1. Spirit Fanfics >
  2. A Aposta - NCT - Hot >
  3. Game

História A Aposta - NCT - Hot - Capítulo 16



Notas do Autor


Oiê! Tia Hellen aqui!

Vamos de mais um sorteado??

Aproveitem a leitura!

Capítulo 16 - Game


Eu já não aguentava mais essa aposta...e ainda tinha duas pessoas para completar.

Sim, era divertido e muito excitante, mas minha última “vítima”, havia mexido comigo de uma forma além do esperado.

Claro, sem contar os riscos que corríamos de sermos pegas. Taeyong estava marcando em cima, mas o lance dele era com a Mari e claro, tentar manter a ordem no grupo. Mas agora o Johnny... esse sim estava me dando dores de cabeça. Ele já havia colocado nós três contra a parede e pelo jeito, não iria descansar até descobrir tudo. Fora que Jinae andava cismada com Manilla e a possibilidade de terem visto ela e o Jeno transando no camarim.

E justamente por isso, esse medo, e por estar completamente balançada, estava agora trancada no meu quarto, no dormitório do 127, olhando o teto em plena madrugada, com medo. Medo de sair do quarto e dar de cara com um Johnny questionador, um Taeyong cismado ou até mesmo... enfim, eu não podia ficar pensando demais nele, até porque, ainda tinha mais 2 para finalizar a aposta, 2 extremamente difíceis... um por ser certinho demais e o outro...eu estava ferrada!

Era dia de folga, na verdade, finalzinho do dia de folga, e eu já podia ouvir os passos de cada um deles se encaminhando para seus quartos dormirem. Eu sei que deveria fiscalizar se todos já haviam chegado e estavam dormindo, mas o receio que eu estava sentindo, era surreal.

Todos os meninos, dos três dormitórios, haviam saído. Quase todos na realidade... os garotos do Dream haviam ido dormir na casa do Chenle, acompanhados pela Mari. Alguns do WayV haviam saído com os meninos do 127 e outros, ido para casa de suas famílias. Jinae estava pela empresa e bem provavelmente, dormiria no andar do WayV. E eu, bom, eu fiquei no dormitório do 127, com a intenção de descansar e pensar na minha próxima vítima...


Flashback on

-Noona, certeza que não quer vir com a gente, hum, vai ser divertido! - perguntava Yuta pela milésima vez, me chamando para acompanhá-los até um karaokê. Estavam indo ele, Winwin, Kun, Doyoung, Haechan e Xiaojun.

-Obrigada Yuta, vão se divertir sem a presença da noona fiscalizando tudo, eu vou ficar e descansar um pouco.

-Heléne, então venha almoçar com a gente! - Taeil, sempre educado demais, me convidava para ir com ele e Jaehyun almoçar. Mas eu não queria atrapalhar, até porque, depois cada um iria para a casa de suas famílias.

Taeyong já estava desde cedo na casa de seus pais e assim, cada um dos meninos estavam fazendo coisas para descansarem e se divertirem. Menos Jungwoo.

Até então, eu achava que ficaria sozinha no dormitório, o dia todo, seria perfeito? Seria. Mas de todo o dormitório, dos 3 andares, apenas Jungwoo havia decidido ficar ali. Descobri isso quando me assustei, o vendo sair do banheiro, com o cabelo pingando água e apenas uma toalha enrolada nos quadris estreitos.

-Jungwoo??!! O que faz aqui? - acabei o assustando, fazendo com que ele desce um pulinho para trás.

-Noona? Desculpe, achei que havia saído com Jinae, eu não sabia que ficaria em casa...

-E eu achei que você fosse aproveitar e ver sua mãe. - esse breve diálogo, ali no corredor, com ele parado na porta do banheiro e eu indo para o meu quarto, foi deveras estranho. Obviamente que não consegui não olhar para ele. Jungwoo era uma obra de arte. Na minha opinião, um dos membros mais bonitos de todo NCT. Seu corpo, apesar de magro, era forte, com músculos bem definidos e braços que por Deus... eram perfeitos. Um tronco alongado, com ombros largos, terminando em quadris estreitos, definitivamente sexy demais para os olhos dessa noona. Cheguei a salivar pensando... afinal, ele estava na minha lista da aposta.

