1. Spirit Fanfics >
  2. A Ascenção da Rainha >
  3. E então eram uma

História A Ascenção da Rainha - Capítulo 14


Escrita por: Moonstar0303

Notas do Autor


Hehe sexta, hehe. Esse capítulo, hm... acho que tem várias coisas legais nele. Tomara que pensem assim também kkkkk
E Solar... hehe essa bicha é danada. Vou deixar vocês lerem. Boa leitura!

Capítulo 14 - E então eram uma


Fanfic / Fanfiction A Ascenção da Rainha - Capítulo 14 - E então eram uma

 


Quando Jax disse que ia fazer um cronograma especial para elas, não estava brincando. O de Hyejin consistia em treinar com os guerreiros, além de ter um treinamento especial com Hawk, que era o melhor arqueiro do local, conhecido por nunca errar uma flecha. Pela manhã, ela ficava com os homens e mulheres do batalhão, melhorando seu porte físico. Hyejin acha que nunca esteve tão em forma. 

Ela percebe que eles faziam aquilo não somente por precisarem, mas por acharem divertido. Eram um povo muito simples, que adorava festas e aproveitar o que podiam. A caça era todo um evento. Disputavam quem pegaria mais, tentavam ir a novos locais, às vezes indo até alguma vila perto. E ela acaba achando diversão naquilo também, mas sempre atenta. Não estava ali para aquilo, mas para treinar. Sabia que Solar, Wheein e Byul teriam tempos difíceis pela frente e ela jamais abandonaria suas amigas. Byul era quem tinha praticamente a adotado como uma irmã mais nova. A dando casa, comida, e ensinando a sobreviver. Devia tudo a ela. Mas não fazia aquilo apenas por achar que devia. Fazia por amor a sua amiga, irmã. Wheein era outra. Desde que tinha a conhecido, se tornaram grandes amigas, mesmo não conversando tanto antes, por Wheein viver no castelo, desde que se conheceram, tinha feito uma conexão instantânea com ela. Wheein apenas... a entendia. E quando estava pra baixo, em seus piores momentos, era ela quem conseguia a ajudar. Às vezes se perguntava se elas que tinham salvado Wheein ou Wheein que tinha as salvo. E, nesses dias, conforme passavam mais tempo juntas, esse sentimento crescia. A outra parecia como uma peça complementar a ela. 

Solar também tinha a conquistado. Era impossível não se apegar a princesa. Ela falava e agia de uma maneira tão pura, com um... fogo tão aceso, que era impossível não querer se aproximar mais. Não como Byul, mas como alguém a andar perto. Solar era alguém que trazia alegria, que sempre tinha uma palavra a te ajudar e que se esforçava muito para ter o que queria. Todo dia isso ficava nítido com o que ela aceitava com Jax. E isso pelo menos a deixava melhor sobre quem Byul tinha escolhido.

E era por esses motivos que se esforçava. Não podia ficar para trás. Por isso, aprendia o que podia. Melhorava seu físico, sua luta, sua pontaria e com Yuuma, aprendia sobre poções, ervas e truques que podiam a ajudar a sobreviver. Além de que ouvir os conselhos de Yuuma era sempre bom.

Wheein tinha tido bastante dificuldade no começo. Não com os horários, mas treinos físicos. Apesar de ter um corpo saudável, não estava preparado para a batalha. Seus calos nas mãos dos trabalhos manuais que fazia provavam seu esforço. 

Como Hyejin, ela ia pela manhã nos treinos físicos, até ir ajudar no almoço, e então a tarde ia para os treinos de combate. Parecia que não podia respirar e era o que queria. Solar, Byul, Hyejin, todos se esforçavam tanto, e ela iria também. Não podia deixar suas amigas, sua família, para trás. Era isso que eram para ela. 

No fim da tarde, era Yuuma quem fazia seu treinamento, por vezes Hyejin junto, para ajudar. Como Jax, não sabia muito sobre o dom de Wheein, então a testavam, para saber seus limites.

O dom de visso. Nenhuma ilusão ou truque mental funcionava em Wheein. Yuuma tinha tentado diversos tipos. Nem mesmo outras alterações vindas de magia funcionavam nela. O que podia ser bom ou ruim. 

Conforme ele a testava com isso, Wheein começava a conhecer a ela mesma e a seu poder mais, tendo sido indicado a meditação também a ela. Sempre que Yuuma fazia algo mágico,  Wheein podia sentir, mesmo não estando perto, como um sensor. Podia até identificar que tipo era. 

Wheein ficava horas com Yuuma, sentada numa cadeira enquanto o velho aplicava feitiços, mas ele parecia tão empenhado quanto elas naquilo.

