tanto suspense. - Lucy diz rápido e não pareceu que Lauren acreditou no que a amiga tinha dito.

- Você sempre foi péssima em inventar mentiras. - Lauren caminha novamente pelo corredor e começa abrir porta por porta de todos os quartos.

 

A morena fazia tudo com calma mas seus olhos estavam curiosos, eu a conhecia a tempo suficiente para saber que ela estava curiosa, assim como eu e Lucy estávamos.

 

- Eu estou achando que não tem merda de festa nenhuma. - Lauren diz impaciente passando as mãos nos cabelos negros de forma afobada. - Eu só não estou entendo o que o carro de Dinah está fazendo aqui, por que não tem ninguém nessa casa além de nós.

- Calma, fiquem em silêncio. - A mulher fez um sinal com a mão e caminhou mais a frente. - Ouviram isso? - Arca a sobrancelha.

- Acho que você está delirando, Lucy. - Digo já nervosa com a situação, eu odiava tanto quando me sentia curiosa e não conseguia resolver as coisas em minha mente.

- Não gente, presta bem atenção, um som bem baixinho… - A mulher começa a caminhar devagar pelo extenso corredor.

 

Lauren e eu caminhávamos ao lado da mesma, poderia até me classificar como detetive, Lucy abriu as enormes portas de vidro e foi ai que fiquei totalmente abismada, tinha gente pra todo lado, algumas na enorme piscina, mulheres de biquíni e alguns homens de shorts e sem camisas, assim que Normani e Dinah nos viram abriram um sorriso enorme.

 

- AGORA VOCÊS JÁ PODEM FAZER O BARULHO QUE QUISEREM. - Dinah gritou com o copo de caipirinha na mão, as pessoas gritaram em alvoroço.

 

O som foi ligado, mulheres começaram a dançar, elas dançavam tão coladas que qualquer pessoa que visse aquela cena ficaria extremamente excitada, Lauren parecia estar desconfortável muito ao contrário de sua amiga que saiu correndo para pegar um copo de caipirinha.

 

- O que acharam da minha pequena surpresa para vocês duas? Essa é a minha resposta para o lindo pedido de namoro, quero que sejam felizes, e nada melhor do que uma festa para comemorar esse momento. - A loira alta diz já embriagada.

- Eu ficaria mais feliz sem festa, Dinah. - Lauren diz rabugenta, reviro os olhos.

- Amor, pare de ser tão rabugenta, aceite a festa que sua amiga fez. - Dinah abriu um largo sorriso animado.

- Sua mulher sabe aproveitar muito bem da vida. - Sorri, a loira retribuiu, logo sua namorada chegou a abraçou de lado.

- Por que vocês não vão até o quarto de hóspedes? Lá tem biquínis, todos estão ansiosos para ver sua bela bunda Karla. - Assim que Normani terminou de dizer senti minhas bochechas corarem, a morena ao meu lado ficou incomodada com o comentário, vi sua mandíbula travar em desgosto.

- Ninguém aqui quer ver a bunda da minha namorada, Normani. - A negra revirou os olhos e negou com a cabeça, mesmo que eu soubesse que essa era uma das partes de meu corpo que mais chamava a atenção fiz questão de me calar, não queria ver Lauren revoltada com o comentário.

- Como sempre ciumenta, não é, Jauregui. - Arregalei os olhos ao ver de quem se tratava, era Alexa, meu deus essa mulher ainda era viva, só de vela sentia o desconforto percorrer por todo meu corpo. - Sempre é bom te ver, Karla. - Estendeu a mão em minha direção, eu apertei contragosto.

- E sempre é uma surpresa lembrar que sua existência ainda existe. - Lauren revidou na mesma altura, eu apenas abaixei a cabeça para conter o riso.

 

Foi ai que as suas riram e se abraçaram em carinho, o que me deixou totalmente perdida, meu deus quando elas fizeram as pazes, a terra parou nesse momento? Mas me deixou extremamente aliviada, eu odiava a forma como a mulher tentava dar em cima de mim para provocar a morena, mesmo que eu adorasse ver seus olhos verdes praticamente explodirem de tanta raiva ao me ver com a mesma, segurei o riso quando as lembranças voltaram e minha mente.

 

- Antes que pergunte, resolvemos nossas diferenças em uma conversa, sei que é muito dificil de acreditar, mas as coisas mudaram ao longo desses anos. - A morena me abraçou de lado e beijou minha bochecha com carinho. - Vai querer subir? - Arcou a sobrancelha.

- Vamos, eu quero entrar na piscina. - Lauren sorriu e negou com a cabeça.

 

Cumprimentamos algumas pessoas que pararam e nos desejaram felicidades mesmo que não fizesse ideia de quem se tratava, entramos novamente na enorme casa de Verônica, Lauren e eu caminhávamos de mãos dadas pelo lugar, a morena falava sobre algumas pinturas na parede, me contava a história por trás da pintura, ela era tão inteligente e sofisticada que me deixava totalmente perdida em suas explicações, ela falava tudo tão animada e explicava com paciência para que eu pudesse entender cada uma de suas palavras.