-Meus pais viajaram... eu ficaria sozinho em casa. Então, prefiro ficar aqui e jogar o dia todo. - sim, ele e Haechan viviam jogando, fazendo disputas de video game. Jungwoo era mais disciplinado, mas Haechan, não eram raras as vezes que tínhamos que praticamente desligar o aparelho e fazer ele ir dormir.

-Certo... bom, eu vou revisar o planner de vocês e depois vamos fazer alguma coisa para almoçarmos. Pelo que percebi, estamos sozinhos por aqui.

-Tá bom... vou me vestir e daqui a pouco nos vemos na cozinha – falou e piscou, me fazendo rir. Jungwoo era um desastre na cozinha e obviamente, eu cozinharia sozinha.

Segui para o meu quarto e o garoto para o seu. Me joguei na minha cama pensando em como eu poderia me aproximar dele, sem o assustar.

Jungwoo era diferente de todos os outros da minha lista, pelo menos daqueles que já haviam ido. Cada um a sua maneira, havia sido especial. Se eu repetiria mesmo algum deles? Todos... até mesmo Jisung, tão inocente e puro...

Mark havia sido um tanto até bruto, intenso e completamente irracional. Não nos tocamos direito, foi aquela coisa tão... selvagem e crua no capô do carro, na garagem de uma casa. Depois o Hendery... selvagem também, pervertido e inconsequente, nos fazendo correr o risco de sermos pegos na cozinha transando. Taeil... tão intenso e delicado ao mesmo tempo. Taeil era o príncipe encantado, que quando provocado, se tornava insano. Meu ventre chega fisgar quando me lembro de suas mãos me tocando... e por último, Jisung. Eu não havia tirado a virgindade dele, acho que para isso, deveria ser uma ocasião especial, com alguém que ele desejasse muito. Ele disse que gostaria que fosse eu, quem sabe?

E agora, eu me via pensando em como eu faria com Jungwoo.

Jungwoo não era selvagem como o Mark, ou insano como o Hendery e nem experiente como Taeil, nem tão puro como Jisung. Na verdade, eu não fazia ideia de como Jungwoo era sexualmente falando...

Ele era o tipo de pessoa que ia aos dois extremos em segundos. Do garoto delicado, meigo, gentil, extrovertido e fofo, ao homem sério, dedicado, esforçado e tímido. Jungwoo possuía duas personalidades bem distintas, e isso era fato conhecido de todos os meninos e das staffs. Claro, ele explorava muito bem o seu lado fofo e puro na frente das câmeras, isso combinava com ele. Mas aqui, no dormitório, “em casa”, ele era ele mesmo. Fofo e gentil em alguns momentos, mas na maioria das vezes, ele era o Jungwoo de personalidade forte e decidido, mas sem perder sua essência doce e alegre. Ele era incrível... e exatamente por ser assim, eu não fazia ideia de como ele poderia ser como homem, se gentil e meigo, ou forte e esforçado. Ou uma mistura dos dois Jungwoo...

Mas fora sua personalidade tão instigante, ainda tinha o fato que eu era extremamente apegada nele. Desde que era apenas rookie, acompanhei sua apresentação ao público, seu debut, fui eu que limpei suas lágrimas de ansiedade no stage de Boss... sempre cuidei de Jungwoo como um filho.

No seu hiatus, sofri de saudades dele, afinal, era no meu colo que ele chorava de saudades da mãe, ou de cansaço físico e emocional. Era pra mim que ele se lamentava por estar se sentindo fraco e que não queria parar. Fui eu que o incentivei a se afastar para se cuidar... e foi eu a receber o primeiro abraço quando ele finalmente voltou para o dormitório, final de setembro de 2019.

Enfim, tinha um apego a mais com Jungwoo e meu medo de me envolver além da conta, era real demais...

Perdida nesses pensamentos, acabei me assustando com batidas na porta do meu quarto.

-Noona?

-Hum? Entre – falei e me sentei na cama.

-Vamos comer alguma coisa... estou com fome. - falou colocando apenas a cabeça na porta. Ele estava com uma camiseta branca e uma bermuda de moletom, exibindo suas longas pernas.

-Você com fome Jungwoo? Estou surpresa! - falei e ele acabou mostrando a língua para mim. Ele sempre estava com fome...

-Vamos pedir algo noona, já são quase 2 da tarde.

-Mesmo? Nossa... vamos!