- O que foi pequena? - O velho tinha a deixado descansando um pouco enquanto pegava um pouco de alimento para ambos e se aproximava, a dando uma fruta.

- Obrigada. - Ela dá um pequeno sorriso, desviando o rosto da expressão expectante dele. - Do que?

- Você parece pensativa. Está com careta. Sabe que pode conversar comigo se quiser. 

- Eu... - Ela parecia não saber como dizer, um tanto corada. - É que... eu não sei nada, sabe? Não sei lutar. Não sei sobre magia, feitiços. E ainda tenho esse... dom estranho, que ninguém conhece. E... todas estão fazendo tanto. Eu queria... poder ajudar também. 

- Mas você está. Nenhuma delas nasceu sabendo. Você está aprendendo, como eu, como Byul, Hyejin. Todas. Não sabe batalha, mas está treinando e sei que se te colocarem em qualquer desafio, você vai saber o que fazer e sobreviver.

- Eu só... queria poder fazer mais. 

O velho sorri, puxando uma cadeira na frente dela. 

- Você vai. Não só por seu dom. Não sei se percebeu... mas sempre consegue as unir. Quando elas não se entendem, é sempre você quem consegue as fazer ouvir. Não sei se reparou, mas eu reparei. Solar confia muito em você e em seu julgamento, assim como as outras. - Enquanto fala, ele coloca as mãos na frente do rosto de Wheein, como se tapasse algo. - Que figura eu tenho? - pergunta, enquanto faz um quadrado aparecer nas palmas fechadas. 

- Um quadrado. - Wheein nem mesmo pensa para responder, mas já sabe o que estava lá. Ela não parecia tão feliz com a resposta de Yuuma, mas não o contesta. - Posso saber que figura é, mas no que isso é útil?

- Em várias coisas. - Ele ri. - Quem está ameaçando Solar... está trabalhando com muita magia. - O velho se levanta, indo até a bancada de trabalho que tinha e pegando dois copos. - Se conseguir deixar o seu dom forte o bastante, poderá o usar para saber o que estão usando de feitiços, enquanto o fazem ou até antes. Com isso, podem se precaver. Que copo está envenenado? - Coloca ambos na frente dela. 

Wheein precisa de mais atenção para isso. Ela se vira de um copo para o outro, tentando a diferença. As duas parecem normais, a princípio, mas depois, cristais verdes translúcidos aparecem no copo da direita.

- Esse. 

- Muito bem. Vai me dizer que não é útil saber onde tem veneno? 

Um sorriso corado dela.

- mas já que quer mais... que tal tentarmos outra coisa?

- Que coisa?

- Feche os olhos. - Ele pede, sorrindo. - Tem algo que os bruxos podem fazer, os que mexem com a alma. Mas nem todos podem, por ser difícil. Acho que você pode, com seu dom. Tente... se desligar de seu corpo, mandar sua energia para fora. Mas não apenas ela. Sua consciência também. Apenas... se deixe ir. Como se... sua consciência estivesse livre de seu corpo e perceba o que tem. 

Wheein precisa de vários minutos para aquilo, mas a voz de Yuuma a ajudava. Ela se esforça, força seu corpo, sua essência para fora. Sempre mais. Até ser como se não estivesse mais lá. E o negro do nada de sua mente começa a se transformar. Deserto. As tendas. Era como se Wheein estivesse lá, mesmo sem estar. 

- Vá até Jax. O que ele está fazendo? 

Ela tenta ir até onde sabia que ele estava. É difícil. E precisa de muitos minutos. Mas consegue. 

- Ele... está com Solar. Estão treinando. Ela está... fazendo uma chama? Isso! 

Com a animação, vem também a desconcentração. E Wheein sente um baque conforme volta a seu corpo, a deixando até sem ar. 

Yuuma está perto dela no mesmo instante, a mão mão seu ombro. 

- Wheein? Tudo bem?

- Eu... acho que sim. Quero... tentar de novo. 

- Tudo bem, mas descanse um pouco. - Ele a dá um chocolate. - Foi a primeira vez que fez isso. E foi muito melhor do que eu esperava. Respire e coma. Vamos fazer de novo mais tarde. 

- Está bem. - E dessa vez, Wheein parecia muito mais animada. Sentia que podia fazer mais


O treino de Byul tinha se modificado depois do que souberam. Pela manhã, iria com os guerreiros também, para o treino físico, mas a tarde mudava. Jax tinha conversado com um antigo mentor seu de batalhas, que vivia com eles. O homem, velho, já estava aposentado, mas a pedido de Jax, ele se propôs a dar um treino a mais para Byul, que consistia nela e em Maan batalhando, sob o que ele falava, melhorando seu combate e ensinando novas técnicas. A ladra aprendia o que ele dizia antes que Maan, mas ainda assim, batalhavam juntos, se ajudando. 

