1. Spirit Fanfics >
  2. A alfa Lúpus >
  3. Capítulo 30

História A alfa Lúpus - Capítulo 32


Escrita por:


Notas do Autor


Hello xuxuzins 😘

Capítulo 32 - Capítulo 30


Fanfic / Fanfiction A alfa Lúpus - Capítulo 32 - Capítulo 30

P.O.V S/N

Todos estavam no meu quarto de enfermagem, todos ao redor da cama que Leah estava deitada.

Eu e Carlisle estávamos a examinando, eu não sou a melhor médica, mas eu dou o meu melhor.

Viemos para aqui, para fazer um check-up em Leah, queria que tudo estivesse bem, com ela e meus filhos.

O fato de que toda família estava aqui me era estranho, é como se uma grande pressão estivesse sobre mim.

Como se eu passasse em uma rua e percebesse que muitas pessoas me olhavam julgadoras.

--Okay, pessoal, vamos todos saíndo, Leah precisa descansar.--Doutor Cullen, meu sogro bonitão diz.--S/n?

--Sim?--Pergunto observando todos saírem do quarto.

--Pode fazer algo saudável para Leah comer?--Ele indagou.

Aceno em concordância e Sue me olha zangada, sinto que vou levar sermão.

Assim que Carlisle sai, ela caminha até mim, sua face séria era horripilante.

--Eu sei que você vai encher ela de besteira, então quem vai fazer sou eu.--Sue diz e sai com a cabeça erguida.

Olho incrédula para Leah que gargalhou alto, ponho a mão no coração em sofrimento.

--Eu não faço isso!--Resmungo cruzando os braços.

--Você faz, acredite.--Leah me olha risonha.

--Eu só não fodo você, porque você está debilitada.--Joguei meu veneno falso para ela que me olhou pasmada, sua cara se contorceu para uma carranca.

--Quem disse?--Me olhou desafiadora, se aproximando lentamente.

--Eu disse.--Murmuro quando estávamos perto o suficiente uma da outra.

Ela não disse nada, só me beijou afoita, pulando em meu colo e puxando meus cabelos com brutalidade.

--Hum-Hum.--Alguém pigarreou, nos separamos do beijo rapidamente, olhando para a porta.

--Ainda bem que fui eu a entrar primeiro, eu vim trazer esses adolescentes, eles querem conversar com você, cunhadinha!--Emmet.

--Tudo bem, entrem.--Falei e me sentei em uma cadeira confortável que ali tinha, com Leah ainda abraçada ao meu corpo.

Aos poucos, o pequeno grupo de fantasmas, entraram no quarto sem cerimônia.

--Olá!--Se curvaram sorrindo.

--Olá, queridos. O que desejam?--Leah foi agradável.

--Nós queríamos saber qual seria nossos nomes e também se você está bem.--Murmura a Albina.

--Hum... Vamos pensar um pouco.--Falei e eles se sentaram pensativos.

--Eu sempre quis ter meu nome como William!--O garoto diz, ele era irmão de uma das garotas.

--Então seu nome será William.--Leah.

Ele festejou animado, batendo leves palmas, mas parou, ficando neutro como ele sempre é desde que eu o vi.

--Ah, ah, eu sempre quis ter Arya como nome!--Gritou a garota negra, animada. Um grande sorriso em sua face e seus cabelos cacheados, me fez adorar a visão, era muito fofo.

--E o meu de Charlotte!--A ruiva comenta empolgada.

--Então, assim será!--Falei, A loira e a Albina suspiraram tristes, as olhei curiosa.--Por que estão tristes?

--Eu não sei que nome eu quero, senhorita.--Murmurou a Albina chorosa.

--Nem eu.--Disse a loira suspirando.

Eu e Leah trocamos olhares cúmplices, olhamos para as duas com um sorriso gigante.

--Hum...--Exclamei pensativa.--Que tal, Serena?--Indagou olhando para a Albina que concordou várias vezes.

