História A Aposta - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Justin Bieber, LaLi Esposito
Tags Comedia, Justin, Justin Bieber, Lali, Mariana Esposito, Romance
Visualizações 28
Palavras 1.080
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Festa, Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 10 - Dez: A contra-aposta



O pátio do Colégio Prisma é um espaço como todos os outros. Quadras poliesportivas, árvores frutíferas, bancos de cimento, uma lanchonete que só vende trash-food... um lugar bem comum. 
Lali, Euge e Cande estão debaixo de uma árvore, debatendo sobre o livro que estão lendo. Desde que se tornaram amigas, elas fazem isso: leem o mesmo livro, um capítulo por dia, para depois discutirem sobre a leitura. É como um Clube do Livro diário, sempre no intervalo das aulas. Euge é uma leitora compulsiva. Desde que se entende por gente, gasta toda sua mesada em livros. É claro que, no vestibular que se aproxima, prestará para a faculdade de Letras, um sonho desde criança. Ela é alta, bem magra, com cabelos loiros longos que estão sempre presos em um rabo de cavalo volumoso. Os óculos com aro vermelho são só para leitura, algo que lhe confere um ar cult. 


Lali disse, certa vez, que ela deveria aposentar os óculos de leitura, afinal, eles escondem os belíssimos olhos amendoados da amiga. Cande nem cogita a possibilidade, ela adora parecer mais velha, mais inteligente. Já Cande é o oposto. Baixinha, com curvas bem acentuadas, cabelos avermelhados curtos e um par de olhos azuis que são uma afronta. A garota faz um estilo hippie chique, é vegetariana e adora brincos e colares gigantescos. E só para constar, está sempre de chinelos. Ela possui de inúmeras cores, de todos os jeitos e marcas.


Cande demorou a escolher a faculdade que gostaria de cursar. Estava entre Moda e Nutrição. Depois de pesar os prós e contras, Nutrição ganhou em disparada. Lali, como já descrevi anteriormente, faz o tipo esportista. Hoje ela está com uma bermuda preta de lycra, camiseta branca e azul do Prisma e um par de tênis para corrida. Pega na bolsa uma maçã, lustrando- a na camiseta antes de dar a primeira mordida. É quando avista Camila, correndo e saltando obstáculos, seus cabelos dourados esvoaçando como uma capa de super heroína. Aproxima-se, esbaforida, vomitando as palavras:


— Lali, eu vi os caras na quadra de tênis. Estão falando sobre a Grande Aposta.


— O que você ouviu? – Lali brada, jogando a maçã mordida de volta na bolsa.


— O Justin desistiu, está devolvendo o dinheiro para a galera. Os caras estão tentando convencê-lo a manter a aposta. Parece que o Justin precisa de seis mil reais para arrumar a moto dele. Bom, foi o que entendi.


— O Justin desistiu da aposta? Não acredito. – Euge tira os óculos, erguendo as sobrancelhas.


— O Justin não é cara de desistir. – Cande encara Lali, como se tivesse escutado algo absurdo.


— Vou até lá. – Lali fecha a cara e o livro.


— Acho que não deveria, vai acabar rolando a maior confusão. – Euge odeia barracos, ainda mais quando suas amigas se envolvem neles.


— Por que não? Se fosse comigo, eu iria. – Cande incentiva.


— Eu também iria. Sério, não aguento mais essas apostas. – Camila já caiu em três delas e ainda não sabe, mas cairá uma quarta vez.


— Vou acabar com isso agora mesmo. – Lali se levanta num salto, estalando o pescoço lateralmente. Seu olhar já diz tudo.


Justin Bieber está com os minutos contados.


As amigas a seguem até a quadra tênis. Euge jura ter visto faíscas saindo dos ouvidos de Lali. Ela está irada e com cara de quem vai socar alguém. Bem, não seria a primeira vez.


Lali avista os garotos numa imensa roda no centro da quadra. Abre a portinhola lateral com um estalido e caminha sobre o saibro, deixando pegadas pesadas ao passar, sustentando uma expressão de dar medo. A notícia se espalha como vírus de filmes de ficção científica. Não demora muito e parte do colégio se acotovela para assistir ao grande espetáculo. Ou grande barraco, como queiram chamar.


— Pensei que essa palhaçada já tinha terminado. – Lali aponta o dedo na direção de Justin, em tom de acusação.


— Liam, diga para essa garota que estou proibido de falar com ela dentro do colégio. – Justin olha para o chão, traçando um círculo com a ponta gasta do tênis.


— Pare de ser otário,Justin. – Lali se aproxima e o cara, temendo outro tapa ou chute, recua instintivamente.


— Escute, eu não aceitei essa aposta, tá legal? E não vou levar isso adiante, ponto final. – Justin faz uma pausa e finalmente encara Lali. – Ou você está bravinha porque quer que eu tope?


Ele tinha mesmo que soltar uma dessas? É o que basta para o circo pegar fogo. A galera urra, pessoas gesticulam, um murmurinho incessante toma conta do cenário. Por um instante, Lali fica desconcertada. Mas é uma sensação tão breve que passa despercebida à plateia. O sorrisinho debochado de Justin a deixa incrivelmente irritada. Ah, ela não vai se deixar humilhar.


— Você curte apostar, não é, Justin? Gosta de se dar bem? – Lali leva as mãos à cintura, fuzilando o garoto.


— O cara é campeão de poker, apostar é a vida dele. – Liam passa o braço nos ombros de Justin, provocando-a.
Se Liam quer incitar a garota, ele consegue. Algo se inflama dentro dela e o sangue corre como ácido dentro das veias. Sente um gosto amargo no fundo da garganta e o raciocínio se perde quando o ego explosivo assume o comando. Mira Justin no fundo dos olhos, numa cólera
inconsequente.


— Ah, é assim? Então eu vou lançar uma aposta de gente grande para você, seu ba-ba-ca. Já me disseram que precisa de grana para arrumar aquela sua porcaria de moto. Pois bem, se vencer essa aposta, eu dou o dinheiro.


A galera grita, em polvorosa. Justin recua dois passos e Liam o segura pelo braço, temendo que o amigo saia correndo dali na primeira oportunidade. Essa situação já saiu do controle: Justin está sendo chantageado por Selena, a Kibi; seus amigos não querem voltar atrás na aposta, não aceitaram o dinheiro de volta; e agora isso?


               — Dê o seu lance,Lali. – Liam grita acima da multidão. Imediatamente todos se calam, aguardando o desfecho, ansiosos. 

— Lali, o que está fazendo? – Cande sussurra. – Não piore ainda mais a situação. 

Lali e Justin se encaram como naqueles duelos da antiguidade. Uma folha de papel amassado rola pelo chão, sendo levada pelo
vento. O silêncio é sepulcral e os estudantes prendem a respiração. Lali toma fôlego e se apruma, antes de soltar a bomba:


— Me conquiste, faça eu me apaixonar por você, Justin. Se conseguir essa proeza, terá o dinheiro que precisa.


What? Vocês estão gritando aí? Porque eu estou surtando por aqui. Essa sim é a Grande Aposta do ano, folks!
 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...