Não apenas isso, mas ele a ajudava a entender sua energia nas batalhas, a utilizando para dar golpes melhores e ter mais resistência para usar. As partes da tarde, então, eram usadas para esses combates e meditação, coisa que Byul não era tão boa, ainda mais com seus sentimentos e pensamentos confusos. 

Como a noite ela tinha mais poder a usar, era nesse momento que Jax a treinava. Sempre apenas os dois, as vezes com Yuuma ou outro convidado para a testar. Eles consistiam em algo parecido com o de Solar. Meditação, para entender seu poder e a parte prática.

A maior parte dos poderes de Byul se desenvolviam em seu corpo físico, seu condicionamento sendo bem melhor do que de uma pessoa comum, além de uma mente estrategista para a batalha, sendo capaz de se adaptar a qual um. Também, agora com a magia do colar liberada e com o treinamento, percebia que até mesmo sua visão melhorava, não a incomodando a falta de luz. 

Com mais esforço, conseguia atuar retirando o calor e luz, a refletindo de maneira a usar isso a seu favor, mas era notório que Byul cansava muito mais e preferia apenas partir para a batalha. Yuuma tentava a ensinar alguns feitiços básicos, de fala, os quais alguns ela conseguia, mas bem mais difíceis, de modo que ela se cansava mais, mas a maioria dos dias ela se cansava, voltando tarde da noite, para poder aproveitar os momentos de treino. 

Tinham sido dias confusos também. O dia depois das memórias, ficou abatida ainda, presa em pensamentos. Solar tentava a ajudar, a animando e até mesmo Hyejin a puxou para conversar quando pode, afinal, não sabia ainda o que tinha acontecido. 

- Quer dizer que vou ter que te chamar de princesa agora? - É a primeira coisa que ela fala quando Byul termina de contar, em voz divertida, tentando animar. 

- Claro que não. Não tem nem mais reino. - Fala, num tom sarcástico e Hyejin solta um riso, apertando a mão da amiga. - Eu só... não sei o que fazer com essa informação. Eu sou uma ladra, Hyejin, passei minha vida roubando e detestando nobres para descobrir que era filha de um e que foram... massacrados? 

- Bem, e o que você quer fazer com isso? 

- Eu... não sei. Quero vingança, isso eu sei. Tiraram tudo, fizeram um massacre, de maneira covarde. 

- E então, o que? Vai pegar o reino deles? Ou apenas os matar e deixar as terras livres? - Hyejin falava de maneira até fria, como se não fosse uma total loucura o que Byul queria. Mas queria que a outra tivesse em mente o que seria o futuro. 

- Não sei, Hyejin. Já disse. Eu... - Byul franze o cenho e suspira. - Seria algo ruim? Querer reviver o que tiveram? 

- Não sei. Depende de como fazer, apenas se lembre que eles tem um exército e súditos. É isso que se precisa para um reino. O que você tem? 

- Já jogou xadrez? Mate a rainha e o rei está desprotegido, mate o rei e você ganha o jogo. Não preciso de um exército todo pra isso. 

- Mas precisa de peões. E não se esqueça de sua rainha. E então o que? 

- Eu... conversei com Jax. E disse que enviou sua águia e alguns homens para o reino dos Park, para saber como as pessoas estão. Nas memórias... deu pra saber que os Park foram sujos. Usaram magia de sangue. Essa magia é bem negra e exige sacrifícios. Ele desconfia que ele use alguma magia mental nos soldados, para os manter sob controle. Além dos soldados que eram dos Moon e foram rendidos, não tendo opção a não ser ficar lá ou morrer. 

- Parece que você andou pensando bastante nessa opção. 

- É só que... Jax me contou sobre eles. Como eram. Como tentavam viver. E é... o que sempre sonhamos pra viver, Hyejin. Seria... ruim querer reviver isso? - Byul parecia até mesmo temerosa do que a outra pensaria - Você... me acha... ruim? 

- O que? - Ela se vira para Byul, apertando a mão da amiga. - Byul... eu jamais acharia isso. Eu te conheço, se você quer isso, sei que fará seu melhor e que não vai ser como esses paspalhos. E se fizer merda... eu vou estar lá pra puxar sua orelha. 

Byul nem termina de ouvir, já abraçando a amiga, emocionada. 

- Obrigada, Hyejin. 

- Eu jamais te abandonaria. Você é minha família. Se é o que quer, vamos lutar por isso. 

