1. Spirit Fanfics >
  2. A Babá da Minha Filha ( KAI) >
  3. O abraço.

História A Babá da Minha Filha ( KAI) - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Voltei kk

Desculpa gente, estou trabalhando muito e também estava precisando de um tempo para mim.
Estou viciada em livros, sério só no começo de ano li praticamente 7 livros.
Eu estou aceitando indicação de livros em pode deixa nos comentários, Vou ler e também veio falar meu feedback sobre o livro que voce indicou.

Estou lendo agora no momento a saga Remy da katy evans.

Vamos deixar de enrolação e boa leitura.

Não revisado.
Desculpar qualquer erro de português.
Deixem seus comentários.

Capítulo 8 - O abraço.


Fanfic / Fanfiction A Babá da Minha Filha ( KAI) - Capítulo 8 - O abraço.

SAM

   A idiota da professora me olhou com olhos arregalados .

     - quem é você? Está louca gritando assim?

     - olha aqui, eu não vou aceitar que trate a minha menina assim está entendo?

   Ela ficar sem reação eu continuo.

     - Que bonito um velha desse tamanho humilhando um criança de três anos, mas isso não vai durar muito tempo, partir de agora a Minso não ficar mas aqui, e outra você vai ser demitida por justa causa pode ter certeza disso.

     - quem você pensa que é? Para falar assim comigo, sou estou ensinando essa fedelha como se faz o passo corretamente, não vou ser demitida até porque você não tem provar de nada que aconteceu aqui, vai ser sua palavras contra a minha.

   Eu me aproximo dela, olhando bem nos olhos da mesma.

     - Eu sou a babá dela, você não me conhece, mas você vai conhecer, prazer hoje eu virei o seu pior pesadelo.

   Me afasto, pego na mãozinha da Minso e vou em direção a saida.

   Se eu ficasse lá acabaria fazendo a cara daquela desgraçada se pano de chão, E perderia a minha razão.

   Levo a Minso para carro

    - Vitor leva a Minso para casa, vou precisa resolver um problema aqui.

    - aconteceu alguma coisa Sam?

     - infelizmente aconteceu, Mas em casa eu explico com calma.

   Minso ainda está com a carinha de choro, me abaixo e pergunto para mesma se ela quer um sorvete, ela faz que sim com a a cabeça outro lado da rua tem um sorveteria, então levou ela até lá e comprando um sorvete para de chocolate e o que ela gosta, coloco ela na cadeirinha do carro, dou um beijo na sua testa.

     - a Tia vai resolver um problema depois vou para casa tá bom.

   A mesma com a boquinha cheia de sorvete faz que sim com cabeça.

    - Vitor pedi para Ema faz algo para ela comer e arrumar ela depois chego lá, tenho que resolver algo bem sério aqui.

   Ele apenas balança á cabeça como positivo e entra no carro.

   Me sento em banco que tem perto da sorveteria e ligo para Jongin.

   Ligação

     - Oi Sam.

     - Oi Jongin, aconteceu uma coisa muito seria aqui escolinha de balé da Minso, tem como você vim aqui Agora se for possivel.

     - Aconteceu algo com a Minso? Ela está bem? Já estou indo.

     - infelizmente aconteceu, ela esta bem, quando você chegar vou lhe explicar tudo, vem rápido.

    - Já estou indo.

   Espero que ele não demore porque estou me segurando para não entrar lá de novo e meter a porrada na cara aquela desgraçada.

  JONGIN

   fiquei muito preocupado do jeito que Sam falou no celular, deve ter acontecido algo muito sério, sua voz estava estranha.

   Antes de sair, avisei para Eva que provavelmente não iria voltar mas, se tivesse algo para resolver que Junmyeon resolvesse.

(...)

   Assim que chego na frente da escolinha de balé, vejo de longe a Sam sentada em um banco, Vou até ela.

     - O que aconteceu? Pergunto.

   Ela suspira me entregar o celular e aperta o play.

Assim que começa o vídeo eu assisto a professora de balé humilhando a minha filha daquela forma, Uma criança de três anos que está apenas se divertido por que amar dança, sendo humilhada aquele jeito, faz meu coração explodir de raiva.


