1. Spirit Fanfics >
  2. A babá - ( Imagine Jungkook ) >
  3. O dia de sua cura... (HOT)

História A babá - ( Imagine Jungkook ) - Capítulo 11


Escrita por:


Capítulo 11 - O dia de sua cura... (HOT)


Fanfic / Fanfiction A babá - ( Imagine Jungkook ) - Capítulo 11 - O dia de sua cura... (HOT)

Busan, Coreia.

O dia em que S/N se curaria e perderia sua virgindade???


Depois do ocorrido de ontem, foi difícil pensar em qualquer outras coisa a não ser isso. Não conseguia dormir a noite, não comia direito, e pensava em oque eu podia fazer durante aquela noite... 

Nesse dia, de manhã eu iria cuidar da Min-Ji, e agiria normalmente com Jeon Jungkook, a tarde entregaria o anjinho à vovó, e a noite seria o dia em que aconteceria duas coisas muito importantes pra minha vida. 

Só quero que saiba, Jeon Jungkook, que eu aceitei por amor, não apenas pela minha doença, e espero que sinta...o mesmo. 

Eu estava indo até a Mansão Jeon, na porta sou recebida por Jungkook, que sorri e da espaço para mim. Min-Ji estava no sofá, assistindo desenho animado, mas quando me viu sua atenção saio completamente da tela a sua frente. Ela correu até mim, e eu me abaixei para abraçá-la, e assim eu fiz. 

— Bom dia, amor! — digo a abraçando e fazendo carinho em seus cabelos.

— Bom dia, tia! Quer? — diz colocando o pacote de Cookie em minha direção. 

— Não, obrigada, anjo! 

Se queria? Queria, porém não estava conseguindo digerir nada no momento. Pense, você está no mesmo cômodo do seu patrão, normal, não é? Porém, esse seu patrão é o cara que você vai ter relações sexuais — que sem sabe se é por amor — daqui a algumas horas. 

Pensar em outras coisas não era oque eu conseguia fazer agora. Com esses pensamentos, começo a pensar na probabilidade de esse sexo ser por amor. 

Jungkook é um homem bem fechado, os amores que ele teve na vida foram apenas paixonites, algo como “Uau, que bonita.” Mas nada como amor de verdade. Então, por quê isso aconteceria milagrosamente comigo? 

— Min-Ji, já está na hora de tomar seu banho, não é? — decido sair dos meus pensamentos e passar mais tempo com a Min-Ji. 

— Agora? — ela reclama.

— Sim, amor! Vamos agora. 

— Ok... 

Eu esquento um pouco a água, tiro as roupinhas dela e a coloco na água, banhando-a com delicadeza e paciência. Engraçado como todos os pensamentos ruins e que me afetam somem depois que passo o tempo com a Min-Ji, ela é mesmo um anjinho da guarda. 

Pego a toalha da garotinha e a tiro da banheira, era tão bom segurar aquela pequena no colo, é onde ela fica mais calma, mas não tanto quanto no colo do Jungkook, era um pai admirável. 

Levo a pequena para o quarto e a deixo sentada na cama ainda com a toalha, escolho uma roupinha simples e confortável, a visto brincando com a menor. 

Depois de arrumar a bebê, desço para a sala, onde ela assistiria desenhos novamente, e eu acompanharia. 

Min-Ji estava sentada no sofá, enquanto eu estava atrás do sofá com os cotovelos descansados lá, fazendo carinho em seus cabelos negros e macios. De repente sinto braços rodearem minha cintura e um queixo pousar meu ombro. Não sabia oque ele estava fazendo, mas só arruinou mais meus pensamentos. 

O medo de que Min-Ji virasse era grande, mas Jungkook não me soltava por nada, me pergunto o porque de estar fazendo isso. 

— Jeongguk...! — digo quase como um sussurro. 

O mesmo me vira para si, arrancando um beijo de mim, obviamente estás preocupada com a Min-Ji, separo meu rosto e dou um leve tapa na cara de Jungkook com um sorriso minino, ele por sua vez, apenas selou meu nariz com rapidez. 