- E você é a minha. Com memórias ou sem, é quem sempre esteve comigo. 

Hyejin dá um riso emocionado, deixando um beijo nos cabelos cinza. 

- Está ficando emocional demais pra mim. - Aquilo tira um riso de Byul, que se afasta. - E a princesa nisso tudo?

- Ela disse que ia me ajudar. 

- A se vingar dos Park? Uau. Não é com quem ela devia se casar? 

- Sim...

- E mesmo assim, vai aceitar ir à guerra contra eles? 

- Ela disse que sim. Não quer envolvimento com eles. Muito menos depois que soube do que fizeram. 

- Uau. É a cara dela. - ela ri. - E vocês? Como estão?

- Bem, eu acho. Estamos... bem. 

- E já conversaram sobre tudo?

- Apenas algumas coisas. 

- E você já sabe o que quer?

- como assim?

- Byul... Ela é uma princesa, de um dos maiores reinos daqui. Que deveria casar e expandir o reino dela. Sabemos que ela não quer se deixar levar por isso. Mas, ok. O que você quer disso tudo? Está apenas se divertindo com ela? Vai dizer tchau quando tudo acabar? 

A ladra franze o cenho, desviando o rosto para o cenário a frente. Apenas deserto. 

- Eu... eu nunca me senti assim com alguém antes. - Ela confessa, depois de um tempo. - Ela faz com que eu me sinta... feliz. Bem. 

- Ah, eu ouço como ela faz isso. 

- Hyejin! - Ela dá uma cotovelada na outra, que ri.

- Perdão, perdão. 

- E nem... bem chegamos a fazer nada demais. 

- Sério?

- Bem, não tem como ficar sozinhas aqui, de verdade. E não sei... se ela quer isso. 

- Ah, eu sei. 

- Hey! - Ela reclama, mas ri junto. - Quando estou com ela... tenho paz. E sinto falta quando não estou, sempre tem... aquele nervosismo. 

- Entendo. - Hyejin tinha um sorriso de quem sabia o que acontecia, mas não falava nada. Deixando que Byul falasse. 

- Eu acho... que estou apaixonada. - É dito em tom baixo, até temeroso. - Acho que a amo. 

O sorriso de Hyejin fica maior e até amoroso, enquanto aperta a mão da amiga. 

- E o que quer fazer sobre isso?

- Quero ficar com ela. 

- Então fale para ela. Lute por isso. 

- Eu... vou. 

- Não me parece tão certa. 

- Tenho... medo. 

- Acha que ela vai te rejeitar? Byul, eu já notei como ela fica com cara de boba pra você. Igual você pra ela. Ela não vai dizer não. 

- Eu vou falar, ok? Só preciso me preparar antes. 

- Ta bem, ta bem. - Hyejin solta um riso. - Só lembre de me chamar pra ser madrinha. 

Byul dá um pequeno soco no ombro dela, apesar de rir, enquanto se levantam. A hora do almoço já se finaliza.


O treinamento de Solar era um dos piores, junto do de Byul. Pelo menos na parte da manhã. Ela se juntava com os demais para o treino físico, mas dividia sua manhã para também ter um treino de combate, com Maan e até Byul as vezes. Ela sabia bem menos, mas se esforçava e aprendia novas coisas com eles, estando bem melhor de quando tinha começado. Até mesmo conseguia se manter em uma luta com pessoas mais velhas, ainda mais no dia. E Jax se aproveitava dessa disposição para a treinar mais. 

Depois do almoço, era sempre seu treino em feitiços. E ela estava muito mais controlada. Já podia manipular sua energia como quisesse, de modo a usar como criar uma chama, tirar ou colocar mais calor nas coisas e tinha facilidade com feitiços, que Yuima a ajudava a aprender, com Jax. 

Outro que era recorrente em seu treino era Eric, por ser um promissor aluno tanto em magia quanto em batalha, Jax se aproveitava dele para os treinos, já que Solar também podia usar a sua para melhorar suas condições de batalha. 

Podia fazer com que seu corpo resistisse a cortes, como tendo uma carapaça, o que Jax fez ligação com o animal de sua linhagem e também podia reverter malefícios, como a pureza do sol. Solar descobriu também que não era à toa que sua família era a mais rica em dinheiro. Com seu toque, podia transformar até mesmo pedras em ouro, o que sabe que devem ter se aproveitado. 

A noite, era um período que não podiam aproveitar muito para treino, apenas para a forçar as vezes. E aproveitava esse tempo para ficar com Hyuri, que a ensinava sobre o que podia.

Mas não era apenas isso que acontecia. Como Hyejin já tinha deixado claro no início, Eric nutria sentimentos por ela, coisa que Solar preferia ignorar. O menino devia perceber que ela não estaria interessada, certo? 