Saí do meu quarto e fomos para a cozinha, acabamos decidindo por arroz, frango e kimchi. Ficamos conversando sobre as promoções de Kick It e mais alguns assuntos sobre a nova tour e depois que comemos, segui para meu quarto. Mesmo de folga, ainda tinha que enviar alguns relatórios para os managers e também pensar em como faria...Jungwoo seguiu para a sala de jogos que havia no dormitório.

-Noona, depois que acabar aí, venha jogar comigo! - escutei sua voz me gritando, enquanto eu finalizava um dos relatórios.

-Daqui a pouco Woo!

Os meninos chamavam de sala dos jogos... mas na realidade era um quarto vazio e menor, que eles colocaram um sofá cama, umas almofadas no chão, uma televisão e um video game. Passavam horas ali jogando... eu e as outras staffs, mal entrávamos ali, nunca dava tempo. Mas hoje, eu iria arriscar.

Acabei minhas coisas já era umas cinco da tarde e no grupo no kakao dos membros, eles haviam avisado sobre o que estavam fazendo, para nos deixar a par de tudo. Minha sorte era que aparentemente, nenhum deles retornaria antes da meia noite.

Decidi tomar um bom banho e ir jogar com meu sorteado da vez. O lindo e apaixonante Zeus. Vesti uma blusa de alcinhas soltinha e um short curto demais, mas como não tinha mais ninguém ali, quis ficar à vontade.

-Então, preparado para perder? - falei quando apareci na porta da sala, assustando Jungwoo, que estava bem concentrado no seu jogo.

-Oh, noona, vem, senta aqui – falou apontando para seu lado no sofá. Notei seus olhos passeando pelas minhas pernas e isso era um bom sinal – tem preferência de jogo?

-Eu não sei jogar nada Jungwoo! Nem Super Mario!

Sua gargalhada gostosa me fez rir também, eu amava isso nele.

-Tá bem, vou ensinar para você algo mais fácil.

Jungwoo escolheu um jogo bobinho, mas que mesmo assim eu não ganhava nenhuma partida. Já estava ficando patético para o meu lado isso...

-Noona, o que acha da gente dar um tempinho nisso e ver um filme? Tô vendo que você está quase chorando por não ganhar...

-Ótima ideia Jungwoo... eu sou péssima nisso mesmo...

Acabamos colocando um filme qualquer de cachorro, que na metade já estávamos rindo e conversando sobre como filhotes eram fofos. A conversa fluía de uma forma tão gostosa e natural que eu duvidava que algo pudesse rolar ali. Mesmo que eu por vezes, o tenha pegado me olhando com um olhar mais quente que o normal, ainda não havia clima para nenhuma investida.

Já era umas oito horas da noite quando Jungwoo acabou dando uma ideia...uma ideia muito útil por sinal.

-Noona, vamos tomar alguma coisa? Um soju?

-Hum, certeza disso? Você não costuma beber...

-Mas hoje eu queria... sei lá, aproveitar minha folga e ficar bêbado.

-Tá maluco? Eu tô aqui justamente para impedir que fique bêbado!

-Mas não é dia de trabalho nem seu e nem meu... vamos noona, só uma garrafinha?

-Tá bom... vamos lá pegar!

E de uma garrafinha... acabou que em pouco tempo já havíamos bebido umas 4 cada um. Não era o suficiente para me deixar caindo de embriagada, mas Jungwoo era fraco para bebidas e ele estava todo alegrinho. E definitivamente falando coisas demais...coisas que deixaram meu coração disparado.

-Noona...Heléne... sabia que de todas as mulheres da equipe, você é a mais bonita de todas? Noona...ah... tão doce, parece até um anjo... - falava e brincava com um cacho de cabelo meu, enrolando em seus longos dedos.

-Jungwoo, que conversa é essa? - olhei em seus olhos, procurando embriaguez... mas ele só estava alegre e .e olhando intensamente.

-Nada Heléne... estou apenas dizendo coisas que eu penso. Você é linda... doce e inteligente.

-Obrigada Zeus... mas acho que está falando isso por que está bêbado...

-Não estou noona. Estou só mais corajoso. Não fico bêbado assim também, tão fácil. Mas confesso que estou mais corajoso sim...

-E precisa de coragem para elogiar sua noona? Ou a bebida afetou sua visão? - brinquei com ele, escutando sua risada escandalosa e contagiante.

