1. Spirit Fanfics >
  2. A Aposta - Imagine Baekhyun (EXO) >
  3. Cap 39

História A Aposta - Imagine Baekhyun (EXO) - Capítulo 39


Escrita por: e Yuana__


Notas do Autor


Capítulo mais descontraído pra aliviar as dores q virão 😵😂❤️

Boa leitura ✨

Eu olhando pra essa foto e falando “Por que Deus colocaste esse homem no mundo se eu nunca irei sentar?” 😂

Capítulo 39 - Cap 39


Fanfic / Fanfiction A Aposta - Imagine Baekhyun (EXO) - Capítulo 39 - Cap 39

Minha cabeça estava latejando, assim como meu coração que se apertava a cada palavra de saia da boa de Baekhyun. Apertei sua blusa, encarando o chão, com os olhos marejando.

— C-com a MinHi? Por que ela? — Tentei me afastar, mas suas mãos ágeis seguraram minha cintura, deixando nossos corpos mais próximos que o normal.

— Ela é a sobrinha do diretor, S/n. Não podemos fazer nada em relação a isso. — Segurou meu rosto, deixando nossas testas juntas.

Desabei na sua frente, chorando como uma criança. Agarrei seu corpo, soluçando baixinho. Seus lábios beijaram todo meu rosto, me transmitindo calma.

— E-eu não quero…não quero ficar longe de você… — Solucei, fungando. Segurei seu rosto também, roçando meus lábios nos seus.

— Eu também não quero, mas a competição é importante amor, se você quiser, eu desisto e não vou.

— É claro que não, amor. Esse é o seu futuro, mesmo que faça ficarmos separados, é o seu futuro! — Suspirei, fechando meus olhos.

— Eu prometo ligar todos os dias para você, te mandar presentes e vir te visitar nos finais de semana. — Abri meus olhos, podendo desfrutar do seu sorriso lindo.

— Nada disso, não quero você dentro de um avião sempre, pode ser perigoso. Afinal, Estados Unidos é longe. — Olhei para meus dedos, abaixando a cabeça.

— Eu posso ir para qualquer lugar, mas você nunca vai sair de mim, hun? Eu te amo, e vou sempre estar com você para o que precisar! — Sorrio de lado, mordendo de leve meu lábio.

— Ainda não me explicou o motivo de ter ficado o dia com a Maria. — Cruzei os braços, cerrando os olhos para ele.

— Amor, eu e ela podemos ser ex namorada, mas preciso que você tenha total confiança em mim na questão da presença dela. Confesso que tive algumas lembranças passageiras dela, mas nunca que eu iria te trair, eu sei como é te perder, e não quero nunca mais que isso aconteça entre nós.

— Eu confio em você, amor. O problema, é que eu não confia nelas, no caso estou falando no plural se tratando da Maria e a MinHi.

— É…também tenho minhas dúvidas. Até que a Maria anda bem gatinha. — Arregalei os olhos, e soquei seu peito.

— Baekhyun! — Bati o pé forte no chão, com raiva.

— Brincadeira, morango. Só queria apreciar essa sua carinha de brava ciumenta. — Tentou tocar meu rosto, agi rápido bati na sua mão.

— Termina de falar logo, garoto estúpido! — Empurrei seu ombro.

— Você sabe que todo ano a escola ganha o campeonato de lacrosse, e os melhores vão competir fora do país. — Se aproximou de mim, segurando minha cintura.

— Eu sei. Só…não sabia que você iria esse ano. — Funguei, voltando a olhar para o seu rosto. Passei meus braços pelo seu pescoço.

— Se eu for esse ano, não ter chances no próximo, entende? Amor, eu juro que se eu pudesse, levava você no lugar daquela magrela. — Rio fraco, ao ver sua careta ao falar da MinHi. — Maria me ajudou com a papelada, e me incentivou a falar com você, ela falou mal de você, mas cortei o assunto na hora. Falei aquilo por estar estressado, e acabei jogando tudo na minha morango. — Apertou minhas bochechas, selando seus lábios no meu.

— E não podia subir para me ver? Poxa, eu passei o dia com o nariz ardendo. — Fiz bico.