--E que tal, Margaret?--Leah disse olhando a loira, essa que tinha seus olhos brilhando.

--Sim, mil vezes, Sim!--Falou eufórica.

Faço surgir um grande pergaminho em minhas mãos, junto com minha caneta do Batman.

--Eu, S/n Watson, declaro Arya, Serena, Margaret, Charlotte e William, como meus filhos.--Falei e assinei meu nome no papel.

Leah pegou o pergaminho de minhas mãos e sorrindo, começou a falar:

--Eu, Leah Clearwater Watson, Esposa de S/n Watson, declaro Arya, Serena, Margaret, Charlotte e William, como meus filhos.--Leah diz sorrindo, observo a cara chorona deles e gargalho junto a Leah.

Eles correm até nós, nos abraçando com força, naquela sala podia se ouvir de longe, o choro deles.

--Tudo bem, gente, calma!--Exclamei e eles se separaram de nós sorridentes.

--S/n, digo, mãe ou pai, sei lá...--William disse nervoso.--Seu filho, um negro bonitão, fica me olhando de uma forma estranha, devo me preocupar?

Olho surpresa para ele, isso é muito estranho, será que Steve achou seu companheiro de vida? O estranho é, William é um alfa, no meu universo é claro.

Isso de certa forma é diferente, raro por si dizer, no meu universo, era difícil alfas ficarem com alfas, essa é a primeira vez que estou vendo isso.

Mas talvez seja só uma hipótese, nada demais, é nada demais!

--Você está bem, meu anjinho?--Leah pergunta me olhando.

--Sim, claro, estou bem.--Murmuro inerte.

--Não parece.--Comenta Leah.

--Eu estou bem, só estou um pouco surpresa.--Respondo.

--Por que?--Me olhou confusa.

--Conversamos mais tarde.--Falei ao perceber o grupo de fantasmas nos olhando.

--Tudo bem.--Ela sussurrou.--Vocês estão com fome? Temos uma ótima chefe de cozinha aqui!

Me levanto orgulhosa, eu sabia que era eu, limpo meu traje como se estivesse me gabando.

--Que é minha mãe, ela está na cozinha nesse momento.--Diz Leah, me encarando com um sorriso travesso.

Bufo e faço o pergaminho sumir, seguro a loba e coloco ela na cama de volta, saiu de lá escutando as risadas.

Chego na cozinha e encontro Rose, Jane, Elizabeth, Esmee, Bella, Alice, Sue e suas filhas, Emma e Jennie, fofocando.

--Como S/n é na hora do sexo?--Rachel pergunta, trazendo a curiosidade de todas, menos de Jennie.

--Ela é maravilhosa!--Rose diz e todos sorriem maliciosas, até ESMEE!

--Ela se mantém neutra as vezes, seja selvagem ou carinhosa.--Jane comenta com um olhar safado.

--Eu não sei como vocês aguentam aquela giromba!--Diz Emma, fazendo todas rirem.

--Realmente, quando eu estava com S/n, ainda mais perto do seu cio, eu saia muito cansada.--Jennie comenta.--Sem ofensas, meninas!--Completou olhando minhas vampiras.

--Tudo bem, acredite, eu concordo, é excitante ao ponto de nos fazer chorar.--Rosalie diz, fazendo todas arregalaram os olhos.

--Acho que S/n é uma máquina do sexo!--Alice exclamou tomando um café.--Alias, quanto de centímetros ela tem?--Perguntou.

--Nós nunca medimos, mas acho que, uns 29 ou 30 por aí.--Jane responde me deixando constrangida.

--Vou fingir que vocês não estão falando de mim e do meu pau.--Falei chamando a atenção delas que me olhavam surpresas.--O engraçado é que, dona Esmee está na rodinha, não esperava isso da senhora.--Falei em ironia.

--Já não se pode mais falar de você hoje em dia, que saco.--Emma resmungou.