-Heléne, sabe o que é se sentir sempre incapaz de algo? Ou covarde demais para arriscar? - seu tom sério fazia minha espinha se arrepiar.

-Não estou entendendo Woo...

-Essa bebida...foi só uma desculpa para eu falar o que penso, o que... sinto. Quando percebi que ficaríamos sozinhos o dia todo, passei horas pensando que eu poderia ser corajoso e falar como eu sempre te achei bonita e especial.

-Jungwoo...

Vi ele virar o rosto para o lado oposto, envergonhado, achando que eu estava brava com ele. Jungwoo era mesmo um ser muito especial. Tão delicado e doce...e decidido ao mesmo tempo.

Era agora, tinha que ser agora. Senti meu peito se apertar, era como se eu estivesse usando aquele momento para cumprir com a aposta. Respirei fundo e fiz. Sei lá... depois eu via o que iria fazer.

Segurei em seu rosto, puxando pelo queixo e fiz com que olhasse para mim. Seus grandes olhos brilhantes, seu sorriso de menino, sua meiguice e beleza...não resisti. Selei delicadamente seus lábios, sentindo a maciez daquela boca tão bem desenhada e gostosa.

Jungwoo se assustou de início, me olhando com olhos ainda mais arregalados. Apartei o selar para ver se tinha algum resquício de arrependimento ou medo. Nada... apenas e somente o fogo.

Dessa vez ele quem tomou a iniciativa, me beijando pra valer. Lento e profundo, com sua língua explorando minha boca, procurando pela minha, tão quente e perfeita.

Passei minhas mãos pelo pescoço dele, acariciando leve sua nuca, brincando com os fios vermelhinhos e macios, enquanto seus braços me puxavam delicadamente para junto de seu corpo. Até então, ali, era o Jungwoo doce, gentil e delicado e eu estava amando.

Mas um crise de consciência acabou me atingindo. Separei o beijo, empurrando seu peito e me levantando.

- Heléne... Oque... Porque....

- Não podemos nos beijar assim Jungwoo! Eu sou sua staff, responsável por você! Não é certo...

- O que? Por que? Noona... Não use a desculpa de ser uma staff. Poxa eu achei que...eu sou um idiota mesmo... – Jungwoo falou e se encolheu no sofá, segurando seus joelhos perto do rosto.

- Ei... Não fala assim, você é maravilhoso Jungwoo, não é idiota! – voltei a me sentar no sofá e acariciei suas costas.

- Noona...eu passei o dia todo pensando em como eu gostaria de te beijar! Em como todos esses anos eu fui covarde por não conseguir me aproximar... Eu só queria que não me tratasse apenas como uma criança indefesa. Eu sou um homem noona! Te desejo como um homem!

Eu não estava conseguindo assimilar nada.... Como assim ele me desejava...todos esses anos? E eu nunca havia notado? Tá, Jungwoo era mesmo o membro mais apegado a mim, vivia me rondando e querendo carinho, fazendo gracinhas, mas eu achava que era só pela sua carência mesmo. Mas...não era.

- Woo...

- Heléne, não precisa ficar me olhando assim, está tudo bem. Só espero que não fique chateada comigo por causa do beijo e nem me trate diferente por eu ter falado essas coisas. Coloque a culpa na bebida. – disse e sorriu doce, mexendo com coisas dentro de mim que...eu não devia estar sentindo isso.

Fiquei alguns segundos indecisa do que fazer... Isso era mesmo sobre a aposta? Ele fazia parte dos meus sorteados, mas acho que aquilo ali, não era mais sobre ele ser mais um...

Respirei fundo e segurei seu rosto, sem dar tempo dele se afastar e o beijei.

O sorriso que Jungwoo deu ao ter seus lábios junto dos meus, fez meu corpo inteiro se aquecer. Os sons que ele fazia enquanto me beijava era como acender uma chama dentro de mim, pequenos gemidinhos de satisfação, me deixando completamente insana.

Retirei minhas mãos do seu rosto e o abracei forte, sentindo seus braços fazendo o mesmo comigo, espalmando suas grandes mãos nas minhas costas e me puxando para bem junto dele.