 

- Esse vaso eu e Vero compramos em um leilão, no ano passado. - Apontou para o vaso com detalhes em preto e pelo o que me pareceu tinha pedrinhas de esmeraldas por todo ele. - Ficamos completamente apaixonadas. - Sorri em minha direção. - Ele pertenceu a um turco, ele foi preso por estupro, foram alegadas mais de vinte agressão que esse monstro cometeu. - Lauren tocava o vaso com carinho. - Mas tinha bom gosto em relação a arte, todas as peças que tinha em sua casa foram vendidas, incluindo essa.

- Não sabia que você se interessava tanto por arte. - Sorri para a mesma que sorriu sem graça, suas bochechas estavam meio avermelhadas.

- Bom, eu queria trabalhar com história, quem sabe até história da arte. - Meus olhos brilharam por estar conhecendo mais da mulher que eu amava. - Esse foi um dos motivos dos quais fui embora de casa…

- Por quê? - Perguntei totalmente curiosa, a morena pegou em minha mão e para que pudéssemos continuar a caminhar.

- Camz, você já conheceu meu pai, sabe como ele é autoritário, não sabe? - Me olhou, apenas assenti para a mesma. - Ele queria que eu entrasse para o negócio da família, que sempre foram as corridas, disse que ser professora de história ou historiadora, não faria jus ao nome Jauregui. - Fiquei totalmente assustada, não imaginei que ele fosse tão conservador, até por que ele me parecia ser liberal em relação a sexualidade da morena, se ele era conservador em um aspecto deveria ser em todos, não é? - Eu estava disposta a seguir meu sonho, por que tudo tem uma história por trás, e eu me sentia curiosa para saber a maioria delas, mas meu pai disse que se eu fosse seguir por esse caminho teria que deixar minha família, foi ai que fiz minhas malas e disse que iria embora, mas assim que coloquei os pés fora de casa minha mãe quase morreu do coração, fez ele ir atrás de mim e me fazer uma proposta.

- Qual foi a proposta? - Mordi o lábio inferior em ansiedade.

- Ele iria me sustentar, mesmo que não continuasse morando com eles, só não queria que eu fosse para longe, ele sabia que se eu saísse de Mimai eu provavelmente não voltaria mais. - Respirou fundo. - E em troca eu não poderia fazer história, em nenhuma circunstância.

- Meu deus, Lauren, isso é coisa demais. - Faço uma pausa passando as mãos no cabelo. - Ele não pode fazer isso com você… Se você ama história é o que tem que fazer.

- Camz, eu já estou muito longe desses caminhos, era um desejo muito grande, eu aprecio todas as artes, quadros, cheios de história, aprecio todas as coisas que nossos antepassados passaram para estarmos hoje aqui, a história está em minha vida, não preciso me formar para saber história. - Eu amava a mulher mais linda que já tive o prazer de conhecer, e mesmo que meu desejo fosse que a mulher fizesse o que tinha vontade eu não poderia obrigá-la. - E cá entre nós, estou adorando conhecer esse mundo das corridas.

- Sabe eu tinha uma impressão tão diferente de você.

- E qual era a impressão que você tinha sobre mim? - A morena arcou a sobrancelha totalmente curiosa em saber a minha resposta.

- Eu tinha você como uma menina super mimada e que tinha tudo o que queria. - Olho para a mesma que sorriu e negou com a cabeça, entramos no quarto de hóspedes, haviam dois biquínis, um preto e outro vermelho em cima da cama box. - Mas em uma coisa eu acertei quando te vi.

- Que coisa? - Perguntou tirando a jaqueta que usava.

- Que você fodia muito bem, e olha eu estava super certa. - Sorri maliciosa para a mulher, a morena fez questão de caminha até mim, suas mãos pararam em minha cintura e me puxou com força contra seu corpo, seus lábios foram até meu pescoço, a morena beijou de forma longa.

- O que você acha da gente foder na piscina. - Afastei a morena de meu corpo e arregalei os olhos.

- Você é tão pervertida, meu deus. - A morena sorriu.

 

Assim que nos separamos para vestir o biquíni fiz questão de tirar tudo lentamente, a mulher olhava para cada parte de meu corpo, passeava por minhas curvas, eu amava como Lauren queria meu corpo, sorri e ela pareceu perceber, e negou com a cabeça.

 

- Você sabe os efeitos que tem sobre meu corpo e adora provocar. - A morena reclamou totalmente enebriada.

- Vamos logo, antes que você me agarre aqui… - Fingi inocência, a mulher negou com a cabeça.

- Cade minhas sapatonas favoritas. - Verônica entra no quarto totalmente sóbria.

- Mais que merda esta acontecendo aqui? - Arco a sobrancelha olhando para mulher, tinha um ponto de interrogação enorme em minha testa, a mulher não consegui nem se manter em pé a minutos atrás e agora aprece aqui como se nada tivesse acontecido.

- Eu fingi que estava bêbada… E adorei ser levada no colo, me senti uma princesa. - Lauren revirou os olhos e xingou baixo a amiga. - Sempre bebo demais, já estou acostumada, não eram aqueles copinhos de tequila que iram ganhar de mim.