Mesmo assim, ele era um bom amigo e muito inteligente. Era agradável conversar com ele, além do que ele podia a ensinar. E Solar chega até a ter mais certeza do que sentia. Afinal, se fosse para gostar de alguém, seria ele, não? Era bonito, além de agradável e cavalheiro. Mas ela nada sentia além de uma amizade e simpatia pelo rapaz. 

Mas talvez devesse ter deixado mais claro o que sentia a ele, já que fica um tanto chocada quando, depois de um treino, enquanto esperavam para que Jax voltasse, ele tenta a beijar. 

- Eric, eu... - Ela levanta a mão, impedindo que seus lábios se tocassem. - Não, por favor. 

Quando ouve a princesa, o rapaz fica vermelho, se afastando. 

- Yong? Eu... eu achei que... me considerasse uma boa pessoa. Você parece ser sempre tão... receptiva. 

- Eric... sou simpática, apenas isso. E você é uma boa pessoa, gosto de você mas como um amigo. Peço perdão se dei a entender outra coisa. Achei que notaria. 

- Eu... perdão. Eu achei que... Você até dançou comigo ontem! - Ele ainda parecia desconcertado, sem entender. - Foi algo que fiz? 

- Não, claro que não. - Apesar de tudo, ela não queria que ele ficasse mal. - Eu apenas... não me sinto assim por você. Entende? 

- Entendo... me perdoe. - Mesmo assim, ele ainda parecia confuso, até machucado. 

- Eric... - Ela tenta o chamar quando ele começa a andar para outro local, mas ele não se vira e ela não insiste, o deixando ir embora e apenas inventando algo para Jax, que Eric tinha passado mal.

E tinha tido problemas até com Byul, surpreendente, por causa de ciúmes. Talvez não tão surpreendente, já que sabia que ela tinha ciúmes, mas achava que deixava claro que não tinha interesse no outro daquela forma. 

Talvez devesse melhorar sua comunicação. 

- Por que está escondida aqui? - Wheein a acha no almoço, trazendo um prato de comida e sentando perto da amiga, que estava mais isolada, nas tendas, onde ninguém ficava no almoço. 

- Ei. - Ela sorri. - como está? 

- Estou ótima. Esperando você me responder. - fala, sabendo que ela tentava desconversar. 

Aquilo serve para que a princesa suspire, mexendo com o garfo na comida. 

- É só... Eric e Byul. 

- Ah. Mas achei que não gostasse dele dessa maneira. 

- Eu não gosto! Mas ele não levou bem isso. E Byul viu ele tentando me beijar e ficou estressada. 

- Ah... problemas com ciúmes. Entendi. 

- Não é óbvio que eu não sinto nada por ele? Como ela pode achar que eu iria querer algo? Eu... estou com ela. 

- Bem, sabe como os homens confundem ser simpática com querer algo. E Byul... Talvez esteja insegura? Afinal, seria muito mais fácil para você estar com ele.

- Mas ele não me faz sentir como ela!

- É? E como ela faz você se sentir? - Wheein parecia até mesmo uma criança, esperando, expectante, sorrindo. 

- Ela... - Solar fica pensativa, tentando colocar em palavras tudo que sentia com Byul. - Especial. Como se eu fosse... única. E até... amada? - Ela cora com a última palavra, desviando o rosto. - Talvez eu esteja falando bobagens...

- Não está. O que mais?

- Quando... ela me toca, parece que meu corpo está em chamas. E tem sempre aquele frio na barriga, parece... que sempre quero mais. E realmente... sinto falta dela. Ainda mais agora, que não temos muito tempo juntas. 

- E já pensou no que mais quer? - Wheein parecia avaliativa. 

- Como assim? 

- Você é a princesa. Tem um reino para voltar. Uma guerra para vencer. Como Byul fica, no seu futuro? 

- Eu...

- O que quer dela? O que quer com ela? - Hyejin tinha a contato que tinha tido uma conversa do tipo com Byul, dias atrás e era hora de Wheein ter a mesma com Solar. Apenas uma pequena ajuda.

- Eu... - Ela fica um pouco quieta. - Seria egoísmo querer ficar com ela? Mesmo se mamãe não aceitar? 

- Princesa, sabe que amo sua mãe, mas é a sua vida também. Você nunca foi posta contra decisões fáceis mas nunca deixou de fazer o que queria. É quem você é, só porque ninguém fez até hoje, não quer dizer que não tenham que fazer. Talvez, como você, tenham medo.

- Eu quero... quero um futuro. Com ela. 

- E que tal a dizer isso então? 