O beijo ia ganhando ritmo aos poucos, ficando cada vez mais quente e intenso. Jungwoo se encostou no sofá, sem desgrudar sua boca da minha e me puxou, segurando numa das minhas pernas e fazendo com que eu sentasse em seu colo, com uma perna de cada lado do seu corpo. Passei meus braços pelo seu pescoço e me aconcheguei em seu colo, deixando que toda aquela preocupação se esvaísse. Depois eu pensaria no que fazer com tudo isso.

Devido à falta de ar, separamos nossos lábios e Jungwoo não perdeu tempo em beijar meu pescoço. Seus beijos eram delicados e macios, enquanto suas mãos eram fortes e hábeis. Uma mistura perfeita do doce com o intenso. Senti meus quadris sendo puxados para baixo, de encontro ao seu e acabei gemendo baixinho ao sentir como ele estava excitado. Deixei alguns beijos em seu pescoço, descobrindo que ele era muito sensível ali, vendo sua pele se arrepiar toda. Lindo...

-Noona... ahhh Heléne... - sua voz estava rouquinha pelo desejo e seus olhos fechados o deixavam com feições de anjo. Beijei todo seu rosto, cada pedacinho, por cima de seus olhos, seu nariz perfeito, seu queixo, bochechas e lábios. Como resposta, Jungwoo grudou seu peito contra o meu e sugou entre minha clavícula e meu pescoço, me deixando ofegante.

Sua mão espertinha saiu das minhas costas e apertou com delicadeza meu seio coberto pelo tecido da blusa, mas mesmo assim, foi o suficiente para me fazer remexer em seu colo. Voltamos a nos beijar, dessa vez com mais intensidade e desejo. Na televisão, as risadas de algum programa idiota ecoavam pelo apartamento, se misturando com nossos sons de prazer.

-Woo... você já fez isso? - perguntei ao separar nossas bocas, vendo seu rosto vermelhinho e sua respiração pesada.

-Isso o que? Sexo? - concordei com a cabeça e ele riu, apertando minha bunda com força e me fazendo sentir novamente sua ereção - eu disse que não sou nenhuma criança inocente noona, eu só pareço com uma.

Mordi meu lábio com força, aquele garoto estava me enlouquecendo...

Aproveitando meu visível descontrole, Jungwoo retirou minha blusa, olhando com volúpia para meus seios cobertos pelo sutiã.

-Você.... é uma delícia noona...

Não respondi, apenas me apressei em retirar sua camiseta também, matando minha vontade de passar as mãos pelo seu tronco perfeito e seus braços gostosos, antes de voltar a beijá-lo.

Enquanto nossos lábios estavam se provando, suas mãos acharam rapidinho o fecho do meu sutiã, me livrando da peça e logo suas mãos estavam os cobrindo, apertando e brincando com os mamilos eriçados.

Sua destra permaneceu nos meus seios, mas sua mão esquerda desceu pelo meu corpo, apertando a cintura e logo encontrando a lateral larguinha do short e adentrando, apertando minha coxa e brincando com o elástico lateral da calcinha. Não conseguíamos parar de nos beijar, parecia que nossos lábios eram feitos para se encaixar, um no outro. Gemi contra sua boca quando senti seu dedo passando por cima da minha intimidade, ainda coberta pela calcinha. Jungwoo voltou e beijar meu pescoço, sugando com certa força, no momento exato que seu dedo transpassou a calcinha e escorregou por minha fenda extremamente molhada e sensível.

-Ahhhhhh Jungwoo... faz de novo isso... - pedi para que voltasse a penetrar seu dedo em mim, aquilo estava muito bom.

-Você é sensível noona... e muito gostosa – sussurrou no meu ouvido, fazendo exatamente o que eu havia pedido.

Eu estava praticamente quicando em seus dedos, gemendo no seu ouvido e sentindo sua respiração pesada no meu pescoço, alternando entre beijos e leves mordidas. Acabei curvando minhas costas para trás, quase atingindo meu orgasmo e por isso, meus seios ficaram bem perto de seu rosto. Perfeito para que ele os beijasse. Meus mamilos estavam sensíveis em sua boca, sendo sugados com vontade, sua língua fazendo círculos ao redor, provocando mil sensações em mim. Acabei gozando dessa forma, tremendo intensamente, sendo sustentada pela sua mão direita, enquanto a esquerda ainda estava dentro de mim, retirando todo meu prazer. Depois que parei de tremer, Jungwoo retirou seus dedos de dentro da minha calcinha e passou as pontas úmidas pelos meus lábios, logo depois lambendo seus dedos sensualmente e me beijando. Esse Jungwoo, pervertido, sexy e muito safado, era definitivamente sua melhor versão.