— Desculpa, quando recebi a notícia, não tive coragem de olhar no seu rosto e falar, queria poder ter passado a noite coladinho com você, mas acabei sendo um grosso. — Passou o nariz pelo meu, beijando na ponta.

— Você deu a minha blusa preferida.

— Desculpa, eu nem percebi quando joguei a blusa para ela. — Reparei no seu olhar de culpado, o que me desmanchava inteiramente.

— Amor, você bebeu quando saí?

— Eu fiquei bravo, subi para a adega dos meus pais, bebi algumas coisinhas.

— Você não pode beber muito, fica vermelho. Não gosto de te ver assim, me promete que não vai mais esconder as coisas de mim, e nem beber quando ficar bravo! — Beijei o cantinho da sua boca, esperando sua resposta.

— Prometo. — Suas mãos levantaram minhas coxas, me dando impulso para sentar na estande.

Busquei seus lábios com os meus, matando toda a saudade que estava dentro de mim. Minha cabeça começou a imaginar o quão ruim seria viver longe dele, e mais q pior, saber que a MinHi estaria com ele, usando suas táticas falhas de seduzí-lo. Não que eu deixe de confiar nele, mas aquela cobra é capaz de tudo.

— Me promete outra coisa? — Separei o beijo, o olhando apavorada.

— Qualquer coisa. — Voltou a grudar seus lábios em minha pele do pescoço.

— Promete não ficar muito perto da MinHi, e também não deixar ela ver você sem camisa, e também-

— Amor, relaxa. Nada disso vai acontecer, eu amo você, só você, hun? Ela pode tentar o que quiser, mas não vai conseguir, porquê só você pode ter o meu corpinho. — Me fez rir, com seus beijos destribuidos pelo meu rosto.

— Só eu posso ter? — Cerrei os olhos, passando meus dedos por baixo de sua blusa, sentindo seus gominhos formados.

— Só você, sua safada.

— Só eu posso tocar também? — Arquei uma sobrancelha, descendo meus dedos pela sua pélvis saliente.

— Uhum. Tudinho seu. — Mordeu levemente meu queixo.

— E isso, é meu? — Toquei seu membro, o que fez Baekhyun inpulsinar o quadril para mais perto de mim.

Seus olhos mudaram de carinho para safado em segundos. Seus dedos apertaram minhas coxas, subindo por baixo da saia. Chupei seus lábios, adentrando sua boca com a minha língua. Cravei minhas unhas em seus ombros, sentindo seu amiguinho criar vida.

— Você anda muito safada, morango.

— Isso é consequência de namorar com você. — Sorriu de lado, olhei para sua boca, não me segurando e o devorando por inteiro.

Pressionei meu quadril juntamente no seu, querendo mais contato ali. Baekhyun sabia me deixar sedenta por ele como ninguém, somente ele me tocava de uma maneira única que me deixava pegando fogo apenas com sua voz rouca em meu ouvido. Gemi baixinho, ao sentir seus dedos ágeis se movimentar sobre minha intimidade coberta pelo shorts e a calcinha.

— Quer fazer aqui, ou esperar até mais tarde na hora de ir para casa? — Abria os botões de minha blusa, olhando anciosamente para os meus seios.

— Eu acho melhor fazer agora, e mais tarde a gente passa aqui de novo. — Seu olhar se encontrou com o meu espantado pelo que falei.

Levei minhas mãos até seu cinto, destravando o objetivo e desabotoando sua calça. Baekhyun pegou a carteira do seu bolso, tirando uma camisinhas dali. Beijei seus lábios, levantando meu quadril para ele tirar meus shorts junto da calcinha. Abri minhas pernas, deixando ele no meio delas.

— Aqui você pode gemer o quanto quiser meu nome. — Pincelou seu membro em minha entrada, me causando êxtase. Prendi a cabeça na estande, apertando seus ombros forte.

— E-eu não vou gemer seu nome, garoto estúpido! — Provoquei, sabendo muito bem que aquilo era afronta para o acastanhado.