   Me levanto com tudo e vou em a caminho a sala do responsável da escolinha. Eu estava com tanta raiva que não quis sabe de bater porta e nada.

   Assim que entro vejo o diretor e essa professora, ela está sentada na frente dele, assim que eles me ver a professora ficar sem relação, logo em seguida a Sam entra.

     - deseja alguma coisa Senhora Kim para entrar na minha sala assim? Sem ser anunciado e desse jeito.

    - tenho certeza que se não fosse urgente não entraria assim.

     - vou deixa vocês conversando.
a professora diz

    - mas não vai mesmo, pode sentar aí e ficar quietinha. A Sam diz com a voz alterada, olho para ela e puxou seu braço, para ela ficar do meu lado não quero que ela faça uma besteira.

    - o que está acontecendo alguém pode me explicar. O homem de aparentemente de cinquenta anos pergunta.

    - o que aconteceu foi que a professora dessa escola estava humilhando a minha filha. Digo com voz claramente chateado e com raiva.

    - como assim? Ele olhar para professora, que faz cara de santa e quer chorar.

     - mentira isso Senhor Lee, essa aí que está evitando essa barbaridade de mim.

   Sam solta um riso super sarcástico, pega o celular e entrega já mão do diretor.

     - está aí o vídeo essa pessoa insignificante humilhando a Minso uma criança de três anos.

    Ele assistir tudo, e ficar sem reação, e olha para professora e diz.

    - você deve coragem de fazer isso com uma criança? Explique isso? Você falou que vinha a babá da pequena Kim Minso inventaria  mentira sobre você, mas vejo que tudo e verdade.

   Ela ficar em silêncio.

   Sam estava tremendo de tanta raiva eu ainda segurança seu braço até que mesma solta e diz.

     - primeiramente não tem nada para explicar, a Minso não estava querendo mas vim para aulas porque essa professora tratar ela mal, segundo vamos entrar com processo contra a escola e contra essa pessoa que não merece nem ser chamada de professora. O que ela fez foi maltrato contra uma de menor, isso é crime, e escola por não supervisionar seus empregados e não cuida do bem está das pessoas que fazem parte do seu conjunto de alunos. Não tem conversa e nem explicação, ela não tem o direito de fazer isso com nenhuma criança, já imaginou quantas criança essa pessoa já tratou mal? Você tem noção de como isso prejudicar o desenvolvimento mental e físico de uma pessoa, ainda mas de uma criança?

    A sala ficar em silêncio, Sam está apoiada com as duas mão na mesa falando tudo isso olhando diretamente no olhos do diretor, fiquei sem reação, todo nos ficamos o diretor e a professora estavam com olhos arregalados, Sam ainda estava com postura firme com olhos cheio de raiva.

      - Vamos acalma por favor, não vamos levar isso assim. diretor tenta amenizar tudo porém não tem como amenizar o que a minha filha sofreu.

      - Aclama nada, Sam está totalmente certo, Eu irei fazer isso pode ter certeza que vou fazer esse lugar fali, e você professora pode procurar outra profissão que você jamais vai voltar dar aula pode ter certeza disso. Só avisando que meus advogados vão vim aqui, Não vim conversar e sim só dar uma aviso. Com a minha filha ninguém mexe. Digo isso é pego na mão da Sam e vamos em direção da porta.

     - por favor senhor Kim não vamos ser radicais assim, vamos conversa entra em um acordo, Não sei qualquer coisa. Diretor tentar negociar.

    Mas nada vai mudar a minha decisão, Não dou a mínima para ele é vou seguindo para fora daquele lugar, se não acabaria fazendo coisas que tiraria a minha razão.


   Assim que chegamos no carro eu percebo que estou de mão dadas como a Sam, nem ela se tocou, solto a mão para entramos no carro.

     O silêncio ficar total, a gente estava com raiva, mas eu estava admirado como a Sam defendeu a Minso, como se fosse uma leoa que defende seu filhotes...

     SAM

   Eu estava com tanta raiva que nem mil copos de açúcar iria me acalma, era capaz de eu pegar um diabete do que conseguir me aclamar, no carro indo para casa, Jongin estava do mesmo jeito que eu, vejo que está tão chateado com tudo isso.