Eu me viro com pressa, vendo Jungkook ir até minha frente e sentar-se no sofá ao lado da pequena Min-Ji, ele segurava suas mãozinhas fazendo um leve carinho. 

(...) 

Depois de uma manhã toda com um anjinho chamada Min-Ji, a tarde Jungkook a leveu para a casa de sua avó, com uma desculpa, ele disse que Min-Ji estava morrendo de saudades, até que funcionou. 

Eu estava no quarto do Jungkook mexendo no celular, esperando pelo momento... lá debaixo, ouço a porta principal ser aberta, Jungkook tinha chegado, só fez eu ficar mais nervosa...

Meu celular estava sem ser usado na minha mão esquerda, enquanto a outra mão estava com a unha do dedão em minha boca. Estava esperando só Jungkook chegar finalmente no quarto. E assim acontece... 

Ele adentrou o cômodo, sentando na poltrona do quarto dele. 

— Você se sente bem? Tem certeza de que quer isso? — Perguntou, pegando minha mão com delicadeza. 

— Se for pelo meu bem, sim. E você, tem certeza de que quer fazer isso também? 

— Tudo para você se sentir melhor... — não pude deixar de sentir uma pontada no coração, mas me mantive forte. 

— Tudo bem, então. 

O ar já estava ligado, as cortinas fechadas, estava tudo perfeito ali. Ele pensa um pouco, até levantar da poltrona sem soltar minha mão, colocando um de seus joelhos na cama, segurando minha nuca com a outra mão, e diz as seguintes palavras: 

Hoje é o dia de sua cura. 

Foi oque ele disse até roubar meus lábios para si, em um beijo mais intenso do que os outros — que foram poucos — oque me fez eu levar minha mão até a sua nuca. 

Seu beijo ganhava cada vez mais intensidade, até ele me deitar na cama com cuidado, era como se ele estivesse cuidando da própria Min-Ji... 

Sua mão que estava na minha solta, e vai até minha intimidade, massageando a região me tirando arfares entre o beijo, aqueles movimentos foram me ajudando a lubrificar o local. Suas pernas prenderam minha cintura, como uma armadilha, suas mãos passeiam pelo meu corpo, até ele descer seus beijos para meu pescoço, eu automaticamente tombo minha cabeça pro lado, soltando mais arfares pela massagem em minha intimidade. 

Minhas unham prensaram em suas costas, arranhando de leve o local, ele arranca meus lábios novamente, ele se senta na cama, meus olhos continuam fechados, ele pega minha duas pernas e coloca em cima de sua coxas fartas, ele começa a tirar meu vestido com cuidado, passando-os pelas minha pernas. Nesse momento o nervosismo vem, você não está acostumada a se despir na frente de uma pessoa... principalmente do sexo oposto. 

Eu estava com uma lingerie branca, ela era mais discreta — por minha parte — 

Eu estava de olhos fechados mas deu para sentir que ele já estava tirando as suas vestes. Ele ficou um tempo parado, até tirar a Lingerie de mim. Por impulso, encolho minhas pernas, juntamente de um arrepio. O mesmo solta um suspiro leve e puxa minhas pernas de volta para o lugar. 

Uau, eu já esperava que ele viesse logo com o pau pra dentro de mim, mas não... 

Ele começou a fazer uma massagem com a palma da mão, levando pra cima. 

— O-oque? — Abro meus olhos, assim podendo ver o quao grande ele era. 

— Já que é sua primeira vez, tem que ser com cuidado. — Diz com uma voz suave. 

As palmas de sua mão passavam por cima do meu clítoris, me causando arfares. Depois de um tempo com aquela massagem, ele se puxou para mais perto e avisou: 

— S/N, eu vou começar. — Eu apenas assinto. — Se doer, me avisa.

