História A Aposta - CHONI - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Riverdale
Personagens Alice Cooper, Antoinette "Toni" Topaz, Archibald "Archie" Andrews, Cheryl Blossom, Elizabeth "Betty" Cooper, Fangs Fogarty, Forsythe Pendleton "Jughead" Jones III, Reginald "Reggie" Mantle, Veronica "Ronnie" Lodge
Tags Choni, Drama, Riverdale, Romance
Visualizações 33
Palavras 1.982
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção, Ficção Adolescente, LGBT, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Bom, gente. Sem mais delongas, espero que gostem do capítulo.
Prometo postar sempre que puder.

Capítulo 2 - Capítulo 2


Fanfic / Fanfiction A Aposta - CHONI - Capítulo 2 - Capítulo 2

A semana passou se arrastando. Cheryl conseguiu esquivar dos serpentes e do resto dos amigos de Toni durante quase todos os dias. Ela avistava de longe aqueles cabelos ondulados com mechas rosa andando pelos corredores como se fosse dona de tudo, e se enfiava na primeira porta que encontrava. Ela acreditava que estava tudo bem, que conseguia ser discreta. Porém Toni percebia todas as vezes a pressa da ruiva. Achava engraçado e até adorável que a garota tentasse escapar dela, mas a rainha dos Serpentes a tinha como um alvo. Eram 500 dólares que não estava disposta a perder, muito menos 1000. 

Toni passou a semana inteira dando espaço para Cheryl, deixando a garota acreditar que conseguia se esquivar dela e de seus amigos. Passou a observar a ruiva de longe e começou a notar o quanto ela era linda. Quem diria, ein Topaz? Você admitindo que a maior nerd de Riverdale High é gata. E é gata para um caralho. Olha só essa boca, essas pernas, essa bunda. O dinheiro da aposta valia a pena, mas agora, mesmo se não tivesse grana ou aposta, ela iria ter Cheryl Blossom. 

Sexta-feira

Cherly estava conversando com Betty Cooper, sua melhor amiga e também prima. A loira tinha uma queda absurda pelo líder dos Serpentes, Jughead Jones. Os dois conversavam algumas vezes pois ambos trabalhavam no jornal da escola.

- Ele é muito legal, escreve tão bem - suspirava Betty.

- Uhum. – Cheryl não estava prestando atenção, já tinha visto que Toni, Reggie e Ronnie (lindos como sempre. Os dois últimos não tanto quanto Toni, claro. Toni Topaz não era apenas linda, ela era maravilhosa, pensou Cheryl) tinham chegado no colégio e tentava pegar seus livros o mais rápido que podia para sair correndo dali.

- Cheryl, você acha que eu deveria chama-lo para sair?

- Olha, faça o que seu coração mandar. Eu preciso ir, Betty. Depois conversamos.

A ruiva correu para a primeira porta que encontrou, que era o banheiro feminino. Largou a mochila, abriu a torneira e jogou água no rosto.

- Fique calma – dizia para si mesma. Respirou cinco vezes profundamente até ouvir o barulho da porta atrás de si. Olhou para o espelho e sentiu seu coração parar.

- Oi, ruiva – disse Toni, encostando-se na parede, observando a garota. – Está fugindo de mim?

- Oi...fugindo? – riu nervosa – Claro que n-não. Por que você acha que eu fugiria de você?

- Bom, que tal porque todas as vezes que eu chego no colégio te vejo correndo e entrando em alguma porta qualquer?

- Ah, isso... Quer dizer, não. É só coincidência. – disse Cheryl encarando o chão, não conseguia fazer contato com os olhos de Toni sem sentir as pernas tremerem.

- Tem certeza?

A ruiva não tinha percebido Toni se aproximar, tão silenciosamente como uma Serpente de fato. Ela levantou os olhos do chão e se deparou com a garota há dois passos de si.

- Eu..

- Você é uma péssima mentirosa, princesa – sussurrou Toni em seu ouvido.

- Er...

- Eu deixo você nervosa? – falou mais uma vez com a voz baixa e rouca.

Cheryl não conseguiu responder. Abriu e fechou a boca diversas vezes, não encarando Toni nos olhos. Topaz estava tão próxima dela. Da mesma forma como Cheryl não a viu se aproximar, demorou para perceber quando a Serpente virou de costas para a ruiva e foi embora. Cheryl sentia suas bochechas queimarem, seu coração estava disparado e torceu para que Toni não pudesse ouvi-lo.