--Ah claro, vou sair aqui e vocês continuam a falar do meu amigo Juninho, de boa.--Irônica eu? Claro que sou.

--Desculpa.--Jane diz tímida.

--Esta tudo bem, mas que não voltem a falar da nossa vida sexual, a não ser que vocês queiram que eu espalhe pro mundo os lugares que nós já transamos.--Sorri.

Seus olhos arregalados junto com a de todas, me fez rir, Emma nos olhou curiosa.

--Pelo o que você disse, deve ter sido em muitos lugares.--Emma disse com um sorriso.

--Nos desculpe.--Rosalie.

--Já que vocês querem tanto que eu entre no grupo da fofoca, eu vou entrar.--Falei, pego rose no colo e sento em seu lugar com ela sentada em mim.

O olhar das minhas esposas, eram engraçados, estavam constrangidas.

--Eu ouvi que S/n vai dizer os lugares que vocês já transaram, cheguei para saber dos babados.--Emmet aparece animado.

Solto um sorriso malicioso e observo minhas vampiras me olharem alarmadas.

Aos poucos, todos os outros chegam na cozinha, todos curiosos.

--Você não vai contar, não é?--Jane disse constrangida.

--E por que não, olhe nossa plateia.--Respondo recebendo olhares de súplica das duas.

--Conta logo!--Sue manda eufórica.

--Já transamos por muitos lugares, sejam eles públicos ou privados.--Comecei e Rosalie pôs as mãos em minha boca.

--Agora eu fiquei curiosa!--Esmee.

--Continuando, já transamos em elevadores, em florestas, em cavernas, se duvidar até de baixo da terra.--Sorri maliciosa, Jane e Rosalie se encolheram tímidas.

--E como vocês conseguiram sem ninguém vê?--Edward indaga.

--S/n sempre faz um feitiço de ocultação.--Respondem atrás de mim.

Todos se viram para ver quem é, e bem, já está óbvio que era ela, quem mais saberia disso se não, nós?

--Venha, sente aqui, querida.--A chamei batendo na minha outra perna vaga.

Ela se aproximou e se virou, peguei em sua cintura e a levantei, colocando no meu colo junto a Rosalie.

--Inteligente.--Carlisle.--Mas, você deveria estar descansando, Leah!

--Ficar naquele quarto é chato!--Resmungou se jogando para trás e deitando sua cabeça em meu ombro.

--Mas mesmo assim, eu já iria levar sua comida.--Sue disse séria.

--Mas eu queria ficar com S/n!--Responde com um bico fofo, mordo sua bochecha não me contendo com tanta fofura.

--Ela está certa, querida!--Adverti divertida.

--Até você?--Leah bufa em desagrado.

--Esta bem, você está certa, sempre está!--Comentei e um sorriso nasceu em seu rosto.

--Bipolar...--Comentou Jacob e todos viramos a cabeça até ele, ao perceber que Leah suspirou chorosa.--Que foi gente?--Nos olhou confuso, Leah chorou alto e ele se aproximou nervoso.--Não foi isso que eu quis dizer, desculpa, Leah!

--Tudo bem, vai ficar tudo bem.--A aninhei mais aos meus braços, lanço um olhar mortal para o Black que saiu dali envergonhado.

Leah soluça ainda chorona, acaricio sua cabeça e beijo sua testa.

--Bem, pessoal, Eu vou levar essa bela dama para descansar e comer, com licença.--Falei e peguei Leah no colo, essa que se agarrou no meu corpo, mesmo com a barriga impedindo.

Deixei Rosalie na cadeira e peguei a bandeja que Sue estava preparando para minha lobinha manhosa.


Com um aceno de cabeça, eu começo a sair da cozinha, mas paro assim que escuto meu nome.

--S/n, como que faz esse feitiço de ocultação?--Emmet indaga malicioso e Elizabeth lhe dá um tapa.--Deixa!