- Sempre faz isso, não é, sua ridícula. - Lauren quase gritou. - Segunda vez que se finge de bêbada, para que te leve no colo, cara de pau.

- Vamos, não seja tão chata, todos estão nos esperando. - Vero nos puxou pelo enorme corredor. - Me perdoem, foi tudo um plano maravilhoso de Dinah.

 

Em algum momento Lauren saiu na nossa frente, a morena estava irritada com a amiga, ficamos apenas eu e Verônica, sentia a curiosidade tomar conta de meu corpo, queria perguntar o motivo da mulher não ter incentivado a amiga a fazer história, já que pareciam tão próximas com isso.

 

- Posso te perguntar uma coisa?

- Se for perguntar se esta bonita com esse biquíni devo dizer que esta uma loucura, vermelho combina com você. - Ri do jeito que a mulher falou, Lauren nos olhou curiosa mas logo voltou a prestar atenção na escada que descia.

- É outra coisa, mas eu sei que estou gostosa. - Foi sua vez de rir.

- Então pode me perguntar o que quiser.

- Por que não ajudou Lauren a fazer história? - Ela me olhou surpresa, respirou fundo e olhou para frente.

- Eu e Dinah fomos as que mais incentivou ela a fazer história, ela amava tanto, era linda a forma como ela via as coisas de uma forma totalmente diferente, mas ela se sentiu ameaçada pelo pai e não queria fazer a sua mãe sofrer, acabou que eu e a Dinah não tínhamos mais argumentos para aquela situação.

- Pelo pouco que ela me falou eu vi o quanto ela ama história, mas ela diz estar feliz com as corridas. - A mesma sorriu e confirmou com a cabeça.

- Ela está feliz, ela ama tanto carros quanto ama história. - Ri da mesma.

- Tenho outra pergunta...

- Está cheia das perguntas essa noite, Karla. - Chegamos na área da piscina, os olhos trataram de olhar em nossos corpos, me senti mal pelo fato de tantas mulheres olharem o corpo de Lauren, e devo imaginar que ela estava da mesma forma com os olhares em minha direção.

- Como você tem tanto dinheiro? - Senti meu peito formigar pela curiosidade que estava sentindo.

- Eu sempre fui muito sozinha, Karla, meus pais morreram quando eu tinha 15 anos em um acidente de carro, eram empresários riquissimos, e por eu ser filha única acabou que tudo ficou para mim. - Engoli a seco, me senti mal por ter perguntado. - Eles construíram essa casa, cada detalhe dela, trabalharam duro, e eu fiz questão de não tirar nada do lugar, em memória a eles. - Sorri para a mesma e a puxei para um abraço apertado. - E agora eu administro as empresas, mesmo que eu seja meio maluca sou consciente com relação a empresa.

- Você é uma mulher forte, estou muito grata de ter você como amiga. - A mesma sorriu doce e me abraçou mais uma vez.

 

Meus olhos passaram por todo lugar, até ver uma mulher ruiva conversar com a morena que estava até animada com o assunto, serrei os olhos na direção das mulheres, elas sorriam enquanto Lauren gesticulava com as mãos como fez enquanto falava do vaso que tinha comprado ao lado de Vero. Travei a mandíbula, me separei da mulher com uma desculpa qualquer e caminhei até onde as duas estavam.

 

- Não sabia que tinha amigas aqui além das que tinha me apresentado, Lauren. - A morena ficou assustada pela forma como falei e tratou de engolir a saliva que tinha se acumulado em sua boca.

- Essa é a Cheryl, ela estudou comigo. - A moça sorriu, droga, ela era bonita, muito bonita a propósito.

- É um prazer… - Parou de falar esperando minha resposta, pisquei os olhos algumas vezes tentando raciocinar o que iria dizer, mas não abaixaria minha guarda, algo que não existe é Karla Camila abaixar a guarda.

- Karla. - Estendi a mão e olhei no fundo dos olhos de Lauren, a morena ficou mais branca do que o normal, ótimo, que sinta medo, a morena tinha que ter em mente que não poderia brincar comigo.

- Ela é a minha namorada. - Diz olhando para a ruiva que sorriu ainda mais.

- Eu sei, caso contrário não estaria acontecendo essa festa. - A mesma diz como se fosse obvio. - Fico feliz que tenha encontrado alguém, você merece. - Beijou o rosto da morena e saiu.

- Mais que merda é essa? - Pergunto cruzando os braços.

- Não era nada demais, apenas uma conversa, não precisa sentir ciúmes. - Revirei os olhos, eu realmente estava passando vergonha em toda aquela situação.

 

Me virei para o lado emburrada, até ver um grupo de meninas já bêbadas, uma fazia body shot na outra, senti minha pele queimar, olhei para a mulher que estava ao meu lado e sorri da forma mais maliciosa que consegui.

 

- O que você acha de jogarmos um pouco? - Peguei em sua mão e fui até a mesa das meninas, logo Dinah e assim como as outras se aproximaram, isso será interessante.

 

 

 

XXX


Notas Finais


o que acharam? esse cap é importando pq teve mts conversas abertas...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...