-Noona, me chupa? Hum? - parecia uma criança pedindo um presente de aniversário...

Eu ainda estava em seu colo, mas logo tratei de descer e me ajoelhei aos seus pés, puxando sua bermuda e cueca, sem desviar meus olhos dos seus. Jungwoo levantou os quadris um pouco, para me ajudar a tirar o resto de suas roupas, o deixando completamente nu. Ele era perfeito... e muito gostoso.

Seu membro saltou batendo na base de sua barriga, pulsando e muito duro, me fazendo salivar. Fiquei alisando suas coxas, ali, ajoelhada no meio de suas pernas, enquanto ele mesmo começou a se tocar, buscando alívio. Jungwoo jogava a cabeça para trás, conforme sua masturbação ganhava velocidade.

Delicadamente retirei sua mão e eu mesma comecei o vai e vem em seu membro. Sua cabeça estava encostada no sofá e seus olhos fechados, mas imediatamente ele se ajeitou e abriu seus olhos, me olhando atentamente enquanto eu engolia cada centímetro do seu pau.

-Que boquinha gostosa noona... ahhh Heléne... engole mais... vai... quero ir fundo...engole mais do meu pau...

Jungwoo era um mistério e sua dualidade algo absurdo. Ele me dizia isso, enquanto acariciava meus cabelos com delicadeza, passando a mão pelo meu rosto e me olhando com carinho.

Relaxei minha garganta e deixei que ele fosse até onde eu aguentasse. Comecei a chupar e a passar a língua por toda sua extensão, sentindo suas veias e seu pré gozo saindo por sua fenda. Aos poucos, ele mesmo começava a estocar minha boca, indo na velocidade que ele mais gostava.

Quando achei que ele fosse gozar, Jungwoo me ergueu pelos braços e me deitou no sofá, beijando minha boca com urgência e abrindo minhas pernas. Passou algumas vezes seu membro na minha entrada, mas não me penetrou. Desceu seus beijos pelo meu corpo, beijando meus seios, meu ventre e deixando beijos molhados na minha intimidade, passando a língua algumas vezes pelo meu clitóris e logo subindo novamente, pairando sobre mim.

-Queria a noona bem molhadinha pra me receber – falou e me penetrou de uma vez, me fazendo gemer alto demais.

-Jungwoo...

-Geme meu nome noona... sempre sonhei com isso, escutar você gemendo enquanto eu te fodia...

Ele se apoiava num dos braços, enquanto usava sua outra mão para acariciar toda lateral do meu corpo, chocando nossos corpos intensamente. Circulei minhas pernas em volta do seu corpo, o puxando para mais perto de mim, fazendo ele ir ainda mais fundo. Seus cabelos vermelhos estavam colados na sua testa e suas feições de prazer me deixavam hipnotizada.

Jungwoo não era mesmo em nada parecido com os outros. Ele era na verdade a mistura de todos. Intenso, doce, encantador, sensual, carinhoso e puro.

De repente ele saiu de dentro de mim e se sentou, me puxando para seu colo e me fazendo sentar de uma vez em seu membro.

-Senta gostoso noona... me deixa te sentir bem fundo...

-Rápido Woo... por favor...

Eu estava chegando no meu limite novamente e ele estava nas mesmas condições. Suas mãos seguraram com força meus quadris e eu me apoiei em seus ombros, deixando que ele metesse fundo em mim e guiando minha velocidade. Começamos a nos beijar, um sugando os lábios do outro, apertando todo seu corpo, o apertando dentro de mim. Acabamos gozando juntos, sentindo seus jatos intensos dentro de mim, o apertando e fazendo seus gemidos saírem roucos e manhosos, me fazendo tremer e gemer seu nome.

Ficamos vários minutos assim, com ele ainda dentro de mim e eu apoiada em seus ombros, brincando com seus cabelos e dando leves selares pelo seu pescoço. Suas mãos acariciavam minhas costas e juro... eu não queria sair dali.

-Woo, preciso ir para meu quarto, me lavar... daqui a pouco os meninos irão chegar...

-Heléne, dorme comigo essa noite, hum?