- Vou... vou dizer.

- Fale. Antes que seja tarde. 

A princesa apenas sorri de maneira fraca. Talvez1 Wheein tivesse razão. E ela estava perdendo tempo. 

Por todos esses dias, dormiu com Byul, nos braços dela ou com ela nos braços. E foram as melhores noites que já teve. E não deixava de pensar que queria aquilo sempre. A segurança que sentia com ela, o... amor. 

A princesa já tinha pensado na palavra algumas vezes, mas a ignorava, com medo. Incerta. E se Byul não quisesse? Ou não sentisse o mesmo? Ou ainda... preferisse algo mais fácil que ela?

Tinha medo. Talvez o mesmo medo que ela sentiu com Eric e talvez fosse hora de fazer o que Wheein disse.

Já estavam na vila há vários dias e o tempo ali estava acabando. Tinham um bom conhecimento do que precisavam, e sabiam que precisavam voltar logo. 

Por ser um dos últimos delas, iriam comemorar. A festa é feita, as meninas tendo uma noite de folga, depois de tempos. Todos iriam. 

Quando já é passada a hora, Wheein e Hyejin já estavam prontas, apenas avisando a Solar e Byul que estavam indo. 

Hyejin até mesmo pisca para Solar e a princesa sabe que Wheein comentou com ela sobre a conversa que tiveram, e tem vontade de bater na outra. 

- Você está pronta? 

Byul pergunta, estando com sua roupa característica da vila, calças largas e camisa bufante, com o par de botas. Ela ainda não estava normal com Solar depois de Eric, mas tentava agir melhor. 

- Eu... ainda não. 

- Quer que te espere? 

- Na verdade... - Solar parecia nervosa, o que fez Byul franzir o cenho. Não era comum aquilo. 

- Você está bem? - Se aproxima, colocando a mão na testa dela. 

- Estou. É que eu queria... falar com você. 

Não estava febril. E assim que Byul percebe isso, recolhe a mão, subitamente nervosa. 

- Falar comigo? Sobre o que? 

- Byul... - A princesa se aproxima da porta da tenda, a fechando, precisando de alguns segundos virada para ter coragem. - Queria deixar umas coisas claras, que parece que não fiz esses dias. - Estava nervosa, as palmas suavam, o seu coração parecia fugir do peito. E até Byul parece ficar nervosa como ela. Solar teria que tomar a frente de seus sentimentos. - Eu... realmente, realmente... - Se aproxima de Byul, colocando as mãos perto da gola da camisa. - Gosto de você. - Ela parecia até mais tímida. Mesmo assim, se vira para Byul, firme. 

- Gosta? - as mãos dela vão para a cintura da outra. 

- Muito. Lembra o que me disse que foi fazer no castelo? 

- Disse que fui roubar o ouro, não um coração. 

- E eu disse que não estávamos mais no castelo. - Enquanto ela fala, se aproxima, mais e mais, até roçar as bocas. 

- Disse... 

- Fale de novo. 

- Fui até o castelo para roubar ouro, não um coração, princesa. 

- Mas você roubou o meu. O que vai fazer com ele? 

Byul acha que não ouviu direito. Era aquilo mesmo que tinha entendido? Yongsun,  a princesa, estava dizendo que Byul tinha o coração dela? 

Ela abre a boca, para falar, mas não consegue, interrompida por um beijo intenso de Solar que ela não se atreve a fazer nada além de corresponder. 

Solar a puxa para ela, pela camisa, a mantendo perto, enquanto Byul deixa uma mão em sua cintura e a outra sobe até a cabeça. 

- Byul... Eu quero você. Quero que me faça sua. 

Ouvindo aquelas palavras, Byul sente o corpo quase em chamas e pontadas em seu ventre. Mesmo assim, tenta ter um pouco de consciência ainda. 

- Você... tem certeza? - Pergunta, entre selinhos.

- Tenho como nunca tive. Quero ser sua, meu corpo e coração, e quero te fazer minha também. 

A ladra solta um suspiro alto, segurando um gemido com as palavras, tamanha emoção que a causavam. Por quanto tempo se segurou ou quis aquilo? 

As mãos de Solar trabalham, indo até o cós da calça dela e tirando a blusa presa. Byul ajuda, quase desesperada, enquanto faz o mesmo com a de Solar depois e suas mãos vão até as coxas dela, a trazendo para seu colo e Solar se arruma, prendendo suas pernas pela cintura de Byul. 

Quebrando o beijo, Byul vai até o pescoço dela, o enchendo de beijos e algumas mordidas, suas mãos passando por cada parte do corpo desnudo. 