Saio dali rindo, começo a subir as escadas calmamente, mas escuto meu nome de novo.

--Papai, eu posso conversar com você mais tarde?--Steve disse brincando com os dedos, ele aparenta estar nervoso demais.

--Claro, querido.--Respondo e continuo o caminho onde eu parei.

Leah dá pequenas mordidas em meu pescoço, dando lambidas e chupões.

--Nós ainda não acabamos aquilo!--Ela disse maliciosa.

--Deixa de fogo.--Murmuro em resposta.

Suas mãos vão para dentro de minhas vestimentas, agarrando meu pau sem cerimônia alguma.

Contenho o rosnado preso em minha garganta, essa loba está querendo usufruir do meu corpinho, não vou deixar.

--Nem se eu...--Ela se aproximou do meu ouvido.--Te chupar um pouquinho?--Sussurrou sexy.

--Eu não vou deixar.--Falei.

(...)

--É claro que eu deixo.--Murmuro estocando Leah que estava ofegante em baixo de mim.

No fim eu não resisti e estamos aqui, no nosso quarto transando. Era para Leah descansar, mas a loba não quer.

--Isso...-Gemeu baixo.

A estoco com rapidez, ataco seus mamilos, sugando eles com delicadeza, a quileute estava frágil.

--Oh Fuck!--Xingo frustada ao sentir as paredes internas de Leah, sugarem mais meu pau para si.

--Vai mais um pouquinho mais forte, amor!--Implorou, eu estava indo, não muito forte para não a machucar e ela estava sempre me pedindo isso.

--Não, você ainda está frágil!--Resmungo e ela me dá algumas tapas, estava furiosa.

--Em chamas!--Ela disse e seu corpo se tornou completamente fogo.

O fogo não me queima, ela realmente acha que esse feitiço vai machucar o feiticeiro que sou eu? Ledo engano.

O feitiço nunca vira contra o feiticeiro, se o feiticeiro for um profissional e competente como eu.

--Isso não vai me machucar, tente outra coisa.--Falei com um sorriso travesso no rosto.

Ela grunhiu e se mexeu, me tirou de dentro de si e tornou a ficar de lado.

--Só vai um pouco mais forte, por favorzinho!--Pediu manhosa, solto um suspiro e a penetro novamente, indo um pouco mais forte.

O que elas não pedem sorrindo que eu faço chorando?

Seus gemidos são excitantes e o fato de estarmos fazendo um sexo delicado, era estranho e gostoso para mim.

Beijo sua nuca e acaricio sua grande barriga de grávida.

--Anjinho?--Me chamou e eu respondo com um sonoro som.--Podemos ter aquela conversa?

--Sim.--Concedo e ela se afasta, me deixando frustada, solto um suspiro indignado.

--Por que ficou calada naquela hora?--Indagou se abraçando ao meu corpo.

--Lembra que William disse que Steve estava o observando estranho?--A penetro novamente.

--Sim...huh, o que tem isso?--Ofegou enquanto eu a penetrava lentamente.

--Se for o que eu estou pensando, é bem possível que Steve, tenha encontrado seu companheiro que é o William.--Expliquei.

--Sim, o que tem nisso?--Pergunto confusa.--Não vejo nada demais nisso!--Afirmou.

--O William é um alfa e no meu universo, é bem raro alfas se apaixonarem por alfas, entende?--Esclareci.

--Ah...--Murmurou pensativa.--E o que você acha disso?

--Olhe, eu não sei o que dizer sobre isso, é a primeira vez que vejo isso.--Fui sincera.--No meu universo, os alfas são de certa forma, mesquinhos sobre classe ou raça, mas isso é só com alfas normais, nós lúpus puros não ligamos para isso.

--E você vai apoiar Steve com isso?--Leah pergunta nervosa.

--Por que não? Ele é nosso filho e está crescendo, mesmo que ele ainda continue com a cara de bebê dele.--Confesso rindo.

--Sim!--A loba riu junto a mim.