Desci meus olhos para baixo, o vendo esfregar sua glande em meu clitóris sensível, mordi forte meus lábios. Baekhyun encarava todas as minhas reações, soltando gemidos fracos e roucos. Seu pre gozo fazia um som excitante ecoar. Sem aguentar, Baekhyun pegou a camisinha, rasgando o plástico com os dentes. Vestiu seu membro, sem esperar, se afundou dentro de mim, me causando um tremor pelo corpo. Sentir a grossura de Baekhyun dentro de mim era maravilhoso.

— Tinha me esquecido como você é…a-apertada! — Apertou meu quadril, se preparando para suas investidas.

Meu peito subia e descia, delirando de prazer. Revirei os olhos, sentindo suas penetradas brutas dentro de mim. Apertei minhas paredes vaginais, deixando Baekhyun louquinho. Olhar nos seus olhos enquanto seu membro fazia um trabalho maravilhoso dentro de mim era mais do que delirante, me deixava acabava e ao mesmo tempo necessitada dele.

O som dos nossos sexos se chocando invadia aquele quartinho pequeno. Olhei rápido para ele, ao ver que suas investidas haviam diminuindo, me torturando por inteiro.

— M-mais… — Apertei seu membro, recebendo um gemido longo seu.

— Só quando gemer meu nome… — Bateu em minha coxa, entrando com tudo de dentro de mim, e saindo por completo, me deixando vazia.

Fechei meus olhos, esperando por alguma provocação. Quase fechei as pernas, com sua língua quente sugando meu clitóris. Arregalei com os olhos, soltando um gemido alto. Olhei para o mais velho, vendo bem sua cara de deboche, enquanto sugava com toda braveza minha intimidade encharcada.

— Não é tão difícil, é só gemer meu nome. — Sua boca melada pelo meu pre gozo me fez salivar. Prendi meus lábios, não querendo seder a ele.

— B-baek…por favor…

— O que quer? O que quer que eu faça, hun? — Passou a língua pela minha entrada. Contrai as costas, prendendo a cabeça na prateleira.

— M-me fode amor… — Gemi manhosa, arranhando seu abdômen.

Fui pega de surpresa por ele, que se sentou sobre os colchonetes que ficavam ali das aulas de educação física. Fui colocada sobre o seu colo, com suas mãos apertando minhas nádegas. Segurei seu membro, encaixando na minha entrada. Rebolei devagar, fazendo os dois gemerem em bom som. Segurei seus ombros, subindo e descendo de forma rápida, enquanto sua boca gemia meu nome várias vezes seguidas.

— Awnn…assim, rebola. — Bateu em minha nádegas, incentivando meu quadril a rebolar.

Me movi rápido sobre ele, sentindo seu membro engrossar cada vez mais dentro de mim. Passei a pular sobre ele, que mantia seus olhos grudados em nossos sexos. Deitei o seu corpo para trás, pousando minhas mãos em seu peito, rebolei rápido, gemendo sem parar.

— S-s/n…isso, huunn. — Olhou para mim sedento, mordendo o lábio com seus olhar de luxúria sobre mim e meus seios que estavam cobertas pelo sutiã.

Gemi mais alto, acelerando minhas reboladas. Meu rosto esquentou mais, e logo cheguei ao ápice. Rebolei mais um pouco, e tirei o membro dele de dentro de mim, por precaução. Deixei nossas respirações voltarem ao normal, me levantei com as pernas bambas, me segurando nas paredes.

— Eu sou irresistível, não sou? — Se gabou ele, passando a mão pelo abdômen.

— Você é um estúpido, isso sim! — Joguei uma corda que tinha ali nele.

— Eu deveria ter colocado essa corda na sua boca, você gritou tanto o meu nome, que a escola toda ouviu! — Arregalei os olhos, começando a bater nele. — Estou brincando sua doida! Para! — Olhei para ele rindo, negando levemente.

— Eu te amo, seu estúpido!

— Eu te amo mais, minha namorada safada!

Só de imaginar ficar meses sem você ao meu lado....

Me deixa despedaçada...

-CONTINUA…


Notas Finais


Esse quartinho pega fogo 🔥😏

Meu perfil: @Kim_Annah3

VOCÊS COMENTARAM DEMAIS NO CAPÍTULO ANTERIOR, NÃO CONSEGUI RESPONDER, MAS EU LI CADA UM ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...