-Não! E Jaehyun? Vai falar o que pra ele?

-O hyung vai dormir na casa dos pais dele... irá voltar amanhã cedo.

Me afastei de seu ombro, olhando em seus olhos. E me arrependendo imediatamente. O que era aquilo??

-Não posso Jungwoo... sabe que não tem só Jaehyun aqui. Taeyong irá chegar, todos os outros...

-Mas noona... eu posso ir para seu quarto então.

-Não, por favor, não. Não podemos deixar que ninguém saiba disso, ou poderá causar problemas para nós dois.

Selei seus lábios e o vi soltar uma respiração pesada.

-Está bem... você tem razão. Mas noona...

-O que?

-Podemos ter isso mais vezes?

-Jura não contar para ninguém? Nosso segredo?

-Juro – falou e beijou seus dedos em cruz. Adorável.

-Certo – beijei sua boca uma última vez antes de sair do seu colo e me vestir – preciso muito tomar uma água e depois me lavar. E você, se vista e tome um banho, precisa tirar esse cheiro de sexo do corpo.

-Gosto do seu cheiro, acho que vou tomar banho só amanhã - falou e riu, acabei jogando a cueca dele na cara dele, fazendo ele gargalhar.

Então, meu mundo caiu. O medo tomou conta de mim, de nós dois na verdade. Escutamos um som vindo do outro lado do dormitório, provavelmente da sala ou da cozinha. Pelo jeito alguém tinha chegado.

-Vista-se logo! - falei e coloquei minha roupa, prendendo meu cabelo de qualquer jeito e indo na direção do som.

Estava torcendo para que não fosse nenhum manager. Na verdade, queria muito que fosse Jinae ou Mari. Ainda não era hora dos meninos voltarem, não podia ser nenhum deles...

A luz da cozinha estava acesa, o microondas estava funcionando...

Apareci na porta e quase cai pra trás.

-Johnny? Ten?

-Boa noite noona – apenas Johnny falou. Seu sorriso de quem sabia de algo me deixou em pânico. Ten não conseguia olhar para mim, estava de cabeça abaixada, quase entrando dentro da tela do celular.

-Vocês chegaram agora? Eu não ouvi a porta – falei, tentando disfarçar meu nervosismo.

-Faz alguns minutos... - Johnny não parava de sorrir e eu estava quase perguntando se ele tinha visto ou ouvido algo – viemos tomar um chá. Chitta está meio agitado.

Olhei para o Ten e ele parecia que iria infartar. Vermelho, suando e seus olhos estavam vidrados. Puta que pariu!

-Ten, o que está acontecendo? Precisa de algum remédio? - falei e me aproximei, vendo seus olhos indo direto para meus seios. Cheguei olhar pra ver se havia mesmo me vestido. Ele estava muito nervoso e eu ainda mais.

-Não...não noona, está tudo bem. Acho só que comi algo apimentado demais.

-Comeu Chitta? Não vi... - Johnny filho da puta! Eu ia matar ele.

Pra piorar a situação, Jungwoo apareceu na cozinha, usando apenas sua bermuda, com os cabelos bagunçados e com aquela cara de pós foda sensacional. Ele merecia apanhar.

-Boa noite Zeus... - falou Johnny, com aquele maldito sorriso de quem sabia demais – estava se divertindo?

-É... estava jogando, acabei perdendo a hora – falou e me olhou meio apavorado.

-Certo meninos... Johnny, Jungwoo, Ten, vou voltar para meu quarto, só vim beber uma água e vou voltar a dormir. Ten, se precisar de alguma coisa, sabe onde é meu quarto e acho também que Jinae está com vocês essa noite. Jungwoo, nada de ficar jogando até tarde e Johnny... boa noite.

-Noona! - Johnny me chamou e virei para olhar para ele - você não bebeu a água...

Des-gra-ça-do!!!!

Passei por ele e bebi na força do ódio aquela água, indo pisando duro para meu quarto.

Flashback off


Agora eu estava aqui... me remoendo com a possibilidade de Johnny e Ten terem visto eu e Jungwoo.

E claro... pensando em tudo o que eu estava sentindo e não deveria estar.


Notas Finais


Então??
mataram a curiosidade se quem o Johnny e o Ten pegaram no flagra??
Aos poucos os mistérios estão sendo resolvidos hahahaha

Obrigada gente!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...