- Byul... - Seu nome escapa como um gemido pela boca de Solar, quando atinge um certo ponto em seu pescoço, enquanto ela deixa a mão nos cabelos da ladra, a segurando. E Byul sente o corpo todo reagir ao suspiro dela. 

A ladra a deita, colocando no chão, ficando por cima dela e a olhava com tamanha intensidade e desejo, que Solar até mesmo fica vermelha, insegura. 

- Eu... nunca fiz isso antes. 

- Não tem problema. - Byul sorri, se aproximando do rosto dela. - Me deixe ser sua primeira, princesa. Primeira e única. 

- Primeira e única. 

Ela repete, com um suspiro, antes de a beijar, sentindo as mãos de Byul subirem por sua barriga e costas, como se decorassem cada parte com suas digitais, até chegarem a peça de roupa que cobria seus seios e abre o fecho. E Solar sente o coração bater em antecipação enquanto se livra da peça, Byul fazendo o mesmo com o dela, até estarem sem nada na parte de cima. 

Quando os seios se tocam, um suspiro é dado pelas duas, de puro prazer de se sentirem pele a pele, de ter a pessoa que ama com você. Sentimentos e hormônios. 

- Princesa... Yongsun... - Byul vai até o ouvido dela, sussurrando. - Eu roubei um coração, mas perdi o meu também, pois ele é seu. 

Um pequeno suspiro escapa de Yong, que sente seu corpo arrepiar com as palavras e pequena mordida que Byul da em sua orelha, mas ele logo se transforma em um gemido quando a mão da outra vai até seu seio, o apertando e acariciando.

- Byul... 

Sem controle, sua unha arranha as costas bem definidas, enquanto a outra puxa brevemente os cabelos e Byul a toma num beijo, as bocas digladiando enquanto os corpos se roçam e Solar sentia quase o corpo entrar em combustão. Como queria aquele toque, aqueles beijos, sentir Byul nela. 

Sua mão vai até a dela, a apertando em seu seio, enquanto a perna sobe pela dela, se entrelaçando no corpo dela. 

Tomando aquilo como indicação, Byul quebra o beijo, os descendo pelo pescoço e peito, até um dos seios dela, o excitando com beijos e sugadas. 

O corpo de Solar se arqueia, um ofegante e gemidos altos sendo soltos, enquanto ela chama pelo nome da outra. Até mesmo agradece por todos estarem na festa, pois não sabia se iria conseguir conter seus gemidos depois de tanto esperar aquilo. 

Solar estava rendida na mão e boca de Byul. Era a primeira vez que sentia tudo aquilo, o que fazia ter ainda mais prazer. Cada toque era novo e muito desejado. 

Mas Byul tomava seu tempo. Não que a ladra fosse tão experiente, tinha tido um ou outro caso pelos anos, mas nada demais. No entanto, buscava na outra o que a fazia se sentir bem. 

Depois de se segurar várias vezes, ela estava lá, com quem queria, como queria. Cada beijo era dado com volúpia, sua boca e mãos testando e se deliciando com Solar. Um seio, depois o outro, suas mãos indo até as coxas, por dentro da roupa, as mãos geladas em contraste com a pele dela, e Solar ofega e se mexe abaixo dela, tentando criar atrito entre elas. 

- Byul... por favor...

A voz era baixa e manhosa, conforme a princesa sentia mais excitação e queria apenas que Byul fosse logo até mais abaixo. 

Sentindo a necessidade dela, Byul sorri, voltando o rosto para perto do dela, apenas para se deleitar e suas bocas roçam enquanto a mão de Byul desce, passando por qualquer roupa e a toca em seu ponto mais íntimo. 

Um gemido alto escapou por Yongsun e Byul guarda cada reação em sua memória. Como o corpo dela espasma e se rende em sua mão, em como o rosto vai para trás com os olhos fechados  e a boca entreaberta com o gemido alto, as bochechas coradas, o corpo arqueado enquanto ela mexe o quadril, querendo mais. 

Solar estava excitada de uma maneira que nunca esteve antes e queria apenas conseguir deixar aquilo ir. No entanto, ainda se continha, talvez por uma vergonha de estar errada de alguma maneira. Mas Byul tinha tanta adoração no rosto, que ela apenas se entregava. 

- Você é tão linda... 

Ela sussurra, enquanto seus dedos deslizam pela excitação de Solar, a sentindo e trabalhando, cada gemido sendo melhor que qualquer ouro.

- Byul, por favor... eu preciso... 

As palavras eram incompletas e quase incoerentes, e Byul a beija antes de afastar a mão apenas para descer o corpo dela com beijos. Peito, seio, barriga. 