    Até que silêncio e preenchido pela voz de Jongin.

    - Obrigada, por defender a minha filha. Isso significar muito para mim e tenho certeza que para ela também.

   Ele diz olhando para trânsito, Eu ficou encarando esse homem lindo.

     - não precisa agradecer, Eu amo a Minso, jamais vou deixar alguém tratar ela mal ou fazer algo que a machuque.

   Ele me olhar rápido, me dá um sorriso de lado e voltar a presta atenção no trânsito.

   Assim que chegamos em casa a Minso pulou no colo do Pai e depois veio para meu.

   Minso só tem três anos mas é uma criança super inteligente, até demais.

   Jongin falar que vai trocar de roupa que ele não iria voltar a trabalhar, a pequena fica feliz, eu vou para cozinha enquanto a Minso ficar desenhado.

   Assim que chego na cozinha a Ema começa a fazer perguntas.

     - O que aconteceu? Vitor falou que você ficou lá na escolinha de balé a Minso chegou com carinha de quem chorou?

   Eu suspiro pesado e começou a conta o que aconteceu.

     - Então foi isso que aconteceu. Digo

     - como assim essa mulher estava fazendo isso com a minha criança, como é nome dela quem é ela? Vou dar um surra nessa desgraçada filha da puta.

     Dava pra ver a raiva no rosto da Ema, ela ficar xingando a mulher de tudo que palavrão, digo para explicar depois para Vitor já que ele não estava em casa.

   Ela faz alguns sanduíches para mim e pro Jongin.

    Não demora muito ele aparece na cozinha, com uma bermuda e uma camiseta, ele está descalço e com cabelo todo molhado, ele vem balançando os cabelos para mim aquela cena foi passada em câmera lenta, como um homem pode ser bonito desse jeito, ele lindo de terno é lindo desse jeito lindo assim com roupas normais. Percebo que estou encarando ele como uma boba e viro para comer.

    Ele senta do meu lado pega seu lanche.

     - Vai para sua casa hoje? Ele pergunta, hoje e sexta dia que vou para casa e voltou na segunda de manhã.

     - sim vou Sim, vai precisa de mim?

     - não vou precisar, pode ir tranquila.

   Jongin tinha o poder de me deixa nervosa mas ao mesmo tempo ele me deixava totalmente confortável do lado dele...

(... )

     Estava na sala brincando com Minso, Jongin parece.

     - Pai, vem cá por favor.
Ele vai até ela e senta do seu lado.

     - que foi meu amor? Ele pergunta.

     - Vamos brincar? Eu, você e a tia Sam?

     - claro, meu amor vamos.

    - ebaaa. - você será a Rei do Castelo, eu vou ser a princesa é a tia vai ser a Rainha.

Ela falar isso colocando as coroas que ela tinha nas mãos nas nossas cabeças.

  Minso amar esse mundo de princesa, Castelo, rei, rainhas. Ela e uma pequena tão sonhadora seu sorriso e radiante, sou apaixonada por essa criança.

Passamos o resto de dia brincando com ela, Ela estava muito feliz por seu pai está com ela hoje, jantamos e fui colocaram para dormir, Jongin recebeu um ligação urgente então foi para seu escritório.

- Princesa, a tia vai ficar uns dias sem ver você tá bom?

- Você vai me deixar Também? Ela pergunta com a carinha de choro.

Meu coração se apertou, Minso tão pequena e já sabe a dor de ser abandonada.

- Não não meu amor, Eu vou voltar na segunda, A tia vai para casa dela, um dia vou levar você lá tá bom, eu voltarei segunda e ficarei com você a semana toda.

Deu um abraço bem apertado nela, e fiz a mesma dormir.

(...)

Minso já tinha dormindo estava indo para minha bolsa, assim que desço a escada Jongin estava na sala sentado.

- Jongin, A Minso já está dormindo, Eu vou para casa agora, deixa tudo arrumado. Boa noite.

Peguei meu celular para chamar um táxi.

- Posso te levar? Ele pergunta.

Olhei para ele, não sei se deveria aceita.