--Ele vai vir aqui mais tarde, então vamos tomar um banho gostoso.--Falei e me levantei, pegando a quileute nua em meus braços.

--O que está esperando? Corre logo pro banheiro!--Mandou e eu me apressei.--Eu ainda quero usufruir do seu corpinho.

--Mas o que?--Pergunto incrédula e ela riu da minha cara.

--Eu estou grávida, eu sou preferencial!--Ela debocha agarrada a meu pescoço.--Eu quero, eu posso!

--Virou Ariana grande agora, foi?

--Quem é essa?--Indagou confusa.

--Deixa pra lá.--Movo minha cabeça em negação.

--Agora você vai me contar quem é essa! Ela não está dando em cima de você, não é?--Seus olhos cemicerrados me fizeram rir.

--Não, claro que não, é uma mulher muito bonita do mercadinho aqui perto, conheci ela quando fui comprar seus doces.--Ironizei e recebi um tapa.

--Você nunca mais vai entrar naquele mercado!--Leah vociferou enciumada.

--Não tem problema, a gente se encontra sempre em um bar da esquina.--Menti, talvez eu queira conhecer a morte cedo!

--Eu vou te matar, S/n! Vou matar você e essa baranga!--Ela rosnou irada.

Começo a rir, a loba não percebeu que era tudo mentira, o que o ciúmes não faz, não é mesmo?

--É brincadeira, me dê um beijo.--Pedi e ela virou a cara séria. Cheiro o seu pescoço e ligo o chuveiro.

--Não toca em mim, vai lá com essa tal de Ariana.--Disse.--Aliás,O que significa esse "Grande", S/n?

--E eu sei lá, é o sobrenome dela e essa tal de Ariana grande, é uma cantora, do universo que eu vim.

--Hum...--Fez um som com a boca, ainda de braços cruzados no meu colo, enquanto somos recebidas gentilmente pela água do chuveiro.

--Não vai me dar um beijo?--Fiz um bico e ela me olhou por alguns segundos e desviou o olhar.--Menina má!

A encostei no box e ataquei seus seios desnudos, suas mãos tentavam me afastar em meio aos seus gemidos, mas não conseguiam.

Aperto sua bunda com uma das minhas mãos e com a outra, seguro meu pau perto de sua vagina.

--Tá bom, tá bom, eu beijo!--Ela disse desesperada.

--Tarde demais!--Sussurro e a penetro, seus gemidos eram altos e calorosos.

--S/n, lembre-se que ela ainda está grávida!--Uma voz disse atrás de mim, identifiquei como a de Jane.

--Eu não estou indo tão forte assim.--Resmungo e Leah se agarra mais a mim.

--Está tão fraquinho, vai mais forte!--Leah pede.

--Não, não mais.--Falei e ela choramingou em meu ouvido.--Isso não vai funcionar.

--Mas, S/n...--A Interrompo.

--Eu já disse não!--Falei com minha voz de alfa e ela tremeu, suas paredes internas se contraíram e sujaram meu membro com seu orgasmo.

--Não fale com sua voz de alfa assim, é tão excitante!--Jane disse atrás de mim.

Olhei para trás e encontrei a vampira se masturbando. Essa cena é bem erótica!

--É mesmo, é?--Falei de novo, ela se contraiu, observei sua vagina esguichar seu líquido para o chão.

Lambi os lábios com tesão, coloquei Leah no chão ao sentir uma imensa raiva crescer dentro de mim, isso significava uma coisa...Meu cio estava próximo.

Me afastei da loba e encostei minha testa no box, tentando ficar calma.

Fecho os olhos, precisava me acalmar, Leah estava aqui e eu podia machucar ela, apesar disso parecer impossível.

Sinto pequenas lambidas em minha glande, olho para baixo e encontro a loba ajoelhada.

--Você está louca?--Vociferei me afastando, ela engatinha até mim novamente e passa a língua no meu pau.