 

Cheryl não divida a próxima aula com Topaz e sentiu um alívio por ela não fazer Biologia. Porém, ela não conseguiu escapar do restante do grupo da Serpente.

A ruiva entrou na sala do Senhor Smith, no horário (não correria o risco de aumentar a sua detenção no final de semana). E sentou-se no canto, esperando não ser notada.

- HEY, Blossom. – cumprimentou Reggie, com seu melhor sorriso.

- Oi, Reggie - suspirou Cheryl, imaginando qual seria a próxima "brincadeira" que fariam com ela.

- Então, eu estava pensando...

- Isso é uma novidade – interrompeu Betty, aproximando-se dos dois. Não iria deixar a prima nas mãos daquele troglodita.

Reggie encarou a loira por um momento, Cheryl achou que ele iria começar a ofendê-la, mas surpreendentemente ele apenas voltou sua atenção para a ruiva.

- Como eu ia dizendo, eu estava pensando, será que você gostaria de sair comigo nesse sábado?

Betty cuspiu toda a água que estava bebendo, Cheryl arregalou os olhos e sentiu suas bochechas corarem.

- Você tá me chamando para sair?

- Isso mesmo.

- Mas, por quê?

- Olha, eu sei que fui muito otário com você durante muito tempo. Mas comecei a notar o quão linda você é, sabe – Reggie tocou os cabelos vermelhos de Cheryl, botando-o para trás de sua orelha. A garota por mais corada que estivesse, não estava gostando dessa aproximação e muito menos acreditando em uma palavra sequer que o jogador de futebol estava falando.

- Qual é a jogada aqui, oh capitão? – Perguntou Betty mais uma vez se intrometendo.

- Cooper, eu não acho que a Blossom precise de você para falar por ela. E aí, gata, topa?

- Obrigada pelo convite, mas eu não posso.

- Não acredito nisso.

- De verdade, não posso. Tenho detenção para cumprir.

- Você poderia inventar uma desculpa melhor, né Blossom? Detenção? Você? Conta outra. – respondeu Reggie, irritado.

- Não é desculpa, Reggie. Eu realmente tenho detenção nos próximos dois sábados. Cheguei atrasada na aula da senhora Wilson - justificou-se, mesmo sabendo que não tinha motivos para se justificar para Reggie. Quando que ele a tratou bem? Ela não conseguia lembrar.

- Ah, professora Wilson é realmente uma carrasca. Sempre pegando no meu pé – o garoto ri – e atrapalhando meus planos de final de semana até mesmo indiretamente.

- Pois é. – Cheryl bastou dizer. Esperava que assim o garoto desistisse de sair com ela ou qualquer coisa que estivesse planejando e a deixasse em paz.

- Mas tudo certo, Blossom. Eu espero a sua detenção acabar e te chamo para sair de novo. – Reggie deu outra vez o seu melhor sorriso, que fazia as garotas suspirarem, virou de costas e se juntou ao seu grupo de amigos mais uma vez.

Antes que Smith pudesse começar a aula, Cheryl consegue ouvir Veronica Lodge rindo de Reggie.

- Parabéns, você chegou ao fundo do poço. Levou um fora da maior nerd da escola.

- Cala boca, Ronnie. Está tudo sob controle.

Cheryl não gostou de se sentir observada durante a aula por aquele grupo. No fundo, sabia que tinha alguma coisa por trás de tudo aquilo e sabia que era algo para machuca-la. Eles sempre tinham ideias novas para tornar a vida dela mais difícil e infernal no colégio. Com certeza tinha alguma coisa. Será que Toni também estava envolvida? Por isso foi falar com ela no banheiro? Mas a morena sempre a perseguiu e ao mesmo tempo flertava com Cheryl, apesar de nunca demonstrar um real interesse. Os flertes eram puro divertimento em deixar a ruiva sem graça e vermelha. 

Ela passou a manhã inteira divagando e tentando encontrar motivos e sentido na forma como estava sendo tratada, mas não conseguia pensar em nada racional. Acho melhor me manter o mais longe possível deles. 

No horário do almoço Betty foi direto para a sala do Jornal afirmando que tinha que terminar de escrever uma matéria, mas Cheryl sabia que ela só estava esperando encontrar com Jughead. E que de fato, encontrou. O garoto estava relevando as últimas fotos do jogo que aconteceu no final de semana quando Cooper encontrou na sala.

Apesar de ser o líder dos Serpentes, Jug não era um garoto inconsequente. Ele era centrado, sério e isso deixava Betty Cooper cada dia mais apaixonada. Ela era determinada, inteligente e tinha um ótimo dom para investigação. Qualidades que deixava Jughead Jones completamente maravilhado. 