- já está tarde, Vitor já foi dormir, Eu estou acordado não custa nada lhe deixa lá, assim você também não gasta dinheiro com táxi. Ele seu um sorriso de lado.

Será que vou me acostuma com esse sorriso?

- Tudo bem então.

O caminho de casa estamos tudo em silêncio, porém não era um silêncio desagradável e sim apenas silêncio, a presença do Jongin me deixa confortável, como nunca fiquem perto de alguém.

Até que ele quebra esse silêncio.

- Queria te agradecer. Ele me olhar e volta seu atenção pra frente - Você protegeu a minha filha, descobriu que ela não estava sendo bem tratada, ainda defendeu ela como uma leoa. Ele dá um sorriso sem mostra os dentes.

Ri do jeito que ele me chamou de leoa.

- não precisa agradecer, Eu amo a Minso, Ela é muito importante para mim, Não aceito ninguém trata ela mal, eu ainda me controlei, Eu queria e pega a cara aquela professora e fazer de pano de chão.

Só de lembrar um raiva sobe e tenho vontade de fazer isso de novo.

Ele soltar um gargalhada.

- Também sentir vontade de fazer isso, Eu já falei com meus advogados vão resolver tudo isso, Vou processar a escola e a professora. - Sabe Sam, nunca ninguém protegeu a minha filha assim, apenas eu, depois que Mãe dela abandonou a gente eu faço de tudo para cuidar dela, mesmo não conseguindo, me sentir o pior pai do mundo hoje, em não perceber que minha filha está sendo maltratada. Sua voz saiu triste. -  não é fácil tentar preenche a falta que Mãe dela faz, Eu sei que ela agora e um criança que não entende muito o que acontece, Mas eu ficou pensando daqui uns anos ela vai entender, meu medo que ela se sinta culpa porque a mãe foi embora e deixo ela para trás, mas não foi isso Sam, minha ex mulher e pior tipo de pessoa que existe e nunca me dei conta disso, Só depois de leva um belo par de chifre com meu melhor amigo depois se abandonado com um criança que nem tinha um ano ainda.

Sentir vontade de chorar, Jongin estava desabafando, Ele parar na frente da minha casa. Ele não me olha ficar com olhando todo tempo para frente.

Meu coração partir em ver ele assim, sempre tentar parece forte e feliz para filha, Mas não é fácil.

- Ei, Não sinta assim okay. Pego na mão dele, ele vira seu rosto para olhar para mim. - Jongin você é um pai maravilhoso, mesmo sendo um empresário super ocupado sempre arruma um tempo para cuidar da sua filha, Minso e um doce de criança e te ama muito, você é melhor pai que Minso poderia ter, em relação a mãe dela, Não esconda nada dela, falar tudo, Minso merece saber que tipo de mulher a mãe dela, não sei como alguém tem coragem de falar um criança para trás, Minso e tudo que um mãe deseja ter, Mas ela tem você que herói dela.

Dou um sorriso para Ele, que ficar me encarando por um longo tempo. Ele me olhando assim faz um coração bater rápido, ficou nervosa e com rosto corado, olhar dele e tão intenso mesmo não querendo, tudo nesse homem parece ser intenso.

- eee... eu tenho que entrar, mas Obrigada pela carona.

Saiu do carro.

   Jongin

Assim que Sam sair do carro eu também saiu.

- Sam.

- Oi?

- Posso te pedir uma coisa? Pergunto.

- Claro, o que voce deseja ?

Chego bem perto dela, e dou um abraço nela.

- Um abraço, me dar um abraço. Digo bem perto do seu ouvido.

A mesma demora um pouco mas logo retribui o meu abraço.

Seu perfume doce tão gostoso de sentir, meu nariz está no seu pescoço não me controlo e a cheiro, um cheiro tão mas tão bom, seu abraço é apertado e reconfortante....

Nunca me sentir assim.

- Sam. Uma voz masculina a chamar e nós afastamos.

- Baekhyun. Ela diz com um sorriso no rosto, não sei o motivo mas não gostei do sorriso que ela ofereceu para ele.


Notas Finais


Eae que acharam?

Minso você tem uma leoa para lhe proteger rs.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...