--Ela deve estar necessitada demais.--Jane murmura observando Leah me chupar.

--Leah, você não pode fazer isso, ainda mais no estado em que eu estou agora.--Falei branda e me afastando da loba que continua a me seguir.

--Mas eu quero, só um pouquinho, por favorzinho.--Pediu manhosa e eu neguei.

Era só a droga de um boquete, mas eu não vou arriscar, eu já fodi elas mesmo grávidas e irritada, mas nunca chegamos ao ponto disso.

Nunca chegamos ao ponto de fazerem um boquete em mim, comigo irritada por causa do cio.

Isso é tão confuso!

--S/n!--Implorou e eu neguei.

A raiva que eu estava sentindo aumentou e eu olhei pedindo ajuda para Jane.

--Leah...--Jane é interrompida.

--Não, eu vou ficar aqui até ter o que eu quero!--Resmungou cruzando os braços.

--Amor, se ficar aí ajoelhada, você vai pegar um resfriando e seus joelhos vão doer.--Tentei a fazer desistir, mas ela só virou a cara.

Suspiro, talvez se eu pegasse ela no colo, ela pararia com essa birra.

Caminho até ela que sorri vitoriosa, mas desmancha o sorriso ao perceber o que eu vou fazer.

--Não, nem mais um passo.--Rosnou a loba irritada. Desisto revirando os olhos.

--Mas que inferno, é só um cacete de um boquete, Leah!--Reclamei mais irritada.

Seus olhos se encheram de lágrimas, ela se aproximou de mim e me olhou pidona.

--Mas, eu quero chupar seu...--A Interrompo.

--Nem mais uma palavra, vamos, você pode ficar doente, se ficar debaixo do chuveiro por muito tempo!--Me abaixo para pegar ela, Leah se vira e desliga o chuveiro.--Leah!--Exclamei furiosa.

--Você não vai morrer se eu chupar só um pouquinho!--Disse manhosa.

Aperto os punhos irada, levanto uma mão e soco a parede atrás de Leah fraco.

--Só...chupa logo.--Murmurei derrotada.

Ela sorriu vitoriosa e brincou com meu falo, Jane negou com a cabeça rindo.

Essa foi a primeira vez que brigamos por causa disso, eu nunca pensei que isso aconteceria.

Soltava alguns gemidos para ver ela me olhar com fogo e aumentar os movimentos.

Solto um grunhido alto ao notar que meu orgasmo chegou, melando a boca da quileute.

Ela engoliu tudo com um sorriso no rosto, se levantou e me abraçou...Bipolar!

--Eu amo você!--Afirma, seus olhos brilhando.

--Chantagista de uma figa!--Murmurei.

--O que foi que disse?--Me olhou com as sombrancelhas arqueadas.

--Eu disse, eu também amo você, meu docinho de côco.--Digo rápido e ela me olha desconfiada.

Jane cai na risada e eu também, Leah não demora para isso.

--Acho que é melhor eu sair, posso pegar um resfriado.--Leah disse e eu olhei ela incrédula.

--Nossa, sério? Isso não deveria ser bem antes?--Indagou com ironia e ela me dá um tapa.

--Não me irrita, sua Olivia palito de Chernobyl!--Leah.

--O que?!--Exclamei surpresa, ela sai do banheiro rindo da minha cara.

Palhaçada viu!

--Até que enfim sozinhas!--Jane diz maliciosa e me abraça.

--É, sozinhas.--Murmuro e a puxo para meu colo.

--Você vai me dominar?--Jane disse com uma voz sexy.

--E por que não?--Rebati, agarrando seus cabelos.

--Então por que não me deixa com fogo?--Sussurrou e eu a encostei na parede.

Junto nossos lábios com volúpia, a preencho com força e começamos uma transa selvagem no box.

Que comece a festa!




Deixem sua estrelinha e seu comentário, eles são importantes.




Notas Finais


Bye xuxuzins 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...