Betty contou para o garoto a estranha interação de Reggie com Cheryl pela manhã, tentando descobrir alguma coisa. Mas Jughead não sabia lhe dizer nada e prometeu contar tudo que descobrisse sobre o assunto. Quando Jug terminou de revelar as fotos, convidou Betty para ir almoçar e a mesma aceitou sem hesitar. 

- Quem sabe podemos levantar teorias sobre Reggie - comentou Jug.

- Eu iria adorar - sorriu Betty, fazendo o garoto sorrir também.

Enquanto isso, Blossom fugiu de toda a concentração de pessoas possíveis, se escondendo ao lado das arquibancadas. Ela nunca era incomodada naquele lugar e ainda poderia tomar um pouco de sol e respirar ar puro. Ela adorava ficar do lado de fora, em contato com a natureza. Sentia-se tão presa em Thonrhill que qualquer momento longe daquele lugar, na rua, era maravilhoso.

Estava concentrada rabiscando em seu caderno de desenho quando ouviu um barulho vindo debaixo das arquibancadas. Era um riso familiar. Ela se levantou e seguiu o som.

Encontrou duas garotas deitadas, uma em cima da outra, no chão. Seu coração parou quando reconheceu aquelas mechas rosas que caiam por cima da garota deitada.Toni. Toni e Josie. Foi a única coisa em que conseguiu pensar.

Ficou olhando Toni beijar Josie e ir descendo pelo seu corpo, chupando seu pescoço, deixando devagar com as mãos, passando pelos seios, cintura, pernas, afastando as pernas da garota debaixo de si. Arrancando-lhe a calcinha.

- Não jogue longe, sua maluca – disse Josie, entre um gemido. - Vou precisar disso depois.

- Por mim, você não iria.

Josie riu entre outro gemido, quando sentiu os lábios de Toni tocarem sua virilha.

- Não temos tempo para enrolação, Topaz. Por favor. Não me tortura.

Apesar da serpente gostar de torturar antes, deixar as garotas se contorcendo de tesão, dessa vez Toni não perdeu dentro e se posicionou entre as pernas da cantora da escola e começou a chupa-la. Josie mordia o dorso da mão para não gemer muito alto.

Cheryl estava paralisada, olhando tudo. Sentiu seu corpo esquentar, uma pressão entre suas pernas e claro, seu rosto corando. Ela não conseguia desviar o olhar de Toni. Podia sentir a intensidade no olhar da morena para a garota que estava deitada. Uma onda de corrente elétrica passou pelo seu corpo ao se imaginar no lugar de Josie.

- Toni, puta que pariu – falou Josie. – Não para, por favor.

Topaz não parou. Não parou até a garota agarrar seus cabelos para a segurar entre suas pernas e gozar. A rainha dos Serpentes limpou a boca com a mão ao se levantar e sorriu para Josie, que agora tentava recuperar a respiração.

- Isso foi incrível.

- Você é muito gostosa, McCoy.

Quando Toni foi se inclinar para beijar a garota, percebeu uma sombra observando as duas. Seus olhos encontraram os de Cheryl, que nesse momento saiu do transe. Toni sorriu para ela como se perguntasse se ela havia gostado do que tinha visto.

A ruiva correu para longe dali o mais rápido que conseguiu.

- Que foi? – perguntou Josie, olhando para a mesma direção dos olhos da morena em cima de si.

- Nada, McCoy. Só estou desfrutando do momento maravilhoso que foi chupar você – mentiu Toni. Ela estava realmente desfrutando do momento, mas era de ter visto Cheryl ali, como uma voyeur. Amanhã vai ser uma tarde maravilhosa, ruiva.

Cheryl correu para o vestiário feminino, sabendo que naquele horário não tinha ninguém ali. Sentia que faltava ar em seus pulmões.

- Meu deus, ela me viu. O que eu vou fazer agora? Ela não vai deixar isso passar.

Cheryl abriu a torneira e jogou água fria no seu rosto todo vermelho, de vergonha, de correr, de ter presenciado Toni transando com outra garota, de desejo? Desejava estar no lugar de Josie McCoy, isso era certo. Seu corpo afirmava isso, sua calcinha molhada afirmava isso. Por que Toni tinha que olhar para ela? Aquele maldito olhar. E sorrir daquele jeito, aquele maldito sorriso.

- Amanhã vai ser uma tarde infernal.


Notas Finais


E ai, o que acharam? No Wattpad também tem a história e na versão inglês também :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...