E conforme desce, Solar fica mais expectante, até mesmo levantando a cabeça, uma mão agarrada forte no lençol, a outra no ombro de Byul, a forçando para baixo. 

Mas ela leva seu tempo, tirando o resto de roupa de Solar e a sua, até arrumar as pernas da amada, as deixando abertas e deixa beijos pelas coxas.  

Byul confessa que a visão de Solar daquela maneira a excitou de maneira inimaginável, assim como o cheiro, sendo que a ladra soltava pequenos gemidos sozinhas de tanto querer aquilo. 

Ela ouve os pedidos de Solar e os atende, sua boca indo com beijos para o lado, até estar em cima do ponto de mais prazer dela. 

Quando Byul o beija, Solar sente o corpo arquear e tensionar mais, um gemido escapando, mas ela se impede de fechar os olhos, não querendo perder nenhum momento daquilo, enquanto Byul usa os dedos para a expor mais e os beijos se tornam se tornam sugadas e movimentos mais trabalhados.

O único momento em que ela se deixa ir para trás é quando ela sente os dedos de Byul dentro dela e Byul mesmo se perde nisso, tamanha sensação que a toma.

Solar não dura muito até que seu corpo tensione e de espasmos, nas mãos de Byul, que fica com os movimentos, até que sinta o corpo dela dar tudo que tinha. 

Quando termina, Byul se arruma, acima dela, deixando os seios colados de novo, enquanto a beija é Solar até mesmo se sente excitada de novo com o próprio gosto na boca de Byul. 

Quando a ladra quebra o beijo, fica sorrindo, com tamanha adoração que Solar se sente ainda mais amada. 

- Eu te amo. - ela confessa, com um selinho, e Solar apenas sabe sorrir, levando as mãos até o rosto dela. 

- Eu também te amo. Muito. - Ela ainda sorria. - Byul... me prometa. Que quando formos pra lá... isso ainda vai existir. 

- Eu prometo que enquanto me quiser, vou estar com você. Lutando, te amando. Não importa o que aconteça. 

Solar deixa seus lábios se roçarem, em beijos breves.

- Não quero ter que me casar se não for com você.

- Então não se case. Espere por mim. 

- Sempre vou. Eu prometo.

- E eu prometo que um dia vamos nos casar. 

A princesa sorri. 

- O que é isso? Acabou de me pedir em casamento, Byul? - Fala, com voz divertida, fazendo Byul rir, a dando um selinho antes de se virar a ela, se sentindo até mais ousada. 

- Parece que sim. Eu... Moon Byul, pedi a você, Kim Yongsun, para se casar comigo. O que me diz?

- Digo que mal posso esperar. - A princesa ri, dando um selinho. - Só me prometa agora que não vamos ficar tanto tempo sem fazer isso de novo. 

- Eu prometo. - Byul diz com um riso, enquanto a beija.

- Eu quero... ir em você. - Ela sussurra, até envergonhada e Byul sorri. 

- Será meu prazer, literalmente princesa. - Com o riso, Solar fica um pouco melhor enquanto a vira. 

- Se eu fizer algo errado... me avise. 

- Como quiser, princesa. 

É a última palavra de Byul, antes de um novo beijo, que dá vazão apenas a gemidos.

 

 

Preview do capítulo 15:

 

A princesa dava passos trôpegos pela areia, que se afundava sob seu pé, deixando ainda mais difícil o que fazia. O vento da noite era cortante, machucando seu rosto com suas lufadas de ar nas partes que não eram protegidas pela capa. 

Sua mão apertava firmemente sua barriga, onde sangrava, num corte largo. Ela não tinha noção de que hora era ou quanto tinha andado. Talvez devesse ter aceitado a oferta de Byul, para a ajudar...

Não, era sua jornada. Tinha que fazer aquilo sozinha e provar que conseguia. 

Mas os pensamentos não se firmavam em sua mente. Eram vagos, instantâneos. Até que seu corpo fraqueja e ela cai, sem forças, o vazio da inconsciência a chamando com voz melódica, até ela não ouvir mais nada.


Notas Finais


Todos vivos? O que acharam? Confesso que fico tímida KKKKKK (fica nada, Monise tímida? É uma safada isso sim!)
Mas enfim, espero que tenham gostado. Mas será que Byul não tem um dia de paz? Tadinha.

Aviso: tem apenas mais um pôster por motivos de: memória do celular da Izabella estourada demais pra fazer mais edições, mas queria muito fazer do Yumma, Jax, Maan e Eric (mesmo que o Eric não tenha fotos boas nem no pinterest KKKKK). Enfim, Eric da fanfic é meu bebezinho, mas meu moonsun é mais importante! Até terça.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...