Ele deita sob mim, aproveitando para dar um selar na minha bochecha, sinto ele colocar a mão embaixo do travesseiro, e de lá tirando uma camisinha. Não pude deixar de dar um sorriso minino em perceber que o infeliz já tava se preparando. Ele coloca a camisinha no pênis e primeiramente pincela na minha entrada, e depois coloca ele inteiro pouco a pouco. 

Eu não estava nem um pouco acostumada com a dor, era como se estivesse me rasgando ao meio, meus olhos apertam, e lágrimas começam a sair. Sinto os dedos de Jeon limpando-as e quando menos percebo, ele já estou por completo e eu já estava me acostumando, então aquela dor, virou prazer. Paro de me contorcer na cama e Jeon percebe que ele já podia se movimentar, e assim ele faz. 

Ele fazia tudo com total cuidado, era uma coisa nova pra mim, e se Jeon Jungkook não teve literalmente um amor, eu sou a primeira dele? Ah, impossível, mas seria uma honra. Ele continuava com os movimentos, mas dessa vez um pouco mais rápido, ele apertava os olhos e tinha a boca em um perfeito “O” e eu fazia o mesmo. 

Os movimentos foram acelerando, nossos corpos faziam barulhos eróticos, os nossos gemidos ultrapassaram o som da central, que já não era o bastante para nossos corpos quentes. Depois de trinta estocadas, finalmente chegamos ao ápice, foi um perfeito gemido douradoro e arrastado. 

Jungkook se tirou de dentro de mim e se masturbou calmamente, com a recente expressão de prazer. Não posso falar que não foi incrível, pois foi, uma primeira vez carinhosa e cuidadosa, eu o agradeço por isso. 

Jungkook se deita sob mim, suas mãos vão para minhas costas e tiram o meu sutiã, que até ali, eu não percebi que não tinha tirado. Sua cabeça pousou no meu pescoço, onde dava pra sentir a sua respiração que estava se normalizando. Suas mãos faziam um cafuné e ali mesmo eu durmo. 

(...) 

Na mesma noite, 04:07.

Acordo com um pouco de frio e sede, Jungkook estava ainda sob mim, e eu não sabia com tirá-lo. Coloco meus braços pela sua costa e me viro pro lado, oque faz o mesmo deitar ao meu lado e me soltar, soltando um resmungo. Sentia minha intimidade um pouco melada, então vou até o banheiro com cuidado pra não acordar o mais velho, que claramente estava sentindo falta de alguém naquela cama. 

Com um papel higiênico, passo pela minha intimidade tirando a ejaculação dali, me deixando mais confortável. Como o chão inteiro do quarto do Sr. Jeon era carpete, então meus passos não fariam barulho. Paro para pensar um pouco e logo vem aquele peso na consciência de que vive perdeu a sua virgindade, mas eu gostei, foi algo importante tanto pra cura da “doença” quanto pro meu desenvolvimento. 

Me pergunto se ele não me rasgou ao meio com aquele tamanho.

Coloco um moletom grande que me cobriria até o começo das coxas, andando aquele quarto todo até encontrar onde aquele infeliz jogou minha calcinha. Depois de um bom tempo procurando, encontro-a e a visto. Não me preocupo com o sutiã já que meu seios são durinhos e perfeitamente redondos, então não iria marcar o moletom. Com cuidado, abro a porta e saio calmamente, andando pelos corredores até chegar na escada, e ir a encontro com a cozinha. Pego um copo de água e coloca água dentro (duh) ouço deslizes na barra da escada, já sabia quem era, provavel que eu não fui discreta o suficiente pra acordar ele.

O Sr. Jeon estava coçando os olhinho com uma calça moletom, por baixo dava pra ver a box do Kevin Clain um pouco acima da calça. Assim que me viu sorriu e veio até mim. Ele pegou minha cintura e me senta em cima do balcão. 

— Está tudo bem, sente alguma dor?

— Não, você cuidou muito bem de mim. — digo e coloco o copo com água do meu lado. 

— Que bom. — Ele sorri e se ergue um pouco pra me dar um beijo, e eu faço o mesmo. — Eu espero que você se recupere... 














Filho de uma mãe. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...